raciocínio lógico para concursos públicos.

September 9, 2017 | Author: CHACORJ | Category: Logic, Proposition, Truth, Formalism (Deductive), Logical Expressions
Share Embed Donate


Short Description

Excelente material para pesquisa, principalmente para quem está se preparando para concurso público....

Description

1

Rua Tabajaras, 669 – Centro – Tupã – SP - CEP: 17601-120 – Tel.: (14) 3441-1208 Direção: Andréia Agostin e Márcio André Emídio. Capa: Mayke Valentin

Bertolini, Wagner Luiz Heleno. Raciocínio Lógico para concursos. Teoria e Questões comentadas – Wagner Bertolini – 1ª Edição Tupã – SP – Maxi Educa, 2014. 344p. – 21x30cm. Inclui Bibliografia. ISBN: 978-85-68862-00-1 1. Raciocínio Lógico-Matemático. 2. Lógica Sequencial. 3. Raciocínio Lógico Dedutivo. 4. Raciocínio Lógico Verbal

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS -

É proibida a reprodução, salvo pequenos trechos, mencionando-se a fonte. A violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610/98) é crime (art. 184 do Código Penal). Depósito legal na Biblioteca Nacional, conforme o Decreto nº 1.825, de 20/12/1907.

O autor é seu professor; respeite-o: não faça cópia ilegal

www.maxieduca.com.br

2

Olá caro aluno e concursando(a), Seja muito bem-vindo(a) ao meu curso de raciocínio lógico. Este curso tem por finalidade fornecer um bom embasamento para que você possa fazer diversas provas de concursos públicos e obter excelentes resultados. Você deve muito bem saber que esta disciplina está presente em praticamente todos os concursos públicos do país. Pretendo desenvolver um curso que seja, além de abrangente, um curso atualizado (questões recentes e que praticamente não se encontram suas resoluções com facilidade), com resoluções feitas passo a passo, visando facilitar seu entendimento e evitar, assim, que você tenha que recorrer a livros, etc. Você irá perceber que emprego uma linguagem bem simples, leve, objetiva. Pois, creio que quanto menos complicar nas resoluções melhor para a sua aprendizagem. Observará, também, que em muitas questões eu sei que existem relações ou equações matemáticas que possibilitaria a você resolver as questões de uma forma até mais rápida. Porém, o objetivo do curso também é ampliar sua forma de raciocinar, sem a necessidade de decorar tais fórmulas ou equações, eliminando-as o máximo possível das resoluções das questões ora realizadas. Este curso servirá para você conhecer os diversos estilos das diferentes bancas de concursos. Isto é muito importante. Normalmente as bancas possuem um estilo próprio de questionar os diferentes tópicos da disciplina. Além de empregarem uma linguagem muito particular, o que pode trazer uma maior segurança quando da resolução de questões de provas feitas por estas diferentes bancas.

Wagner Bertolini

3

1. Lógica Proposicional .............................................................................................................. 1 2. Proposições Simples e Compostas: Estudo dos Conectivos Lógicos..................................... 5 3. Estudo Da Tabela-Verdade .................................................................................................... 8 4. Tautologia, Contradição e Contingência .............................................................................. 20 5. Negação: Leis de Morgan .................................................................................................... 27 5.1. Outras Formas de Negação .............................................................................................. 33 6. Equivalência ........................................................................................................................ 40 7. Argumentação ..................................................................................................................... 48 8. Diagramas Lógicos .............................................................................................................. 70 9. Lógica de Primeira Ordem ................................................................................................... 89 10. Verdades e Mentiras ........................................................................................................ 102 11. Associação Lógica ........................................................................................................... 111 12. Raciocínio Sequencial; Orientação Espacial e Temporal ................................................. 134 13. Questões Complementares.............................................................................................. 147

1. Lógica Proposicional

Breve Introdução Não há um consenso quanto à definição da lógica, mas alguns autores a definem como o estudo dos processos válidos e gerais pelos quais atingimos a verdade, inclusive pelo estudo dos princípios da inferência válida. É a Ciência que expõe as leis, modos e formas do conhecimento científico. É uma ciência formal que se dedica ao estudo das formas válidas de inferência. Trata-se, portanto, do estudo dos métodos e dos princípios utilizados para distinguir o raciocínio correto do incorreto. A lógica foi criada por Aristóteles, no século IV a.C., como uma ciência autônoma que se dedica ao estudo dos atos do pensamento (Conceito, Juízo, Raciocínio, Demonstração) do ponto de vista da sua estrutura ou forma lógica, sem ter em conta qualquer conteúdo material. É por esta razão que esta lógica aristotélica se designa também por lógica formal. Segundo os registros foi Aristóteles quem sugeriu o silogismo como sendo o argumento válido. Aristóteles é considerado o pai da lógica formal. Conceito de proposição Vamos a um conceito básico, em função de ter encontrado diversos conceitos: ―Chama-se proposição toda oração declarativa que admite um dos dois valores lógicos: Falso (F) ou Verdadeiro (V), mas não as duas valorações”. Em função de ser uma oração é esperado que apresente, portanto, sujeito e predicado. A expressão: ―As belas ruas de paralelepípedo de Ribeirão Preto‖ NÃO constitui uma proposição devido à ausência de predicado. Como anteriormente mencionado a oração é declarativa. Portanto, teremos alguns tipos de expressões que NÃO serão proposições, por serem do tipo imperativo, interjeições, exclamativa, interrogativas, indefinidas (abertas). Desta forma, não são proposições expressões do tipo: a) Que bela manhã! (exclamativa). b) Quer uma xícara de café? (interrogativa). c) Pare!!! (imperativa – indica ordem). d) Feliz Natal!. (optativa – exprime desejo). e) Ele foi o melhor jogador do campeonato. (Sentença aberta; não se sabe quem é ―ele‖ e, assim, não podemos valorar tal expressão). Veja algumas frases que são proposições (aquelas que podemos valorar em verdadeira ou falsa) a) A lua é o único satélite do planeta Terra (V) b) A cidade do Recife é a capital do estado do Maranhão. (F) c) O número 612 é ímpar (F) d) A raiz quadrada de dois é um número irracional (V) Mas, uma proposição pode ser qualquer outro tipo de expressão, tais como as matemáticas, conjunto de símbolos que possuam um significado, e que pode ser valorada em verdadeiro ou falso. Exemplo: 4 > 7 Estamos afirmando que o número quatro é maior que o número sete. Temos, neste caso, símbolos numéricos, o que ainda assim nos permite dizer que isto é uma proposição. No caso, é uma proposição falsa. Veja o exemplo: x - 8 = 0

1

Não podemos valorar esta expressão em verdadeiro ou falso, simplesmente porque não se conhece o valor de x. Se x valer oito, teremos x – 8 = 0. Porém, para qualquer outro valor de x que não seja oito, a igualdade acima está errada. Sendo ―x‖ uma variável, pode assumir inúmeros valores. Quando a expressão apresentar uma variável, nós dizemos que ela é uma sentença aberta. Isto nos impede de julgá-la em verdadeira ou falsa. Logo, não é proposição. Em algumas situações teremos expressões que serão denominadas paradoxos. E estas não podem ser valoradas em falsa ou verdadeira porque teríamos uma situação de contradição. Veja a seguinte frase: Um meliante declara à polícia: ―Eu sou mentiroso‖. Isto não pode ser uma proposição lógica, pois, se consideramos que o meliante disse a verdade, então é verdade que ele é um mentiroso e, portanto, sendo um mentiroso ele não pode declarar uma verdade. Contradição! Resumindo: Não são proposições: frases exclamativas, interrogativas, opinativas, as expressões de desejo, as expressões de sentimentos, as interjeições, orações imperativas, e aquelas que contenham variáveis (sentenças abertas). A partir daí, podemos encontrar alguns princípios que devem sempre ser observados: 1) Princípio da Identidade: Uma proposição verdadeira é sempre verdadeira. Uma proposição falsa é sempre falsa. 2) Princípio da não-contradição: Uma proposição não pode ser verdadeira e falsa simultaneamente. 3) Princípio do Terceiro Excluído: Uma proposição só pode ter dois valores lógicos, isto é, é verdadeira (V) ou falsa (F), não podendo ter outro valor. Não há meio termo. Questões 01. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) Segundo a lógica aristotélica, as proposições têm como uma de suas propriedades básicas poderem ser verdadeiras ou falsas, isto é, terem um valor de verdade. Assim sendo, a oração ―A Terra é um planeta do sistema solar‖, por exemplo, é uma proposição verdadeira e a oração ―O Sol gira em torno da Terra‖, por sua vez, é uma proposição comprovadamente falsa. Mas nem todas as orações são proposições, pois algumas orações não podem ser consideradas nem verdadeiras e nem falsas, como é o caso da oração: (A) O trigo é um cereal cultivável de cuja farinha se produz pão. (B) Metais são elementos que não transmitem eletricidade. (C) Rogai aos céus para que a humanidade seja mais compassiva. (D) O continente euroasiático é o maior continente do planeta. (E) Ursos polares são répteis ovíparos que vivem nos tópicos. 02. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) Um dos princípios fundamentais da lógica é o da não contradição. Segundo este princípio, nenhuma proposição pode ser simultaneamente verdadeira e falsa sob o mesmo aspecto. Uma das razões da importância desse princípio é que ele permite realizar inferências e confrontar descrições diferentes do mesmo acontecimento sem o risco de se chegar a conclusões contraditórias. Assim sendo, o princípio da não contradição (A) fornece pouco auxílio lógico para investigar a legitimidade de descrições. (B) permite conciliar descrições contraditórias entre si e relativizar conclusões (C) exibe propriedades lógicas inapropriadas para produzir inferências válidas. (D) oferece suporte lógico para realizar inferências adequadas sobre descrições. (E) propicia a produção de argumentos inválidos e mutuamente contraditórios. 03. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) Detectar narrativas mentirosas é uma tarefa cognitiva muito árdua que envolve o raciocínio lógico e informação sobre os acontecimentos em questão. Mas quando se tem informações limitadas sobre os acontecimentos, o raciocínio lógico desempenha um importante papel para a detecção de narrativas mentirosas. Isto ocorre porque. 2

(A) os acontecimentos aparecem em sua sequência temporal ao observador atento. (B) o uso do raciocínio lógico permite frequentemente detectar inconsistências. (C) o raciocínio lógico em nada contribui para reconhecer narrativas mentirosas. (D) a detecção de narrativas mentirosas é uma tarefa cognitiva muito fácil. (E) a falsidade da narrativa é sempre evidente sem necessidade de raciocinar. 04. MRE 2008 [CESPE] (MODIFICADO) Proposições são sentenças que podem ser julgadas como verdadeiras — V —, ou falsas — F —, mas não cabem a elas ambos os julgamentos. Julgue os itens abaixo: 1. Considere a seguinte lista de sentenças: I - Qual é o nome pelo qual é conhecido o Ministério das Relações Exteriores? II - O Palácio Itamaraty em Brasília é uma bela construção do século XIX. III - As quantidades de embaixadas e consulados gerais que o Itamaraty possui são, respectivamente, x e y. IV - O barão do Rio Branco foi um diplomata notável. Nessa situação, é correto afirmar que, entre as sentenças acima, apenas uma delas não é uma proposição. 05. (ICMS-SP/2006/FCC) Das cinco frases abaixo, quatro delas têm uma mesma característica lógica em comum, enquanto uma delas não tem essa característica. I. Que belo dia! II. Um excelente livro de raciocínio lógico. III. O jogo terminou empatado? IV. Existe vida em outros planetas do universo. V. Escreva uma poesia. A frase que não possui essa característica comum é a a) I. b) II. c) III. d) IV. e) V. 06. (TCE-PB/2006/FCC) Sabe-se que sentenças são orações com sujeito (o termo a respeito do qual se declara algo) e predicado (o que se declara sobre o sujeito). Na relação seguinte há expressões e sentenças: 1. Três mais nove é igual a doze. 2. Pelé é brasileiro. 3. O jogador de futebol. 4. A idade de Maria. 5. A metade de um número. 6. O triplo de 15 é maior do que 10. É correto afirmar que, na relação dada, são sentenças apenas os itens de números. a) 1, 2 e 6. b) 2,3 e 4. c) 3,4 e 5. d) 1, 2, 5 e 6. e) 2, 3,4 e 5. 07. (PM-BA 2009/FCC) Define-se sentença como qualquer oração que tem sujeito (o termo a respeito do qual se declara alguma coisa) e predicado (o que se declara sobre o sujeito). Na relação que segue há expressões e sentenças: 1. Tomara que chova! 2. Que horas são? 3. Três vezes dois são cinco. 4. Quarenta e dois detentos. 5. Policiais são confiáveis. 6. Exercícios físicos são saudáveis. 3

De acordo com a definição dada, é correto afirmar que, dos itens da relação acima, são sentenças APENAS os de números. (A) 1 3 e 5. (B) 2, 3 e 5. (C) 3, 5 e 6. (D) 4 e 6. (E) 5 e 6. Respostas 1 - Resolução: Não pode ser uma proposição se não for uma afirmativa, pois, as afirmativas podem ser valoradas em V ou F. Vamos analisar as alternativas: (A) O trigo é um cereal cultivável de cuja farinha se produz pão. (é proposição) (B) Metais são elementos que não transmitem eletricidade. (é proposição) (C) Rogai aos céus para que a humanidade seja mais compassiva. (Expressa um desejo. Não pode ser valorado. Não é proposição) (D) O continente euroasiático é o maior continente do planeta. (é proposição) (E) Ursos polares são répteis ovíparos que vivem nos tópicos. (é proposição) 2 - Resolução: Este princípio propicia suporte lógico para realizar inferências adequadas sobre descrições. Pois se houver contradição não teríamos como definir valores lógicos às descrições. 3 - Resolução: O raciocínio logico permite detectar argumentos inválidos e inconsistências em determinadas descrições em narrativas. 4 - Resolução. A sentença I é uma pergunta. Não pode ser julgada em verdadeiro ou falso, não sendo classificada como proposição. Na sentença II temos uma expressão de opinião sobre o Palácio do Itamaraty. Alguém está dizendo expressando sua opinião de que o Palácio é belo. Não é proposição. Na sentença III, temos duas variáveis (x e y). Quando temos variáveis, trata-se de uma sentença aberta, que não pode ser julgada em verdadeira ou falsa. Logo, não é uma proposição. Na sentença IV, temos outra expressão de opinião. Também não é proposição. Gabarito: errado. 5 - Resolução: A frase I é exclamativa. A frase II não possui predicado, não sendo assim uma oração. A frase III é interrogativa e a frase V é imperativa. Portanto a característica comum entre as frases I, II, III e V é que elas não são proposições. A única proposição é a frase IV, pois é uma oração declarativa, que podemos classificar em V ou F, apesar de não sabermos o seu valor lógico. 6 - Resolução: As frases 1, 2 e 6 têm sujeito e predicado. São, portanto, sentenças. As frases 3,4 e 5 não possuem sentido completo. Não são sentenças. Resposta A 7 - Resolução: 1. Tomara que chova! (exclamativa) 2. Que horas são? (interrogativa) 3. Três vezes dois são cinco (proposição). 4. Quarenta e dois detentos.(sem predicado) 5. Policiais são confiáveis. (proposição) 4

6. Exercícios físicos são saudáveis. .(proposição) Resposta: C.

2. Proposições Simples e compostas: Estudo dos Conectivos Lógicos

Estudo das proposições simples e compostas Os lógicos procuraram combater as limitações da lógica clássica e encontrar uma linguagem artificial, simbólica e altamente abstrata, na qual se define rigorosamente o significado de cada símbolo e o conjunto das regras que permitem relacioná-los de um modo tão rigoroso como aquele que é característico do cálculo matemático. Foi assim que se foi constituindo a lógica moderna ou logística que dispõe de: - um conjunto de símbolos formais, constantes e variáveis; - regras de combinação desses símbolos entre si; - regras de transformação dessas combinações elementares de símbolos. Seguindo, analisando as proposições, percebemos que estas podem ser classificadas como simples ou atômicas; compostas ou moleculares. As proposições simples não contêm nenhuma outra proposição fazendo parte integrante de si mesmas, ou seja: elas não podem ser divididas em outras proposições menores. Veja o exemplo abaixo: p: Marcela é auditora q: Paulo é bancário r: Wagner é professor As proposições compostas são formadas por duas ou mais proposições ligadas por meio de determinadas palavras ou expressões a que chamamos operadores ou conectivos lógicos. As proposições simples combinam-se com outras, ou são modificadas por alguns operadores (conectivos), gerando novas sentenças chamadas de moleculares. Quando juntamos duas ou mais proposições simples, formamos outra proposição, maior, chamada de proposição composta. Geralmente simbolizamos as proposições simples por letras minúsculas e as proposições compostas por letras maiúsculas do alfabeto. O que são os Conectivos? Definimos os conectivos como aquelas expressões lógicas que permitem ligar entre si várias proposições simples, obtendo proposições complexas cuja verdade ou falsidade estarão dependentes da verdade ou falsidade das proposições iniciais e da natureza dos conectivos envolvidos. Toda a proposição interligada por conectivos também terá um valor lógico (V/F). Os conectivos serão representados nas proposições compostas das seguintes formas: - Conjunções: a ∧ b (lê-se: a e b) - Disjunções inclusivas: a ∨ b (lê-se: a ou b) - Disjunções exclusivas: a V b (lê-se ―ou a ou b‖ ( u m a c o i s a o u o u t r a ) - Condicionais: a → b (lê-se: se a então b) - Bicondicionais: a ↔ b (lê-se: a se somente se b) Além disso, é importante saber que existe a negação, que pode ser simbolizada por ―~‖ (til) ou por ―¬‖ (cantoneira), além da equivalência entre proposições, representadas pelo símbolo ≡ ou ⇔. Cuidado: Várias questões de prova pedem que se ―converta‖ uma frase escrita para a simbologia lógica, ou vice versa. Por isto, é importante que, inicialmente, você se familiarize com estas formas de representação. Muitas bancas (principalmente CESPE) utilizam apenas esta forma de linguagem em algumas questões. Vejamos alguns exemplos: 5

Considere as seguintes proposições lógicas representadas pelas letras P, Q, R e S: P: Nesse país o direito é respeitado. Q: O país é próspero. R: O cidadão se sente seguro. S: Todos os trabalhadores têm emprego. Considere também que os símbolos ― ∨ ‖, ― ∧ ‖, ― → ‖ e ― ¬ ‖ representem os conectivos lógicos ―ou‖, ―e‖, ―se, então‖ e ―não‖, respectivamente. Com base nessas informações, julgue os itens seguintes. 1. A proposição ―Nesse país o direito é respeitado, mas o cidadão não se sente seguro‖ pode ser representada simbolicamente por P ∧ (¬R). 2. A proposição ―Se o país é próspero, então todos os trabalhadores têm emprego‖ pode ser representada simbolicamente por Q→S. 3. A proposição ―O país ser próspero e todos os trabalhadores terem emprego‖ é uma consequência de, ―nesse país, o direito ser respeitado‖ pode ser representada simbolicamente por (Q ∧ R) → P. Resolução. Primeiro item. Temos: ―Nesse país o direito é respeitado, mas o cidadão não se sente seguro‖ Vamos colocar parênteses para delimitar as proposições simples: (Nesse país o direito é respeitado), mas (o cidadão não se sente seguro) As duas parcelas são unidas pela palavrinha ―mas‖, que acrescenta uma informação. Ela tem um papel análogo ao do ―e‖. É como se afirmássemos que o direito é respeitado e o cidadão não se sente seguro. Além disso, vemos que a segunda parcela apresenta uma negação. Portanto, a proposição mencionada pode ser representada por: P ∧ (¬R). Item certo Segundo item. A sentença é: Se (o país é próspero), então (todos os trabalhadores têm emprego). Em símbolos: Q → S Item certo Terceiro item. A proposição é: ―O país ser próspero e todos os trabalhadores terem emprego‖ é uma consequência de, ―nesse país, o direito ser respeitado‖. Vamos usar parênteses para delimitar as proposições simples: ((O país ser próspero) e (todos os trabalhadores terem emprego)) é uma consequência de, (nesse país, o direito ser respeitado). A expressão ―é uma consequência‖, remete ao condicional (se, então). Podemos reescrever a frase assim: Se (nesse país, o direito é respeitado), então ((o país é próspero) e todos os trabalhadores têm emprego)). Em símbolos, ficamos com: P → (Q ∧ S) Não foi essa a simbologia indicada pelo enunciado. Item errado. Gabarito: certo, certo, errado Exemplo: Julgue os itens a seguir: 1. A proposição ―Tanto João não é norte-americano como Lucas não é brasileiro, se Alberto é francês‖ poderia ser representada por uma expressão do tipo P → [(¬Q) ∧ (¬R)].

6

Resolução: Nesta proposição temos um condicional escrito em ordem inversa. Colocando na ordem normal, temos: Se (Alberto é francês), então (João não é norte-americano) e (Lucas não é brasileiro). Vamos dar nomes às proposições simples: P: Alberto é francês Q: João é norte-americano R: Lucas é brasileiro A simbologia para a proposição composta ficaria: P → [(¬Q) ∧ (¬R)] Que é exatamente o que afirmou o item. Gabarito: Certo Questões 01. (TJ/SE – Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade Programação de Sistemas – CESPE UNB/2014) Julgue o item que segue, relacionado à lógica proposicional. A sentença ―O reitor declarou estar contente com as políticas relacionadas à educação superior adotadas pelo governo de seu país e com os rumos atuais do movimento estudantil‖ é uma proposição lógica simples. (Certo) (Errado) 02. (TJ/SE – Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade Programação de Sistemas – CESPE UNB/2014) Julgue o item que segue, relacionado à lógica proposicional. A sentença ―O sistema judiciário igualitário e imparcial promove o amplo direito de defesa do réu ao mesmo tempo que assegura uma atuação investigativa completa por parte da promotoria‖ é uma proposição lógica composta. (Certo) (Errado) 03. (TJ/SE – Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade Programação de Sistemas – CESPE UNB/2014) Julgue o item que segue, relacionado à lógica proposicional. A sentença ―A crença em uma justiça divina, imparcial, incorruptível e infalível é lenitivo para muitos que desconhecem os caminhos para a busca de seus direitos, assegurados na Constituição‖ é uma proposição lógica simples. (Certo) (Errado) Respostas 1 – Resolução: Esta proposição é composta e do tipo conjunção, devido ao uso do conectivo ―e‖, unindo as duas parcelas. Vejam: p = ―O reitor declarou estar contente com as políticas relacionadas à educação superior adotadas pelo governo de seu país ‖ q = ―com os rumos atuais do movimento estudantil‖ O reitor está contente com a política educacional E com os rumos do movimento estudantil. Resposta: Errado. 2 – Resolução: É uma proposição simples. Não é um conectivo o ―e‖ apresentado no trecho ―sistema judiciário igualitário e imparcial....‖. Resposta: Errado. 3 – Resolução: É uma proposição simples. Não é um conectivo o ―e‖ apresentado no trecho ―divina, imparcial, incorruptível e infalível....‖. Temos uma única afirmativa nesta frase. Resposta: Certo.

7

3. Estudo da Tabela Verdade Tabela-verdade das proposições simples Aqui não temos problemas. A coisa é bem óbvia. Uma proposição ―p‖ pode admitir apenas um dos dois valores lógicos possíveis: V ou F. Vejamos como ficaria em duas possibilidades: p é verdadeiro ~p é falso. Ou p é falso ~p é verdadeiro. Portanto, não temos muito com o que nos preocupar com proposições simples. Mas estas proposições simples podem estar conectadas, através dos conectivos lógicos já estudados, formando proposições compostas. Estas merecem muita atenção quando do seu estudo. É o que veremos a seguir. Tabela-verdade das proposições compostas A tabela-verdade é uma tabela em que combinamos todas as possibilidades das proposições simples para ver quais são os resultados das proposições compostas. A tabela-verdade, como se sabe, é um instrumento eficiente para a especificação de uma composição de proposições. A seguir trabalharemos com a tabela-verdade dos conectivos aqui tratados, explicando suas possibilidades. Antes de iniciarmos é interessante se conhecer quantas linhas irão compor a tabela-verdade de qualquer tipo de conectivo. Para isto, devemos usar uma expressão matemática, onde x é o número de linhas da tabela-verdade e n é o número de proposições simples: X = 2n Ou seja: se tivermos uma proposição simples teremos duas possibilidades; V ou F. Mas se tivermos duas proposições termos 4 possibilidades, conforme esquema abaixo: X = 22 = 4 p V V F F

q V F V F

Estas opções são decorrentes das possíveis ―combinações‖ ente as proposições. Uma dica para montar a tabela-verdade é sempre colocar para p (no caso de 2 proposições) VV, FF e depois colocar alternados V e F para a proposição q.

8

Veja: Se tivermos 3 proposições teremos X = 23 = 8. Ou seja: 8 linhas na tabela-verdade. E como montála? Simples! Divida o total ao meio (8 dividido por 2 = igual a 4) e este valor será o número de repetições dos valores lógicos V e depois, F, para a primeira proposição. Depois, diminua sucessivamente ao meio este valor obtido para as demais proposições, alternando-as. Veja: 4, 2, 1 (uma progressão). p V V V V F F F F

q V V F F V V F F

r V F V F V F V F

Observou? p 4 em 4, q de 2 em 2 e r alternados. Veja as possibilidades:

Caso tenhamos quatro proposições a tabela-verdade terá X = 24 = 16 linhas. Divida o total ao meio (16 dividido por 2 = igual a 8) e este valor será o número de repetições dos valores lógicos V e, também, a quantidade de valores correspondentes a falsos (F) para a primeira proposição. Depois, diminua sucessivamente ao meio este valor obtido para as demais proposições, alternando-as. Veja: 4, 2, 1. Vamos montar a tabela-verdade?

9

p V V V V V V V V F F F F F F F F

q V V V V F F F F

r V V F F

s V F

Observe que eu intencionalmente, desta vez, não completei a tabela. Deu para perceber que existe uma alternância nos valores V e F, em proporção? Vale ressaltar que é muito raro aparecerem 4 proposições nas questões dos concursos públicos. Geralmente aparecem duas e, menos frequente, três proposições. Porém, é importante que você saiba como montar a tabela. Você verá que, com a prática, esta tabela NÃO precisará ser montada, principalmente para não se perder tempo na resolução das questões. Porém, é preciso saber como montá-la, para analisar as possibilidades das interpretações. Tabela-verdade das conjunções e seus significados Proposições compostas em que está presente o conectivo “e” são ditas conjunções. Simbolicamente, esse conectivo pode ser representado por ―^‖. Se tivermos a sentença: ―Sílvio é feirante e Dulce é médica‖ Poderemos representá-la apenas por: p uma das proposições e q a outra, onde: p = Sílvio é feirante q = Dulce é médica. Como se revela o valor lógico de uma conjunção? Da seguinte forma: uma conjunção só será verdadeira, se ambas as proposições simples componentes forem também verdadeiras (veja o nome: Conjunção ou proposição conjuntiva e as respostas Conjuntamente verdadeiras). Então, diante da sentença ―Sílvio é feirante e Dulce é médica‖, só poderemos concluir que esta proposição composta é verdadeira se for verdade, ao mesmo tempo, que ―Sílvio é feirante e que Dulce é médica‖. Pensando pelo caminho inverso, teremos que basta que uma das proposições componentes seja falsa, e a conjunção será, toda ela, falsa. Obviamente que o resultado falso também ocorrerá quando ambas as proposições componentes forem falsas. Essas conclusões todas as quais acabamos de chegar podem ser resumidas em uma tabela-verdade, de fácil construção e de fácil entendimento. Veja as nossas premissas: p = Sílvio é feirante q = Dulce é médica. Se tivermos que ambas são verdadeiras, a conjunção formada por elas (Sílvio é feirante e Dulce é médica) será também verdadeira. Teremos: Sílvio é feirante p V V F F

Dulce é médica q V F V F

Sílvio é feirante E Dulce é médica P(p e q) V F F F 10

Exemplo: O professor Wagner quer fazer uma caipirinha e não tem limão nem cachaça. Como fazer a bebida sem estes componentes? Impossível. Então, ele pede à sua dedicada esposa que compre os tais ingredientes: limão e cachaça. Consideremos como proposições: p: ela comprou limão q: ela comprou cachaça Porém, a esposa de Wagner teve, para ilustrar o caso em questão, as possíveis distintas condutas: a) comprou apenas limão b) comprou apenas cachaça c) não comprou nem limão nem cachaça d) comprou limão e cachaça De acordo com estas situações vamos analisar o que podemos concluir: Comprou limão p V F F V

Comprou cachaça q F V F V

Dá para fazer a caipirinha? P (p e q) NÃO NÃO NÃO SIM

Deu para perceber? Ah!!!! Com caipirinha todo mundo entendeu, né? Kkkk. Mesmo fora da ordem convencional (o que não faz uma caipirinha). Se as proposições p e q forem representadas como conjuntos, por meio de um diagrama, a conjunção "p e q" corresponderá à intersecção do conjunto p com o conjunto q. Teremos: Na área de intersecção tivemos a situação em que se comprou o limão e a cachaça:

p ∩ q Veja p ∧ q (observe o sentido das concavidades (“boca pra baixo”) Tabela-verdade da disjunção Vamos abusar do professor Wagner neste exemplo. Agora, neste caso a esposa de Wagner quer fazer o almoço e percebe que está sem a famosa ―mistura‖. Então, ela pede ao seu dedicado marido que compre carne de frango ou carne bovina para fazer a mistura do almoço, pois, ela irá fazer uma das duas misturas. Consideremos como proposições: p: ele comprou carne de frango. q: ele comprou carne bovina Porém, Wagner, depois da caipirinha (ehehehe) teve, para ilustrar o caso em questão, as distintas condutas: a) comprou apenas carne de frango b) comprou apenas carne bovina c) não comprou nem carne de frango nem carne bovina d) comprou carne de frango e carne bovina. De acordo com estas situações vamos analisar o que podemos concluir: Comprou carne de frango P

Comprou carne bovina q

A esposa dele fez a mistura? P(p V q) 11

V F F V

F V F V

SIM SIM NÃO SIM

Veja que neste caso, basta que apenas uma das proposições seja verdadeira (disjuntamente, separadamente, verdadeiras) para que o conjunto seja verdadeiro. Ou seja: obedeceu ao que se pediu. Portanto uma disjunção só será FALSA, se ambas as proposições componentes forem também FALSAS (e o professor vai apanhar em casa quando chegar sem nenhuma das misturas, eheheh). Ou seja: só é falsa se as duas partes forem descumpridas! (veja o nome: DISjunção ou proposição DISjuntiva). As proposições p V q podem ser representadas por conjuntos:

O conectivo ―ou‖ será caracterizado pela união dos conjuntos p e q. Tabela-verdade da disjunção exclusiva Há outro tipo de proposição do tipo disjunção, bem parecido com a disjunção que acabamos de analisar acima. Porém, esta apresenta uma discreta, porém, significativa diferença na tabela verdade. Vamos comparar duas sentenças abaixo, referentes a presente de Natal. Você diz ao seu filho duas frases muito parecidas, tais como: ―Dar-te-ei um celular ou te darei um relógio‖. ―ou te darei um celular ou te darei um relógio‖ A diferença é singela, todavia, importante. Repare que na primeira sentença vê-se facilmente que se a primeira parte for verdade (te darei um celular), isso não impedirá que a segunda parte (darei um relógio) também o seja. Já na segunda proposição, se for verdade que ―te darei um celular, então teremos que não será dado o relógio. E vice-versa, ou seja, se for verdade que ―darei um relógio‖, então, teremos que não será dada o celular. Ou seja: a segunda estrutura apresenta duas situações mutuamente excludentes, de sorte que apenas uma delas pode ser verdadeira, e a restante será necessariamente falsa. Ambas nunca poderão ser, ao mesmo tempo, verdadeiras; ambas nunca poderão ser, ao mesmo tempo, falsas. Na segunda sentença acima, este tipo de construção é uma disjunção exclusiva, pela presença dos dois conectivos ―ou‖, que determina que uma sentença é necessariamente verdadeira, e a outra, necessariamente falsa. Daí, o nome completo desta proposição composta é disjunção exclusiva. Veja a diferença destas disjunções nas suas respectivas tabelas-verdade. Uma disjunção exclusiva só será verdadeira se obedecer à mútua exclusão das sentenças. Ou seja: só será verdadeira se houver uma das sentenças verdadeira e a outra falsa. Nos demais casos, a disjunção exclusiva será falsa. Ganhar o celular P V V F F

Ganhar o relógio q V F V F

Ou ganhar a celular ou ganhar o relógio P(p V q) FALSO VERDADE VERDADE FALSO

12

Tabela-verdade da condicional Vimos que a estrutura condicional refere-se a ―Se p então q‖. Estamos agora falando de proposições como as que se seguem: ―Se Augusto é advogado, então Silvia é farmacêutica.‖ ―Se amanhecer chovendo, então não irei à praia.‖ Vamos analisar a seguinte sentença: “Se nasci em Belo Horizonte, então sou mineiro.” Agora observe que a única maneira de essa proposição estar incorreta é se a primeira parte for verdadeira, e a segunda for falsa. Ou seja, se é verdade que eu nasci em Belo Horizonte, então necessariamente é verdade que eu sou mineiro. Se alguém disser que é verdadeiro que eu nasci em Belo Horizonte, e que é falso que eu sou mineiro, então este conjunto estará todo falso. Percebam que o fato de eu ter nascido em Belo Horizonte é condição suficiente (basta isso!) para que se torne um resultado necessário que eu seja mineiro. Portanto: p é suficiente e q é necessário. Ou seja: é suficiente que eu tenha nascido em Belo Horizonte para ser mineiro. E é necessário que eu seja mineiro para poder ter nascido em Belo Horizonte Regra: O que está à esquerda da seta é sempre condição suficiente e o que está à direita é sempre condição necessária (p → q). Para não confundir quem é necessário e quem é suficiente, uma dica. Observe a proposição. S p, então q. A palavra ―Se‖ começa com ―S‖. E suficiente também começa com ―s‖. A palavra ―então‖ possui a letra ―n‖. E necessária também possui ―n‖. Proposições associadas a uma condicional A partir da condicional p  q podemos obter as condicionais (1) q  p, denominada proposição recíproca de p  q; (2) ~p  ~q, denominada proposição contrária de p  q; (3) ~q  ~p, denominada proposição contrapositiva de p  q. Confecção da Tabela-verdade da estrutura condicional. Condicional: p → q (Se, então). p V V F F

q V F V F

P(p → q) V F V V

Observe que a condicional só será falsa se a antecedente (lado esquerdo da seta) for verdadeiro e a consequente (lado direito) da seta for falso. Lembre-se: Vagner Falou tá Falado!!!!! A condicional exige que, se o antecedente for verdadeiro, então o consequente deverá ser verdadeiro, para resultar em verdadeiro.

13

As seguintes expressões podem ser empregadas como equivalentes de "Se p, então q": Se A, B. A é condição suficiente para B. B, se A. B é condição necessária para A. Se as proposições p e q forem representadas como conjuntos, por meio de um diagrama, a proposição condicional "Se p então q" corresponderá à inclusão do conjunto p no conjunto q (p está contido em q):

Tabela-verdade da bicondicional A estrutura dita bicondicional apresenta o conectivo ―se e somente se‖, separando as duas sentenças. Pode ser entendida como uma bi-implicação. A bi-implicação (SE, SOMENTE SE), entre duas fórmulas é verdadeira quando ambas são verdadeiras ou ambas são falsas. Interpretação: "p ↔ q" pode ser interpretada como "p se e somente se q", "p é equivalente a q", "p e q possuem o mesmo valor de verdade". Assim, se p significa "O número natural é divisível por cinco" e q significa "'O último algarismo do número natural é zero ou cinco", "p ↔ q" pode ser interpretado como "O número natural é divisível por 5 se, e somente se, o seu último algarismo é zero ou cinco". Basta que uma das proposições ou condições seja falsa para que o enunciado se torne falso. Na linguagem natural o problema está em confundir uma condição necessária como sendo a única possibilidade para se chegar ao resultado verdadeiro. Veja este exemplo p = 24 é múltiplo de 3 (V) q = 6 é ímpar (F) p ↔ q = ―24 é múltiplo de 3 se, e somente se, 6 é ímpar‖. (F). Mas, veja esta outra situação. p = 24 é múltiplo de 3 (V) q = 6 é par (V) p ↔ q = ―24 é múltiplo de 3 se, e somente se, 6 é par‖. (V). A tabela-verdade da bicondicional fica assim: p V V F F

q V F V F

p↔q V F F V

Se as proposições p e q forem representadas como conjuntos, por meio de um diagrama, a proposição bicondicional "p se e somente se q" corresponderá à igualdade dos conjuntos p e q.

Observação: Uma proposição bicondicional "p se e somente se q" equivale à proposição composta: ―(se p então q) e (se q então p)‖, ou seja, ― p ↔ q ― é equivalente a ―(p → q) e (q→p)‖. (Equivalência será abordada futuramente). 14

Resumindo - a conjunção é verdadeira somente quando ambas as proposições são verdadeiras. - a disjunção é falsa somente quando ambas as proposições são falsas. - a disjunção exclusiva é verdadeira quando as proposições tiverem valores lógicos diferentes. - a condicional é falsa somente quando a primeira proposição é verdadeira e a segunda falsa. - a bicondicional é verdadeira somente quando as proposições possuem valores lógicos iguais. Tabela-verdade com várias proposições inter-relacionadas Como proceder para resolver a seguinte proposição composta: (p V q) → r? Bem, conhecendo as respectivas tabelas-verdade dos conectivos podemos resolver da seguinte maneira: Montar a tabela com 8 linhas e determinar a tabela-verdade apenas para a relação (p V q), observando-se os valores lógicos de p e de q: p V V V V F F F F

q V V F F V V F F

r V F V F V F V F

pVq V V V V V V F F

Depois, estabelecer a tabela-verdade da relação entre a coluna obtida e a proposição r (observe que eu desloquei de posição a coluna r para evitar erro no momento de atribuir o valor lógico): p V V V V F F F F

Q V V F F V V F F

pVq V V V V V V F F

r V F V F V F V F

(p V q) → r V F V F V F V V

Existem situações em que temos proposições compostas com diferentes conectivos e com várias proposições simples diferentes. E muitos candidatos passam a ter dúvidas do que resolver primeiro, como interpretar a tabela verdade, em função destes diferentes conectivos ―misturados‖. Como resolver tais situações? Quando temos diversos conectivos, costumamos utilizar parênteses ou colchetes para indicar qual ―parcela‖ tem precedência. Primeiro devemos dar prioridade para resolver o que está entre parênteses, depois o que estiver entre os colchetes. Existem situações em que os parênteses são omitidos. E isto pode ocorrer com muita frequência em provas de concursos públicos. Principalmente com as bancas mais exigentes. Neste caso, temos que saber a ordem de precedência entre os conectivos. A ordem é: 1º: operador ―não‖ 2º: conectivo ―e‖ 3º: conectivo ―ou‖ 4º: conectivo ―se então‖ 5º: conectivo ―se, e somente se‖. 15

O que significa esta ordem de precedência? Significa que devemos resolver primeiro as relações entre os conectivos que têm prioridade. Um exemplo ocorre na situação abaixo: ―Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França ou Paris é a capital da França‖. Este é um ponto importante para o concursando, porque pode trazer uma maior dificuldade e levar a interpretações incorretas. Temos um ―e‖ e um ―ou‖. Conforme a ordem de precedência, primeiro resolvemos a parte referente ao ―e‖ e, posteriormente, fazemos a parte referente ao ―ou‖. Para facilitar a análise e a confecção da tabela-verdade, seria interessante colocarmos as proposições entre parênteses. Para ilustrar melhor o resultado da prioridade: (Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França) ou Paris é a capital da França. Agora, para dar sequência vamos atribuir os valores lógicos das proposições. Vejamos bem. Para analisar esta etapa dividirei a parcela inicial (composta) da segunda parcela (que é uma proposição simples). Vamos valorar: (Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França). Para valorar você deve, ao menos, saber um pouquinho de geografia. Neste caso concluímos que: (Roma é a capital da Itália e Londres é a capital da França). (V) (F) Como é uma conjunção e temos que uma das proposições é falsa, concluímos que a proposição da primeira parcela é, portanto, falsa. Logo, ficaríamos com a seguinte situação (aqui troquei toda primeira proposição pelo seu valor lógico: (F). ou Paris é a capital da França. (F)

(?)

Como esta proposição tem o conectivo ou (disjunção), sabemos que para ela ser verdadeira pelo menos uma das parcelas deve ser verdadeira. Mas já temos uma parcela falsa. Se a segunda parcela da proposição disjuntiva for falsa a disjunção será falsa. Se for verdadeira, a disjunção será verdadeira. Vamos atribuir o valor lógico desta segunda parcela: Paris é a capital da França. (V) Portanto, como a segunda parcela da proposição é verdadeira isto nos leva à conclusão de que a proposição inicial é verdadeira. Poderíamos utilizar a linguagem simbólica e teríamos: Proposição inicial: p ∧ q V r Proposições em prioridade: (p ∧ q) V r Resolução da primeira parcela: F V r Analisando a segunda parcela: F V V Concluindo: V (proposição inicial verdadeira). Sabendo que se trata de uma disjunção, basta que uma das partes seja verdadeira (no caso, a segunda parcela é verdadeira) para que o valor lógico da disjunção seja verdadeiro. Neste caso, se você já analisasse a segunda parcela (Paris é a capital da França, como sendo verdadeira) a resposta é verdadeira da disjunção já seria verdadeira independente da primeira parte ser verdadeira ou falsa. Em uma prova você já poderia dar a resposta e não perder tempo resolvendo a primeira parcela. Caso a segunda parcela fosse falsa, deveríamos analisar a primeira parcela.

16

A primeira parcela é uma conjunção e ambas devem ser verdadeiras para que esta conjunção seja verdadeira. (Pela nossa análise verificamos que a primeira parte é falsa, mas isto não iria interferir na nossa resposta, neste caso em questão). Resumindo: Ficamos com: (V e F) ou V Entre parênteses, temos um ―e‖, em que uma parcela é falsa. Logo, a expressão entre parênteses é falsa. (F) ou V Assim, nosso ―ou‖ tem uma parcela verdadeira. Logo, a proposição dada na alternativa é verdadeira, independente da parcela entre parênteses. Questões 01. (TJ/CE - Analista Judiciário Especialidade Ciência da Computação - CESPEUnB/2014) Onze secretarias integram a administração pública de determinada cidade, entre as quais, a Secretaria de Agronegócios (SEAGR) e a Secretaria de Controle e Transparência (SCT). Em 2009, a SCT instituiu um programa de acompanhamento sistemático das secretarias de forma que, a cada ano, 3 secretarias seriam escolhidas aleatoriamente para que seus trabalhos fossem acompanhados ao longo do ano seguinte. Com esse programa, considerado um sucesso, observou-se uma redução anual de 10% no montante de recursos desperdiçados dos cofres municipais desde 2010. De acordo com os dados obtidos em 100 auditorias realizadas pela SCT, os motivos desses desperdícios incluíam: • amadorismo nas tomadas de decisão (o gestor não era formado na área de atuação) – 28 auditorias; • incompetência nas tomadas de decisão (o gestor não possui conhecimento técnico no assunto) – 35 auditorias; • má-fé nas tomadas de decisão (o gestor decide em detrimento do interesse coletivo) – 40 auditorias. Ao se defender da acusação de que teria causado desperdício de recursos municipais em razão de má-fé nas tomadas de decisão, o gestor da SEAGR apresentou o seguinte argumento, composto das premissas P1 e P2 e da conclusão C. P1: Se tivesse havido má-fé em minhas decisões, teria havido desperdício de recursos municipais em minha gestão e eu teria sido beneficiado com isso. P2: Se eu tivesse sido beneficiado com isso, teria ficado mais rico. C: Não houve má-fé em minhas decisões. O número de linhas da tabela verdade correspondente à proposição P1 é igual a (A) 4. (B) 8. (C) 16. (D) 32. (E) 64. 02. (TJ/SE – Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade Programação de Sistemas – CESPE UNB/2014) Julgue os próximos itens, considerando os conectivos lógicos usuais ¬, ˄, ˅, →, ↔ e que P, Q e R representam proposições lógicas simples. A proposição [(¬P)vQ↔]{¬[P˄(¬Q)]} é uma tautologia. (Certo) (Errado) 03. (AMAZUL - Assistente de Administração - Técnico de Contabilidade - IBFC/2014) A afirmação ―Se uma proposição p implica numa proposição q, então a proposição q implica na proposição p‖ é: 17

(A) verdadeira. (B) verdadeira ou falsa. (C) verdadeira se o valor lógico de p for falso. (D) falsa. 04. (PC/SP - Médico Legista - VUNESP/2014) As afirmações I, II e III estão associadas a conceitos básicos do raciocínio lógico ou da Teoria dos Conjuntos: I. O valor lógico de uma conjunção de duas proposições é verdade somente quando ambas as proposições são verdadeiras. II. Em uma afirmação condicional cujo valor lógico é verdade, a antecedente e a consequente sempre são verdadeiras. III. A reunião de conjuntos está associada à disjunção inclusiva, ao passo que a interseção de conjuntos está relacionada à conjunção. Avaliando-se as afirmações I, II e III, pode-se concluir corretamente que o valor lógico delas são, respectivamente, (A) falsidade, verdade, verdade. (B) verdade, falsidade, verdade. (C) verdade, verdade, verdade. (D) verdade, verdade, falsidade. (E) falsidade, falsidade, falsidade. 05. (AMAZUL - Assistente de Administração - Técnico de Contabilidade - IBFC/2014) Considerando as proposições r: a quinta parte de 24 é maior que 5 e s: 35% de 70 é menor que 25, pode-se afirmar que: (A) r condicional s é falso. (B) r bicondicional s é verdade. (C) a conjunção entre r e s é verdade. (D) s condicional r é falso. 06. (SEDS/MG - Agente de Segurança Penitenciária - IBFC/2014) Se o valor lógico de uma proposição é falso e o valor lógico de outra proposição é verdade, então o valor lógico do condicional entre eles, nessa ordem, é: (A) verdadeiro. (B) falso. (C) falso ou verdadeiro. (D) impossível de determinar. 07. (FUNDUNESP - Analista de Tecnologia da Informação - Redes - VUNESP/2014) Sabe-se que é verdade que os quatro avós de Enzo eram italianos. Logo, é certo que (A) se Genaro não era italiano, então ele não era avô de Enzo. (B) Enzo é italiano. (C) se Bianca era italiana, então ela era avó de Enzo. (D) Enzo não é italiano. (E) se Alessandra não era avó de Enzo, então ela não era italiana. 08. (PC/SP - Delegado de Polícia - VUNESP/2014) Os conectivos ou operadores lógicos são palavras (da linguagem comum) ou símbolos (da linguagem formal) utilizados para conectar proposições de acordo com regras formais preestabelecidas. Assinale a alternativa que apresenta exemplos de conjunção, negação e implicação, respectivamente. (A) ¬ p, p v q, p ∧ q (B) p ∧ q, ¬ p, p -> q (C) p -> q, p v q, ¬ p (D) p v p, p -> q, ¬ q (E) p v q, ¬ q, p v q Respostas 1 – Resolução: Vamos analisar a proposição P1 e verificar o número de proposições simples que a compõem: 18

p: tivesse havido má-fé em minhas decisões q: teria havido desperdício de recursos municipais em minha gestão r: eu teria sido beneficiado com isso. Como temos 3 proposições simples o número de linhas da tabela verdade será igual a 2n = 23 = 8. Resposta: B. 2 – Resolução: Podemos deduzir tais informações ou fazer a tabela verdade. Vamos fazer a tabela para treinar um pouco. Além do que, acho que é mais fácil analisar, neste caso, pela tabela verdade. p V V F F

q V F V F

~p F F V V

~q F V F V

[(¬P)vQ V F V V

[P˄(¬Q)] F V F F

¬[P˄(¬Q)] V F V V

[(¬P)vQ↔[{¬[P˄(¬Q)]} V V V V

Somente valores verdadeiros na coluna da bicondicional proposta. Logo, é uma tautologia. Para ser uma tautologia todas as linhas da proposição devem dar valores lógicos verdadeiros. Verifique que isto ocorre. Resposta: Certo 3 – Resolução: Esta forma de representar uma condicional p → q por q → p é chamada de recíproca e não há implicação verdadeira. Para analisar de uma maneira de mais simples entendimento, basta analisar a tabela verdade destas. Vamos montar a tabela: p V V F F

q V F V F

p→q V F V V

q→p V V F V

Observa-se que as tabelas verdades não são idênticas. Logo, não há implicação. Resposta falsa. Resposta: D. 4 – Resolução: Basta saber as tabelas verdades para responder a esta questão. Vamos analisar as afirmativas: I. O valor lógico de uma conjunção de duas proposições é verdade somente quando ambas as proposições são verdadeiras. CORRETO. A conjunção só é verdadeira com as duas proposições sendo verdadeiras. II. Em uma afirmação condicional cujo valor lógico é verdade, a antecedente e a consequente sempre são verdadeiras. Não está correto. Pois a condicional pode ser verdadeira se a antecedente for falsa, independendo da consequente. III. A reunião de conjuntos está associada à disjunção inclusiva, ao passo que a interseção de conjuntos está relacionada à conjunção. Correto. Na disjunção inclusiva basta que uma das proposições seja verdadeira. Na conjunção, deve haver a intersecção, pois, ambas precisam ser verdadeiras. 5 – Resolução: Vamos considerar as parcelas: r: a quinta parte de 24 é maior que 5 s: 35% de 70 é menor que 25 Vamos verificar os valores lógicos destas parcelas: r: a quinta parte de 24 é maior que 5 (F), pois, 24/5 é menor que 5.

19

s: 35% de 70 é menor que 25 (F), pois 70x0,3 = 24,5 As alternativas trazem possibilidades de diferentes formas de proposições compostas. Vamos analisar as alternativas e chegar à resposta correta. Alternativa C: percebemos que a alternativa C traz a conjunção. Se alguma parcela da conjunção for falsa ela será falsa. Esta alternativa está errada. Alternativa A e D tratam de condicionais. Para a condicional se tivermos duas parcelas falsas a condicional será verdadeira. As duas alternativas trazem que a condicional será falsa (portanto, estão erradas). Alternativa B trata de uma bicondicional. A tabela verdade da bicondicional traz que se os dois valores lógicos das parcelas forem iguais, a bicondicional será verdadeira. Logo, esta é a resposta correta. Alternativa B 6 – Resolução: A condicional se tiver a primeira parcela sendo falsa ela sempre será verdadeira, independentemente do valor lógico da segunda parcela. Resposta: A. 7 – Resolução: Para não ser avô de Enzo basta que não seja italiano. Relação de Suficiente  necessário. 8 – Resolução: A conjunção é um tipo de proposição composta e apresenta o conectivo “e”, que é representado pelo símbolo ∧. A negação é representada pelo símbolo ~ou cantoneira (¬) e pode negar uma proposição simples (por exemplo: ¬ p) ou composta. Já a implicação é uma proposição composta do tipo condicional (Se, então) é representada pelo símbolo (→). Alternativa B.

4. Tautologia, Contradição e Contingência

Tautologia são proposições compostas (moleculares) que apresentam tabela-verdade sempre com valores lógicos VERDADEIROS, independentemente dos valores lógicos das proposições simples (átomos) que as compõem. Exemplo: Ou faz calor ou não faz calor. Temos duas parcelas 1) faz calor (p) 2) não faz calor (~p) Para verificar se uma proposição composta é uma Tautologia, construiremos a sua tabela-verdade. Se desta tabela resultar sempre valor lógico verdadeiro (última coluna da tabela-verdade) não apresentando NENHUM FALSO, trata-se de uma Tautologia. p V

~p F

p ∨ ~p V

Só temos respostas verdadeiras na tabela-verdade, independentemente dos valores lógicos atômicos. Por isso, a afirmação acima é uma tautologia. Veja um exemplo um pouco mais complexo (pois apresenta mais proposições): vamos verificar se a proposição (p ∧ q) → (p ∨ q) é uma tautologia ou não. Como proceder? Fazendo a tabela-verdade. Então vamos!!! Mãos à obra.

20

V

p∧q V

p∨q V

(p ∧ q) → (p ∨ q) V

V

F

F

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

F

V

p

q

V

Portanto, podemos concluir que se trata de uma TAUTOLOGIA, pois todos os valores lógicos da última coluna são VERDADEIROS. CONTRADIÇÃO São proposições compostas (moleculares) formada por duas ou mais proposições que são sempre FALSAS, independentemente do valor lógico das proposições (atômicas) que a compõem. Exemplo p ↔ ~p é uma contradição pois p V F

~p F V

p↔p F F

Para verificar se uma proposição composta é uma contradição, construiremos a sua tabela-verdade. Se desta tabela resultar sempre valor lógico FALSO (última coluna da tabela-verdade) não apresentando NENHUM VERDADEIRO, trata-se de uma contradição. Veja um exemplo um pouco mais complexo (pois apresenta mais proposições): vamos verificar se a proposição (p ↔ ~q) ∧ (p ∧ q) é uma contradição ou não. Como proceder? Fazendo a tabela-verdade. Então vamos!!! Mãos à obra. p

q

~q

(p ↔ ~q)

(p ∧ q)

V V F F

V F V F

F V F V

F V V F

V F F F

(p ↔ ~q) ∧ (p ∧ q) F F F F

Só temos respostas FALSAS na última coluna da tabela-verdade, independentemente dos valores lógicos atômicos. Por isso, a afirmação acima é uma contradição. CONTINGÊNCIA

p V

~p F

p ∨ ~p V

Uma proposição composta será chamada de contingência sempre que não se caracterizar como uma tautologia e nem como uma contradição. Para verificar se uma proposição composta é uma contingencia, construiremos a sua tabela-verdade. Se desta tabela resultar valores lógicos FALSO e VERDADEIRO (última coluna da tabela-verdade) trata-se de uma contingência. Veja um exemplo: vamos verificar se a proposição "p ↔ (p ∧ q)" é uma contingência ou não. Como proceder? Fazendo a tabela-verdade. Então vamos!!! Mãos à obra. 21

p

q

V V F F

V F V F

(p ∧ q) V F F F

p ↔ (p ∧ q) V F V V

Essa proposição é uma contingência, pois, não é uma tautologia e não é uma contradição! OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Podemos analisar as tabelas verdade dos conectivos estudados e observar que estas apresentam semelhanças com contingência, contradição ou tautologia. Vejamos: Conjunção, disjunção, condicional e a bicondicional SÃO CONTINGÊNCIAS. A contingência é a situação mais comum de ocorrer. A tautologia e a contradição são exceções. RESUMINDO: Tautologia: proposição composta cuja tabela-verdade só apresenta valor lógico V. Contradição: proposição composta cuja tabela-verdade só apresenta valor lógico F. Contingência: proposição composta que apresenta tabela verdade com valores lógicos V e F. Questões 01. (TJ/SE – Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade Programação de Sistemas – CESPE UNB/2014) Julgue os próximos itens, considerando os conectivos lógicos usuais ¬, ˄, ˅, →, ↔ e que P, Q e R representam proposições lógicas simples. A proposição [(¬P)vQ↔]{¬[P˄(¬Q)]} é uma tautologia. (Certo) (Errado) 02. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) Os silogismos são formas lógicas compostas por premissas e uma conclusão que se segue delas. Um exemplo de silogismo válido é: (A) Curitiba é capital de Estado. São Paulo é capital de Estado. Belém é capital de Estado. (B) Alguns gatos não têm pelo. Todos os gatos são mamíferos. Alguns mamíferos não têm pelo. (C) Todas as aves têm pernas. Os mamíferos têm pernas. Logo, todas as mesas têm pernas. (D) Antes de ontem choveu. Ontem também choveu. Logo, amanhã certamente choverá. (E) Todas as plantas são verdes. Todas as árvores são plantas. Todas as árvores são mortais. 03. (MTur – Contador - ESAF/2014) Assinale qual das proposições das opções a seguir é uma tautologia. (A) p v q → q (B) p ˄ q → q (C) p ˄ q ↔ q (D) (p ˄ q) v q (E) p v q ↔ q 04. (PC/PI - Escrivão de Polícia Civil - UESPI/2014) Um enunciado é uma tautologia quando não puder ser falso, um exemplo é: (A) Está fazendo sol e não está fazendo sol. (B) Está fazendo sol. (C) Se está fazendo sol, então não está fazendo sol. (D) não está fazendo sol. (E) Está fazendo sol ou não está fazendo sol. 05. (PC/SP - Investigador de Polícia - VUNESP/2014) Para a resolução da questão, considere a seguinte notação dos conectivos lógicos: ˄ para conjunção, v para disjunção e ¬ para negação. 22

Uma proposição composta é tautológica quando ela é verdadeira em todas as suas possíveis interpretações. Considerando essa definição, assinale a alternativa que apresenta uma tautologia. (A) p v ¬q (B) p Ʌ ¬p (C) ¬p Ʌ q (D) p v ¬p (E) p Ʌ ¬q 06. (MTur – Contador - ESAF/2014) Assinale qual das proposições das opções a seguir é uma tautologia. (A) p v q → q (B) p ˄ q → q (C) p ˄ q ↔ q (D) (p ˄ q) v q (E) p v q ↔ q 07. (TRT-9R-2004-FCC) Considere a seguinte proposição: "na eleição para a prefeitura, o candidato A será eleito ou não será eleito‖. Do ponto de vista lógico, a afirmação da proposição caracteriza: (A) um silogismo. (B) uma tautologia. (C) uma equivalência. (D) uma contingência. (E) uma contradição. 08. (Fiscal Trabalho 98 ESAF) Um exemplo de tautologia é: A) se João é alto, então João é alto ou Guilherme é gordo B) se João é alto, então João é alto e Guilherme é gordo C) se João é alto ou Guilherme é gordo, então Guilherme é gordo D) se João é alto ou Guilherme é gordo, então João é alto e Guilherme é gordo E) se João é alto ou não é alto, então Guilherme é gordo 09. Construa a tabela-verdade das seguintes proposições: (1) P(p, q) = (p  q)  (q  p) (2) P(p, q) = ~(p  q)  (p  q) (3) P(p, q) = ~p  (p  ~q) (4) P(p, q) = ~(p q)  (p  q). 10. (Agente Fiscal – adaptada/FCC) Julgue certo ou errado. Se p e q são proposições, então a proposição ―(p → q) v (~q)‖ é uma tautologia. Respostas 1 – Resolução: Podemos deduzir tais informações ou fazer a tabela verdade. Vamos fazer a tabela para treinar um pouco. Além do que, acho que é mais fácil analisar, neste caso, pela tabela verdade. p V V F F

q V F V F

~p F F V V

~q F V F V

[(¬P)Vq V F V V

[P˄(¬Q)] F V F F

¬[P˄(¬Q)] V F V V

[(¬P)vQ↔[{¬[P˄(¬Q)]} V V V V

Somente valores verdadeiros na coluna da bicondicional proposta. Logo, é uma tautologia. Resposta: Certo 2 – Resolução: Vamos analisar as alternativas e verificar onde estão os erros.

23

(A) Curitiba é capital de Estado. São Paulo é capital de Estado. Belém é capital de Estado. (Temos 3 premissas e ocorre falta da conclusão) (B) Alguns gatos não têm pelo. Todos os gatos são mamíferos. Alguns mamíferos não têm pelo. (Correto. Temos duas premissas e uma conclusão decorrente delas). (C) Todas as aves têm pernas. Os mamíferos têm pernas. Logo, todas as mesas têm pernas. (não existe uma relação da conclusão com as premissas. Mesas foi relacionada em qual premissa? Nenhuma. Não decorre das premissas esta conclusão). (D) Antes de ontem choveu. Ontem também choveu. Logo, amanhã certamente choverá. (não existe uma relação da conclusão com as premissas. A conclusão não decorre das premissas). (E) Todas as plantas são verdes. Todas as árvores são plantas. Todas as árvores são mortais. (não existe uma relação da conclusão com as premissas. Mortais foi relacionada em qual premissa? Nenhuma. Não decorre das premissas esta conclusão). Resposta: B. 3 – Resolução: Analisemos algumas coisas sobre tautologia e as alternativas. Lembre-se que a condicional será falsa em uma única situação: primeira parcela verdadeira e segunda falsa. Vamos analisar as alternativas: (A) p v q → q p v q formam uma disjunção. Se ambas forem verdadeiras, então, teremos valor verdadeiro. Porém, se uma delas for falsa, a primeira parcela será ainda verdadeira mas, se q for falso a condicional será falsa. Logo, nem sempre será uma tautologia. (B) p ˄ q → q Aqui temos uma conjunção na parcela inicial da condicional. Ambas as parcelas devem ser verdadeiras para que a conjunção seja verdadeira. Logo, p e q verdadeiros levam a esta situação: V → V. Nesta situação a condicional será sempre verdadeira. Ou seja, será uma tautologia. 4 – Resolução: Típico caso de cobrança de tautologia em concursos. Quaisquer que sejam os valores lógicos das proposições simples sempre deveremos ter uma situação de verdade. Vamos passar para a linguagem lógica Alternativa A: p e ~p: Se temos uma conjunção. Basta que uma das parcelas seja falsa para que esta seja falsa. Portanto, nem sempre será tautologia. B e D: não é uma implicação. Apenas uma simples proposição. C: existe a possibilidade de não ser uma tautologia. Vejamos: ―Se está fazendo sol, então não está fazendo sol‖. Tabela verdade: p está fazendo sol V F

~p: não está fazendo sol F V

p → ~p F V

Veja que a tabela verdade da condicional depende dos valores lógicos das premissas. Logo, não é uma tautologia. Se temos uma disjunção basta que uma das parcelas seja verdadeira para que esta seja verdadeira. Então, se p é falso, ~p é verdadeiro. Ou vice-versa. (E) Está fazendo sol ou não está fazendo sol. Resposta: E. 5 – Resolução: Tautologia é uma proposição cujo valor lógico é sempre verdadeiro. Geralmente uma disjunção tem grande probabilidade de gerar uma tautologia. A única RESPOSTA: que o valor lógico é sempre verdadeiro é p v ¬p. 24

Imagine esta representação para a seguinte proposição: vai chover OU não vai chover. Sempre será verdadeira esta proposição independente dos valores lógicos das proposições simples RESPOSTA: ―D‖. 6 – Resolução: Analisemos algumas coisas sobre tautologia e as alternativas. Lembre-se que a condicional será falsa em uma única situação: primeira parcela verdadeira e segunda falsa. Vamos analisar as alternativas: (A) p v q → q p v q formam uma disjunção. Se ambas forem verdadeiras, então, teremos valor verdadeiro. Porém, se uma delas for falsa, a primeira parcela será ainda verdadeira mas, se q for falso a condicional será falsa. Logo, nem sempre será uma tautologia. (B) p ˄ q → q Aqui temos uma conjunção na parcela inicial da condicional. Ambas as parcelas devem ser verdadeiras para que a conjunção seja verdadeira. Logo, p e q verdadeiros levam a esta situação: V → V. Nesta situação a condicional será sempre verdadeira. Ou seja, será uma tautologia. 07 – Resolução: Devemos montar a tabela-verdade para verificar se a proposição acima é uma tautologia ou não. Para isto, vamos definir as proposições simples: p : o candidato A será eleito ~p: o candidato A não será leito Então, a sentença ―o candidato A será eleito OU não será eleito‖ passará ser representada simbolicamente como: p ∨ ~p . Construindo a tabela- verdade, teremos que: p V F

~p F V

p ∨ ~p V V

Portanto, como a última coluna da tabela-verdade só apresenta valores VERDADEIROS, trata-se de uma tautologia. Alternativa A. 08 – Resolução: Devemos montar a tabela-verdade para verificar se a proposição acima é uma tautologia ou não. Para isto, vamos definir as proposições simples: p : João é alto. q : Guilherme é gordo. Então, as sentenças das alternativas também devem ser escritas na linguagem lógica e ficam assim escritas simbolicamente como: a) p → (p ∨ q) (=se João é alto, então João é alto ou Guilherme é gordo) b) p → (p ∧ q) (=se João é alto, então João é alto e Guilherme é gordo) c) (p ∨ q) → q (=se João é alto ou Guilherme é gordo, então Guilherme é gordo) d) (p ∨ q)→(p ∧ q) (=se João é alto ou Guilherme é gordo, então João é alto e Guilherme é gordo) e) (p ∨ ~p) → q (=se João é alto ou não é alto, então Guilherme é gordo) Devemos, agora, testar as tabelas verdade das alternativas, procurando por aquela que seja uma Tautologia. Para isso, construiremos a tabela-verdade de cada opção de resposta. Teste da alternativa ―a‖: p → (p ∨ q) p V V F F

q V F V F

(p ∨ q) V V V F

p → (p ∨ q) V V V V

Na primeira alternativa já chegamos à resposta. Observemos que a última coluna da tabela-verdade

25

acima só apresentou valores lógicos verdadeiros. Com isso, concluímos: a proposição da opção A ―Se João é alto, então João é alto ou Guilherme é gordo‖ é uma Tautologia. Resposta: Letra A. OBSERVAÇÃO: Como estamos começando em análise das proposições é interessante que, mesmo antes de montarmos qualquer tabela-verdade, analisarmos os tipos de conectivos das proposições. Isto pode nos adiantar nas nossas observações e até mesmo ganharmos um grande tempo para resolver a questão. Neste caso, por exemplo, todas as proposições são condicionais. Na tabela-verdade do conectivo condicional só teremos o valor lógico falso quando na proposição condicional o antecedente for verdade e o consequente for falso. Sabendo que uma tautologia sempre tem valor lógico verdade, então dentre as proposições condicionais apresentadas nas alternativas, aquela em que nunca ocorrer o antecedente com valor lógico verdade e o consequente com valor lógico falso será uma tautologia. - Análise da alternativa ‗a‘: p → (p ∨ q) Vejam que se p desta proposição for verdade, também o consequente (p∨q) deverá ser verdade, para que a proposição seja verdadeira. Vemos no consequente uma disjunção (que deve ter uma parcela Verdadeira). Mas, considerando p verdadeiro no antecedente ele também será verdadeiro no consequente e, assim, o consequente obrigatoriamente será verdadeiro, independentemente do valor lógico de q. Logo esta proposição é uma tautologia. Poderíamos analisar desta forma as demais alternativas apenas como demonstração. - Análise da alternativa ‗b‘: p → (p ∧ q) Vejam que quando o antecedente desta proposição for verdade, o consequente será verdade se q for verdade, e falso se q for falso. Assim, a proposição pode assumir os valores lógicos de verdade e falso. Não é uma tautologia. - Análise da alternativa ‗c‘: (p ∨ q) → q O antecedente desta proposição sendo verdade, o valor lógico de q pode ser verdade ou falso, e daí o consequente que é dado por q também pode ser verdade ou falso, logo concluímos que a proposição desta alternativa não é uma tautologia. - Análise da alternativa ‗d‘: (p ∨ q) → (p ∧ q) O antecedente desta proposição sendo verdade, os valores de p e q podem ser verdade ou falso, e, portanto o consequente também pode ser verdade ou falso, logo concluímos que a proposição desta alternativa não é uma tautologia. - Análise da alternativa ‗e‘: (p ∨ ~p) → q Observem que o antecedente é sempre verdade independentemente do valor lógico de p, já o consequente pode assumir o valor lógico de verdade ou falso. Portanto, concluímos que a proposição desta alternativa não é uma tautologia. 09 – Resolução: (1) p V V F F

q V F V F

pq V F F F

qp V F F F

(p  q)  (q  p) V V V V

(2) p V V

q V F

pq V V

~(p  q) F F

pq V F

~(p  q)  (p  q) V V 26

F F

V F

V F

F V

F V

V V

~q F V F V

p  ~q F V F F

(3) p V V F F

q V F V F

~p F F V V

~p  (p  ~q) F F F F

(4) p V V F F

p q V F F V

q V F V F

~(p q) F V V F

pq V F F V

~(p q)  (p  q) F F F F

10 – Resolução: p V V F F

q V F V F

~q F V F V

p→q V F V V

(p → q) v (~q) V V V V

É uma tautologia, pois os valores lógicos da última coluna resultaram todos em verdadeiros. Gabarito: Certo

5. Negação: Leis de Morgan A negação é um tópico bastante abordado em concursos. E muitos candidatos erram, por não seguirem as regras básicas dos conectivos a serem negados Trabalharemos agora com esta parte do raciocínio lógico. É muito importante saber negar uma proposição. As pessoas pensam que basta apenas colocar a palavra não que estará tudo resolvido. Mas não é assim. No caso de uma proposição simples, a negação é a mais fácil de estabelecer: basta pôr a palavra não antes da sentença. Exemplos: ―Sérgio é arquiteto‖ Negativa: Sérgio não é arquiteto. ―Maria é estudante.‖ Negativa: Maria não é estudante. Caso tenhamos na sentença original uma negativa (já traga a palavra não), teremos que fazer a negativa (negar o sentido negativo já presente). Exemplo: ―Sérgio não é arquiteto.‖ Negativa: (“Sérgio não não é arquiteto‖): ―Sérgio é arquiteto.‖ Lembra das operações matemáticas básicas (- com - = +).

27

O símbolo que representa a negação é uma pequena cantoneira (¬) ou um sinal de til (~), antecedendo a frase. Assim, a tabela-verdade da negação é bem simples. Veja: p V F

~p F V

Algumas situações também são negações, porém, descritas das seguintes formas: -"não A", - Não é verdade que A. - É falso que A. Daí, as seguintes frases são equivalentes: ―matemática não é fácil.‖ ―Não é verdade que matemática é fácil.‖ ―É falso que matemática é fácil.‖ Mas como proceder para fazer a negação de proposições compostas? Esta parte da negação é a que mais aparece nos concursos, porque apresenta maior dificuldade para o concursando e, assim, maiores possibilidades de erros. Inicialmente devemos analisar o tipo de conectivo que aparece na proposição. E, em função disto, teremos diferentes maneiras de se fazer a negação. Existem algumas regras que deverão ser seguidas e ponto final!!! É uma questão de treino. Você já deve ter encontrado este conselho em quase todos os materiais didáticos. Mas é verdade. LEIS de DE MORGAN Estas negações que serão agora abordadas são chamadas de Leis de DE Morgan. A) Negação de Conjunções: ~ (p e q) Para negarmos uma proposição do tipo conjunção (p e q) é fácil: 1) Negaremos a primeira (~p); 2) Negaremos a segunda (~q); 3) Trocaremos e por ou. RESUMINDO: NEGUE TUDO e troque o conectivo “e” por “ou”. Exemplo 01: negar a proposição ―Ganhei uma camisa e uma gravata‖ A proposição acima poderia ser reescrita assim: ―Ganhei uma camisa e ganhei uma gravata‖ Negação: ―Não ganhei uma camisa OU não ganhei uma gravata‖ Neste caso as duas proposições têm sentido ―positivo‖. Por isto, aparecem duas negativas na resposta. Exemplo 02: negar a proposição ―Não consegui marcar um gol e meu time perdeu‖ Negação: ―Consegui marcar um gol OU meu time não perdeu‖ Neste caso a primeira proposição tem significado ―negativo‖. Por isto, aparecem nesta proposição sentido positivo. Convertendo para a linguagem da lógica, diremos que: ~(p ^ q) = ~p V (~q) Como analisaremos a tabela-verdade das duas situações? Vamos analisar o primeiro exemplo: ―Ganhei uma camisa e uma gravata‖ p = Ganhei uma camisa q = ganhei uma gravata p q p^q V V V V F F

28

F V F F F F Agora adicionarei as colunas referentes às negações das proposições p e q: p V V F F

Q V F V F

p^q V F F F

~p F F V V

~q F V F V

E a seguir, fazer a coluna referente à disjunção entre ~p e ~q, que é a negação da conjunção: p

q

p^q

~p

~q

V V F F

V F V F

V F F F

F F V V

F V F V

~(p^q)= ~p V ~q F V V V

Observe que as tabelas verdades da conjunção e sua negação (no caso uma disjunção) são opostas: p^q V F F F

~(p^q)= ~p V ~q F V V V

B) Negação da Disjunção: ~(p ou q) Na linguagem apropriada, concluiremos que: ~(p V q) = ~p ^ ~q Para negarmos uma proposição do tipo disjunção (p ou q) é fácil: 1) Negaremos a primeira (~p); 2) Negaremos a segunda (~q); 3) Trocaremos ou por e. RESUMINDO: NEGUE TUDO e troque o conectivo “ou” por “e”. Exemplo 01: negar a proposição ―Ganhei uma camisa ou uma gravata‖ Negação: ―Não ganhei uma camisa e não uma gravata‖ Neste caso as duas proposições têm sentido ―positivo‖. Por isto, aparecem duas negativas na resposta. Exemplo 02: negar a proposição ―Não consegui marcar um gol ou meu time perdeu‖ Negação: ―Consegui marcar um gol e meu time não perdeu‖ (Neste caso a primeira proposição tem significado ―negativo‖. Por isto, aparecem nesta proposição sentido positivo). Convertendo para a linguagem da lógica, diremos que: ~(p V q) = ~p ^ (~q) Como analisaremos a tabela-verdade das duas situações? Vamos analisar o primeiro exemplo: ―Ganhei uma camisa e uma gravata‖ p = Ganhei uma camisa q = ganhei uma gravata p V V

q V F

pVq V V 29

F F

V F

V F

Agora adicionarei as colunas referentes às negações das proposições p e q: p V V F F

q V F V F

pVq V V V F

~p F F V V

~q F V F V

E a seguir, fazer a coluna referente à CONjunção entre ~p e ~q: p

q

pVq

~p

~q

V V F F

V F V F

V V V F

F F V V

F V F V

~(pVq) = ~p ^ ~q F F F V

Observe que as tabelas verdades da DISjunção e sua negação (no caso uma CONjunção) são opostas. pVq ~(pVq) = ~p ^ ~q V F V F V F F V Repare que as duas situações de negação são muito semelhantes. Negar tudo e trocar os conectivos ―e‖ por ―ou‖ e vice-versa. Questões 01. (PC/SP - Investigador de Polícia - VUNESP/2014) Um antropólogo estadunidense chega ao Brasil para aperfeiçoar seu conhecimento da língua portuguesa. Durante sua estadia em nosso país, ele fica muito intrigado com a frase ―não vou fazer coisa nenhuma‖, bastante utilizada em nossa linguagem coloquial. A dúvida dele surge porque: (A) a conjunção presente na frase evidencia seu significado. (B) o significado da frase não leva em conta a dupla negação. (C) a implicação presente na frase altera seu significado. (D) o significado da frase não leva em conta a disjunção. (E) a negação presente na frase evidencia seu significado. 02. (PC/SP - Delegado de Polícia - VUNESP/2014) Os conectivos ou operadores lógicos são palavras (da linguagem comum) ou símbolos (da linguagem formal) utilizados para conectar proposições de acordo com regras formais preestabelecidas. Assinale a alternativa que apresenta exemplos de conjunção, negação e implicação, respectivamente. (A) ¬ p, p v q, p ∧ q (B) p ∧ q, ¬ p, p -> q (C) p -> q, p v q, ¬ p (D) p v p, p -> q, ¬ q (E) p v q, ¬ q, p v q 03. (TC/DF - Analista de Administração Pública - CESPEUnB/2014) Considere as proposições P1, P2, P3 e P4, apresentadas a seguir.

30

P1: Se as ações de um empresário contribuírem para a manutenção de certos empregos da estrutura social, então tal empresário merece receber a gratidão da sociedade. P2: Se um empresário tem atuação antieconômica ou antiética, então ocorre um escândalo no mundo empresarial. P3: Se ocorre um escândalo no mundo empresarial, as ações do empresário contribuíram para a manutenção de certos empregos da estrutura social. P4: Se um empresário tem atuação antieconômica ou antiética, ele merece receber a gratidão da sociedade. Tendo como referência essas proposições, julgue o item seguinte. A negação da proposição ―Um empresário tem atuação antieconômica ou antiética‖ pode ser expressa por ―Um empresário não tem atuação antieconômica ou não tem atuação antiética‖. (Certo) (Errado) 04. (PRODEST/ES - Assistente de Tecnologia da Informação - VUNESP/2014) Uma negação lógica para a proposição ―Pedro estudou e está participando de um concurso‖ está contida na alternativa: (A) Pedro não estudou ou não está participando de um concurso. (B) Pedro não estudou e não está participando de um concurso. (C) Pedro estudou pouco, mas está participando de um concurso. (D) Pedro estudou, mas não está participando de um concurso. (E) Pedro estudou pouco e não está participando de um concurso. 05. (AMAZUL - Assistente de Administração - Técnico de Contabilidade - IBFC/2014) A negação da frase ―Antônio estudou e Márcia ganhou dinheiro‖ equivale logicamente a: (A) ―Antônio não estudou ou Márcia não ganhou dinheiro‖. (B) ―Antônio não estudou e Márcia não ganhou dinheiro‖. (C) ―Antônio não estudou e Márcia ganhou dinheiro‖. (D) ―Antônio estudou ou Márcia não ganhou dinheiro‖. 06. (PC/SP - Investigador de Polícia - VUNESP/2014) João e Maria são professores da rede pública de ensino e gostam muito de conhecer novos lugares. Considerando a proposição ―João e Maria viajam sempre durante as férias escolares‖, assinale a negação dessa proposição. (A) ―João e Maria não viajam sempre durante as férias escolares‖. (B) ―João e Maria viajam sempre durante o período letivo‖. (C) ―João e Maria viajam algumas vezes durante as férias escolares‖. (D) ―João e Maria viajam algumas vezes durante o período letivo‖. (E) ―João e Maria não viajam sempre durante o período letivo‖. 07. (SEDS/MG - Agente de Segurança Socioeducativa - IBFC/2014) A negação lógica da frase ―Maurício comprou um notebook ou Paula não foi à escola‖ é dada por: (A) Maurício não comprou um notebook ou Paula foi à escola. (B) Se Maurício não comprou um notebook, então Paula foi à escola. (C) Maurício não comprou um notebook e Paula não foi à escola. (D) Maurício não comprou um notebook e Paula foi à escola. 08. (RioPrevidência - Assistente Previdenciário - CEPERJ/2014) Leia atentamente a seguinte sentença: ―Maria foi à feira ou não foi ao supermercado e seu marido foi ao Maracanã.‖ A negação dessa sentença é apresentada na opção: (A) Maria não foi à feira ou foi ao supermercado e seu marido não foi ao Maracanã. (B) Maria não foi à feira e não foi ao supermercado e seu marido não foi ao Maracanã. (C) Maria não foi à feira e foi ao supermercado ou seu marido não foi ao Maracanã. (D) Maria foi à feira e não foi ao supermercado ou seu marido foi ao Maracanã. (E) Maria foi à feira e foi ao supermercado e seu marido não foi ao Maracanã. Respostas 1 – Resolução: ~(~p) é equivalente a p 31

Logo, uma dupla negação é equivalente a afirmar. Resposta: ―B‖. 2 – Resolução: A conjunção é um tipo de proposição composta e apresenta o conectivo ―e‖, que é representado pelo símbolo ∧. A negação é representada pelo símbolo ~ou cantoneira (¬) e pode negar uma proposição simples (por exemplo: ¬ p) ou composta. Já a implicação é uma proposição composta do tipo condicional (Se, então) é representada pelo símbolo (→). Resposta: B. 3 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição composta por uma disjunção (conectivo ―ou‖) e pede a sua negação. A negação de uma disjunção se faz através de uma conjunção em que trocaremos o conectivo ―ou‖ pelo conectivo ―e‖, além de negar as duas parcelas. Observamos que não ocorreu a troca do conectivo ―ou‖, apesar de ter negado corretamente as duas parcelas. Logo, a estrutura lógica da negação está errada. 4 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição do tipo conjunção e pede a sua negação. A negação de uma conjunção se faz através de uma disjunção em que trocaremos o conectivo ―e‖ pelo conectivo ―ou‖, além de negar as duas parcelas. Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem este conectivo ‗ou‖ (a conjunção mas é equivalente à conjunção e). Descartamos as alternativas B, C, D e E. Resta, por exclusão a alternativa A. Vamos à negativa: Pedro NÃO estudou OU NÃO está participando de um concurso. 5 – Resolução: A negação de uma conjunção é feita através de uma disjunção. Como fazer? Negamos as duas parcelas e trocamos o conectivo ―e‖ por ―ou‖. Considerando: p: Antônio estudou q: Márcia ganhou dinheiro Vamos negar as parcelas: ~p: Antônio NÃO estudou q: Márcia NÃO ganhou dinheiro ~p V ~q => Antônio não estudou OU Márcia NÃO ganhou dinheiro. Alternativa A 6 – Resolução: A proposição acima mencionada é uma proposição simples. João e Maria (este ―e‖ não é um conectivo de conjunção). Portanto, ficaria: ―João e Maria NÃO viajam sempre durante as férias escolares‖. Alternativa A. 7 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição do tipo disjunção (conectivo ―ou‖) e pede a sua negação. A negação de uma disjunção se faz através de uma conjunção, em que trocaremos o conectivo ―ou‖ pelo conectivo ―e‖, além de negar as duas parcelas. Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem este conectivo ―e‖. Descartamos as alternativas A e B. Vamos negar as duas parcelas e uni-las pelo conectivo ―e‖ para determinar a alternativa correta. Vamos à negativa: ―Maurício NÃO comprou um notebook E Paula foi à escola‖. Resposta: D. 8 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição composta por uma disjunção (conectivo ―ou‖) em sua primeira parcela e uma conjunção (conectivo ―e‖) na segunda parcela e pede a sua negação. A negação de uma disjunção se faz através de uma conjunção (e vice-versa), em que trocaremos o conectivo ―ou‖ pelo conectivo ―e‖, além de negar as duas parcelas. Podemos reescrever a proposição de uma maneira mais cautelosa para que você não erre e entenda o que está sendo proposto: 32

―(Maria foi à feira ou não foi ao supermercado) e seu marido foi ao Maracanã.‖ Agora, vamos negar as duas parcelas: ―(Maria foi à feira ou não foi ao supermercado)‖ Ficaríamos com ―(Maria não foi à feira e foi ao supermercado)‖ ―(seu marido NÃO foi ao Maracanã.‖ Juntaremos as duas parcelas, trocando o conectivo ―e‖ pelo conectivo ―ou‖. ―(Maria não foi à feira e foi ao supermercado OU seu marido NÃO foi ao Maracanã)‖ Resposta: C.

5.1 Outras Formas de Negação Negação de uma Condicional: ~(p → q) Esta negação é a mais cobrada em concursos !!!! Portanto, é de extrema importância que saibamos trabalhar muito bem esta negação. Como se negar uma condicional? Seguiremos os seguintes passos: Para negarmos uma proposição do tipo condicional (se p então q) é fácil (eheheh): 1) manteremos a primeira (p); 2) Negaremos a segunda (~q); 3) Trocaremos o conectivo por e. Exemplo 01: negar a proposição ―Se chover então ficarei em casa‖ Negação: ―choveu e não fiquei em casa‖ (OBS: ajusta-se o tempo verbal de acordo a um melhor entendimento) Convertendo para a linguagem da lógica, diremos que: ~( p → q) = p ^ → (~q) Como analisaremos a tabela-verdade das duas situações? Vamos analisar o primeiro exemplo: ―Se chover, então, ficarei em casa‖ p = chover q = ficarei em casa p V V F F

p→q V F V V

q V F V F

Agora adicionarei a coluna referente à negação da proposição q: p V V F F

q V F V F

p→q V F V V

~q F V F V

E a seguir, fazer a coluna referente à CONjunção entre p e ~q: 33

p V V F F

p→q V F V V

q V F V F

~( p → q) =p ^ ~q F V F F

~q F V F V

Observe que as tabelas verdades da CONDICIONAL e sua negação (no caso uma CONjunção) são opostas. Negação da Disjunção Exclusiva. “ou p ou q” ¬(P V Q) P ↔ Q Este é um caso mais raro, porém, quando aparece muitos concursandos ―dançam feio‖, porque a muitos materiais didáticos não trazem estas formas de negação. Para negarmos uma proposição do tipo disjunção exclusiva, basta transformá-la em uma estrutura bicondicional. Observe: ―Ou José é rico ou Paulo é bonito‖. p= José é rico q = Paulo é bonito Negando-a temos; ―José é rico se e somente se Paulo é bonito‖ Pela tabela-verdade podemos‖ confirmar‖ a negação da proposição p V V F F

q V F V F

pVq F V V F

¬(p V q) V F F V

p↔q V F F V

Portanto, podemos concluir que a negação de uma estrutura bicondicional é também a disjunção exclusiva, pois, suas tabelas-verdades são opostas. RESUMINDO: Podemos fazer um resumo dos conectivos e suas tabelas-verdade e as suas respectivas negações:

Conectivo

É verdade quando

É falso quando

p∧q

p e q são, ambos, verdade

um dos dois for falso

pVq

um dos dois for verdade

p e q, ambos, são falsos

pVq

dois valores lógicos diferentes

dois valores lógicos iguais

p→q

nos demais casos

p é verdade e q é falso

p↔q

p e q tiverem valores lógicos iguais

p e q tiverem valores lógicos diferentes

34

negação de (p e q)

~p ou ~q

negação de (p ou q)

~p e ~q

negação de (p → q)

p e ~q

negação de (p ↔ q)

Ou p Ou q

Questões 01. (TJ/SE - Nível Superior - CESPEUnB/2014) Considerando que P seja a proposição ―Se os seres humanos soubessem se comportar, haveria menos conflitos entre os povos‖, julgue o item seguinte: A negação da proposição P pode ser corretamente expressa pela proposição ―Se os seres humanos não soubessem se comportar, não haveria menos conflitos entre os povos‖. (certo) (errado) 02. (TC/DF - Analista de Administração Pública - CESPEUnB/2014) Considere as proposições P1, P2, P3 e P4, apresentadas a seguir. P1: Se as ações de um empresário contribuírem para a manutenção de certos empregos da estrutura social, então tal empresário merece receber a gratidão da sociedade. P2: Se um empresário tem atuação antieconômica ou antiética, então ocorre um escândalo no mundo empresarial. P3: Se ocorre um escândalo no mundo empresarial, as ações do empresário contribuíram para a manutenção de certos empregos da estrutura social. P4: Se um empresário tem atuação antieconômica ou antiética, ele merece receber a gratidão da sociedade. Tendo como referência essas proposições, julgue o item seguinte. A negação da proposição ―Um empresário tem atuação antieconômica ou antiética‖ pode ser expressa por ―Um empresário não tem atuação antieconômica ou não tem atuação antiética‖. (certo) (errado) 03. (TC/DF - Analista de Administração Pública - CESPEUnB/2014) Considere as proposições P1, P2, P3 e P4, apresentadas a seguir. P1: Se as ações de um empresário contribuírem para a manutenção de certos empregos da estrutura social, então tal empresário merece receber a gratidão da sociedade. P2: Se um empresário tem atuação antieconômica ou antiética, então ocorre um escândalo no mundo empresarial. P3: Se ocorre um escândalo no mundo empresarial, as ações do empresário contribuíram para a manutenção de certos empregos da estrutura social. P4: Se um empresário tem atuação antieconômica ou antiética, ele merece receber a gratidão da sociedade. Tendo como referência essas proposições, julgue o item seguinte. Caso sejam falsas as proposições ―Um empresário tem atuação antieconômica ou antiética‖ e ―Ele merece receber a gratidão da sociedade‖, então a proposição P4 também será falsa. (certo) (errado) 04. (PRODEST/ES - Assistente de Tecnologia da Informação - VUNESP/2014) Uma negação lógica para a proposição ―Pedro estudou e está participando de um concurso‖ está contida na alternativa: (A) Pedro não estudou ou não está participando de um concurso. (B) Pedro não estudou e não está participando de um concurso. (C) Pedro estudou pouco, mas está participando de um concurso. (D) Pedro estudou, mas não está participando de um concurso. (E) Pedro estudou pouco e não está participando de um concurso. 05. (FUNDUNESP - Analista de Tecnologia da Informação - Redes - VUNESP/2014) ―Se Jorge é inteligente, então ele é analista de redes‖. Negar a afirmação proposta é afirmar que (A) Jorge não é inteligente e é analista de redes. (B) se Jorge não é inteligente, então ele não é analista de redes.

35

(C) Jorge é inteligente e não é analista de redes. (D) se Jorge não é analista de redes, então ele não é inteligente. (E) Jorge é analista de redes e é inteligente. 06. (TRT/19ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Considere a seguinte afirmação: Se José estuda com persistência, então ele faz uma boa prova e fica satisfeito. Uma afirmação que é a negação da afirmação acima é (A) José estuda com persistência e ele não faz uma boa prova e ele não fica satisfeito. (B) José não estuda com persistência e ele não faz uma boa prova ou fica satisfeito. (C) José estuda com persistência ou ele faz uma boa prova ou ele não fica satisfeito. (D) José estuda com persistência e ele não faz uma boa prova ou ele não fica satisfeito. (E) Se José fica satisfeito então ele fez uma boa prova e estudou com persistência. 07. (CONAB – Administração - IADES/2014) Com relação à proposição ―se chove, então a safra de grãos será abundante‖, assinale a alternativa correta. (A) ―Chove‖ é uma condição necessária para a safra de grãos ser abundante. (B) ―Se a safra de grãos não for abundante, então não chove‖ tem o mesmo valor lógico da proposição apresentada. (C) A negação pode ser ―chove ou a safra de grãos não será abundante‖. (D) ―A safra de grãos será abundante‖ é uma condição suficiente para ―chove‖. (E) A negação pode ser ―não chove ou a safra de grãos será abundante‖. 08. (EMPLASA – Analista de Geomática Engenharia da Computação – VUNESP/2014) Seja a afirmação: ―Se o chão está molhado e o céu está limpo, então não choveu.‖ A negação dessa afirmação é: (A) Se o chão está molhado e o céu não está limpo, então choveu. (B) O chão está molhado e o céu está limpo, e choveu. (C) Se chove o chão fica molhado e o céu não fica limpo. (D) Choveu, então o céu está limpo e o chão não está molhado. (E) Choveu, então o céu não está limpo ou o chão não está molhado. 09. (Câmara dos Deputados - Técnico Legislativo Agente de Polícia Legislativa CESPEUnB/2014) Considerando que P seja a proposição ―Se o bem é público, então não é de ninguém‖, julgue o item subsequente. A negação da proposição P está corretamente expressa por ―O bem é público e é de todos‖. (certo) (errado) 10. (Ministério da Fazenda - Assistente Técnico Administrativo - ESAF/2014) A negação da proposição ―se Paulo trabalha oito horas por dia, então ele é servidor público‖ é logicamente equivalente à proposição: (A) Paulo trabalha oito horas por dia ou é servidor público. (B) Paulo trabalha oito horas por dia e não é servidor público. (C) Paulo trabalha oito horas por dia e é servidor público. (D) Se Paulo não trabalha oito horas por dia, então não é servidor público. (E) Se Paulo é servidor público, então ele não trabalha oito horas por dia. 11. (AGU - Administrador - IDECAN/2014) Considere a seguinte proposição: ―serei aprovado se e somente se eu estudar muito‖. A sua negação pode ser escrita como: (A) ―Serei aprovado ou estudarei muito.‖ (B) ―Estudarei muito e não serei aprovado ou serei aprovado e não estudarei muito.‖ (C) ―Serei aprovado ou não estudarei muito e estudarei muito ou não serei aprovado.‖ (D) ―Serei aprovado e não estudarei muito ou não estudarei muito e não serei aprovado.‖ (E) ―Não serei aprovado e não estudarei muito ou estudarei muito e não serei aprovado.‖ 12. (CEF - Técnico Bancário - CESPEUnB/2014) Considerando a proposição ―Se Paulo não foi ao banco, ele está sem dinheiro‖, julgue o item seguinte. A negação da referida proposição pode ser expressa pela proposição ―Paulo não foi ao banco e ele não está sem dinheiro‖. (certo) (errado) 36

13. (AGU - Administrador - IDECAN/2014) Afirmar que não é verdade que ―se Pedro não é brasileiro, então João é corintiano‖ é equivalente a dizer que (A) ou Pedro é brasileiro ou João não é corintiano. (B) Pedro não é brasileiro e João não é corintiano. (C) Pedro não é brasileiro ou João não é corintiano. (D) se João não é corintiano, então Pedro é brasileiro. (E) se Pedro não é brasileiro, então João é corintiano. 14. (EMGEPRON - Advogado - BIO-RIO/2014) A negação de ―se Joaquim passa no concurso então faz uma viagem‖ é: a) Joaquim não passa no concurso e não viaja. b) Joaquim passa no concurso e não viaja. c) Joaquim não passa no concurso ou não viaja. d) se Joaquim não passa no concurso então não viaja. Respostas 1 – Resolução: A proposição pode ser reescrita da seguinte forma: ―Se os seres humanos soubessem se comportar, ENTÃO haveria menos conflitos entre os povos‖ Trata-se de uma condicional. A negação de uma condicional se faz da seguinte forma: pela conjunção escrita na forma ~p ^ q. Ou seja: nega-se a primeira parcela, troca-se o conectivo condicional pela conjunção ―e‖ e mantem a segunda parcela. Logo, a proposição está errada, pois a banca simplesmente colocou a palavra não em ambas as parcelas. Esta não é a forma de negação de uma condicional. Resposta: Errado. 2 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição composta por uma disjunção (conectivo ―ou‖) e pede a sua negação. A negação de uma disjunção se faz através de uma conjunção em que trocaremos o conectivo ―ou‖ pelo conectivo ―e‖, além de negar as duas parcelas. Observamos que não ocorreu a troca do conectivo ―ou‖, apesar de ter negado corretamente as duas parcelas. Logo, a estrutura lógica da negação está errada. Resposta: Errado. 3 – Resolução: Vamos analisar a proposição P4 e já atribuir os valores lógicos de suas parcelas, segundo o enunciado: P4: Se um empresário tem atuação antieconômica ou antiética (F), ele merece receber a gratidão da sociedade. (F). Trata-se de uma condicional. Quando a primeira parcela da condicional é falsa, a condicional será verdadeira nem importando o valor da segunda parcela (esta pode ser V ou F). Logo, P4 será verdadeira. Resposta: Errado. 4 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição do tipo conjunção e pede a sua negação. A negação de uma conjunção se faz através de uma disjunção em que trocaremos o conectivo ―e‖ pelo conectivo ―ou‖, além de negar as duas parcelas. Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem este conectivo ‗ou‖ (a conjunção mas é equivalente á conjunção e). Descartamos as alternativas B, C, D e E. Resta, por exclusão a alternativa A. Vamos à negativa: Pedro NÃO estudou OU NÃO está participando de um concurso. Resposta: A. 5 – Resolução: A negação de uma condicional é feita através de uma conjunção e podemos fazer seguindo a seguinte estrutura: Como se negar uma condicional? Seguiremos os seguintes passos: 37

Para negarmos uma proposição do tipo condicional (se p então q) é fácil: 1) manteremos a primeira parcela (p); 2) Negaremos a segunda parcela. 3) Trocaremos o conectivo por e. A sentença a ser negada é: ―Se Jorge é inteligente, então ele é analista de redes‖ 6 – Resolução: Esta negação é a mais cobrada em concursos. Portanto, é de extrema importância que saibamos trabalhar muito bem esta negação. Como se negar uma condicional? Seguiremos os seguintes passos: Para negarmos uma proposição do tipo condicional (se p então q) é fácil: 1) manteremos a primeira parcela (p); 2) Negaremos a segunda parcela. Porém, esta segunda parcela é uma conjunção. E toda conjunção é negada com uma disjunção, negando ambas as parcelas. 3) Trocaremos o conectivo por e. A sentença a ser negada é: Se José estuda com persistência, então ele faz uma boa prova e fica satisfeito. Então, no caso em questão, consideraremos: p → (q ^r) Vamos resolver: Manter p: José estuda com persistência E Negar (q ^r) = negue as duas parcelas e troque e por OU. A conjunção a ser negada é esta: ele faz uma boa prova e fica satisfeito Negação: ele não faz uma boa prova OU não fica satisfeito. Agora, juntamos tudo: José estuda com persistência E ele não faz uma boa prova OU não fica satisfeito. Resposta: D. 7 – Resolução: A negação de uma condicional se faz através de uma conjunção (conectivo ―e‖). Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem este conectivo. Descartamos as alternativas C e E. A primeira parcela de uma condicional é condição suficiente e a segunda parcela é condição necessária. Logo, excluímos as alternativas A e D. Resta, por exclusão a alternativa B. Nesta temos a contrapositiva, que é feita da seguinte forma: é uma condicional obtida pela inversão das parcelas além de que estas devem ser negadas. Veja: ―se chove, então a safra de grãos será abundante‖ p: chove q: a safra de grãos será abundante ~p: não chove ~q: a safra de grãos não será abundante Contrapositiva: Se a safra de grãos não for abundante então, não chove. Resposta: B. 8 – Resolução: A negação de uma condicional se faz através de uma conjunção (conectivo ―e‖). E a negação de uma conjunção se faz através do conectivo ―ou‖. Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem este conectivo. Descartamos as alternativas A, C, D e E. Resta, por exclusão a alternativa B. Para negarmos uma proposição condicional, repete-se a primeira parcela (―o chão está molhado e o céu está limpo‖), troca-se o conectivo por ―e‖ e nega-se a segunda parcela (―não choveu‖ ao ser negado passa a ―choveu‖). Vejamos: O chão está molhado e o céu está limpo e choveu. Resposta: B. 9 – Resolução:

38

O enunciado nos traz uma proposição do tipo condicional (Se, então). A negação de uma condicional se faz através de uma conjunção (conectivo ―e‖). Portanto, já podemos considerar que o conectivo está correto. Vamos seguir com a resolução, portanto. Para negarmos uma proposição condicional, repetese a primeira parcela (―o bem é público‖), troca-se o conectivo por ―e‖ e nega-se a segunda parcela (―não é de ninguém‖ ao ser negado passa a ―não não é de ninguém, ou seja: é de alguém‖). Vejamos: ―o bem é público E é de alguém‖. Resposta: Errado. 10 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição do tipo condicional (Se, então). A negação de uma condicional se faz através de uma conjunção (conectivo ―e‖). Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem estes conectivo. Descartamos as alternativas A, D e E. Vamos seguir com a resolução, portanto. Para negarmos uma proposição condicional, repete-se a primeira parcela (―Paulo trabalha oito horas por dia‖), troca-se o conectivo por ―e‖ e nega-se a segunda parcela (―ele é servidor público‖ ao ser negado passa a ―ele NÃO é servidor público‖). Vejamos: ―Paulo trabalha oito horas por dia E NÃO é servidor público‖. Resposta: B. 11 – Resolução: A bicondicional apresentada no enunciado pode ser negada através de uma disjunção exclusiva (ou, ou, mas não ambas) e isto não se verifica em nenhuma das alternativas. Outra possibilidade é a bicondicional ser reescrita na forma de duas condicionais unidas em conjunção. Portanto, vamos reescrevê-la: ―Se eu for aprovado então, eu estudarei muito e se eu estudar muito então, serei aprovado‖ Agora, basta negar a condicional (mantendo a primeira parcela, substituindo o conectivo se, então pelo conectivo ―e‖. Devemos também negar a conjunção entre estas duas condicionais através de uma disjunção, trocando o conectivo ―e‖ pelo conectivo ―ou‖. ―Não serei aprovado ou não estudarei muito e se eu estudar muito então, serei aprovado‖ Resposta: B. 12 – Resolução: A negação de uma condicional se faz através de uma conjunção (conectivo ―e‖). Portanto, já podemos considerar que o conectivo está correto. Vamos seguir com a resolução, portanto. Para negarmos uma proposição condicional, repete-se a primeira parcela (―Paulo não foi ao banco‖), troca-se o conectivo por ―e‖ e nega-se a segunda parcela (―ele está sem dinheiro‖ ao ser negado passa a ―ele não está sem dinheiro‖). Vejamos: Paulo não foi ao banco E ele NÃO está sem dinheiro. Resposta: Certo. 13 – Resolução: O enunciado sugere uma negação de uma condicional. Para negarmos uma proposição condicional, repete-se a primeira parcela (―Pedro não é brasileiro‖), troca-se o conectivo por ―e‖ e nega-se a segunda parcela (―João é corintiano‖ ao ser negado passa a ―João NÃO é corintiano‖). Vejamos: Pedro não é brasileiro E João NÃO é corintiano. Resposta: B. 14 – Resolução: A proposição do enunciado é uma condicional. A negação de uma condicional se faz através de uma conjunção (conectivo ―e‖). Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem este conectivo. Descartamos as alternativas C, e D Vamos seguir com a resolução, portanto. Para negarmos uma proposição condicional, repete-se a primeira parcela (―Joaquim passa no concurso‖), troca-se o conectivo por ―e‖ e nega-se a segunda parcela (―faz uma viagem‖ ao ser negado passa a ―ele não viaja‖). Vejamos: Joaquim passa no concurso E NÃO viaja. Resposta: B.

39

6. Equivalência O que quer dizer a palavra Equivalência? Vejamos o dicionário: Significado de Equivalência s.f. Característica ou condição de equivalente. Matemática. Característica das grandezas que possuem o mesmo valor; diz-se da força, do peso etc. Lógica: correspondência entre duas proposições que possuem o mesmo valor de verdade, ou seja, se uma é verdadeira, a outra também será. (Etm. equivaler + ência) A equivalência entre proposições compostas ocorre quando suas tabelas verdades forem idênticas. Mesmo que para isso usemos diferentes expressões. Seria uma forma de ―dizer a mesma coisa de maneiras ou formas diferentes‖. Numa linguagem popular: o Francisco é o Chico.... Para expressarmos a ocorrência de uma equivalência usaremos a seguinte simbologia (⇔ ou mais excepcionalmente, ≡). Nos concursos a incidência de equivalência é muito grande. Principalmente quando se trabalha com a proposição na forma condicional. O motivo disto é que são possíveis duas distintas formas de equivalência para a condicional. E isto gera um grau de dificuldade muito grande para o candidato, fazendo com que ele erre muitas questões (creio que seja este um dos objetivos da banca, para selecionar quem sabe menos de quem sabe mais do assunto). Vejamos as equivalências mais comuns: a) Conjunção (A ^ B ⇔ B ^A) A e B é equivalente a B e A. Exemplo: Lúcia é enfermeira e Carla é médica. Equivalente: Carla é médica e Lúcia é enfermeira b) Disjunção (A V B ⇔ B V A) A ou B é equivalente a B ou A. Ludmila é bailarina ou Lívia é cantora. Equivalente: Lívia é cantora ou Ludmila é bailarina. c) Disjunção exclusiva (A V B ⇔ B V A) Ou a ou B é equivalente a ou B ou A Exemplo: Ou vou ao cinema ou vou ao estádio. Equivale a: Ou vou ao estádio ou vou ao cinema. d) Condicional Aqui a coisa pode complicar. Existem expressões que a banca pode forçar a barra para fazer o candidato errar. Ela pedirá ou questionará equivalência entre condicionais mencionando termos como: contrária, contrapositiva, etc. Para verificar esse fato, vamos examinar as tabelas-verdade:

40

p V V F

q V F V

~p F F V

~q F V F

1 (p → q) V F V

2 ~p → ~q V V F

3 (q → p) V V F

4 ~q → ~p V F V

5 p^ ~ q F V F

F

F

V

V

V

V

V

V

F

6 ~p V q V F V V

Observe que as tabelas-verdade em azul (casos 1,4 e 6) são idênticas. Portanto, são situações equivalentes. Vamos fazer aqui uma análise muito importante: Temos na tabela a coluna 1 que corresponde à tabela-verdade da condicional. Quando negamos uma condicional (resultando na tabela-verdade da coluna 5) devemos negá-la com uma conjunção. Quando se nega uma conjunção (coluna 5) devemos negar com uma disjunção (obtendo a tabelaverdade da coluna 6). Portanto, considerando que a condicional é verdadeira ao negá-la teremos valor lógico correspondente falso e ao negar novamente teremos a volta ao valor lógico verdadeiro. O que quero dizer com isso? É que negar a verdade resulta em mentira e negar a mentira resulta em verdade. Portanto, a negação da negação é equivalente à proposição inicial. Por isto, as colunas em azul 1 e 6 são idênticas (e são equivalentes). Se considerarmos coluna 1 a proposição verdadeira, sua negação seria a coluna 5. E se negarmos a coluna 5, o resultado seria a coluna 6. A equivalência contrapositiva Há um caso muito especial de equivalência da condicional que é a chamada contrapositiva. O que seria a contrapositiva? Como fazer sua expressão? Repare que teremos uma equivalência da condicional com uma disjunção (exemplos das colunas 1 e 6). Porém, podemos ter uma equivalente de condicional na forma de condicional (coluna 4). Observe que neste caso, teremos a inversão da ordem das proposições simples, ambas negadas e unidas com conectivo condicional. Existem formas de se determinar esta expressão, porém, para evitar criar mais dificuldades e complexidade para você, caro aluno, basta memorizar, como citado acima, a expressão lógica da contrapositiva. RESUMINDO: Equivalências da condicional: - com uma disjunção: ~p V q - com outra condicional (contrapositiva): ~q → ~p. Vamos fazer duas questões para exemplificar: Exemplo: ―Se chover então ficarei em casa.‖ - com uma disjunção: ~p V q Não chove ou fico em casa. - com outra condicional (contrapositiva): ~q → ~p. Se não fiquei em casa então não choveu. Exemplo: Se chove então me molho - com uma disjunção: ~p V q Não estudo ou passo no concurso

41

- com outra condicional (contrapositiva): ~q → ~p. Se não me molho então não chove Vale a pena ressaltar que muitas bancas trazem uma condicional e pedem sua equivalência. Porém, costumam colocar nas alternativas expressões com diferentes conectivos, com negação ou não, etc. E isto gera uma confusão muito grande na cabeça do candidato, em caso destas relações não estarem bem memorizadas. Portanto, memorize: (p → q) ⇔ ~q → ~p ⇔ ~p V q e) Bicondicional (A ↔ B ⇔ B ↔ A) ou (a → b ^ b → a) A se e somente B equivale a B se e somente A. Ou: A se e somente B equivale a Se A então B e se B então A. Questões 01. (MTur – Contador - ESAF/2014) A proposição ―se Catarina é turista, então Paulo é estudante‖ é logicamente equivalente a (A) Catarina não é turista ou Paulo não é estudante. (B) Catarina é turista e Paulo não é estudante. (C) Se Paulo não é estudante, então Catarina não é turista. (D) Catarina não é turista e Paulo não é estudante. (E) Se Catarina não é turista, então Paulo não é estudante. 02. (Câmara Municipal de São José dos Campos/SP - Analista Legislativo Informática Especialidade Analista de Sistemas - VUNESP/2014) Se não chove, então passeamos ou jogamos bola. Uma afirmação logicamente equivalente é: (A) Se chove, então não passeamos e jogamos bola. (B) Se passeamos ou jogamos bola, então não chove. (C) Chove ou, passeamos ou jogamos bola. (D) Não chove e, passeamos ou jogamos bola. (E) Se jogamos bola e passeamos, então chove. 03. (SUFRAMA – Nível Superior - CESPEUnB/2014) Pedro, um jovem empregado de uma empresa, ao receber a proposta de novo emprego, fez diversas reflexões que estão traduzidas nas proposições abaixo. • P1: Se eu aceitar o novo emprego, ganharei menos, mas ficarei menos tempo no trânsito. • P2: Se eu ganhar menos, consumirei menos. • P3: Se eu consumir menos, não serei feliz. • P4: Se eu ficar menos tempo no trânsito, ficarei menos estressado. • P5: Se eu ficar menos estressado, serei feliz. A partir dessas proposições, julgue o item a seguir. A proposição P1 é logicamente equivalente à proposição ―Eu não aceito o novo emprego, ou ganharei menos e ficarei menos tempo no trânsito‖. (certo) (errado) 04. (CEF - Técnico Bancário - CESPEUnB/2014) Considerando a proposição ―Se Paulo não foi ao banco, ele está sem dinheiro‖, julgue o item seguinte. A proposição considerada equivale à proposição ―Se Paulo não está sem dinheiro, ele foi ao banco‖. (certo) (errado) 05. (CEF - Técnico Bancário - CESPEUnB/2014) Considerando a proposição ―Se Paulo não foi ao banco, ele está sem dinheiro‖, julgue o item seguinte. A proposição em apreço equivale à proposição ―Paulo foi ao banco e está sem dinheiro‖. (certo) (errado) 06. (Câmara dos Deputados - Técnico Legislativo Agente de Polícia Legislativa CESPEUnB/2014) Considerando que P seja a proposição ―Se o bem é público, então não é de ninguém‖, julgue o item subsequente. 42

A proposição P é equivalente à proposição ―Se o bem é de alguém, então não é público‖. (certo) (errado) 07. (Câmara dos Deputados - Técnico Legislativo Agente de Polícia Legislativa CESPEUnB/2014) Considerando que P seja a proposição ―Se o bem é público, então não é de ninguém‖, julgue o item subsequente. A proposição P é equivalente à proposição ―Se o bem é de todos, então é público‖. (certo) (errado) 08. (HUB EBSERH - Técnico em Informática - IBFC/2014) De acordo com o raciocínio lógico matemático, pode- se afirmar que a disjunção entre duas proposições compostas (p v q) é equivalente a: (A) ~p v ~q (B) ~p v q (C) p ^ ~q (D) ~p ^ ~q 09. (MPE/SC - Analista do Ministério Público - FEPESE/2014) A afirmação logicamente equivalente à sentença: ―Se José e Maria trabalham, então João ou Lúcia descansam‖ é: A) Se João ou Lúcia descansam, então José e Maria não trabalham. B) Se João ou Lúcia descansam, então José ou Maria não trabalham. C) Se José e Maria não trabalham, então João e Lúcia não descansam. D) Se João e Lúcia não descansam, então José e Maria não trabalham. E) Se João e Lúcia não descansam, então José ou Maria não trabalham. 10. (MEC - Todos os Cargos - Conhecimentos Gerais - CESPEUnB/2014) Considerando a proposição P: ―Nos processos seletivos, se o candidato for pós-graduado ou souber falar inglês, mas apresentar deficiências em língua portuguesa, essas deficiências não serão toleradas‖, julgue os itens seguintes acerca da lógica sentencial. A proposição ―O candidato não apresenta deficiências em língua portuguesa ou essas deficiências são toleradas‖ é logicamente equivalente a ―Se o candidato apresenta deficiências em língua portuguesa, então essas deficiências são toleradas‖. (certo) (errado) 11. (MPE/SC - Técnico em Informática - FEPESE/2014) A afirmação logicamente equivalente à sentença: ―Se o número 5 ou 8 for sorteado, então eu serei rico e famoso‖ é: (A) Se eu não for rico ou famoso, então os números 5 e 8 não serão sorteados. (B) Se eu não for rico e famoso, então os números 5 e 8 não serão sorteados. (C) Se o número 5 ou 8 não for sorteado, então eu não serei rico e famoso. (D) Se o número 5 ou 8 não for sorteado, então eu não serei rico ou não serei famoso. (E) Se eu não for rico ou famoso, então ou o número 5 ou o número 8 não será sorteado. 12. (DESENVOLVE/SP - Contador - VUNESP/2014) Se o sino da igreja toca e minha avó o escuta, então minha avó vai para a igreja. Uma afirmação equivalente a essa, do ponto de vista lógico, é: (A) Se minha avó não vai para a igreja, então o sino da igreja não toca ou minha avó não o escuta. (B) Se minha avó não o escuta, então o sino da igreja não toca e minha avó não vai para a igreja. (C) Minha avó não o escuta ou o sino da igreja toca ou minha avó vai para a igreja. (D) Se o sino da igreja toca e minha avó vai para a igreja, então minha avó o escuta. (E) Se o sino da igreja não toca ou minha avó não o escuta, então minha avó não vai para a igreja. 13. (CBM/RJ - Cabo Técnico em Enfermagem - ND/2014) A sentença logicamente equivalente a "Se Antônio é médico, então Giovana não é casada‖ é: (A) Se Giovana é casada, então Antônio é médico. (B) Antônio não é médico ou Giovana não é casada. (C) Antônio é médico ou Giovana não é casada. (D) Antônio não é médico ou Giovana é casada. (E) Se Giovana não é casada, então Antônio é médico.

43

14. (MPE/SC - Analista do Ministério Público - FEPESE/2014) Em um país eleições serão realizadas em breve. Sabe-se que se a pessoa A somente será candidata se a pessoa B for candidata. Ainda, se a pessoa C não se candidatar então a pessoa A também não será candidata. Logo: (A) Se a pessoa B for candidata, então a pessoa A não será candidata. (B) Se a pessoa B for candidata, então a pessoa C também será candidata. (C) Se a pessoa B for candidata, então a pessoa C não será candidata. (D) Se a pessoa B não for candidata, então a pessoa C também será candidata. (E) Se a pessoa B não for candidata, então a pessoa C não será candidata. 15. (EMPLASA – Analista de Geomática Engenharia da Computação – VUNESP/2014) Uma frase logicamente equivalente a ―Se jogo xadrez, então sou bom em matemática‖ é: (A) Se sou bom em matemática, então jogo xadrez. (B) Se não sou bom em matemática, então não jogo xadrez. (C) Se não jogo xadrez, então não sou bom em matemática. (D) Posso ser bom em matemática sem saber jogar xadrez. (E) Posso ser jogador de xadrez sem ser bom em matemática. Respostas 1 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional. A condicional pode ter duas formas de equivalentes: através de uma disjunção ou por uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Considerando: p: Catarina é turista q: Paulo é estudante. as negativas destas parcelas seriam: ~p: Catarina não é turista ~q: Paulo não é estudante A equivalência de condicional por uma conjunção deve seguir a seguinte relação: ~p V q. Portanto, teríamos: Catarina não é turista OU Paulo é estudante. Não encontramos esta proposição nas alternativas. Logo, precisamos fazer a contrapositiva: p → q equivale a ~q → ~p. Teremos ―Se Paulo não é estudante então, Catarina não é turista‖. Resposta: C. 2 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional, que apresenta na sua segunda parcela uma disjunção. A condicional pode ter duas formas de equivalentes: através de uma disjunção ou por uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. A disjunção tem sua negativa por uma conjunção (substituir conectivo ―ou‖ pelo conectivo ―e‖). Considerando: p: não chove q: passeamos. r: jogamos bola A equivalência de condicional por uma conjunção deve seguir a seguinte relação: ~p V q. Portanto, teríamos: chove OU passeamos ou jogamos bola. Resposta: C. 3 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional, por uma disjunção. A equivalência de condicional por uma disjunção deve seguir a seguinte relação: ~p V q. Considerando: p: eu aceitar o novo emprego q: ganharei menos, mas ficarei menos tempo no trânsito.

44

Portanto, teríamos: eu NÃO aceito o novo emprego OU ganharei menos, mas ficarei menos tempo no trânsito. Resposta: Certo. 4 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional, usando uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Considerando: p: Paulo não foi ao banco q: ele está sem dinheiro as negativas destas parcelas seriam: ~p: Paulo foi ao banco ~q: ele NÃO está sem dinheiro. Montando a contrapositiva teremos: Se Paulo NÃO está sem dinheiro, então ele foi ao banco. Resposta: Certo. 5 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional. A condicional pode ter duas formas de equivalentes: através de uma disjunção (conectivo ―ou‖) ou por uma outra condicional, chamada de contrapositiva. Observamos que se propõe uma equivalência de condicional com uma conjunção (conectivo ―e‖) e isto não está correto. Resposta: Errado. 6 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional, usando uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Considerando: p: o bem é público q: não é de ninguém. As negativas destas parcelas seriam: ~p: o bem não é público ~q: é de ninguém. Montando a contrapositiva teremos: Se o bem é de alguém, então (o bem) não é público Resposta: Certo. 7 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional, usando uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Considerando: p: o bem é público q: não é de ninguém. As negativas destas parcelas seriam: ~p: o bem não é público ~q: é de ninguém. Montando a contrapositiva teremos: Se o bem é de alguém, então (o bem) não é público Resposta: Errado. 8 – Resolução: O enunciado pede o equivalente entre duas disjunções do tipo (p v q). A equivalente de uma disjunção (p v q) é (q v p) Vamos montar esta situação e desenvolver a equivalência: Resposta: D. 9 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional, usando uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Porém, devemos observar que temos na primeira parcela uma conjunção e na segunda parcela da condicional uma disjunção. Cuidado, pois, a contrapositiva requer que se negue ambas as parcelas. E devemos saber que uma conjunção se nega com uma disjunção, após negar as proposições. E uma disjunção se nega com uma conjunção além de se negar as duas proposições. 45

Considerando: p: José e Maria trabalham q: João ou Lúcia descansam. As negativas destas parcelas seriam: ~p: José ou Maria não trabalham ~q: João e Lúcia não descansam Montando a contrapositiva teremos: Se João e Lúcia não descansam, então José ou Maria não trabalham. Resposta: E. 10 – Resolução: O enunciado propõe equivalência entre uma disjunção e uma condicional. Observamos que a proposição ―O candidato não apresenta deficiências em língua portuguesa ou essas deficiências são toleradas‖ é uma disjunção e, a relação de equivalência condicional é ―Se o candidato apresenta deficiências em língua portuguesa, então essas deficiências são toleradas‖. Esta equivalência se faz de acordo com a seguinte relação: ~p V q equivale a p → q. Vamos considerar: ~p: O candidato não apresenta deficiências em língua portuguesa. p: O candidato apresenta deficiências em língua portuguesa. q: essas deficiências são toleradas. Então, a equivalente condicional seria: ―Se o candidato apresenta deficiências em língua portuguesa, então essas deficiências são toleradas‖. Comparamos com a proposta do enunciado e verificamos que são idênticas. Resposta: Certo. 11 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional, usando uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Porém, devemos observar que temos na primeira parcela uma disjunção e na segunda parcela da condicional uma conjunção. Cuidado, pois, a contrapositiva requer que se negue ambas as parcelas. E devemos saber que uma conjunção se nega com uma disjunção, após negar as proposições. E uma disjunção se nega com uma conjunção além de se negar as duas proposições. Considerando: p: o número 5 ou 8 for sorteado q: serei rico e famoso. As negativas destas parcelas seriam: ~p: os números 5 e 8 NÂO forem sorteados. ~q: NÃO serei rico ou famoso. Montando a contrapositiva teremos: Se eu NÃO for rico ou famoso, então os números 5 e 8 NÂO serão sorteados. Resposta: A. 12 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional. A condicional pode ter duas formas de equivalentes: através de uma disjunção ou por uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Observando as alternativas percebemos que a maioria é de condicionais. Logo, é mais indicado tentarmos a contrapositiva. Se a contrapositiva não estiver entre as alternativas, por exclusão, a resposta será a alternativa C (e nem precisaremos fazer a disjunção). Lembrando que a primeira parcela da condicional traz uma conjunção e esta é negada através da disjunção. Considerando: p: o sino da igreja toca e minha avó o escuta q: minha avó vai para a igreja as negativas destas parcelas seriam: ~p: o sino da igreja Não toca OU minha avó NÃO o escuta 46

~q: minha avó NÃO vai para a igreja A contrapositiva: p → q equivale a ~q → ~p. ―Se minha avó NÃO vai para a igreja, então o sino da igreja Não toca OU minha avó NÃO o escuta‖. Encontramos esta estrutura na alternativa A. Resposta: A. 13 – Resolução: O enunciado propõe uma relação de equivalência para uma condicional. A condicional pode ter duas formas de equivalentes: através de uma disjunção ou por uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Considerando: p: Antônio e médico q: Giovana não é casada. As negativas destas parcelas seriam: ~p: Antônio NÃO é médico ~q: Giovana é casada A equivalência de condicional por uma conjunção deve seguir a seguinte relação: ~p V q. Portanto, teríamos: Antônio NÃO é médico OU Giovana não é casada. Encontramos esta proposição na alternativa B. Não precisamos testar a contrapositiva. Resposta: B. 14 – Resolução: Vejam as implicações do enunciado: - A somente será candidata se a pessoa B for candidata. - Se C não se candidatar então a pessoa A também não será candidata Vamos analisar as alternativas e ver se procede o que se diz. (A) Se a pessoa B for candidata, então a pessoa A não será candidata. Errado Se B se candidatar A também se candidatará. (B) Se a pessoa B for candidata, então a pessoa C também será candidata. Como B se candidata A também se candidata. Se A se candidata C também se candidata. Podemos concluir por transitoriedade das implicações. Resposta: B. 15 – Resolução: O enunciado propões uma relação de equivalência para uma condicional. A condicional pode ter duas formas de equivalentes: através de uma disjunção ou por uma outra condicional. Esta forma chama-se contrapositiva e tem a seguinte estrutura: p → q equivale a ~q → ~p. Considerando: p: jogo xadrez q: sou bom em matemática. As negativas destas parcelas seriam: ~p: NÃO jogo xadrez ~q: não sou bom em matemática A equivalência de condicional por uma conjunção deve seguir a seguinte relação: ~p V q. Portanto, teríamos: NÃO jogo xadrez OU sou bom em matemática. Não encontramos esta equivalente. Vamos, então, fazer a equivalente pela contrapositiva. Se não sou bom em matemática então, NÃO jogo xadrez Encontramos esta proposição na alternativa B.

Resposta: B.

7. Argumentação Chama-se argumento uma sequência finita de proposições P (P1, P2, P3,...Pn) que inferem uma proposição Q (ou C), ou seja, um grupo de proposições iniciais denominadas premissas, que findam em

47

uma proposição final, denominada de conclusão do argumento, que será consequência das premissas iniciais. Há um caso de argumento, em que temos duas premissas e uma conclusão. Tal argumento recebe o nome de silogismo categórico (Aristóteles). As premissas também podem ser denominadas de hipóteses e a conclusão de tese. Vejamos alguns exemplos de argumentos: Exemplos: 01. Se eu passar no concurso, então irei trabalhar. Passei no concurso ________________________ ∴ Irei trabalhar 02. Se ele me ama então casa comigo. Ele me ama. __________________________ ∴ Ele casa comigo. 03. Todos os brasileiros são humanos. Todos os paulistas são brasileiros. __________________________ ∴ Todos os paulistas são humanos. 04. Todos os homens são mortais Sócrates é homem -----------------------------------------Sócrates é mortal. Vamos interpretar estas premissas? Acima, temos duas premissas (Todos os homens são mortais; Sócrates é homem). Estamos dizendo que essas duas premissas acarretam na nossa conclusão (Sócrates é mortal). Eis nosso exemplo de argumento. IMPORTANTE: - O tipo de argumento ilustrado nos exemplos acima é chamado silogismo. Ou seja, silogismo é o argumento formado por duas premissas e a conclusão. - Em um argumento lógico, sempre consideraremos as premissas como sendo verdadeiras. - O argumento lógico afirma que o conjunto de premissas tem como consequência uma determinada conclusão. Os argumentos, em lógica, possuem dois componentes básicos: suas premissas e sua conclusão. Por exemplo, em: ―Todos os times brasileiros são bons e estão entre os melhores times do mundo. O Brasiliense é um time brasileiro. Logo, o Brasiliense está entre os melhores times do mundo‖, temos um argumento com duas premissas e a conclusão. Evidentemente, pode-se construir um argumento válido a partir de premissas verdadeiras, chegando a uma conclusão também verdadeira. Mas também é possível construir argumentos válidos a partir de premissas falsas, chegando a conclusões falsas. O detalhe é que podemos partir de premissas falsas, proceder por meio de uma inferência válida e chegar a uma conclusão verdadeira. Por exemplo: Premissa: Todos os peixes vivem no oceano. Premissa: Lontras são peixes. 48

Conclusão: Logo, focas vivem no oceano. Há, no entanto, uma coisa que não pode ser feita: a partir de premissas verdadeiras, inferirem de modo correto e chegar a uma conclusão falsa. Podemos resumir esses resultados numa tabela de regras de implicação. O símbolo A denota implicação; A é a premissa, B é a conclusão. Regras de Implicação Premissas

Conclusão

Inferência

A

B

AàB

Falsas

Falsa

Verdadeira

Falsas

Verdadeira

Verdadeira

Verdadeiras

Falsa

Falsa

Verdadeiras

Verdadeira

Verdadeira

- Se as premissas são falsas e a inferência é válida, a conclusão pode ser verdadeira ou falsa (linhas 1 e 2). - Se as premissas são verdadeiras e a conclusão é falsa, a inferência é inválida (linha 3). - Se as premissas e a inferência são válidas, a conclusão é verdadeira (linha 4). Desse modo, o fato de um argumento ser válido não significa necessariamente que sua conclusão seja verdadeira, pois pode ter partido de premissas falsas. Um argumento válido que foi derivado de premissas verdadeiras é chamado de argumento consistente. Esses, obrigatoriamente, chegam a conclusões verdadeiras. Premissas: Argumentos dedutíveis sempre requerem certo número de ―assunções-base‖. São as chamadas premissas. É a partir delas que os argumentos são construídos ou, dizendo de outro modo, é as razões para se aceitar o argumento. Entretanto, algo que é uma premissa no contexto de um argumento em particular pode ser a conclusão de outro, por exemplo. As premissas do argumento sempre devem ser explicitadas. A omissão das premissas é comumente encarada como algo suspeito, e provavelmente reduzirá as chances de aceitação do argumento. A apresentação das premissas de um argumento geralmente é precedida pelas palavras ―admitindo que...‖, ―já que...‖, ―obviamente se...‖ e ―porque...‖. É imprescindível que seu oponente concorde com suas premissas antes de proceder à argumentação. Usar a palavra ―obviamente‖ pode gerar desconfiança. Ela ocasionalmente faz algumas pessoas aceitarem afirmações falsas em vez de admitir que não entenda por que algo é ―óbvio‖. Não se deve hesitar em questionar afirmações supostamente ―óbvias‖. Inferência: Uma vez que haja concordância sobre as premissas, o argumento procede passo a passo por meio do processo chamado ―inferência‖. Na inferência, parte-se de uma ou mais proposições aceitas (premissas) para chegar a outras novas. Se a inferência for válida, a nova proposição também deverá ser aceita. Posteriormente, essa proposição poderá ser empregada em novas inferências. Assim, inicialmente, apenas se pode inferir algo a partir das premissas do argumento; ao longo da argumentação, entretanto, o número de afirmações que podem ser utilizadas aumenta. Há vários tipos de inferência válidos, mas também alguns inválidos. O processo de inferência é comumente identificado pelas frases ―Consequentemente...‖ ou ―isso implica que...‖. Conclusão: Finalmente se chegará a uma proposição que consiste na conclusão, ou seja, no que se está tentando provar. Ela é o resultado final do processo de inferência e só pode ser classificada como conclusão no contexto de um argumento em particular. A conclusão respalda-se nas premissas e é inferida a partir delas. A seguir está exemplificado um argumento válido, mas que pode ou não ser ―consistente‖. 1. Premissa: Todo evento tem uma causa. 2. Premissa: O universo teve um começo. 3. Premissa: Começar envolve um evento. 49

4. Inferência: Isso implica que o começo do universo envolveu um evento. 5. Inferência: Logo, o começo do universo teve uma causa. 6. Conclusão: O universo teve uma causa. A proposição do item 4 foi inferida dos itens 2 e 3. O item 1, então, é usado em conjunto com proposição 4 para inferir uma nova proposição (item 5). O resultado dessa inferência é reafirmado (numa forma levemente simplificada) como sendo a conclusão. Argumentos Dedutivos e Indutivos O argumento será dedutivo quando suas premissas fornecerem prova conclusiva da veracidade da conclusão, isto é, o argumento é dedutivo quando a conclusão é completamente derivada das premissas. Exemplo: Todo ser humano tem mãe. Todos os homens são humanos. __________________________ ∴ Todos os homens têm mãe. O argumento será indutivo quando suas premissas não fornecerem o apoio completo para retificar as conclusões. Exemplo: O Flamengo é um bom time de futebol. O Palmeiras é um bom time de futebol. O Vasco é um bom time de futebol. O Cruzeiro é um bom time de futebol. ______________________________ ∴ Todos os times brasileiros de futebol são bons. Portanto, nos argumentos indutivos a conclusão possui informações que ultrapassam as fornecidas nas premissas. Sendo assim, não se aplica, então, a definição de argumentos válidos ou não válidos para argumentos indutivos. Argumentos Dedutivos Válidos Vimos então que a noção de argumentos válidos ou não válidos aplica-se apenas aos argumentos dedutivos, e também que a validade depende apenas da forma do argumento e não dos respectivos valores verdades das premissas. Vimos também que não podemos ter um argumento válido com premissas verdadeiras e conclusão falsa. A seguir exemplificaremos alguns argumentos dedutivos válidos importantes. Afirmação do Antecedente: O primeiro argumento dedutivo válido que discutiremos chama-se ―afirmação do antecedente‖, também conhecido como modus ponens. Exemplo: Se José for reprovado no concurso, então será demitido do serviço. José foi reprovado no concurso. ___________________________ ∴ José será demitido do serviço. Este argumento é evidentemente válido e sua forma pode ser escrita da seguinte forma: pq

Se p, então q, ou

Outro argumento dedutivo válido é a ―negação do consequente‖ (também conhecido como modus Tollens). 50

Obs.:  p  q  é equivalente a Exemplo:

q  p .

Esta equivalência é chamada de contra positiva.

―Se ele me ama, então casa comigo‖ é equivalente a ―Se ele não casa comigo, então ele não me ama‖; Então vejamos o exemplo do modus tollens. Exemplo: Se aumentarmos os meios de pagamentos, então haverá inflação. Não há inflação. ______________________________ ∴ Não aumentamos os meios de pagamentos. Este argumento é evidentemente válido e sua forma pode ser escrita da seguinte maneira:

pq

Se p, então q,

ou

Argumentos Dedutivos Não Válidos Existe certa quantidade de artimanhas que devem ser evitadas quando se está construindo um argumento dedutivo. Elas são conhecidas como falácias. Na linguagem do dia a dia, nós denominamos muitas crenças equivocadas como falácias, mas, na lógica, o termo possui significado mais específico: falácia é uma falha técnica que torna o argumento inconsistente ou inválido (além da consistência do argumento, também se podem criticar as intenções por detrás da argumentação). Argumentos contentores de falácias são denominados falaciosos. Frequentemente, parecem válidos e convincentes, às vezes, apenas uma análise pormenorizada é capaz de revelar a falha lógica. Com as premissas verdadeiras e a conclusão falsa nunca teremos um argumento válido, então este argumento é não válido, chamaremos os argumentos não válidos de falácias. A seguir, examinaremos algumas falácias conhecidas que ocorrem com muita frequaicnê. O primeiro caso de argumento dedutivo não válido que veremos é o que chamamos de “falácia da afirmação do consequente”. Exemplo: Se ele me ama então ele casa comigo. Ele casa comigo. _______________________ ∴ Ele me ama. Podemos escrever esse argumento como:

p q

Se p, então q,

ou

Este argumento é uma falácia, podemos ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa.

51

Outra falácia que corre com frequência é a conhecida por “falácia da negação do antecedente”. Exemplo: Se João parar de fumar ele engordará. João não parou de fumar. ________________________ ∴ João não engordará. Observe que temos a forma:

pq

Se p, então q, ou

Este argumento é uma falácia, pois podemos ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa. Os argumentos dedutivos não válidos podem combinar verdade ou falsidade das premissas de qualquer maneira com a verdade ou falsidade da conclusão. Assim, podemos ter, por exemplo, argumentos não válidos com premissas e conclusões verdadeiras, porém, as premissas não sustentam a conclusão. Exemplo: Todos os mamíferos são mortais. (V) Todos os gatos são mortais. (V) ___________________________ ∴ Todos os gatos são mamíferos. (V) Este argumento tem a forma: Todos os A são B. Todos os C são B. _____________________ ∴ Todos os C são A. Podemos facilmente mostrar que esse argumento é não válido, pois as premissas não sustentam a conclusão, e veremos então que podemos ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa, nesta forma, bastando substituir A por mamífero, B por mortais e C por cobra. Todos os mamíferos são mortais. (V) Todas as cobras são mortais. (V) __________________________ ∴ Todas as cobras são mamíferas. (F) Podemos usar as tabelas-verdade, definidas nas estruturas lógicas, para demonstrarmos se um argumento é válido ou falso. Outra maneira de verificar se um dado argumento P1, P2, P3, ...Pn é válido ou não, por meio das tabelas-verdade, é construir a condicional associada: (P1 ∧ P2 ∧ P3 ...Pn) e reconhecer se essa condicional é ou não uma tautologia. Se essa condicional associada é tautologia, o argumento é válido. Não sendo tautologia, o argumento dado é um sofisma (ou uma falácia). Tautologia: Quando uma proposição composta é sempre verdadeira, então teremos uma tautologia. Ex: P (p,q) = ( p ∧ q) ↔ (p V q). Numa tautologia, o valor lógico da proposição composta P (p,q,s) = {(p ∧ q) V (p V s) V [p ∧ (q ∧ s)]} → p será sempre verdadeiro. Há argumentos válidos com conclusões falsas, da mesma forma que há argumentos não válidos com conclusões verdadeiras. Logo, a verdade ou falsidade de sua conclusão não determinam a validade ou não validade de um argumento. O reconhecimento de argumentos é mais difícil que o das premissas ou 52

da conclusão. Muitas pessoas abarrotam textos de asserções sem sequer produzirem algo que possa ser chamado de argumento. Às vezes, os argumentos não seguem os padrões descritos acima. Por exemplo, alguém pode dizer quais são suas conclusões e depois justificá-las. Isso é válido, mas pode ser um pouco confuso. Mas fica uma questão: todos os argumentos lógicos são válidos? Façamos, então, um estudo dos argumentos lógicos, para verificar se eles são válidos ou inválidos. É isso o que interessa. Então, passemos a seguir a tentar entender o que significa um argumento válido e um argumento inválido. Validade de um argumento Dizemos que um argumento é válido, quando a sua conclusão é uma consequência obrigatória do seu conjunto de premissas, ou seja, as premissas verdadeiras garantem que a conclusão também será verdadeira. DICA: VÁLIDO, TODOS VERDADEIROS (premissas e conclusão). Existem casos em que o argumento é INVÁLIDO. Veremos em algumas situações que as premissas e a própria conclusão poderão ser visivelmente falsas (e até absurdas), e o argumento, ainda assim, poderá ser considerado válido. Isto pode ocorrer porque, na Lógica, o estudo dos argumentos não leva em conta a verdade ou a falsidade das premissas que compõem o argumento, mas tão somente a validade deste. ―Quando o argumento não é válido, diz-se que é um sofisma‖. OBS: A grande dificuldade para o concursando é que ele pensa na lógica do cotidiano e, muitas vezes atribui valor falso para premissas ou conclusões por considerá-las absurdas para o mundo real. Na lógica argumentativa pouco importa se, no mundo real, as premissas são de fato verdadeiras ou não. Não nos cabe avaliar se uma premissa é realmente verdadeira. Isto cabe a outros ramos das diversas ciências (física, química, biologia, Astronomia, Energia Nuclear, Medicina, etc). Na lógica argumentativa estamos interessados na forma do argumento. O que nós analisaremos é se o argumento está bem construído, bem formulado, isto é, se as premissas, de fato, suportam a conclusão, resultando num argumento válido, muito embora a veracidade das premissas e da conclusão sejam totalmente questionáveis. Aqui vale a teoria do pedreiro: ―o que vale é a construção e não o seu conteúdo‖ (kkkk, não existe esta teoria, mas a frase é totalmente válida). Com uma construção adequada o argumento é válido, independentemente do conteúdo das premissas ou da conclusão. RECAPITULANDO: Considerando SEMPRE que as premissas são verdadeiras, a conclusão necessariamente também seja verdadeira, então o argumento é válido. Caso contrário, se existir um caso em que todas as premissas são verdadeiras e a conclusão seja falsa, então o argumento é inválido. O que devemos fazer para determinar se um argumento é mesmo válido? Vermos muitos métodos que poderão ser úteis e que serão usados com frequência em questões que pedem a verificação da validade de um argumento qualquer. Porém, dentre estes métodos podemos ter um cuidado inicial em selecionar, eleger, qual o que nos daria a resposta com maior rapidez. Porém, um método será visto com mais atenção, pois, nos dá toda a base teórica que NUNCA podemos desprezar: a tabela-verdade. Este método, dependendo do caso, não é o recomendado devido ao tamanho (número de linhas) da tabela. Existem várias técnicas desenvolvidas por estudiosos e professores. O número de técnicas chega facilmente a, pelo menos, SEIS. Porém, para cada caso devemos eleger o que seria mais conveniente.

53

TÉCNICAS DE ANÁLISE DA VALIDADE DO ARGUMENTO A) Através da tabela-verdade Para analisar um argumento por meio da tabela-verdade, devemos seguir alguns passos básicos: - montar uma tabela-verdade contendo todas as premissas e a conclusão. – identificar as linhas em que todas as premissas são verdadeiras. – verificar se, nas linhas indicadas no item anterior a conclusão também é verdadeira. - FINALIZANDO: nas linhas avaliadas se as premissas e a conclusão forem verdadeiras o argumento é válido. Em caso negativo, o argumento é inválido. Veja a situação abaixo: Como analisar uma questão sem frases, apenas empregando a linguagem lógica para as premissas e conclusão? Vamos seguir os passos e resolver? Mãos à obra!!! D e v e m o s saber que o que está acima da linha são as premissas, enquanto que abaixo dela encontra-se a conclusão. Neste caso, temos duas premissas e a conclusão (um silogismo). Casos deste tipo podem ser frases que já foram traduzidas para linguagem simbólica. Depois de construir a tabela-verdade, devemos verificar quais são as suas linhas em que os valores lógicos das premissas têm valor V. Depois devemos analisar as linhas das premissas com valores V (com premissas verdadeiras) com os valores lógicos das colunas da conclusão forem também Verdadeiros. Nestes casos o argumento é válido. Porém, se ao menos uma daquelas linhas (que contêm premissas verdadeiras) houver na coluna da conclusão um valor F, então o argumento é inválido. Este método tem a desvantagem de ser mais trabalhoso, principalmente quando envolve várias proposições simples. EXEMPLO: (p ∧ q) → r

1º passo - Construir as tabelas-verdade para as duas premissas e para a conclusão. Teríamos, portanto, três tabelas a construir (uma tabela para cada premissa e uma tabela para a conclusão). Para economizarmos espaço, ganharmos tempo e facilitarmos a execução do deste passo, faremos somente uma tabela-verdade, em que as premissas e a conclusão corresponderão a distintas colunas nesta tabela, conforme se observa abaixo. Observe que as premissas e a conclusão são obtidas pelos seguintes procedimentos: - A 1ª premissa (4ª coluna da tabela) é obtida pela condicional entre a 3ª e a 2ª colunas. - A 2ª premissa (5ª coluna) é obtida pela negação da 2ª coluna. - A conclusão (8ª coluna) é obtida pela disjunção entre a 6ª e a 7ª colunas.

Linha

1ª q

2ª R

3ª (p∧q)

1 2 3 4 5 6 7 8

V V F F V V F F

V F V F V F V F

V V F F F F F F

4ª 1ªPrem (p ∧ q) → r V F V V V V V V

5ª 2ª Prem ~r F V F V F V F V

6ª ~p

7ª ~q

F F F F V V V V

F F V V F F V V

8ª Conclusão ~p ∨ ~q F F V V V V V V

54

2º passo - Agora, vamos verificar quais são as linhas da tabela em que os valores lógicos das premissas são todos V. Daí, observamos que a 4ª, 6ª e 8ª linhas apresentam todas as duas premissas com valor lógico V. 3º passo - Finalizando, temos que verificar qual é o valor lógico da conclusão para estas mesmas 4ª, 6ª e 8ª linhas. Em todas elas a conclusão é também V. Portanto, o argumento é válido. Resumindo: PREMISSAS VERDADEIRAS E CONCLUSÕES VERDADEIRAS = ARGUMENTO VÁLIDO. EXEMPLO: Classifique o argumento abaixo em válido ou inválido Premissas: 1 – Se Manuel vai ao mercado, então Cláudia vai ao cinema. 2 – Cláudia vai ao cinema ou Pedro vai ao porto. 3 – Beatriz vai ao boliche e Suelen vai ao shopping. 4 – Suelen não vai ao shopping ou Pedro não vai ao porto. Conclusão: Manuel não vai ao mercado. Resolução: Vamos dar nomes às proposições simples. m: Manuel vai ao mercado. c: Cláudia vai ao cinema. p: Pedro vai ao porto. b: Beatriz vai ao boliche s: Suelen vai ao shopping Lembra quantas linhas teremos? X = 25 = 32 linhas. Olha só que tabela grande:

m V V V V V V V V V V V V V V V V F F F

c V V V V V V V V F F F F F F F F V V V

p V V V V F F F F V V V V F F F F V V V

B V V F F V V F F V V F F V V F F V V F

s V F V F V F V F V F V F V F V F V F V

Prem 1 m→c

Prem2 c∨p

Premissa 3 b∧s

Premissa 4 ~s∨~p

Conclusão ~m

55

F F F F F F F F F F F F F

V V V V V F F F F F F F F

V F F F F V V V V F F F F

F V V F F V V F F V V F F

F V F V F V F V F V F V F

E aí? Vai encarar esta tabela? Só se for para treinar, porque na prova você não deverá dispender tanto tempo assim. Só se tiver tempo de sobra e ainda não consegui responder por outra técnica. A.2. Tabela Verdade com linhas excluídas Uma possibilidade interessante, quando se usa a tabela-verdade é a possibilidade de eliminar as linhas que podem originar premissas falsas (já que elas devem ser sempre verdadeiras para o argumento poder ser válido e partimos sempre desta consideração). Mas dependendo do número de premissas, ainda assim seria trabalhosa. EXEMPLO Classifique o argumento abaixo em válido ou inválido Premissas: 1 – Se Manuel vai ao mercado, então Cláudia vai ao cinema. 2 – Cláudia vai ao cinema ou Pedro vai ao porto. 3 – Beatriz vai ao boliche e Suelen vai ao shopping. 4 – Suelen não vai ao shopping ou Pedro não vai ao porto. Conclusão: Manuel não vai ao mercado. Já vimos a montagem da tabela-verdade vamos usá-la novamente o exemplo anterior. Portanto:

M V V V V V V V V V V V V V V V

c V V V V V V V V F F F F F F F

p V V V V F F F F V V V V F F F

b V V F F V V F F V V F F V V F

s V F V F V F V F V F V F V F V

Prem m→c

Prem c∨p

Prem b∧s V F F F V F F F V F F F V F F

Prem ~s∨ ~p

Conclusão ~m

56

V F F F F F F F F F F F F F F F F

F V V V V V V V V F F F F F F F F

F V V V V F F F F V V V V F F F F

F V V F F V V F F V V F F V V F F

F V F F F V F F F V F F F V F F F

F V F V F V F V F V F V F V F V F

Vamos analisar a primeira premissa: trata-se de uma condicional. E só temos um caso em que ela será falsa. Isto não ajuda muito. Portanto, não perderemos tempo com ela. Analisaremos a terceira premissa, pois esta é uma conjunção: - Beatriz vai ao boliche e Suelen vai ao shopping. Acima temos um conectivo ―e‖. Há um único caso em que a proposição composta com a conjunção é verdadeira: quando as duas parcelas são verdadeiras. Logo, o único caso em que a proposição acima é verdadeira é quando Beatriz vai ao boliche e Suelen vai ao shopping. Portanto, para que a terceira premissa seja verdadeira, devemos ter, obrigatoriamente as seguintes condições: Beatriz vai ao boliche e Suelen vai ao shopping (b e s devem ser verdadeiros). Tal fato nos ajudará muito, pois, as linhas em que isto não ocorrer podem ser omitidas da tabelaverdade. Lembrando que a cada 4 linhas apenas UMA será verdadeira para a premissa. Logo, no caso em questão, das 32 linhas reduziremos as que tornam a premissa verdadeira para apenas 8 linhas. Vejam, na tabela acima que marquei em vermelho onde b e s em que pelo menos um deles é falso, tornando esta premissa falsa. Com isto o número de linhas já diminuiria muito e restariam as linhas abaixo.

m V V V V F F F F

c V V F F V V F F

p V F V F V F V F

B V V V V V V V V

s V V V V V V V V

Prem m→c

Prem c∨p

Prem b∧s

Prem ~s∨~p

Conclusão ~m

57

Vamos para a quarta premissa. Por que esta premissa agora? Porque temos informação sobre Suelen. Em nenhuma outra premissa temos informação sobre Beatriz. Portanto, é o que nos resta de caminho. 4 – Suelen não vai ao shopping ou Pedro não vai ao porto. É uma premissa. Como qualquer premissa, deve ser verdadeira. Temos uma disjunção. Para que seja verdadeiro, pelo menos uma das parcelas deve ser verdadeira. A primeira parcela nós já sabemos alguma coisa sobre ela. Vimos que Suelen vai ao shopping (s é verdadeiro). Mas na premissa Suelen não vai ao shopping torna esta parcela falsa. Analisaremos a segunda parte da proposição da premissa 4. Nesta disjunção temos a ocorrência da negação de s (~s, que teria valor falso). Portanto, para que esta disjunção seja verdadeira, a segunda proposição obrigatoriamente deverá ser verdadeira. Mas veja: a segunda proposição sendo verdadeira corresponderá à negação de p sendo verdadeiro. Portanto p é falso (linhas a serem eliminadas). Com isto, descartaremos as linhas em que p é falso. Na tabela acima marcarei em vermelho as linhas em que p é falso. Nossa tabela-verdade ficará assim:

m V V F F

c V F V F

P V V V V

b V V V V

Prem m→c

s V V V V

Prem c∨p

Prem b∧s

Prem ~s∨~p

Conclusão ~m

Como temos também uma disjunção na segunda premissa, faremos a mesma análise, levando em consideração que em 2 – Cláudia vai ao cinema ou Pedro vai ao porto. Sabemos que Pedro ir ao porto é falso é obrigatório que Claudia vai ao cinema seja verdadeiro.(c: deve ser verdadeiro.). Eliminaremos assim as linhas em que c tenha valor lógico Falso. Na tabela acima marcarei em vermelho as linhas em que c é falso. Nossa tabela-verdade fica reduzida a:

m V F

c V V

p V V

B V V

Prem m→c

s V V

Prem c∨p

Prem b∧s

Prem ~s∨~p

Conclusão ~m

Para finalizar, analisaremos a primeira premissa: 1 – Se Manuel vai ao mercado, então Cláudia vai ao cinema. A segunda parcela deste condicional é verdadeira (Cláudia vai ao cinema). Com isso, automaticamente, o condicional será verdadeiro, independentemente do valor lógico da primeira parcela. Assim, não interessa o valor lógico de m. Qualquer que seja, a primeira premissa será verdadeira. Deste modo, não conseguimos excluir mais linhas da nossa tabela-verdade. Ela ficará da forma como vimos acima.

m V F

c V V

p V V

B V V

s V V

Prem m→c

Prem c∨p

Prem b∧s

Prem Conclusão ~m ~s ∨~p

Resta-nos completar o que sobrou da tabela-verdade inicial.

58

Ora, nós fomos retirando todos os casos que tornavam as premissas falsas. Logo, nos casos restantes, todas as premissas são verdadeiras.

m V V

c V V

p F F

b V F

Prem m→c V V

S V V

Prem c∨p V V

Prem b∧s V V

Prem ~s∨~p V V

Conclusão ~m

Assim, só montamos as linhas que interessam: só aquelas em que todas as premissas são verdadeiras. Nestas linhas, vamos analisar a conclusão.

m V V

c V V

p F F

B V F

s V V

Prem m→c V V

Prem c∨p V V

Prem b∧s V V

Prem ~s∨~p V V

Conclusão ~m F V

Agora buscaremos as linhas em que a conclusão também seja verdadeira. Caso tenhamos linha com premissas verdadeiras e a conclusão seja falsa o argumento não é valido. Vejam que existe um caso de premissas verdadeiras e conclusão falsa. Resposta: argumento inválido. Outra técnica possível, e eu arriscaria dizer que é a mais rápida e mais empregada para se resolver as questões, é a que eu, pessoalmente, denomino de: 2) TÉCNICA DA PREMISSA FÁCIL Considerando as premissas verdadeiras e conclusão verdadeira. Devemos ―garimpar‖ entre as premissas dadas uma que seja fácil (geralmente proposição simples e a conjunção) e analisar os conectivos após atribuir um valor lógico devido à dica da premissa fácil Este método, fácil e eficiente serve para resolver a maioria das questões cobradas pela ESAF (neste assunto) e também outras bancas. Vou demonstrar a validade de um argumento empregando esta técnica fazendo DOIS exemplos. Vale lembrar que SEMPRE considerarei as premissas como verdadeiras. Daí, por meio das operações lógicas com os conectivos e com o valor lógico da PREMISSA FÁCIL, descobriremos o valor lógico da conclusão, que deverá resultar também em verdade, para que o argumento seja considerado válido. Exemplo 01: (p V q)

1º passo - Consideraremos as premissas como proposições verdadeiras, isto é: 1ª premissa o valor lógico de p ∨ q é verdade 2ª premissa o valor lógico de ~p é verdade. Buscaremos, agora, determinar o valor lógico das proposições simples p e q, com a finalidade de, após isso, obter o valor lógico da conclusão. Observando a 2ª premissa, verificamos que esta é uma proposição simples (e, portanto verdadeira, segundo a técnica). Conclusão: 2ª premissa: ~p é verdade Como ~p é verdade, logo p é falso.

59

Usaremos esta informação para obter o valor lógico da proposição simples p, na proposição composta da premissa 1). Observação: Avaliando a 1ª premissa antes da segunda premissa não teríamos como obter de imediato o valor lógico de p, e nem de q, mesmo considerando a premissa como verdadeira 2º passo Análise da 1ª premissa: p ∨ q é verdade Sabendo que p é falso, e que p ∨ q é verdade, então o valor lógico de q, de acordo com a tabelaverdade do ―ou‖ (uma das premissas deve ser verdadeira), é necessariamente verdade. Portanto, até o momento concluímos que: p é falso q é verdade 3º passo - Agora vamos utilizar os valores lógicos obtidos para p e q a fim de encontrar o valor lógico da Conclusão. Como esta é formada apenas pela proposição simples q, então a conclusão tem o mesmo valor lógico de q, ou seja, verdade. Desta forma, o argumento é válido. Exemplo 2: Usarei o mesmo exemplo que verificamos na técnica A. Classifique o argumento abaixo em válido ou inválido Premissas: 1 – Se Manuel vai ao mercado, então Cláudia vai ao cinema. 2 – Cláudia vai ao cinema ou Pedro vai ao porto. 3 – Beatriz vai ao boliche e Suelen vai ao shopping. 4 – Suelen não vai ao shopping ou Pedro não vai ao porto. Conclusão: Manuel não vai ao mercado. Vamos considerar todas as premissas como verdadeiras e usar a informação da premissa fácil e com a análise dos conectivos, para ver se a conclusão dada é verdadeira e definirmos a validade do argumento. Observa-se que ao final do texto existe uma informação dada por uma premissa simples, que é a conclusão (que pode ser V ou F). A premissa 3 que é a dica, pois, a única maneira da conjunção ser verdadeira é que ambas as parcelas sejam verdadeiras. Portanto, a premissa 3 nos permite concluir que: 3- Beatriz vai ao boliche (V) e Suelen vai ao Shopping (V). Observe que a premissa que novamente traz Beatriz (não tem mais premissa) ou Suelen é a premissa 4, que está na forma de disjunção. Ora, a tabela-verdade da disjunção requer que uma das parcelas seja verdadeira e a outra seja falsa. Como sabemos que Suelen não vai ao shopping é falso, a outra parcela deve ser verdadeira. Portanto, concluímos que ―Pedro não vai ao porto‖ é verdade. Portanto, ―Pedro vai ao porto‖ é falso. 4 – Suelen não vai ao shopping (F) ou Pedro não vai ao porto. (V) Observe que a premissa que novamente traz Pedro é a premissa 2, que está na forma de disjunção. Ora, a tabela-verdade da disjunção requer que uma das parcelas seja verdadeira e a outra seja falsa. Como sabemos que ―Pedro vai ao porto‖ é falso, a outra parcela deve ser verdadeira. Portanto, concluímos que ―Cláudia vai ao cinema‖ é verdade. Portanto, (F) Cláudia vai ao cinema (V) ou Pedro vai ao porto (F). Resta agora analisar a premissa 1:

60

1 – Se Manuel vai ao mercado, então Cláudia vai ao cinema (V). Como sabemos que ―Cláudia vai ao cinema‖ é verdade para a condicional ser verdadeira com a segunda parcela sendo verdade a primeira parcela tanto pode ser verdadeira como falsa. Portanto, não podemos garantir a veracidade ou falsidade da primeira parcela. Logo, Manuel pode ou não ir ao mercado não tornará a premissa falsa. Então, teremos a seguinte situação na tabela verdade (já explorada anteriormente):

m V V

c V V

p F F

B V F

s V V

Prem m→c V V

Prem c∨p V V

Prem b∧s V V

Prem ~s∨~p V V

Conclusão ~m F V

Temos uma situação em que o argumento apresenta premissas verdadeiras e conclusão falsa. Isto torna o argumento inválido. RESULTADO: argumento INVÁLIDO. Veja que esta mesma questão fora anteriormente resolvida pela confecção da tabela-verdade (claro, obtendo-se mesmo resultado), porém, com muito mais trabalho para resolver. 3) Técnica da conclusão FALSA Este método é parecido com o método anteriormente descrito, com a seguinte diferença: considerando a conclusão é falsa e fazer a verificação se conseguimos ter todas as premissas verdadeiras. Se a se concluirmos que é possível a existência dessa situação o argumento será inválido. Ou seja, um argumento é válido se não ocorrer a situação em que as premissas são verdades e a conclusão é falsa. Este método consiste em fazer uma avaliação ―às avessas‖, pois, faremos a análise das premissas e verificar se conseguiremos ter todas as premissas sendo verdadeiras e a conclusão é falsa. Caso isto se verifique o argumento será inválido. Professor, se a técnica é muito parecida com a anterior por que temos duas técnicas para usar? Caro aluno, às vezes temos casos em que a proposição em estudo pode admitir duas ou mais possibilidades, o que torna a análise mais complicada se consideramos a conclusão verdadeira. Mas, com a conclusão sendo falsa a tabela-verdade pode permitir uma única valoração, facilitando a análise. PRESTE BEM A ATENÇÃO: Nesta técnica começamos a análise pela conclusão. Por quê? Quando devemos usar esta técnica? Esta técnica é indicada quando a conclusão só apresenta um caso de falso. Isso ocorre quando a conclusão é: - uma proposição simples ou uma disjunção ou uma condicional Vamos a um exemplo. Exemplo 01: Premissa 1: Se fizer sol então vou nadar ou jogar futebol Premissa 2: Se eu nadar então não fez sol. Premissa 3: Se chover então não vou jogar futebol Conclusão: Se fizer sol então não chove.

61

Veja, que se considerarmos a conclusão como verdade teríamos três possibilidades para que isto aconteça. Porém, ao considerá-la falsa teremos uma única situação: Antecedente Verdade e consequente falso. Portanto, concluiríamos que: Fez sol é verdade Não Choveu é falso (logo, choveu é verdade). Agora o que faremos? Vamos trabalhar com estas duas conclusões das proposições da conclusão e verificar se teremos todas as premissas verdadeiras. Caso isto ocorra, teremos um argumento INVÁLIDO. Para que o argumento seja válido deveremos ter uma incompatibilidade, uma incongruência nas premissas. Então, vamos à análise: Inicialmente esquematizaremos as premissas e a conclusão com os valores lógicos atribuídos a eles: Verdade para a Premissa 1: Se fizer sol então vou nadar ou jogar futebol Verdade para a Premissa 2: Se eu nadar então não fez sol. Verdade para a Premissa 3: Se chover então não vou jogar futebol Conclusão: Se fizer sol então não chove. (F) (a condicional é falsa e não as duas premissas simples) Depois devemos procurar nas premissas onde teríamos as proposições ―Chover‖ e ―fez sol‖ e substituir pelos valores lógicos atribuídos na conclusão Veja que temos nas premissas 1 e 2 a condicional com a parcela referente ao sol e na premissa e 3 a parcela referente a chuva (chover). Vamos, então, adicionar os valores lógicos e depois concluirmos o que for possível: Premissa 1: Se fizer sol (V) então vou nadar ou jogar futebol Premissa 2: Se eu nadar então não fez sol.(F). Premissa 3: Se chover(V). então não vou jogar futebol Vamos à análise das premissas individualmente, no que for possível: Premissa 1: a parcela ‗vou nadar ou jogar futebol‖ deve ser verdade, pois corresponde à segunda parte da condicional. E isto ocorre quando uma das parcelas da disjunção seja verdadeira. Portanto, não podemos ainda concluir mais nada sobre esta parcela Premissa 2: Se eu nadar então não fez sol (F). Podemos concluir que nadar é falso, pois, se fosse verdade a condicional toda seria falsa (e a premissa também). Portanto: nadar é falso Premissa 3: Se chover(V) então não vou jogar futebol Como a primeira parcela da condicional é verdade, a segunda parcela deverá ser verdade para que a condicional (e a premissa) seja verdade. Conclusão: não vou jogar futebol é verdade. Logo, jogar futebol é falso. Agora já sabemos que jogar futebol é falso e que nadar é falso podermos substituir na premissa 1, que ficaria assim: Premissa 1: Se fizer sol (V)então vou nadar (F) ou jogar futebol (F). Tivemos aqui um problema: Não conseguimos chegar a todas as premissas como sendo verdadeiras. Veja: Premissa 1: Se fizer sol (V)então vou nadar (F) ou jogar futebol (F). RESULTADO: PREMISSA FALSA!!!!! Usando a tabela-verdade da disjunção a proposição ficaria falsa. Transformando a premissa 1 em linguagem simbólica teríamos: V → F V F, e isto resulta em um valor lógico Falso, tanto para a disjunção (segunda parcela da condicional) como para a premissa. 62

A premissa A → (B ∨ C) deveria ser verdade!!! Esta contradição nos valores lógicos ocorreu porque não foi possível, cheg ar a t odas as premissas verdadeiras, chegarmos a uma conclusão falsa. Daí, concluímos que nosso argumento é válido. Em outras: para que o argumento fosse dito inválido, teríamos que conseguir chegar a todas as premissas verdadeiras. Porém, a primeira premissa foi avaliada como falsa. Concluímos que o argumento é válido! EM RESUMO: se conseguirmos obter todas as premissas como verdadeiras, a partir de valor lógico falso para a conclusão teríamos argumento inválido (pois argumento válido deve ter premissas e conclusão verdadeiras). Veja o segundo exemplo da técnica anterior. Constatamos que o argumento era inválido. Tente, como treino, aplicar esta técnica e você verá que será possível tornar todas as premissas verdadeiras, partindo da conclusão tomada como falsa. RESUMO DAS TÉCNICAS E QUANDO USÁ-LAS

Método da Construção da Tabela- Verdade do argumento

Método da Premissa Fácil Considerar as premissas verdadeiras e o valor lógico da conclusão verdadeiro Método da conclusão falsa Considerar a Conclusão como Falsa e verificar se as premissas podem ser verdadeiras

Deve ser usada quando...

O argumento é válido quando...

em qualquer caso, mas preferencialmente quando o argumento tiver no máximo duas proposições simples (SILOGISMO). Método a acima não puder ser empregado, e houver uma premissa fácil (que seja uma proposição simples; ou que esteja na forma de uma conjunção)

nas linhas da tabela em que os valores lógicos das premissas têm valor V, os valores lógicos relativos a coluna da conclusão forem também V. o valor encontrado para a conclusão é obrigatoriamente verdadeiro.

for inviável a aplicação dos métodos anteriores. Também é recomendável que a conclusão seja uma proposição simples ou uma disjunção ou uma condicional.

não for possível a existência simultânea de conclusão falsa e premissas verdadeiras.

Há, ainda, a possibilidade da “Técnica do Chute” Quando não tivermos uma proposição simples para utilizar como ponto de partida na análise do argumento, podemos fazer o seguinte. Damos um ―chute‖. Escolhemos uma das premissas e chutamos alguma coisa. Em seguida, verificamos se este chute nos leva a algum absurdo ou não. Cuidado: é importante saber que essa técnica pode levar a erros. Caso o argumento lógico apresente mais de uma linha da tabela-verdade em que todas as premissas são verdadeiras, a técnica do chute pode nos levar a uma resposta errada. Você poderia se lembrar desta situação, que já estudamos anteriormente, em que temos um argumento inválido:

m V V

c V V

p F F

b V F

s V V

Prem m→c V V

Prem c∨p V V

Prem b∧s V V

Prem ~s∨~p V V

Conclusão ~m F V

63

Existem outras técnicas que não abordarei aqui. Para os que desejam uma boa ideia de como responder a maioria das questões estas técnicas seriam o suficiente. Não vejo porque ―complicar‖ mais o assunto, que, a meu ver, é o mais penoso para o candidato. Questões 01. (PC/SP - Delegado de Polícia - VUNESP/2014) O silogismo é a forma lógica proposta pelo filósofo grego Aristóteles (384 a 322 a.C.) como instrumento para a produção de conhecimento consistente. O silogismo é tradicionalmente constituído por (A) duas premissas, dois termos médios e uma conclusão que se segue delas. (B) uma premissa maior e uma conclusão que decorre logicamente da premissa. (C) uma premissa maior, uma menor e uma conclusão que se segue das premissas. (D) três premissas, um termo maior e um menor que as conecta logicamente. (E) uma premissa, um termo médio e uma conclusão que decorre da premissa. 02. (TJ/SE – Técnico Judiciário Área Administrativa Especialidade Programação de Sistemas – CESPE UNB/2014) Julgue os próximos itens, considerando os conectivos lógicos usuais ¬, ˄, ˅, →, ↔ e que P, Q e R representam proposições lógicas simples. A proposição [(¬P)vQ↔]{¬[P˄(¬Q)]} é uma tautologia. (Certo) (Errado) 03. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) Os silogismos são formas lógicas compostas por premissas e uma conclusão que se segue delas. Um exemplo de silogismo válido é: (A) Curitiba é capital de Estado. São Paulo é capital de Estado. Belém é capital de Estado. (B) Alguns gatos não têm pelo. Todos os gatos são mamíferos. Alguns mamíferos não têm pelo. (C) Todas as aves têm pernas. Os mamíferos têm pernas. Logo, todas as mesas têm pernas. (D) Antes de ontem choveu. Ontem também choveu. Logo, amanhã certamente choverá. (E) Todas as plantas são verdes. Todas as árvores são plantas. Todas as árvores são mortais. 04. (MTur – Contador - ESAF/2014) Assinale qual das proposições das opções a seguir é uma tautologia. (A) p v q → q (B) p ˄ q → q (C) p ˄ q ↔ q (D) (p ˄ q) v q (E) p v q ↔ q 05. (PC/PI - Escrivão de Polícia Civil - UESPI/2014) Um enunciado é uma tautologia quando não puder ser falso, um exemplo é: (A) Está fazendo sol e não está fazendo sol. (B) Está fazendo sol. (C) Se está fazendo sol, então não está fazendo sol. (D) não está fazendo sol. (E) Está fazendo sol ou não está fazendo sol. 06. (CGE/MA – Auditor - FGV/2014) Analise as premissas a seguir. • Se o bolo é de laranja, então o refresco é de limão. • Se o refresco não é de limão, então o sanduíche é de queijo. • O sanduíche não é de queijo. Logo, é correto concluir que: (A) o bolo é de laranja. (B) o refresco é de limão. (C) o bolo não é de laranja. (D) o refresco não é de limão. (E) o bolo é de laranja e o refresco é de limão. 07. (MDIC – Analista Técnico Administração - CESPEUnB/2014) P1: Os clientes europeus de bancos suíços estão regularizando sua situação com o fisco de seus países. 64

P2: Se os clientes brasileiros de bancos suíços não fazem o mesmo que os clientes europeus, é porque o governo do Brasil não tem um programa que os incite a isso. Considerando que as proposições P1 e P2 apresentadas acima sejam premissas de um argumento, julgue o item a seguir, relativo à lógica de argumentação. O argumento formado pelas premissas P1 e P2 e pela conclusão ―Os clientes brasileiros de bancos suíços não estão regularizando sua situação com o fisco de seu país.‖ é um argumento válido. (certo) (errado) 08. (PRODEST/ES - Assistente de Tecnologia da Informação - VUNESP/2014) Se Cássia é tia, então Alberto não é tio. Se Cláudio é tio, então Wiliam é pai. Verifica-se que Alberto e Cláudio são tios. Conclui-se, de forma correta, que (A) Wiliam não é pai e Cássia é tia. (B) se Wiliam é pai, então Cássia é tia. (C) se Cássia não é tia, então Wiliam não é pai. (D) Cássia é tia e Wiliam é pai. (E) Cássia não é tia e Wiliam é pai. 09. (DESENVOLVE/SP - Contador - VUNESP/2014) Se eu falo, então tu te calas. Se não te calas, então ela acorda. Se ela acorda, então eu embalo. Eu não embalo e não grito. A partir dessas informações, pode-se concluir corretamente que (A) eu falo e tu te calas. (B) eu falo ou eu grito. (C) tu não te calas e ela não acorda. (D) ela não acorda e tu te calas. (E) ela acorda e eu embalo. 10. (PRODEST/ES - Analista Organizacional - Ciências Jurídicas - VUNESP/2014) Se é quartafeira, treino tênis por duas horas exatamente. Se treino tênis por duas horas exatamente, então lancho no clube. Após treinar tênis, ou jogo bola ou lancho no clube. Após o último treino de tênis, joguei bola, o que permite concluir que: (A) era fim de semana. (B) não era quarta-feira. (C) lanchei no clube. (D) treinei por menos de duas horas. (E) treinei tênis por duas horas exatamente. 11. (DESENVOLVE/SP - Contador - VUNESP/2014) Considere as afirmações: I. A camisa é azul ou a gravata é branca. II. Ou o sapato é marrom ou a camisa é azul. III. O paletó é cinza ou a calça é preta. IV. A calça é preta ou a gravata é branca. Em relação a essas afirmações, sabe-se que é falsa apenas a afirmação IV. Desse modo, é possível concluir corretamente que (A) a camisa é azul e a calça é preta. (B) a calça é preta ou o sapato é marrom. (C) o sapato é marrom ou a gravata é branca. (D) a calça é preta e o paletó é cinza. (E) a camisa é azul ou o paletó é cinza. 12. (FUNDUNESP - Analista de Tecnologia da Informação - Redes - VUNESP/2014) Se Wilma é analista, então Gustavo não é aviador. Se Oswaldo é aviador, então Sidney é contador. Verifica-se que Gustavo e Oswaldo são aviadores. Conclui-se, de forma correta, que (A) Wilma é analista e Sidney é contador. (B) Wilma é analista se, e somente se, Sidney é contador. (C) Wilma não é analista e Sidney não é contador. (D) Wilma não é analista se, e somente se, Sidney não é contador. (E) Wilma não é analista e Sidney é contador.

65

Respostas 1 – Resolução: A estrutura de um silogismo segue a composição da alternativa C: uma premissa maior, uma menor e uma conclusão que se segue obrigatoriamente das premissas apresentadas. Resposta: C. 2 – Resolução: Podemos deduzir tais informações ou fazer a tabela verdade. Vamos fazer a tabela para treinar um pouco. Além do que, acho que é mais fácil analisar, neste caso, pela tabela verdade. P V V F F

Q V F V F

~P F F V V

~Q F V F V

[(¬P)vQ V F V V

[P˄(¬Q)] F V F F

¬[P˄(¬Q)] V F V V

[(¬P)vQ↔[{¬[P˄(¬Q)]} V V V V

Somente valores verdadeiros na coluna da bicondicional proposta. Logo, é uma tautologia. Resposta: Certo 3 – Resolução: Vamos analisar as alternativas e verificar onde estão os erros. (A) Curitiba é capital de Estado. São Paulo é capital de Estado. Belém é capital de Estado.(Temos 3 premissas e ocorre falta da conclusão) (B) Alguns gatos não têm pelo. Todos os gatos são mamíferos. Alguns mamíferos não têm pelo. (correto. Temos duas premissas e uma conclusão decorrente delas). (C) Todas as aves têm pernas. Os mamíferos têm pernas. Logo, todas as mesas têm pernas. (não existe uma relação da conclusão com as premissas. Mesas foi relacionada em qual premissa? Nenhuma. Não decorre das premissas esta conclusão). (D) Antes de ontem choveu. Ontem também choveu. Logo, amanhã certamente choverá. (não existe uma relação da conclusão com as premissas. A conclusão não decorre das premissas). (E) Todas as plantas são verdes. Todas as árvores são plantas. Todas as árvores são mortais. (não existe uma relação da conclusão com as premissas. Mortais foi relacionada em qual premissa? Nenhuma. Não decorre das premissas esta conclusão). Resposta: B. 4 – Resolução: Analisemos algumas coisas sobre tautologia e as alternativas. Lembre-se que a condicional será falsa em uma única situação: primeira parcela verdadeira e segunda falsa. Vamos analisar as alternativas: (A) p v q → q p v q formam uma disjunção. Se ambas forem verdadeiras, então, teremos valor verdadeiro. Porém, se uma delas for falsa, a primeira parcela será ainda verdadeira mas, se q for falso a condicional será falsa. Logo, nem sempre será uma tautologia. (B) p ˄ q → q Aqui temos uma conjunção na parcela inicial da condicional. Ambas as parcelas devem ser verdadeiras para que a conjunção seja verdadeira. Logo, p e q verdadeiros levam a esta situação: V → V. Nesta situação a condicional será sempre verdadeira. Ou seja, será uma tautologia. Resposta: B. 5 – Resolução: Típico caso de tautologia. Quaisquer que sejam os valores lógicos sempre teremos uma situação de verdade. Vamos passar para a linguagem lógica Alternativa A: p e ~p: Se temos uma conjunção. Basta que uma das parcelas seja falsa para que esta seja falsa. Portanto, nem sempre será tautologia. B e D: não é uma implicação. Apenas uma simples proposição. C: existe a possibilidade de não ser uma tautologia. Vejamos: 66

―Se está fazendo sol, então não está fazendo sol‖. Tabela verdade: p está fazendo sol V F

~p: não está fazendo sol F V

p → ~p F V

Veja que a tabela verdade da condicional depende dos valores lógicos das premissas. Logo, não é uma tautologia. Se temos uma disjunção basta que uma das parcelas seja verdadeira para que esta seja verdadeira. Então, se p é falso, ~p é verdadeiro. Ou vice-versa. (E) Está fazendo sol ou não está fazendo sol. Resposta: E. 6 – Resolução: Para que um argumento seja válido devemos ter as premissas sempre sendo verdadeiras. Se tivermos premissas verdadeiras e conclusão verdadeira o argumento será válido. Vamos analisar as premissas e desenvolvermos nosso raciocínio de acordo com o fundamento anteriormente citado: • Se o bolo é de laranja, então o refresco é de limão. • Se o refresco não é de limão, então o sanduíche é de queijo. • O sanduíche não é de queijo (V) Agora, transferiremos os valores lógicos obtidos para as premissas, considerando-as todas verdadeiras: • Se o refresco não é de limão, então o sanduíche é de queijo. (? ) (F) Uma condicional será falsa apenas quando a primeira parcela for Verdadeira e a segunda Falsa. Logo, neste caso, a primeira parcela deve ser Falsa. • Se o refresco não é de limão, então o sanduíche é de queijo. (F) (F) Conclusão: o refresco é de limão. Se o bolo é de laranja, então o refresco é de limão. (? ) (V) Alternativa A: (A) o bolo é de laranja. Para a condicional a primeira parcela pode ser verdadeira ou falsa e a condicional será verdadeira, pois, a segunda parcela é verdadeira. O bolo pode ou não ser de laranja. Logo, não é possível afirmar esta conclusão. (ERRADA). Vamos testar a alternativa B: o refresco é de limão. Já havíamos chegado a esta verdade anteriormente. Logo, conclusão correta. Resposta: B. 7 – Resolução: Para que um argumento seja válido devemos ter as premissas sempre sendo verdadeiras. Se tivermos premissas verdadeiras e conclusão verdadeira o argumento será válido. Vamos analisar as premissas e desenvolvermos nosso raciocínio de acordo com o fundamento anteriormente citado: P1: Os clientes europeus de bancos suíços estão regularizando sua situação com o fisco de seus países.(V) P2: Se os clientes brasileiros de bancos suíços não fazem o mesmo que os clientes europeus, é porque o governo do Brasil não tem um programa que os incite a isso. Conclusão ―Os clientes brasileiros de bancos suíços não estão regularizando sua situação com o fisco de seu país.‖ (V) Vamos transferir este valor lógico da conclusão e ver se a P2 poderá ser verdadeira: P2: Se os clientes brasileiros de bancos suíços não fazem o mesmo que os clientes europeus, é porque o governo do Brasil não tem um programa que os incite a isso. Resposta: Errado.

67

8 – Resolução: A questão pede a conclusão correta em função das premissas que sempre consideramos verdadeiras. Então, vamos organizar as premissas: I) Se Cássia é tia, então Alberto não é tio. II) Se Cláudio é tio, então Wiliam é pai. III) Verifica-se que Alberto e Cláudio são tios Temos duas premissas condicionais e uma premissa na forma de conjunção. E isto é muito bom, porque as duas parcelas da conjunção devem ser verdadeiras para que esta seja verdadeira. Vamos atribuir valores lógicos ás proposições e premissas e determinar a conclusão correta: III) Verifica-se que Alberto e Cláudio são tios. Verdades: Alberto é tio e Claudio é tio. II) Se Cláudio é tio, então Wiliam é pai. (V) (?) Para que a condicional seja verdadeira a segunda parcela deverá ser verdadeira. Então, Wilian é pai I) Se Cássia é tia, então Alberto não é tio. (?) (F) Para que a condicional seja verdadeira a primeira parcela deverá ser falsa. Concluímos que Cassia não é tia. Cuidado ao analisar as alternativas. Elas devem ser analisadas levando em conta os conectivos. A resposta correta é a E. Resposta: E. 9 – Resolução: A questão pede a conclusão correta em função das premissas que sempre consideramos verdadeiras. Então, vamos organizar as premissas: I) Se eu falo, então tu te calas. II) Se não te calas, então ela acorda. III) Se ela acorda, então eu embalo. IV) Eu não embalo e não grito. Temos três premissas condicionais e uma premissa na forma de conjunção. E isto é muito bom, porque as duas parcelas da conjunção devem ser verdadeiras para que esta seja verdadeira. Vamos atribuir valores lógicos ás proposições e premissas e determinar a conclusão correta: IV) Eu não embalo e não grito. Verdades: não embalo. Não grito. III) Se ela acorda, então eu embalo. (?) (F) Para que a condicional seja verdadeira a primeira parcela deverá ser falsa. Então, ela não acorda. II) Se não te calas, então ela acorda. (?) (V) Para que a condicional seja verdadeira a primeira parcela deverá ser falsa. Concluímos que te calas. I) Se eu falo, então tu te calas. (?) (V) Portanto a primeira parcela pode ser verdadeira ou falsa. Cuidado ao analisar as alternativas. Elas devem ser analisadas levando em conta os conectivos. A resposta correta é a E. Resposta: D.

68

10 – Resolução: A questão pede a conclusão correta em função das premissas que sempre consideramos verdadeiras. Então, vamos organizar as premissas: I) Se é quarta-feira, treino tênis por duas horas exatamente. II) Se treino tênis por duas horas exatamente, então lancho no clube. III) Após treinar tênis, ou jogo bola ou lancho no clube. IV) Após o último treino de tênis, joguei bola, Temos duas premissas condicionais, uma disjunção exclusiva e uma premissa simples. E isto é muito bom, porque já temos o valor lógico de uma das premissas. Vamos atribuir valores lógicos ás proposições e premissas e determinar a conclusão correta: IV) Após o último treino de tênis, joguei bola. (V). III) ou jogo bola ou lancho no clube. (V) (?) Para que a bicondicional seja verdadeira apenas uma das parcelas deverá ser verdadeira. Como a primeira parcela já é verdadeira a segunda parcela deverá ser falsa. Então, lancho no clube é falso. Logo, não lancho no clube. II) Se treino tênis por duas horas exatamente, então lancho no clube. (?) (F) Para que a condicional seja verdadeira a primeira parcela deverá ser falsa. Concluímos que não treino tênis por 2 horas exatamente. I) Se é quarta-feira, treino tênis por duas horas exatamente. (?) (F) Para que a condicional seja verdadeira a primeira parcela deverá ser falsa. Concluímos que não é quarta. Resposta: B. 11 – Resolução: A questão pede a conclusão correta em função das premissas dadas, sendo que a IV é falsa e as demais são verdadeiras. Então, vamos organizar as premissas: I. A camisa é azul ou a gravata é branca. II. Ou o sapato é marrom ou a camisa é azul. III. O paletó é cinza ou a calça é preta. IV. A calça é preta ou a gravata é branca. Temos uma premissa falsa na forma de disjunção. E isto é muito bom, porque as duas parcelas da disjunção devem ser falsas para que esta seja falsa. Vamos atribuir valores lógicos ás proposições e premissas e determinar a conclusão correta: IV. A calça é preta ou a gravata é branca. (F) (F) Verdades: A calça não é preta A gravata não é branca III. O paletó é cinza ou a calça é preta. (?) (F) Para que a disjunção seja verdadeira a primeira parcela deverá ser verdadeira, pois, na disjunção uma das parcelas deve ser verdadeira ou ambas. Então, o paletó é cinza. I. A camisa é azul ou a gravata é branca. (?) (F) Para que a disjunção seja verdadeira a primeira parcela deverá ser verdadeira, pois, na disjunção uma das parcelas deve ser verdadeira ou ambas. Então, a camisa é azul II. Ou o sapato é marrom ou a camisa é azul. (?) (V) Portanto a primeira parcela precisa ser falsa, pois, na disjunção exclusiva apenas uma das parcelas pode ser verdadeira pra que ela seja verdadeira. Então, o sapato não é marrom. Cuidado ao analisar as alternativas. Elas devem ser analisadas levando em conta os conectivos. A resposta correta é a E. 69

Resposta: E. 12 – Resolução: Vamos organizar as informações: Se Wilma é analista, então Gustavo não é aviador. Se Oswaldo é aviador, então Sidney é contador. Verifica-se que Gustavo e Oswaldo são aviadores Considerado que Gustavo e Oswaldo são aviadores, vamos substituir seus devidos valores lógicos nas condicionais seguintes: -Se Wilma é analista, então Gustavo não é aviador (F). -Se Oswaldo é aviador (V), então Sidney é contador. Numa condicional a única situação em que ela é falsa é se tivermos a primeira parcela verdadeira e a segunda parcela falsa. Como queremos que as afirmativas sejam verdadeiras não pode ocorrer a situação de falsidade. Logo, vamos analisar os demais valores lógicos das condicionais: -Se Wilma é analista, então Gustavo não é aviador (F). O valor lógico da primeira parcela deve ser falsa. Concluímos que ―Se Wilma é analista‖ é Falso. Então, Wilma NÃO é analista. -Se Oswaldo é aviador (V), então Sidney é contador. Para a afirmativa ser verdadeira a segunda parcela deve ser verdadeira. Então, Sidney é contador. Resposta: E.

8. Diagramas Lógicos Os diagramas lógicos são usados na resolução de vários problemas. Uma situação que esses diagramas poderão ser usados é na determinação da quantidade de elementos que apresentam uma determinada característica.

CUIDADO: no preenchimento dos conjuntos deve-se começar pela informação que traz a região de intersecção, ou seja: ao grupo de indivíduos que fazem todas as atividades ou características apresentadas em questão. Se forem duas características A e B devemos começar preenchendo pelo número dos que possuem a característica A e B, simultaneamente. Depois, desconta-se este valor para determinar o número de indivíduos que apresentam apenas a característica A e B. Vejamos um exemplo bem simples abaixo:

EXEMPLO 01) Assim, se num grupo de pessoas há 43 que dirigem carro, 18 que dirigem moto e 10 que dirigem carro e moto. Baseando-se nesses dados, e nos diagramas lógicos poderemos saber: - quantas pessoas têm no grupo - quantas dirigem somente carro - ainda quantas dirigem somente motos. - quantas podem não dirigir nem carro nem moto.

70

Vamos inicialmente montar os diagramas dos conjuntos que representam os motoristas de motos e motoristas de carros. Começaremos marcando quantos elementos tem a intersecção e depois completaremos os outros espaços.

Marcando o valor da intersecção, então iremos subtraindo esse valor da quantidade de elementos dos conjuntos A e B. A partir dos valores reais, é que poderemos responder as perguntas feitas.

Concluindo-se que:

Temos nas somas individuas 8 + 33, que perfaz 41 indivíduos. E mais 10 pessoas na intersecção. Total: 51 indivíduos entrevistados. Dos quais: a) Temos no grupo: 8 + 10 + 33 = 51 motoristas. b) Dirigem somente carros 33 motoristas. c) Dirigem somente motos 8 motoristas. EXEMPLO 02) No caso de uma pesquisa de opinião sobre a preferência quanto à leitura de três jornais. A, B e C, foi apresentada a seguinte tabela: Jornais A B C AeB AeC BeC A, B e C Nenhum

Leitores 300 250 200 70 65 105 40 150

Para termos os valores reais da pesquisa, vamos inicialmente montar os diagramas que representam cada conjunto. A colocação dos valores começará pela intersecção dos três conjuntos e depois para as intersecções duas a duas e por último às regiões que representam cada conjunto individualmente.

71

Representaremos esses conjuntos dentro de um retângulo que indicará o conjunto universo da pesquisa.

Fora dos diagramas teremos 150 elementos que não são leitores de nenhum dos três jornais. Na região I, teremos: 70 - 40 = 30 elementos. Na região II, teremos: 65 - 40 = 25 elementos. Na região III, teremos: 105 - 40 = 65 elementos. Na região IV, teremos: 300 - 40 - 30 - 25 = 205 elementos. Na região V, teremos: 250 - 40 -30 - 65 = 115 elementos. Na região VI, teremos: 200 - 40 - 25 - 65 = 70 elementos. Dessa forma, o diagrama figura preenchido com os seguintes elementos:

Com essa distribuição, poderemos notar que 205 pessoas leem apenas o jornal A. Verificamos que 500 pessoas não leem o jornal C, pois é a soma 205 + 30 + 115 + 150. Notamos ainda que 700 pessoas foram entrevistadas, que é a soma 205 + 30 + 25 + 40 + 115 + 65 + 70 + 150. Diagrama de Euler Um diagrama de Euler é similar a um diagrama de Venn, mas não precisa conter todas as zonas (onde uma zona é definida como a área de intersecção entre dois ou mais contornos). Assim, um diagrama de Euler pode definir um universo de discurso, isto é, ele pode definir um sistema no qual certas intersecções não são possíveis ou consideradas. Assim, um diagrama de Venn contendo os atributos para animal, mineral e quatro patas teria que conter intersecções onde alguns estão em ambos os animais, mineral e de quatro patas. Um diagrama de Venn, consequentemente, mostra todas as possíveis combinações ou conjunções.

72

Diagramas de Euler consistem em curvas simples fechadas (geralmente círculos) no plano que mostra os conjuntos. Os tamanhos e formas das curvas não são importantes: a significância do diagrama está na forma como eles se sobrepõem. As relações espaciais entre as regiões delimitadas por cada curva (sobreposição, contenção ou nenhuma) correspondem relações teóricas (subconjunto interseção e disjunção). Cada curva de Euler divide o plano em duas regiões ou zonas estão: o interior, que representa simbolicamente os elementos do conjunto, e o exterior, o que representa todos os elementos que não são membros do conjunto. Curvas cujos interiores não se cruzam representam conjuntos disjuntos. Duas curvas cujos interiores se interceptam representam conjuntos que têm elementos comuns, a zona dentro de ambas as curvas representa o conjunto de elementos comuns a ambos os conjuntos (intersecção dos conjuntos). Uma curva que está contida completamente dentro da zona interior de outro representa um subconjunto do mesmo. Os Diagramas de Venn são uma forma mais restritiva de diagramas de Euler. Um diagrama de Venn deve conter todas as possíveis zonas de sobreposição entre as suas curvas, representando todas as combinações de inclusão / exclusão de seus conjuntos constituintes, mas em um diagrama de Euler algumas zonas podem estar faltando. Essa falta foi o que motivou Venn a desenvolver seus diagramas. Existia a necessidade de criar diagramas em que pudessem ser observadas, por meio de suposição, quaisquer relações entre as zonas não apenas as que são ―verdadeiras‖. Os diagramas de Euler (em conjunto com os de Venn) são largamente utilizados para ensinar a teoria dos conjuntos no campo da matemática ou lógica matemática no campo da lógica. Eles também podem ser utilizados para representar relacionamentos complexos com mais clareza, já que representa apenas as relações válidas. Em estudos mais aplicados esses diagramas podem ser utilizados para provar / analisar silogismos que são argumentos lógicos para que se possa deduzir uma conclusão. Diagramas de Venn Designam-se por diagramas de Venn os diagramas usados em matemática para simbolizar graficamente propriedades, axiomas e problemas relativos aos conjuntos e sua teoria. Os respetivos diagramas consistem de curvas fechadas simples desenhadas sobre um plano, de forma a simbolizar os conjuntos e permitir a representação das relações de pertença entre conjuntos e seus elementos (por exemplo, 4 {3,4,5}, mas 4 ∉ {1,2,3,12}) e relações de continência (inclusão) entre os conjuntos (por exemplo, {1, 3} ⊂ {1, 2, 3, 4}). Assim, duas curvas que não se tocam e estão uma no espaço interno da outra simbolizam conjuntos que possuem continência; ao passo que o ponto interno a uma curva representa um elemento pertencente ao conjunto. Os diagramas de Venn são construídos com coleções de curvas fechadas contidas em um plano. O interior dessas curvas representa, simbolicamente, a coleção de elementos do conjunto. De acordo com Clarence Irving Lewis, o ―princípio desses diagramas é que classes (ou conjuntos) sejam representadas por regiões, com tal relação entre si que todas as relações lógicas possíveis entre as classes possam ser indicadas no mesmo diagrama. Isto é, o diagrama deixa espaço para qualquer relação possível entre as classes, e a relação dada ou existente pode então ser definida indicando se alguma região em específico é vazia ou não vazia‖. Pode-se escrever uma definição mais formal do seguinte modo: Seja C = (C1, C2, ... Cn) uma coleção de curvas fechadas simples desenhadas em um plano. C é uma família independente se a região formada por cada uma das interseções X 1 ∩ X2 ∩ ... ∩ Xn, onde cada Xi é o interior ou o exterior de Ci, é não vazia, em outras palavras, se todas as curvas se intersectam de todas as maneiras possíveis. Se, além disso, cada uma dessas regiões é conexa e há apenas um número finito de pontos de interseção entre as curvas, então C é um diagrama de Venn para n conjuntos. Nos casos mais simples, os diagramas são representados por círculos que se encobrem parcialmente. As partes referidas em um enunciado específico são marcadas com uma cor diferente. Eventualmente, os círculos são representados como completamente inseridos dentro de um retângulo, que representa o conjunto universo daquele particular contexto (já se buscou a existência de um 73

conjunto universo que pudesse abranger todos os conjuntos possíveis, mas Bertrand Russell mostrou que tal tarefa era impossível). A ideia de conjunto universo é normalmente atribuída a Lewis Carroll. Do mesmo modo, espaços internos comuns a dois ou mais conjuntos representam a sua intersecção, ao passo que a totalidade dos espaços pertencentes a um ou outro conjunto indistintamente representa sua união. John Venn desenvolveu os diagramas no século XIX, ampliando e formalizando desenvolvimentos anteriores de Leibniz e Euler. E, na década de 1960, eles foram incorporados ao currículo escolar de matemática. Embora seja simples construir diagramas de Venn para dois ou três conjuntos, surgem dificuldades quando se tenta usá-los para um número maior. Algumas construções possíveis são devidas ao próprio John Venn e a outros matemáticos como Anthony W. F. Edwards, Branko GrünBaúm e Phillip Smith. Além disso, encontram-se em uso outros diagramas similares aos de Venn, entre os quais os de Euler, Johnston, Pierce e Karnaugh. Dois Conjuntos: considere-se o seguinte exemplo: suponha-se que o conjunto A representa os animais bípedes e o conjunto B representa os animais capazes de voar. A área onde os dois círculos se sobrepõem, designada por intersecção A e B ou intersecção A-B, conteria todas as criaturas que ao mesmo tempo podem voar e têm apenas duas pernas motoras.

Considere-se agora que cada espécie viva está representada por um ponto situado em alguma parte do diagrama. Os humanos e os pinguins seriam marcados dentro do círculo A, na parte dele que não se sobrepõe com o círculo B, já que ambos são bípedes, mas não podem voar. Os mosquitos, que voam, mas têm seis pernas, seriam representados dentro do círculo B e fora da sobreposição. Os canários, por sua vez, seriam representados na intersecção A-B, já que são bípedes e podem voar. Qualquer animal que não fosse bípede nem pudesse voar, como baleias ou serpentes, seria marcado por pontos fora dos dois círculos. Assim, o diagrama de dois conjuntos representa quatro áreas distintas (a que fica fora de ambos os círculos, a parte de cada círculo que pertence a ambos os círculos (onde há sobreposição), e as duas áreas que não se sobrepõem, mas estão em um círculo ou no outro): - Animais que possuem duas pernas e não voam (A sem sobreposição). - Animais que voam e não possuem duas pernas (B sem sobreposição). - Animais que possuem duas pernas e voam (sobreposição). - Animais que não possuem duas pernas e não voam (branco - fora). Essas configurações são representadas, respectivamente, pelas operações de conjuntos: diferença de A para B, diferença de B para A, intersecção entre A e B, e conjunto complementar de A e B. Cada uma delas pode ser representada como as seguintes áreas (mais escuras) no diagrama:

Diferença de A para B: A\B

74

Diferença de B para A: B\A

Intersecção de dois conjuntos: A∩B

Complementar de dois conjuntos: U \ (A∪B) Além disso, essas quatro áreas podem ser combinadas de 16 formas diferentes. Por exemplo, podese perguntar sobre os animais que voam ou tem duas patas (pelo menos uma das características); tal conjunto seria representado pela união de A e B. Já os animais que voam e não possuem duas patas mais os que não voam e possuem duas patas, seriam representados pela diferença simétrica entre A e B. Estes exemplos são mostrados nas imagens a seguir, que incluem também outros dois casos.

União de dois conjuntos: A∪B

Diferença Simétrica de dois conjuntos: A B

Complementar de A em U: AC = U \ A 75

Complementar de B em U: BC = U \ B Três Conjuntos: Na sua apresentação inicial, Venn focou, sobretudo nos diagramas de três conjuntos. Alargando o exemplo anterior, poderia-se introduzir o conjunto C dos animais que possuem bico. Neste caso, o diagrama define sete áreas distintas, que podem combinar-se de 256 (28) maneiras diferentes, algumas delas ilustradas nas imagens seguintes.

Diagrama de Venn mostrando todas as intersecções possíveis entre A, B e C.

União de três conjuntos: A∪B∪C

Intersecção de três conjuntos: A∩B∩C

A \ (B ∪ C)

76

(B ∪ C) \ A Questões 01. (PM/CE – Oficial da Polícia Militar - CESPEUnB/2014) Uma pesquisa realizada com um grupo de turistas que visitaram, em Fortaleza, a praia do Futuro (PF), o teatro José Alencar (TJA) e a catedral Metropolitana (CM) apresentou as seguintes informações: - 70 turistas visitaram a PF; - 80 turistas visitaram o TJA; - 70 turistas visitaram a CM; - 30 turistas visitaram apenas a PF; - 50 turistas visitaram a CM e o TJA; - 25 turistas visitaram a PF e a CM; - 20 turistas visitaram esses três pontos turísticos; - cada um dos turistas visitou pelo menos um dos três pontos turísticos. Com base nessas informações, julgue o item a seguir. A probabilidade de que um turista do referido grupo escolhido ao acaso tenha visitado os três pontos turísticos é superior a 0,14. (Certo) (Errado) 02. (PM/CE – Oficial da Polícia Militar - CESPEUnB/2014) Uma pesquisa realizada com um grupo de turistas que visitaram, em Fortaleza, a praia do Futuro (PF), o teatro José Alencar (TJA) e a catedral Metropolitana (CM) apresentou as seguintes informações: - 70 turistas visitaram a PF; - 80 turistas visitaram o TJA; - 70 turistas visitaram a CM; - 30 turistas visitaram apenas a PF; - 50 turistas visitaram a CM e o TJA; - 25 turistas visitaram a PF e a CM; - 20 turistas visitaram esses três pontos turísticos; - cada um dos turistas visitou pelo menos um dos três pontos turísticos. Com base nessas informações, julgue o item a seguir. O número de turistas que visitou a PF e o TJA é superior a 30. (certo) (errado) 03. (PM/CE – Oficial da Polícia Militar - CESPEUnB/2014) Uma pesquisa realizada com um grupo de turistas que visitaram, em Fortaleza, a praia do Futuro (PF), o teatro José Alencar (TJA) e a catedral Metropolitana (CM) apresentou as seguintes informações: - 70 turistas visitaram a PF; - 80 turistas visitaram o TJA; - 70 turistas visitaram a CM; - 30 turistas visitaram apenas a PF; - 50 turistas visitaram a CM e o TJA; - 25 turistas visitaram a PF e a CM; - 20 turistas visitaram esses três pontos turísticos; - cada um dos turistas visitou pelo menos um dos três pontos turísticos. Com base nessas informações, julgue o item a seguir. O número de turistas que visitou apenas a CM é inferior a 10. (Certo) (Errado)

77

04. (PM/CE – Oficial da Polícia Militar - CESPEUnB/2014) Uma pesquisa realizada com um grupo de turistas que visitaram, em Fortaleza, a praia do Futuro (PF), o teatro José Alencar (TJA) e a catedral Metropolitana (CM) apresentou as seguintes informações: - 70 turistas visitaram a PF; - 80 turistas visitaram o TJA; - 70 turistas visitaram a CM; - 30 turistas visitaram apenas a PF; - 50 turistas visitaram a CM e o TJA; - 25 turistas visitaram a PF e a CM; - 20 turistas visitaram esses três pontos turísticos; - cada um dos turistas visitou pelo menos um dos três pontos turísticos. Com base nessas informações, julgue o item a seguir. O número de turistas que visitou pelo menos dois dos três pontos turísticos é superior a 75. (Certo) (Errado) 05. (TRT/16ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Em uma oficina de automóveis há mecânicos, eletricistas e lanterneiros. São 7 os mecânicos que podem atuar como eletricistas, mas não como lanterneiros. São 4 os mecânicos que podem atuar também nas outras duas funções. Aqueles que atuam apenas como eletricistas e apenas lanterneiros são, respectivamente, 3 e 1 funcionários. Nessa oficina são ao todo 20 pessoas que exercem uma, duas ou três dessas funções. Dessas 20 pessoas, aquelas que não foram descritas anteriormente atuam apenas como mecânicos. Desse modo, o número de funcionários que podem exercer a função de mecânico supera o número daqueles que podem exercer a função de lanterneiro em (A) 4. (B) 9. (C) 2. (D) 11. (E) 0. 06. (SEFAZ/RJ – Auditor Fiscal da Receita Estadual 3ª categoria – FCC/2014) Em uma grande empresa, 50% dos empregados são assinantes da revista X, 40% são assinantes da revista Y e 60% são assinantes da revista Z. Sabe-se que 20% dos empregados assinam as revistas X e Y, 30% assinam as revistas X e Z, 20% assinam as revistas Y e Z e 10% não assinam nenhuma das revistas. Considerando que existam somente as revistas X, Y e Z, obtém-se que a porcentagem dos empregados que assinam mais que uma revista é igual a (A) 80%. (B) 40%. (C) 60%. (D) 50%. (E) 70%. 07. (UFGD EBSERH/MS – Técnico em Informática - Instituto AOCP/2014) Uma banda lançou 2 músicas para o público votar na que mais gostou. Do total de entrevistados, 350 votaram na música A, 210 votaram na música B e 90 gostaram e votaram nas duas músicas, A e B. Sendo assim, quantos votaram apenas na música B? (A) 260. (B) 120. (C) 110. (D) 90. (E) 80. 08. (UFS EBSERH/SE – Fisioterapeuta - Instituto AOCP/2014) Em uma pequena cidade, circulam apenas dois jornais diferentes. O jornal A e o jornal B. Uma pesquisa realizada com os moradores dessa cidade mostrou que 33% lê o jornal A, 45% lê o jornal B, e 7% leem os jornais A e B. Sendo assim, quantos por cento não leem nenhum dos dois jornais? (A) 15% (B) 25% (C) 27% (D) 29% 78

(E) 35% 09. (FUNDUNESP - Analista de Tecnologia da Informação - Redes - VUNESP/2014) Em um grupo de 110 colaboradores que trabalharam apenas nos departamentos A, B ou C de uma instituição, identificou-se que exatamente 12 já trabalharam nesses três departamentos. Em se tratando dos colaboradores que já trabalharam em apenas dois desses departamentos, identificou-se que exatamente 10 trabalharam nos departamentos A e B, exatamente 17 trabalharam nos departamentos A e C e exatamente 15 trabalharam nos departamentos B e C. Identificou-se, ainda, que o número exato de colaboradores que já trabalharam no departamento A é 60 e que o número exato de colaboradores que já trabalharam no departamento C é 50. Sendo assim, pode-se concluir corretamente que o número exato de colaboradores que já trabalharam no departamento B é (A) 66. (B) 68. (C) 70. (D) 72. (E) 74. 10. (AMAZUL - Assistente de Administração - Técnico de Contabilidade - IBFC/2014) Numa entrevista para escolha entre dois produtos verificou-se que 73 pessoas escolheram o primeiro produto, 62 pessoas escolheram o segundo produto, 23 pessoas nenhum dos dois e 35 pessoas escolheram os dois produtos. O total de pessoas entrevistadas foi de: (A) 123. (B) 77. (C) 88. (D) 100. Respostas 1 – Resolução: Neste tipo de questão sobre conjuntos devemos inicialmente fazer um esquema com os conjuntos e suas intersecções. Começamos a anotar os valores sempre pelas intersecções mais complexas, depois as menos complexas. Ou seja: se temos 3 conjuntos devemos começar pela intersecção dos 3 conjuntos, depois de 2 em 2 conjuntos. Ao final, analisamos as quantidades de cada conjunto e outros que houverem. Não devemos nos esquecer de que o total de cada conjunto deve contemplar os valores já anotados nas intersecções. Vamos ao nosso caso, em questão, agrupando todas as informações dadas: - 70 turistas visitaram a PF; - 80 turistas visitaram o TJA; - 70 turistas visitaram a CM; - 30 turistas visitaram apenas a PF; - 50 turistas visitaram a CM e o TJA; - 25 turistas visitaram a PF e a CM; - 20 turistas visitaram esses três pontos turísticos; - cada um dos turistas visitou pelo menos um dos três pontos turísticos. (significa que não nenhum turista que não esteja nas representações dos conjuntos). Vamos preencher nossos conjuntos: - 20 turistas visitaram esses três pontos turísticos;

79

- 25 turistas visitaram a PF e a CM; Mas 20 já foram considerados na intersecção entre os conjuntos. Logo, faltam 5 turistas na região entre estes conjuntos.

- 50 turistas visitaram a CM e o TJA; Mas 20 já foram considerados na intersecção entre os conjuntos. Logo, faltam 30 turistas na região entre estes conjuntos.

- 30 turistas visitaram apenas a PF;

- 70 turistas visitaram a PF; Devemos considerar este valor como a soma total do conjunto. Logo, não podemos nos esquecer de subtrair os valores que já se encontram no interior deste conjunto. Ficará: 70 – (30 + 5 + 20) = 70 – 55 = 15. Logo, este valor está ente os conjuntos de quem visitou a PJ e o TJA.

80

- 80 turistas visitaram o TJA; Devemos considerar este valor como a soma total do conjunto. Logo, não podemos nos esquecer de subtrair os valores que já se encontram no interior deste conjunto. Ficará: 80 – (30 + 15 + 20) = 80 – 65 = 15. Logo, este valor corresponde aos turistas que foram apenas no TJA.

- 70 turistas visitaram a CM; Devemos considerar este valor como a soma total do conjunto. Logo, não podemos nos esquecer de subtrair os valores que já se encontram no interior deste conjunto. Ficará: 70 – (30 + 5 + 20) = 80 – 55 = 15. Logo, este valor corresponde aos turistas que foram apenas no CM.

Agora, para determinar o total de turistas, basta somarmos os valores dentro dos conjuntos: (30 + 15 + 20 + 5 + 15 + 30 + 15) = 130. A probabilidade de que um turista do referido grupo escolhido ao acaso tenha visitado os três pontos turísticos é obtida dividindo-se o numero de turistas que visitaram os 3 pontos turísticos pelo valor total de turista. Portanto, teremos: P = 20/130 = 0,1538. Este valor é superior a 0,14, conforme o enunciado afirma. Resposta: Certo. 2 – Resolução: Esta questão está relacionada com a resolução da questão anterior. Portanto, usaremos os valores anteriormente obtidos para verificar a afirmativa. 81

O número de turistas que visitou a PF e o TJA é superior a 30.

Verificamos que a afirmativa está certa. Resposta: Certo. 3 – Resolução: Esta questão está relacionada com a resolução da questão anterior. Portanto, usaremos os valores anteriormente obtidos para verificar a afirmativa. O número de turistas que visitou a PF e o TJA é superior a 30.

Verificamos que a afirmativa está errada, pois, este número corresponde a 15. Resposta: Errado. 4 – Resolução: Esta questão está relacionada com a resolução da questão anterior. Portanto, usaremos os valores anteriormente obtidos para verificar a afirmativa. O número de turistas que visitou a PF e o TJA é superior a 30.

Veja a afirmativa: ―O número de turistas que visitou pelo menos dois dos três pontos turísticos é superior a 75‖. Significa que podemos ter todos os turistas que visitaram ao menos dois pontos (PF + TJA = 15) + (TJA + CM = 30) + (CM + PF = 5) além dos que visitaram os três pontos (20). Fazendo a soma teremos: (15 + 30 + 5 + 20= 70). Resposta: Errado. 5 – Resolução: 82

Vamos anotar as informações e fazer as regiões de intersecção, anotar os valores, concluir valores, etc, como nos exemplos anteriores. Conjuntos: mecânicos, eletricistas e lanterneiros. - total de funcionários: 20. Vamos passar estas informações para os conjuntos - 7 os mecânicos que podem atuar como eletricistas, mas não como lanterneiros.

- 4 os mecânicos que podem atuar também nas outras duas funções.

- Aqueles que atuam apenas como eletricistas e apenas lanterneiros são, respectivamente, 3 e 1 funcionários.

- Dessas 20 pessoas, aquelas que não foram descritas anteriormente atuam apenas como mecânicos. Portanto, devemos somar os valores do conjunto acima para determinar o número de mecânicos, apenas. De 20 funcionários devemos excluir 15 que já estão relacionados nos conjuntos. Então, seriam 5.

83

Podemos concluir que o número de funcionários que podem exercer a função de mecânico supera o número daqueles que podem exercer a função de lanterneiro. Quantos seriam? Vejamos: -mecânicos: 16 - lanterneiros: 05 Diferença: 11. Resposta: D. 6 – Resolução: Vamos agrupar as informações e transferir estes valores para os conjuntos. Lembrando de que poderemos concluir outros valores de acordo com o andamento da resolução e, de que, sempre devemos começar pela intersecção dos 3 conjuntos (se existir); depois, dois a dois; depois um a um e demais informações pertinentes. - Sabe-se que 20% dos empregados assinam as revistas X e Y

- 30% assinam as revistas X e Z Entre X e Z a soma deve dar 30%, mas não podemos esquecer da região de intersecção já existente entre estes grupos. Logo seriam mais 10%.

- 20% assinam as revistas Y e Z. Portanto, não colocaremos mais nenhum valor. Pois já temos 20%. Pronto, agora colocaremos todas as demais informações de uma só vez. - 10% não assinam nenhuma das revistas. - 50% dos empregados são assinantes da revista X 84

Temos que descontar os valores já anotados do valor mencionado acima. Logo, teremos: 50 – (30) = 20 só assinam X. - 40% são assinantes da revista Y Temos que descontar os valores já anotados do valor mencionado acima. Logo, teremos: 40 – (20) = 20 só assinam Y. - 60% são assinantes da revista Z. Temos que descontar os valores já anotados do valor mencionado acima. Logo, teremos: 60 – (30) = 30 só assinam Z. Então, 50% dos assinantes só assinam a revista Z. Resposta: D. 7 – Resolução: Inicialmente vamos organizar as informações: - 350 votaram na música A - 210 votaram na música B. - 90 gostaram e votaram nas duas músicas, A e B Devemos começar sempre pela região de intersecção, ou seja: os que votaram nas duas músicas. - 90 gostaram e votaram nas duas músicas, A e B

Agora, preencheremos com os valores das musicas que foram escolhidas individualmente. Lembrando que devemos considerar os valores em comum para os conjuntos: - 210 votaram apenas na música B. Portanto, 210 – 90 = 120 - 350 votaram na música A calculando: 350 – 90 = 260 Vamos transferir estes dados para nosso esquema de conjuntos

Resposta: votaram apenas na musica B 120 pessoas. Resposta: B. 8 – Resolução: Inicialmente vamos organizar as informações: - 33% lê o jornal A - 45% lê o jornal B - 7% leem os jornais A e B.

85

Devemos começar sempre pela região de intersecção, ou seja: os que leem os jornais A e B. - 7% leem os jornais A e B.

Agora, preencheremos com os valores dos jornais que foram escolhidas individualmente. Lembrando que devemos considerar os valores em comum para os conjuntos: - 45% lê o jornal B Portanto, 45 – 7 = 38 - 33% lê o jornal A calculando: 33 – 7= 26 Vamos transferir estes dados para nosso esquema de conjuntos

Estes são os percentuais das pessoas que leem ao menos um dos jornais. Fazendo a soma teremos um percentual de (26 + 7 + 38= 71). Logo, para se atingir a totalidade da população, teremos os que não leem nenhum dos jornais. Assim, 100 – 71 = 29. Conclusão: 29% da população desta cidade. Resposta: D. 9 – Resolução: Neste tipo de questão sobre conjuntos devemos inicialmente fazer um esquema com os conjuntos e suas intersecções. Começamos a anotar os valores sempre pelas intersecções mais complexas, depois as menos complexas. Ou seja: se temos 3 conjuntos devemos começar pela intersecção dos 3 conjuntos, depois de 2 em 2 conjuntos. Ao final, analisamos as quantidades de cada conjunto e outros que houver. Não devemos nos esquecer de que o total de cada conjunto deve contemplar os valores já anotados nas intersecções. Vamos ao nosso caso, em questão, agrupando todas as informações dadas: - grupo tem total de 110 colaboradores nos departamentos A, B ou C. - 12 já trabalharam nesses três departamentos. - exatamente 10 trabalharam nos departamentos A e B - exatamente 17 trabalharam nos departamentos A e C - exatamente 15 trabalharam nos departamentos B e C. - trabalharam no departamento A é 60 - trabalharam no departamento C é 50 Vamos preencher nossos conjuntos: Preencheremos com os 12 que trabalharam nos 3 departamentos:

86

Agora, preencheremos com os valores dos funcionários que trabalharam em dois dos departamentos. - exatamente 10 trabalharam nos departamentos A e B

- exatamente 17 trabalharam nos departamentos A e C

- exatamente 15 trabalharam nos departamentos B e C.

- trabalharam no departamento A é 60 Mas, devemos levar em consideração as regiões em comum e seus valores já preenchidos. Devemos descontar de 60 os valores já presentes dentro do conjunto A. Observamos que já temos (10 + 12 + 17= 39), então: 60 – 39 =21. Devemos colocar o valor 21 no espaço em que não ocorre

87

intersecção, pois, estes são funcionários que trabalharam apenas em A, mas não trabalharam em outro departamento.

- trabalharam no departamento C é 50 Observamos que já temos no conjunto C (15 + 12 + 17= 44), então: 50– 44 =06. Devemos colocar o valor 6 no espaço em que não ocorre intersecção, pois, estes são funcionários que trabalharam apenas em C, mas não trabalharam em outro departamento.

Observe que usamos todas as informações numéricos sobre os conjuntos. Mas não sabemos quantos trabalharam em B. Porém, sabemos que o total de funcionários é de 110. Se somarmos todos os valores poderemos determinar o valor de B. Funcionários de B: 110 – (21 + 10 + 12 + 17 + 15 + 6)= 110 – 81 = 29. Vamos colocar o valor 29 no espaço adequado. Devemos colocar o valor 29 no espaço em que não ocorre intersecção, pois, estes são funcionários que trabalharam apenas em B, mas não trabalharam em outro departamento.

Agora, para determinar os funcionários que trabalharam em B, basta somarmos os valores dentro do conjunto B: (29 + 10 + 12 + 15) = 66. Resposta: A. 10 – Resolução: Na questão anterior fizemos uma questão muito parecida com esta e o procedimento para resolver será o mesmo, atentando para os valores corretamente: Vamos organizar as informações: 88

- 73 pessoas escolheram o primeiro produto - 62 pessoas escolheram o segundo produto - 23 pessoas nenhum dos dois - 35 pessoas escolheram os dois produtos. Novamente começaremos pela região de intersecção, ou seja: as que escolheram os dois produtos. - 35 pessoas escolheram os dois produtos.

Agora, preencheremos com os valores dos produtos que folham escolhidos individualmente. Lembrando que devemos considerar os valores em comum para os produtos: - 73 pessoas escolheram o primeiro produto (A). Portanto, 73 – 35 = 38 e - 62 pessoas escolheram o segundo produto (B) Calculando: 62 – 35 = 27 Vamos transferir estes dados para nosso esquema de conjuntos

Falta mais uma informação a ser analisada: - 23 pessoas não escolheram nenhum dos dois produtos. Vamos colocar este valor no nosso conjunto:

Pronto. Todas as informações numéricas foram analisadas e anotadas. Para saber quantas pessoas foram entrevistadas basta somar todos os valores do nosso conjunto universo: (38 + 35 + 27 + 23 = 123). Resposta: A.

89

9. Lógica de Primeira Ordem Existem alguns tipos de argumentos que apresentam proposições com quantificadores. A resolução análise do argumento destes argumentos torna-se mais fácil quando se lança mão do uso da teoria dos conjuntos, com representações dos conjuntos e que chamaremos de diagramas lógicos. Vimos que a sentença aberta é aquela que possui pelo menos uma variável. Exemplo: X -3 = 9 Aqui temos uma sentença aberta que possui a variável x. Não podemos valorar esta sentença como V ou F. Mas, se atribuirmos valor a x então será gerado uma proposição que poderá, a dado valor de x, ser julgada em V ou F. A sentença aberta, então tem como particularidade o fato dela poder dar origem a diversas proposições, dependendo do valor atribuído à variável x. RECAPITULANDO: - X -3 = 9 não pode ser considerada proposição. É sentença aberta e não pode ser julgada em V ou F. - atribuindo-se valor a x isto gerará uma proposição que pode ser valorada em V ou F. - Geralmente estas sentenças abertas podem ser acompanhadas de quantificadores que possibilitam torná-las proposições e passíveis de valoração. - O quantificador universal é simbolizado por: ∀. Ele indica que todos os elementos do conjunto satisfazem a uma dada sentença aberta. - A sentença aberta é indicada por p(x). Estamos indicando que o seu valor lógico depende da variável, que está entre parênteses. - O quantificador existencial é simbolizado por: ∃. Ele indica que existe pelo menos um elemento do conjunto que satisfaz à sentença aberta. - Por fim, temos o quantificador de existência e unicidade (∃!). Significado: Existe pelo menos um PROPOSIÇÕES CATEGÓRICAS Chamam-se de proposições categóricas proposições simples e diretas na forma de sujeitopredicado. Elas apresentam-se em quatro tipos: A: Todo M é N B: Nenhum M é N (Todo M não é N) C: Algum M é N. D: Algum M não é N Onde: A é uma proposição universal afirmativa. B é uma proposição universal negativa. C é uma proposição particular afirmativa. D é uma proposição particular negativa. - Os principais quantificadores estão representados por palavras e, os principais (mais comuns) são: algum, nenhum, existe, todo. - Argumentos decorrentes destes tipos de proposições são mais facilmente estudados por meio de diagramas (diagramas lógicos), que representam os diversos conjuntos das possibilidades geradas pelo uso dos quantificadores envolvidos na questão. - Este tópico costuma trazer muitas dificuldades para o concursando, porque exige uma visão interpretativa das relações dos ―conjuntos‖ que irão aparecer nas resoluções. Exemplo de frases:

90

―Nenhum candidato foi aprovado‖ ―Todos os homens gostam de futebol‖ ―Alguma ave é azul‖ ―Existe vida inteligente em Marte‖ Vamos inicialmente tecer algumas considerações sobre os conjuntos e os quantificadores. O estudo das proposições categóricas pode ser feito utilizando os diagramas de Euler- Venn. É habitual representar um conjunto por uma linha fechada e não entrelaçada. Vejamos o significado, na linguagem de conjuntos, de cada uma das proposições categóricas. - Todo A é B ↔ Todo elemento de A também é elemento de B. - Nenhum A é B ↔ A e B são conjuntos disjuntos, ou seja, não possuem elementos comuns. - Algum A é B ↔ Os conjuntos A e B possuem pelo menos 1 elemento em comum. - Algum A não é B ↔ O conjunto A tem pelo menos 1 elemento que não é elemento de B. Vejamos como representar cada uma das proposições categóricas utilizando os diagramas de EulerVenn. - Todo A é B Teremos duas possibilidades.

A proposição categórica ―Todo A é B‖ é equivalente a: A é subconjunto de B. A é parte de B. A está contido em B. B contém A. B é universo de A. B é superconjunto de A. Se soubermos que a proposição ―Todo A é B‖ é verdadeira, qual será o valor lógico das demais proposições categóricas? Nenhum A é B é falso. Algum A é B é verdadeiro. Algum A não é B é falsa. - Algum A é B Podemos ter 4 diferentes situações para representar esta proposição:

91

A proposição categórica ―Algum A é B‖ equivale a ―Algum B é A‖. Se ―algum A é B‖ é uma proposição verdadeira, qual será o valor lógico das demais proposições categóricas? Nenhum A é B é falso. Todo A é B é indeterminado – pode ser verdadeira (em 3 e 4) ou falsa (em 1 e 2). Algum A não é B é indeterminada – pode ser verdadeira (em 1 e 2) ou falsa (em 3 e 4). Observe que quando afirmamos que ―Algum A é B‖ estamos dizendo que existe pelo menos um elemento de A que também é elemento de B. - Nenhum A é B

A proposição categórica ―Nenhum A é B‖ equivale a: Nenhum B é A. Todo A não é B. Todo B não é A. A e B são conjuntos disjuntos. Se ―nenhum A é B‖ é uma proposição verdadeira, qual será o valor lógico das demais proposições categóricas? Todo A é B é falso. Algum A é B é falso. Algum A não é B é verdadeira. Exemplo: ―Nenhum elefante é dinossauro‖ Neste caso, estamos afirmando que o conjunto dos elefantes não apresenta intersecção com o conjunto dos dinossauros. Assim:

92

Novamente: dizemos que não há intersecção entre os dois conjuntos. Assim como nos casos anteriores, temos algumas incertezas. A única certeza que temos é que não há intersecção entre os conjuntos. Contudo, simplesmente dizer que ―nenhum elefante é dinossauro‖ não garante qualquer coisa sobre a existência de elementos dentro do conjunto dos elefantes, ou dentro do conjunto dos dinossauros. - Algum A não é B Se a proposição Algum A não é B é verdadeira, temos as três representações possíveis:

Observe que ―Algum A não é B‖ não equivale a ―Algum B não é A‖. Por exemplo, dizer que ―Algum brasileiro não é mineiro‖ não equivale a dizer que ―Algum mineiro não é brasileiro‖. Se ―algum A não é B‖ é uma proposição verdadeira, qual será o valor lógico das demais proposições categóricas? Todo A é B é falso. Nenhum A é B é indeterminado – pode ser verdadeira (em 3) ou falsa (em 1 e 2). Algum A é B é indeterminado – pode ser verdadeira (em 1 e 2) ou falsa (em 3). Existe equivalência ou negação entre estas proposições? Como fazer? Aqui, caro aluno, vai um esquema que permitirá a você resolver uma grande quantidade de questões quanto à equivalência ou negação de UMA proposição categórica. Basta usar o triângulo abaixo e dispender pouco tempo com a teoria.

93

Questões 01. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) As proposições que compõem as premissas e a conclusão dos silogismos podem ser (I) universais ou particulares e (II) afirmativas ou negativas. Considerando estas possibilidades, é correto afirmar que a proposição. (A) ―Nenhum ser humano é imortal‖ é universal e negativa. (B) ―Todos os seres vivos não são organismos‖ é particular e negativa. (C) ―Algum ser vivo é mortal‖ é universal e afirmativa. (D) ―Sócrates é imortal‖ é universal e afirmativa (E) ―Nenhum organismo é mortal‖ é particular e afirmativa. 02. (PC/SP - Delegado de Polícia - VUNESP/2014) Na lógica clássica, as proposições que compõem um raciocínio são classificadas como: (1) universais ou particulares e (2) afirmativas ou negativas. Assim sendo, as proposições ―todo ser humano é mortal‖, ―algumas pessoas não usam óculos‖ e ―alguns motoristas são descuidados‖ são classificadas, respectivamente, como: (A) particular afirmativa, universal negativa e universal afirmativa. (B) particular afirmativa, universal negativa e particular afirmativa. (C) universal afirmativa, particular afirmativa e particular negativa. (D) particular negativa, particular afirmativa e universal afirmativa. (E) universal afirmativa, particular negativa e particular afirmativa. 03. (PC/PI - Escrivão de Polícia Civil - UESPI/2014) Qual a negação lógica da sentença ―Todo número natural é maior do que ou igual a cinco‖? (A) Todo número natural é menor do que cinco. (B) Nenhum número natural é menor do que cinco. (C) Todo número natural é diferente de cinco. (D) Existe um número natural que é menor do que cinco. (E) Existe um número natural que é diferente de cinco. 04. (CBM/RJ - Cabo Técnico em Enfermagem - ND/2014) A negação da seguinte proposição "Algum representante do povo não compareceu‖ é: (A) Todo representante do povo compareceu. (B) Todo representante do povo não compareceu. (C) Pelo menos um representante do povo não compareceu. (D) Algum representante do povo faltou. (E) Algum representante do povo compareceu. 05. (CBM/RJ - Cabo Técnico em Enfermagem - ND/2014) Dizer que a afirmação "todos os professores são psicólogos‖ e falsa, do ponto de vista lógico, equivale a dizer que a seguinte afirmação é verdadeira (A) Todos os não psicólogos são professores. (B) Nenhum professor é psicólogo. (C) Nenhum psicólogo é professor. (D) Pelo menos um psicólogo não é professor.

94

(E) Pelo menos um professor não é psicólogo. 06. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) Considere as seguintes premissas: ―Todos os generais são oficiais do exército‖. ―Todos os oficiais do exército são militares‖. Para obter um silogismo válido, a conclusão que logicamente se segue de tais premissas é: (A) ―Alguns oficiais do exército são militares‖. (B) ―Nenhum general é oficial do exército‖. (C) ―Alguns militares não são oficiais do exército‖. (D) ―Todos os militares são oficiais do exército‖. (E) ―Todos os generais são militares‖. 07. (AGU - Administrador - IDECAN/2014) Se é verdade que ―alguns candidatos são estudiosos‖ e que ―nenhum aventureiro é estudioso‖, então, também é necessariamente verdade que: (A) algum candidato é aventureiro. (B) algum aventureiro é candidato. (C) nenhum aventureiro é candidato. (D) nenhum candidato é aventureiro. (E) algum candidato não é aventureiro. 08. (Receita Federal do Brasil – Auditor Fiscal - ESAF/2014) Se é verdade que alguns adultos são felizes e que nenhum aluno de matemática é feliz, então é necessariamente verdade que: (A) algum adulto é aluno de matemática. (B) nenhum adulto é aluno de matemática. (C) algum adulto não é aluno de matemática. (D) algum aluno de matemática é adulto. (E) nenhum aluno de matemática é adulto. 09. (SEDS/MG - Agente de Segurança Penitenciária - IBFC/2014) Todo mafagafo é um guilherdo e todo guilherdo é um rosmedo. Desse modo, é correto afirmar que: (A) Há mafagafo que não é rosmedo. (B) Todo guilherdo é mafagafo. (C) Nenhum rosmedo é mafagafo. (D) Alguns guilherdos podem ser mafagafos. 10. (PC/SP – Escrivão de Polícia - VUNESP/2014) Considerando a premissa maior ―Nenhum inseto tem coluna vertebral‖ e a premissa menor ―Todas as moscas são insetos‖, a conclusão correta do silogismo válido é: (A) ―Nenhum inseto é mosca‖. (B) ―Alguns insetos não são moscas‖ (C) ―Nenhuma mosca tem coluna vertebral‖. (D) ―Alguns insetos têm coluna vertebral‖. (E) ―Algumas moscas são insetos‖. 11. (TRT/16ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Se nenhum XILACO é COLIXA, então (A) todo XILACO é COLIXA. (B) é verdadeiro que algum XILACO é COLIXA. (C) alguns COLIXA são XILACO. (D) é falso que algum XILACO é COLIXA. (E) todo COLIXA é XILACO. 12. (TRT/2ª Região – Analista Judiciário – Área Judiciária - FCC/2014) Um dia antes da reunião anual com os responsáveis por todas as franquias de uma cadeia de lanchonetes, o diretor comercial recebeu um relatório contendo a seguinte informação: Todas as franquias enviaram o balanço anual e nenhuma delas teve prejuízo neste ano. Minutos antes da reunião, porém, ele recebeu uma mensagem em seu celular enviada pelo gerente que elaborou o relatório, relatando que a informação não estava correta. Dessa forma, o diretor pôde concluir que, necessariamente, 95

(A) nenhuma franquia enviou o balanço anual e todas elas tiveram prejuízo neste ano. (B) alguma franquia não enviou o balanço anual e todas elas tiveram prejuízo neste ano. (C) nenhuma franquia enviou o balanço anual ou pelo menos uma delas teve prejuízo neste ano. (D) nem todas as franquias enviaram o balanço anual ou todas elas tiveram prejuízo neste ano. (E) nem todas as franquias enviaram o balanço anual ou pelo menos uma delas teve prejuízo neste ano. 13. (UFGD EBSERH/MS – Advogado - Instituto AOCP/2014) Assinale a alternativa que apresenta a negação de ―Todos os pães são recheados‖. (A) Existem pães que não são recheados. (B) Nenhum pão é recheado. (C) Apenas um pão é recheado. (D) Pelo menos um pão é recheado. (E) Nenhuma das alternativas. 14. (Câmara Municipal de São José dos Campos/SP - Analista Legislativo Informática Especialidade Analista de Sistemas - VUNESP/2014) Todos os cachorros latem e nem todos os gatos miam. Uma frase que corresponde à negação lógica dessa afirmação é: (A) Nenhum cachorro late e todos os gatos miam. (B) Alguns cachorros latem ou alguns gatos miam. (C) Nem todos os cachorros latem ou todos os gatos miam. (D) Qualquer cachorro late ou qualquer gato mia. (E) Nenhum cachorro late e nenhum gato mia. 15. (PC/SP - Médico Legista - VUNESP/2014) Considere a afirmação: Todos os quatro elementos ingeriram a mesma substância S e morreram por envenenamento. Uma negação lógica para a afirmação apresentada está contida na alternativa: (A) Pelo menos um dos quatro elementos não ingeriu a substância S ou não morreu envenenamento. (B) Todos os quatro elementos não ingeriram a mesma substância S e não morreram envenenamento. (C) Nenhum dos quatro elementos ingeriu a substância S ou morreu por envenenamento. (D) Talvez os quatro elementos não tenham ingerido a substância S, mas todos morreram envenenamento. (E) Existe apenas um dos quatro elementos que não ingeriu a substância S, mas morreu envenenamento.

por por

por por

16. (DESENVOLVE/SP - Contador - VUNESP/2014) Alguns gatos não são pardos, e aqueles que não são pardos miam alto. Uma afirmação que corresponde a uma negação lógica da afirmação anterior é: (A) Os gatos pardos miam alto ou todos os gatos não são pardos. (B) Nenhum gato mia alto e todos os gatos são pardos. (C) Todos os gatos são pardos ou os gatos que não são pardos não miam alto. (D) Todos os gatos que miam alto são pardos. (E) Qualquer animal que mia alto é gato e quase sempre ele é pardo. Respostas 1 – Resolução: Os quantificadores podem ser classificados em 2 tipos: -Universais Todos: afirmativo Nenhum: negativo - Particular ou existencial. Algum Positivo: algum A é B Negativo: algum A não é B Logo, as alternativas trazem: 96

(A) ―Nenhum ser humano é imortal‖ é universal e negativa. (B) ―Todos os seres vivos não são organismos‖ é particular (ERRADO) e negativa (ERRADO). (C) ―Algum ser vivo é mortal‖ é universal (ERRADO) e afirmativa. (D) ―Sócrates é imortal‖ é universal e afirmativa (ERRADO, não temos quantificador) (E) ―Nenhum organismo é mortal‖ é particular (ERRADO) e afirmativa (ERRADO). Resposta: A. 2 – Resolução: Os quantificadores podem ser classificados em 2 tipos: -Universais Todos: afirmativo Nenhum: negativo - Particular ou existencial. Algum Positivo: algum A é B Negativo: algum A não é B Vamos, portanto, classificar as proposições: ―todo ser humano é mortal‖, (universal afirmativa). ―algumas pessoas não usam óculos‖ (particular negativa) ―alguns motoristas são descuidados‖ (particular afirmativa) Resposta: E. 3 – Resolução: O enunciado nos traz uma composição em que usa um quantificador universal (Todo) e pede a sua negação. O quantificador universal todos pode ser negado, seguindo o esquema abaixo, pelo quantificador algum, pelo menos um, existe ao menos um, etc. Não se nega um quantificador universal com Todos e Nenhum, que também são universais.

Portanto, já podemos descartar as alternativas que trazem quantificadores universais (todo e nenhum). Descartamos as alternativas A, B e C. Seguindo, devemos negar o termo: ―maior do que ou igual a cinco‖. Negaremos usando o termo ―MENOR do que cinco‖. Obs: maior ou igual a cinco (compreende o 5, 6, 7...) ao ser negado passa a ser menor do que cinco (4, 3, 2,...). Alternativa D. 4 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição com um quantificador categórico particular ou existencial (Algum) e pede a sua negação. A negação de deste tipo de quantificador se faz através de um quantificador universal (todos ou Nenhum). Logo, as alternativas C, D e E estão incorretas, porque não se nega quantificador particular com particular. Os quantificadores se relacionam seguindo o esquema abaixo.

97

Portanto, podemos negar com o uso do quantificador universal Todos, obtendo a seguinte expressão: Todo representante do povo compareceu. E encontramos esta expressão na alternativa A. Outra possibilidade seria através do quantificador universal NENHUM. Ficaria: NENHUM representante do povo compareceu. Porém, não temos nenhuma alternativa com esta construção. Resposta: A. 5 – Resolução: Se a afirmação é falsa a negação será verdadeira. Logo, a negação de um quantificador universal categórico afirmativo se faz através de um quantificador existencial negativo. Logo teremos: Pelo menos um professor não é psicólogo. Resposta: E 6 – Resolução: Vamos montar o diagrama lógico deste silogismo categórico. Depois disto vamos analisar a alternativa que traz uma conclusão decorrente destas premissas:

Verificamos que teremos um silogismo se a conclusão for a encontrada na alternativa E: ―Todos os generais são militares‖. Resposta: E. 7 – Resolução: Vamos fazer a representação dos conjuntos, conforme as informações. - ―alguns candidatos são estudiosos‖

98

- ―nenhum aventureiro é estudioso‖. Portanto, não há intersecção entre estes conjuntos. Mas não sabemos se existe com outros ou não. Podemos ter algumas possibilidades.

(A) algum candidato é aventureiro. Pode ser verdade (se houver intersecção) ou falso (B) algum aventureiro é candidato. Pode ser verdade (se houver intersecção) ou falso (C) nenhum aventureiro é candidato. Pode ser falso (se houver intersecção) (D) nenhum candidato é aventureiro. Pode ou não ser verdade. (E) algum candidato não é aventureiro. (região laranja no conjunto dos aventureiros). Resposta: E. 8 – Resolução: Vamos fazer a representação dos conjuntos, conforme as informações.

- ―alguns adultos são felizes‖. Portanto, há intersecção entre estes conjuntos. - nenhum aluno de matemática é feliz Portanto, não há intersecção entre estes conjuntos. Mas não sabemos se existe com outros ou não. Podemos ter algumas possibilidades.

99

Vamos analisar as alternativas: (A) algum adulto é aluno de matemática. ERRADO (B) nenhum adulto é aluno de matemática. Pode ou não. Errado. (C) algum adulto não é aluno de matemática. CORRETO. (D) algum aluno de matemática é adulto. (E) nenhum aluno de matemática é adulto. Resposta: C. 9 – Resolução: Esta é uma das representações mais fáceis:

Resposta: E. 10 – Resolução: Vamos fazer a representação dos conjuntos, conforme as informações. - ―Nenhum inseto tem coluna vertebral‖. Portanto, não há intersecção entre estes conjuntos.

- ―Todas as moscas são insetos‖

Vamos analisar as alternativas: (C) ―Nenhuma mosca tem coluna vertebral‖. Correto. Não existe intersecção entre os conjuntos moscas e coluna vertebral Resposta: C.

100

11 – Resolução: A questão parece ser confusa ou difícil de resolver devido à semelhança entre as palavras. Mas, não se assuste. Faça um diagrama e pode até trocar a palavra por letra. Trata-se de quantificadores. NENHUM Xilaco é Colixa, significa que não há intersecção entre os conjuntos. Vamos à representação dos diagramas:

Portanto, é mentira (é falso que) algum xilaco possa ser colixa. Resposta: D. 12 – Resolução: Questão que envolve quantificadores universais. Todos e nenhum. A negação destes se dá por quantificadores algum, pelo menos um, nem todos, etc. Como o diretor depois enviou a mensagem pelo menos uma das negações estava incorreta. Não sabemos precisar qual. Mas vamos à mensagem: ―Todas as franquias enviaram o balanço anual e nenhuma delas teve prejuízo neste ano‖. A mensagem nega esta informação. Logo, negamos uma conjunção (e) por uma disjunção (ou). Além de negarmos o sentido das parcelas. Logo teremos: - todas as franquias enviaram o balanço anual. Negação: (alguma; pelo menos uma; nem todas) as franquias enviaram o balanço anual. - nenhuma delas teve prejuízo neste ano. Negação: (alguma, pelo menos uma, ao menos uma) franquia teve prejuízo neste ano. Além de trocar o conectivo e pelo conectivo ou. Resposta: E 13 – Resolução: A negação de um quantificador categórico pode ser facilmente obtida utilizando-se o esquema abaixo:

Vamos apenas identificar A e B, nesta frase: Todos os pães são recheados A: todos os pães B: são recheados Negando: Algum pão não é recheado. Existe pão que não é recheado Pelo menos um pão não é recheado. E frases com este sentido. Analisando as alternativas, temos a letra A. Resposta: A.

101

14 – Resolução: Esta questão exige bastante cuidado e atenção para ser respondida. Veja que temos dois quantificadores diferentes na mesma frase e unidos pelo conectivo ―E‖. O enunciado pede a negação. Portanto, vamos usar o esquema abaixo e, passo a passo, fazer a negação de cada quantificador.

Todos os cachorros latem e nem todos os gatos miam. Vamos negar cada parcela desta frase. ―Todos os cachorros latem.‖ Negando esta parcela, seguindo o esquema acima, teremos: Algum cachorro não late (existe cachorro que não late; pelo menos um cachorro não late; nem todos os cachorros latem). Vamos negar a segunda parcela: ―nem todos os gatos miam‖ pode ser entendido como ―Algum gato não mia‖. Logo, vamos negar esta parcela. Porém, observe que ela pode ser negada pelo quantificador ―nenhum‖ e ficaria, portanto, ―nenhum gato mia‖. Mas ―algum‖ pode ser negado pelo quantificador ―Todo‖, não se esquecendo de negar a segunda parcela. Disso resultaria ―Todos os gatos não miam‖. Juntando, agora, as duas parcelas após as negativas e negando a conjunção utilizando uma disjunção, teremos as duas possibilidades: ―nem todos os cachorros latem OU nenhum gato mia‖ (não encontrada nas alternativas); ―nem todos os cachorros latem OU Todos os gatos não miam‖ Resposta: C. 15 – Resolução: O enunciado nos traz uma proposição do tipo conjunção (conectivo ―e‖) e um quantificador universal (Todos) e pede a sua negação. A negação de uma conjunção se faz através de uma disjunção, em que trocaremos o conectivo ―e‖ pelo conectivo ―ou‖. O quantificador universal todos pode ser negado, seguindo o esquema abaixo, pelo quantificador algum, pelo menos um, existe ao menos um, etc. Não se nega um quantificador universal com Todos e Nenhum, que são universais.

Portanto, já podemos descartar as alternativas que não trazem este conectivo ―ou‖. Descartamos as alternativas B (usou todos), C (usou nenhum), C e D (usou mas, que equivale ao conectivo ―e‖. Portanto, a alternativa correta é a A. Resposta: A.

102

16 – Resolução: O enunciado nos traz um quantificador particular (alguns) e uma proposição do tipo conjunção (conectivo ―e‖). Pede a sua negação. O quantificador existencial ―alguns‖ pode ser negado, seguindo o esquema abaixo, pelos quantificadores universais (todos ou nenhum).

Logo, podemos descartar as alternativas A e E. A negação de uma conjunção se faz através de uma disjunção, em que trocaremos o conectivo ―e‖ pelo conectivo ―ou‖. Descartamos a alternativa B. Vamos, então, fazer a negação da frase, não esquecendo de que a relação que existe é: Algum A é B, deve ser trocado por: Todo A é não B. Todos os gatos que são pardos ou os gatos (aqueles) que não são pardos NÃO miam alto. Resposta: C.

10. Verdades e Mentiras Neste tipo de exercício temos o seguinte: - existem pessoas que mentem e pessoas que dizem a verdade. - existem os que sempre mentem e os que sempre dizem a verdade. - em algumas questões mais específicas aparece um tipo de pessoa que pode tanto mentir quanto falar a verdade. O objetivo destas questões, normalmente, é descobrir quem está mentindo e quem está dizendo a verdade; quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade; ou outra informação qualquer, pertinente à questão. Para resolver aconselho você a montar uma tabela com as possibilidades e testar uma a uma. Caso você tenha alguma dica pode testar a alternativa que tenha esta desconfiança de ser a resposta. Normalmente aparecem 3 a 4 pessoas. Muitas vezes a informação que se tem no enunciado é de que apenas um mentiu ou apenas um falou a verdade. Esta informação é de grande valia. Vamos ver alguns exemplos: DICA: teste as hipóteses! EXEMPLO: Três homens são levados à presença de um jovem lógico. Sabe-se que um deles é um honesto marceneiro, que sempre diz a verdade. Sabe-se, também, que outro é um pedreiro, igualmente honesto e trabalhador, mas que tem o estranho costume de sempre mentir, de jamais dizer a verdade. Sabe-se, ainda, que o restante é um vulgar ladrão que ora mente, ora diz a verdade. O problema é que não se sabe quem, entre eles, é quem. À frente do jovem lógico, esses três homens fazem, ordenadamente, as seguintes declarações: O primeiro diz: ―Eu sou o ladrão‖.

103

O segundo diz: ―É verdade; ele, o que acabou de falar, é o ladrão‖. O terceiro diz: ―Eu sou o ladrão‖. Com base nestas informações, o jovem lógico pode, então, concluir corretamente que: a) O ladrão é o primeiro e o marceneiro é o terceiro. b) O ladrão é o primeiro e o marceneiro é o segundo. c) O pedreiro é o primeiro e o ladrão é o segundo. d) O pedreiro é o primeiro e o ladrão é o terceiro. e) O marceneiro é o primeiro e o ladrão é o segundo Resolução: Questão típica e em que ainda aparece o personagem que às vezes mente e, às vezes, fala a verdade. A resolução é sempre da mesma forma: montar a tabela das hipóteses. Mas vejamos as informações dadas: O marceneiro sempre diz a verdade. O pedreiro sempre mente. O ladrão pode tanto mentir quanto dizer a verdade. Vamos admitir que o primeiro homem estivesse MENTINDO. Ficaríamos assim: 1ª hipótese ―Eu sou o ladrão.‖

1ª Mente

―É verdade; ele, o que acabou de falar, é o ladrão.‖ ―Eu sou o ladrão.‖

CONCLUSÃO Mentiu e não é ladrão. Logo ele é pedreiro (sempre mente) Mentiu, pois A não é o ladrão. Então ele é o pedreiro ou ladrão. Mas não é o ladrão. Ele é o pedreiro Fala a verdade. Falando a verdade ele seria o marceneiro. Mas também seria o ladrão. Mas o marceneiro NÃO PODE ser o ladrão: CONTRADIÇÃO

Quem seria: Pedreiro Pedreiro CONTRADIÇÃO

Portanto, houve aqui uma contradição, uma incompatibilidade das nossas conclusões com as informações fornecidas, o que nos leva a concluir que não seria esta a possibilidade. Vamos admitir que o primeiro homem estivesse falando a VERDADE. Ficaríamos assim: 2ª hipótese ―Eu sou o ladrão.‖ ―É verdade; ele, o que acabou de falar, é o ladrão.‖ ―Eu sou o ladrão.‖

V

CONCLUSÃO É o ladrão (que mente ou fala a verdade) Fala a verdade, pois 1 é o ladrão. E ele seria o marceneiro.

Resultado Ladrão Marceneiro

Mentiu, porque 1 é o ladrão. Se ele mentiu, então ele é o pedreiro.

Pedreiro

Conclusão final: correta a hipótese. Teríamos: Primeiro: ladrão Segundo: marceneiro Terceiro: pedreiro Questões 01. (TRT/2ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Em certo planeta de uma galáxia distante, existem apenas dois partidos, o BEM e o MAL. Quando são perguntados sobre qualquer assunto, os habitantes desse planeta sempre respondem com uma única dentre as duas seguintes palavras: sim ou não. Porém, os integrantes do BEM sempre respondem a verdade, enquanto que os integrantes do MAL necessariamente mentem. Zip e seu irmão Zap são habitantes desse planeta, sendo o primeiro um integrante do BEM e o segundo do MAL.

104

Dentre as perguntas a seguir, qual é a única que, se for feita tanto para Zip quanto para Zap, gerará respostas diferentes? (A) Você é mentiroso? (B) Você é o Zip? (C) Zip é mentiroso? (D) Seu irmão chama-se Zip? (E) Seu irmão é mentiroso? 02. (TRF/4ª Região - Analista Judiciário - Área Judiciária - Especialidade Oficial de Justiça Avaliador Federal - FCC/2014) Miguel, Érico, Ricardo, Jaime e Caio são interrogados em um Tribunal para averiguação de um crime certamente cometido por, apenas, um dos cinco. Nos interrogatórios, cada um fez a seguinte afirmação: Miguel: − o culpado é Jaime. Érico: − Ricardo não é culpado. Ricardo: − o culpado é Caio. Jaime: − eu não sou culpado. Caio: − o culpado é Miguel. Se apenas um dos cinco interrogados diz a verdade, então o crime foi cometido por: (A) Jaime. (B) Caio. (C) Miguel. (D) Érico. (E) Ricardo. 03. (SABESP – Advogado – FCC/2014) Alan, Beto, Caio e Décio são irmãos e foram interrogados pela própria mãe para saber quem comeu, sem autorização, o chocolate que estava no armário. Sabese que apenas um dos quatro comeu o chocolate, e que os quatro irmãos sabem quem foi. A mãe perguntou para cada um quem cometeu o ato, ao que recebeu as seguintes respostas: Alan diz que foi Beto; Beto diz que foi Caio; Caio diz que Beto mente; Décio diz que não foi ele. O irmão que fala a verdade e o irmão que comeu o chocolate são, respectivamente, (A) Beto e Décio. (B) Alan e Beto. (C) Beto e Caio. (D) Alan e Caio. (E) Caio e Décio. 04. (ESAF) Um crime foi cometido por uma e apenas uma pessoa de um grupo de cinco suspeitos: Armando, Celso, Edu, Juarez e Tarso. Perguntados sobre quem era o culpado, cada um deles respondeu: Armando: "Sou inocente" Celso: "Edu é o culpado" Edu: "Tarso é o culpado" Juarez: "Armando disse a verdade" Tarso: "Celso mentiu" Sabendo-se que apenas um dos suspeitos mentiu e que todos os outros disseram a verdade, pode-se concluir que o culpado é: (A) Armando (B) Celso (C) Edu (D) Juarez (E) Tarso 05. (ESAF) Pedro encontra-se à frente de três caixas, numeradas de 1 a 3. Cada uma das três caixas contém um e somente um objeto. Uma delas contém um livro; outra, uma caneta; outra, um diamante. Em cada uma das caixas existe uma inscrição, a saber: Caixa 1: ―O livro está na caixa 3‖. 105

Caixa 2: ―A caneta está na caixa 1‖. Caixa 3: ―O livro está aqui‖. Pedro sabe que a inscrição da caixa que contém o livro pode ser verdadeira ou falsa. Sabe, ainda, que a inscrição da caixa onde está a caneta é falsa e que a inscrição da caixa que contém o diamante é verdadeira. Com tais informações Pedro conclui corretamente que nas caixas 1, 2 e 3 estão, respectivamente, (A) a caneta, o diamante, o livro. (B) o livro, o diamante, a caneta. (C) o diamante, a caneta, o livro. (D) o diamante, o livro, a caneta. (E) o livro, a caneta, o diamante. 06. (SEFAZ/RJ – Auditor Fiscal da Receita Estadual 3ª categoria – FCC/2014) Dona Araci participa de um programa de auditório que oferece prêmios. Três prêmios serão entregues a quem acertar quais objetos valiosos estão ocultos em três baús, enumerados de 1 a 3 e posicionados lado a lado nesta ordem. Os prêmios são: um anel de brilhantes, uma barra de ouro e uma tiara de esmeraldas. Ao lado de cada um dos baús há uma pista escrita em um cartão. Dona Araci leu as três pistas. Pelas regras do programa, Dona Araci ganhará os três prêmios se descobrir em qual baú cada prêmio se encontra. As pistas dizem o seguinte: Baú 1 − Pista número 1: ―O anel de brilhantes está no baú 3‖. Baú 2 − Pista número 2: ―A barra de ouro está no baú de número 1. Baú 3 − Pista número 3: ―O anel de brilhantes está aqui‖. Dona Araci foi avisada pelo apresentador do programa que a afirmação escrita na pista associada ao baú que guarda o anel de brilhantes tanto pode ser verdadeira quanto falsa, que a informação contida na pista relativa ao baú que contém a barra de ouro é falsa e que a informação contida na pista relativa ao baú que contém a tiara de esmeraldas é verdadeira. Com estes elementos, Dona Araci levará os três prêmios se disser que os prêmios que se encontram, respectivamente, nos baús 1, 2 e 3 são: (A) anel de brilhantes, barra de ouro e tiara de esmeraldas. (B) barra de ouro, tiara de esmeraldas e anel de brilhantes. (C) anel de brilhantes, tiara de esmeraldas e barra de ouro. (D) tiara de esmeraldas, barra de ouro e anel de brilhantes. (E) tiara de esmeraldas, anel de brilhantes e barra de ouro. 07. (TRT/2ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Quatro amigos resolveram disputar uma corrida e, antes de seu início, cada um fez uma previsão sobre o resultado. I. Bruno será o vencedor. II. Felipe ficará em 3º ou 4º lugar. III. Nem Bruno nem João ficarão em 2º lugar. IV. Danilo não será o 2º colocado. Sabendo que não houve empate em nenhuma posição e que apenas uma das previsões revelou-se correta, conclui-se que o vencedor da corrida (A) certamente foi o Bruno. (B) certamente foi o Danilo. (C) pode ter sido o Danilo ou o Felipe. (D) pode ter sido o Bruno ou o João. (E) certamente foi o Felipe. Vamos anotar as informações e admitir que apenas uma das previsões esteja, conforme o enunciado. 1º hipótese: Bruno é o vencedor é a correta. Então, teríamos as demais previsões erradas. Previsão Bruno será o vencedor.

V

POSIÇÃO 1º

conclusão

106

Felipe ficará em 3º ou 4º lugar Danilo não será o 2º colocado. Nem Bruno nem João ficarão em 2º lugar.

M M

Não ficará em 3º ou 4º lugar. Ficará em 2º Danilo será 2º

contradição

M

Temos uma contradição entre Felipe e Danilo. Vamos testar a segunda hipótese: Nem Bruno nem João ficarão em 2º lugar Logo teremos: Previsão Bruno será o vencedor. Felipe ficará em 3º ou 4º lugar Danilo não será o 2º colocado. Nem Bruno nem João ficarão em 2º lugar.

M M M V

Conclusão Bruno não será 1º. Bruno ficara em 3º ou 4º Felipe não ficará em 3 ou 4º. Nem em segundo. Logo será o 1º Danilo em 2º

colocação

João e Bruno ficarão em 1º ou 3º ou 4º.

A possível classificação seria Felipe; Danilo, (Bruno e João) ou (João e Bruno). Resposta: E. 08. (PRODEST/ES - Analista Organizacional - Ciências Jurídicas - VUNESP/2014) Afixados nas portas de cinco salas, numeradas de 1 a 5, estão cinco cartazes, um em cada porta, cada um com uma frase que pode ser verdadeira ou falsa. Se o cartaz contiver uma frase verdadeira, o cartaz será chamado de verdadeiro; caso contrário, o cartaz será chamado falso. Em apenas uma sala existe um prêmio e, para ganhá-lo, é preciso determinar, sem abrir a porta, em qual sala ele está, utilizando apenas as informações contidas em cada cartaz. Porta 1: O prêmio não está na sala 2. Porta 2: O prêmio não está nesta sala. Porta 3: O prêmio não está na sala 1. Porta 4: Pelo menos um dos cinco cartazes é falso. Porta 5: O cartaz desta porta é falso ou o cartaz da porta da sala em que está o prêmio é verdadeiro. De acordo com as frases nos cartazes, o prêmio está na sala de número (A) 1. (B) 2. (C) 3. (D) 4. (E) 5. 09. (PRODEST/ES - Analista Organizacional - Ciências Jurídicas - VUNESP/2014) Na cidade de Godelia, cada habitante ou é torpe e sempre fala mentiras, ou é probo e sempre fala a verdade, e seus habitantes conhecem a natureza, torpe ou probo, e a profissão de cada outro habitante. Um turista, visitando a cidade, encontrou três casais discutindo, e foi informado, corretamente, que um casal era formado por torpes, outro casal por probos e o terceiro casal tinha um torpe e um probo. Os casais fizeram as seguintes afirmações: Senhor Gyzt: Eu não sou o matemático. Senhora Gyzt: O senhor Zygt é o matemático. Senhor Tygz: Eu não sou o matemático. Senhora Tygz: O senhor Gyzt é o matemático.

107

Senhor Zygt: O senhor Gyzt é probo. Senhora Zygt: O senhor Tygz é o matemático. Sabendo-se que, dos três maridos, apenas um é o matemático, seu nome e sua natureza são, respectivamente, (A) Senhor Gyzt, torpe. (B) Senhor Gyzt, probo. (C) Senhor Zygt, probo. (D) Senhor Tygz, probo. (E) Senhor Tygz, torpe. Respostas 1 – Resolução: Pela descrição dos personagens sabemos que ambos são de tipos opostos. ―Zip e seu irmão Zap são habitantes desse planeta, sendo o primeiro um integrante do BEM e o segundo do MAL.‖. Significa que ZIP sempre fala a verdade e ZAP sempre mente. Portanto, toda pergunta feita a ZAP terá uma mentira. Logo, vamos analisar as perguntas: Pergunta Você é mentiroso? Você é o Zip? Zip é mentiroso? Seu irmão chama-se Zip? Seu irmão é mentiroso?

O que ele diria ZIP (verdade) Não Sim Não Não Sim

O que diria Zap (sempre mente) Não Sim Sim Não Sim

conclusão iguais iguais Diferentes Iguais iguais

Alternativa C. 2 – Resolução: Este tipo de questões envolve verdades e mentiras. Normalmente aparecem 3 a 5 pessoas. Muitas vezes a informação que se tem no enunciado é de que apenas um mentiu ou apenas um falou a verdade. Esta informação é de grande valia. MACETE: teste as hipóteses. Você admite que apenas um diz a verdade (conforme o enunciado da questão) e veja se não existe contradição com as demais frases. Se houver contradição a hipótese testada não está correta. 1ª hipótese Suspeito O que diz.... Tipo de fala Conclusão Jaime culpado Miguel o culpado é Jaime Verdade Ricardo é culpado Erico Ricardo não é culpado Mente Ricardo o culpado é Caio.. Mente Caio inocente Jaime culpado Jaime eu não sou culpado. Mente Miguel culpado Caio o culpado é Miguel Mente Contradição: só temos um culpado, segundo o enunciado. Já apareceram quatro culpados 2ª hipótese Suspeito Miguel Erico Ricardo Jaime Caio

O que diz.... o culpado é Jaime Ricardo não é culpado o culpado é Caio.. eu não sou culpado. o culpado é Miguel

Tipo de fala Mente Verdade Mente Mente Mente

Conclusão Jaime inocente Ricardo inocente Caio inocente Jaime culpado Miguel inocente

Contradição: Jaime não pode ser culpado e inocente ao mesmo tempo. 108

3ª hipótese Suspeito Miguel Erico Ricardo Jaime Caio

O que diz.... o culpado é Jaime Ricardo não é culpado o culpado é Caio.. eu não sou culpado. o culpado é Miguel

Tipo de fala Mente Mente Verdade Mente Mente

Conclusão Jaime inocente Ricardo culpado Caio é culpado Jaime culpado Miguel inocente

Contradição: só temos um culpado. Já apareceram três culpados. 4ª hipótese Suspeito Miguel Erico Ricardo Jaime Caio

O que diz.... o culpado é Jaime Ricardo não é culpado o culpado é Caio.. eu não sou culpado. o culpado é Miguel

Tipo de fala Mente Mente Mente Verdade Mente

Conclusão Jaime inocente Ricardo culpado Caio é inocente Jaime inocente Miguel inocente

Não houve aqui contradição: só temos um culpado: Ricardo. Veja que você poderia testar as hipóteses apenas para Miguel e Jaime, pois, são de tipos opostos (Miguel diz que Jaime é culpado e Jaime diz que não é culpado). Portanto, é uma dica para você ―pular‖ hipóteses e resolver mais rapidamente. Busque nas afirmativas dos suspeitos quem é do ―mesmo tipo‖ de acusação ou afirmação e quem é do ―tipo diferente‖. Alternativa E. 3 – Resolução: Neste tipo de questão pode-se montar um esquema e testar hipóteses. Observe que Caio e Beto são tipos opostos em suas declarações. Logo, um deles mente e um deles diz a verdade. Vamos testar uma destas hipóteses e verificar as conclusões que teríamos em decorrência desta hipótese. Vamos testar as hipóteses possíveis: 1ª hipótese: Caio diz a verdade. Afirmativas Alan diz que foi Beto Beto diz que foi Caio Caio diz que Beto mente Décio diz que não foi ele

Fala M M V M

Conclusão: quem comeu foi Não foi Beto Não foi caio Não foi Caio Foi Décio

Veja que não ocorre contradição. Quem fala a verdade é Caio e quem comeu o bolo foi Décio. Caso você queira monte a hipótese supondo que Beto fala a verdade. Daria contradição, pois dois irmãos teriam comido o bolo. 4 – Resolução: Questão muito mais fácil, pois, aqui exceto um, todos dizem a verdade. E isto facilita, pois, não tem ninguém que ora mente e ora diz a verdade. Monte a tabela com as afirmações e respectivos nomes e admita que UM mentiu. Isto seria a análise de cada hipótese. Podem ter dicas que mostram logo a contradição da coisa. Veja as informações: só uma pessoa comete o crime e só uma mente. As demais dizem a verdade

A C

1ª hipótese



CONCLUSÃO

"Sou inocente" Edu é o culpado"

M V

Armando É culpado Edu culpado. Conflito, pois só termos um culpado Hipótese inválida. 109

E J T

Tarso é o culpado Armando disse a verdade. "Celso mentiu

V V V

A C E J T

2ª hipótese "Sou inocente" Edu é o culpado" Tarso é o culpado Armando disse a verdade. "Celso mentiu

1ª V M V V V

CONCLUSÃO Armando inocente Edu Inocente, pela declaração de Celso. Tarso culpado. Armando inocente Celso mentiu: então Edu é o inocente E Celso mentiu

Portanto, hipótese válida, pois, não achamos nenhuma incompatibilidade entre as conclusões. Observamos que as conclusões são compatíveis e estão plenamente de acordo com as informações adicionais do enunciado. Daí, diremos que esta segunda hipótese é a que, de fato, resolve a questão. O culpado foi Tarso e somente ele. Portanto, quais os procedimentos básicos a seguir? 1º passo) transcrever todas as declarações do enunciado; 2º passo) transcrever todas as informações adicionais, que guiarão o nosso raciocínio, durante a resolução; 3º passo) criar uma tabela e possíveis hipóteses de verdades ou mentiras para as declarações, tendo por base o que dispõem as informações adicionais; 4º passo) testar a hipótese criada, extraindo todas as conclusões dela oriundas e, comparando essas conclusões entre si, e em relação às informações adicionais. O que pode ocorrer? - se tais conclusões estiverem compatíveis entre si e compatíveis com as informações adicionais, então esta será a hipótese que resolverá, de fato, o nosso problema. Caso contrário, em se verificando que as conclusões extraídas daquela hipótese são incompatíveis entre si, ou não vão de encontro ao que prescrevem as informações adicionais, então diremos que tal hipótese não serve para resolver a nossa questão. Nesse caso, cria-se uma nova hipótese e reinicia-se o procedimento de análise. 5 – Resolução: Sabemos, portanto, que a inscrição da caixa que contém o livro pode ser verdadeira ou falsa. Sabe-se, ainda, que a inscrição da caixa que contém a caneta é falsa e a inscrição da caixa que contém o diamante é verdadeira. Usemos um pouco os neurônios. Vou partir da hipótese que na caixa 1 tem o diamante. Sabendo que a inscrição da caixa que contém o diamante é verdadeira, vemos que o diamante não pode estar na caixa 3. Se diamante está na caixa 1, a inscrição de sua caixa é verdadeira. E esta inscrição diz que livro está na caixa 3. Se o livro está na caixa 3, a caneta estará na caixa 2. Ao analisar a inscrição da caixa 2 (que é falsa) ela diz que caneta está na caixa 1. Coerente até aqui. Porque sabemos que o diamante está na caixa 1. Então, a caneta pode estar na caixa 2. Vamos analisar a inscrição da caixa 3, que pode ser verdade ou mentira. Ela diz que o livro esta na caixa 3. Correto. Caso queira, monte a tabela para ir anotando as informações conforme se testam as alternativas. Veja que busquei analisar as declarações partindo da verdade e depois avaliei a decorrência da falsidade. Portanto, temos: Caixa 1; diamante Caixa 2: caneta Caixa 3: livro Alternativa: C 6 – Resolução:

110

Questão muito frequente e, por isso, muito manjada em concursos. Esta questão você não deve errar, depois de certo treino. Basta fazer um esquema e anotar as informações e afirmativas. O único fator que atrapalha um pouco é o fato de ter a situação ―pode ora ser certa ou ora errada a afirmativa‖. Mas nada grave. Vamos fazer um esquema e anotar as informações. Daí, avaliaremos hipóteses e suas respectivas conclusões, evitando contradições. Vamos à luta!!!! Hipótese 1: tiara de esmeraldas no Baú 1. Pois, veja que 1 e 3 se referem ao mesmo objeto. Se considerar esmeraldas no Baú 1 já terei o objeto do Baú 3 e, também, do Baú 2. Basta ver se não há contradições nas afirmações e seus teores. Baú 1 ―O anel de brilhantes está no baú 3‖ Esmeralda (V)

Baú 2 ―A barra de ouro está no baú de número 1. Ouro (F)

Baú 3 ―O anel de brilhantes está aqui‖. Brilhante (V ou F)

Veja que se a tiara de esmeraldas está no baú 1 e a informação neste baú sempre diz a verdade, então, o anel de brilhantes está no baú 3. Logo, no baú 2 só poderá estar, segundo está hipótese, a barra de ouro. Vamos analisar a afirmativa do baú 2 (sempre mente): a barra de ouro está no baú 1. Está errado. Mentira. Porque esta informação sempre é mentirosa. Conclusão: não há até aqui contradição. Vamos analisar a informação do baú 3. O anel de brilhantes está aqui. Mentira. Mas esta informação pode ser mentira (não há contradição, portanto) ou poderia ser verdadeira. Logo, esta hipótese está correta. Resposta: D. 7 – Resolução: Vamos anotar as informações e admitir que apenas uma das previsões esteja, conforme o enunciado. 1º hipótese: Bruno é o vencedor é a correta. Então, teríamos as demais previsões erradas. Previsão Bruno será o vencedor. Felipe ficará em 3º ou 4º lugar Danilo não será o 2º colocado. Nem Bruno nem João ficarão em 2º lugar.

V M M

POSIÇÃO 1º Não ficará em 3º ou 4º lugar. Ficará em 2º Danilo será 2º

conclusão contradição

M

Temos uma contradição entre Felipe e Danilo. Vamos testar a segunda hipótese: Nem Bruno nem João ficarão em 2º lugar Logo teremos: Previsão Bruno será o vencedor. Felipe ficará em 3º ou 4º lugar Danilo não será o 2º colocado. Nem Bruno nem João ficarão em 2º lugar.

M M M V

Conclusão Bruno não será 1º. Bruno ficara em 3º ou 4º Felipe não ficará em 3 ou 4º. Nem em segundo. Logo será o 1º Danilo em 2º

colocação

João e Bruno ficarão em 1º ou 3º ou 4º.

A possível classificação seria 111

Felipe; Danilo, (Bruno e João) ou (João e Bruno). Resposta: E. 8 – Resolução: Vamos resolver esta questão através da análise de hipóteses. 1ª hipótese: o prêmio está na Porta 1. Portas 1

O que diz O prêmio não está na sala 2

2

O prêmio não está nesta sala

3 4

O prêmio não está na sala 1. Pelo menos um dos cinco cartazes é falso. O cartaz desta porta é falso ou o cartaz da porta da sala em que está o prêmio é verdadeiro.

5

Análise em função das conclusões Verdade, pois, o premio está na porta 1. Verdade, pois, o premio está na porta 1. Falsa, pois, o premio está na porta 1. Verdade, pois, a porta 3 tem mensagem falsa Verdade, pois, o premio está na porta 1 e nesta porta 1, onde está o prêmio a informação é verdadeira

Resposta: A. 9 – Resolução: Vamos resolver esta questão através da análise de hipóteses. Mas observe que quando pessoas fazem declarações semelhantes elas são do ―mesmo tipo‖ (mentem ou falam a verdade).Quando pessoas fazem declarações diferentes elas são do ―tipo oposto‖ (um mente e o outro fala a verdade). Temos vários destes casos nesta questão. Isto ajuda bastante na escolha da hipótese a ser testada. Em função destas afirmativas vou testar a hipótese do Sr. Tygz ser o matemático, pois, ele foi mencionado pela sra. Gyzt, por ele próprio e pela Sra. Zygt. 1ª hipótese: o Sr. Tygz é o matemático. Casal

O que diz

Sr. Gyzt Sra. Gyzt Sr. Tygz Sra. Tygz Sr. Zygt Sra. Zygt

Eu não sou o matemático. O senhor Zygt é o matemático Eu não sou o matemático O senhor Gyzt é o matemático. O senhor Gyzt é probo. O senhor Tygz é o matemático.

Análise em função da hipótese e tipo de pessoa Verdade. Probo Falso. Torpe Falso. Torpe Falso. Torpe Verdade. Probo Verdade. Probo

Portanto, concluímos que a hipótese testada está correta, pois, teremos um casal que é formado apenas por probos (Zygt); apenas por torpes ( Tygz) e um casal formado por torpe e probo (Gyzt). Resposta: E.

11. Associação Lógica Este é um dos tópicos com maiores possibilidades de variabilidade. São muitas as possibilidades de associações. Portanto, teremos uma boa lista de questões comentadas. Para resolver tal tipo de questão vou dar uma dica: quando possível sempre monte uma tabela colocando os dados do enunciado e as características, nomes, etc a serem determinados. Vejamos: Passo 1: montar uma tabela sempre colocando nas linhas o nome das pessoas e nas colunas as outras informações. 112

Passo 2: ao ler as dicas da questão, sempre que afirmar algo, coloca S ou X no encontro da linha com a coluna, e N, no restante da linha e da coluna (porque as demais pessoas não apresentarão esta característica). Passo 3: o mais importante: analise com muita atenção as informações. Se a questão disser que Clara não faz ginástica e pesa 56 kg e depois você encontra que quem faz natação pesa 54 kg você pode concluir algumas coisas, tais como: - Clara não faz ginástica e nem faz natação, porque ela não pesa 54 kg. E assim por diante. Exemplo: Roberto, Carlos, Joselias, Sérgio e Auro estão trabalhando em um projeto, onde cada um exerce uma função diferente: um é economista, um é estatístico, um é administrador, um é advogado, um é contador. – Roberto, Carlos e o estatístico não são Paulistas. – No fim de semana, o contador joga futebol com Auro. – Roberto, Carlos e Joselias vivem criticando o advogado. – O Administrador gosta de trabalhar com Carlos, Joselias e Sérgio, mas não gosta de trabalhar com o contador. Pode-se afirmar que Sérgio é o: (A) Economista (B) Advogado (C) Estatístico (D) Contador (E) Administrador Resposta ―B‖ Você deve fazer uma tabela 5x5: Nomes x Profissões Para resolver vou usar apenas as iniciais dos nomes – Roberto, Carlos e o estatístico não são paulistas. CONCLUSÃO: R e C NÃO SÃO ESTATÍSTICOS, (a informação "paulista" não serve para nada). Vamos à tabela e colocamos N para o que não é correto e S para o que for correto. Pessoa/ Economista Estatístico Administrador Advogado Contador Profissão Roberto N Carlos N Sérgio Auro Joselias – No fim de semana, o contador joga futebol com Auro. CONCLUSÃO: Auro não é contador. Pessoa / Profissão Roberto Carlos Sérgio Auro Joselias

Economista

Estatístico N N

Administrador

Advogado

Contador

N

– Roberto, Carlos e Joselias vivem criticando o advogado. CONCLUSÃO: R, C e J NÃO SÃO ADVOGADOS.

Pessoa / Profissão Roberto Carlos

Economista

Estatístico N N

Administrador

Advogado N

Contador

N

Sérgio Auro Joselias

N N

113

– O Administrador gosta de trabalhar com Carlos, Joselias e Sérgio, mas não gosta de trabalhar com o contador. Aqui, a meu ver, a informação de maior importância: C, J e S não são nem administradores e nem contadores (VOU PREENCHER COM COR AZUL). Portanto, Auro é administrador ou contador. Porém, em informação anterior Auro não é o contador. Logo, ele é o administrador. E SE ELE É ADMINISTRADOR ROBERTO É O CONTADOR. Ao se colocar o SIM para uma profissão e para uma determinada pessoa, todas as outras devemos colocar um N (NÃO) para as demais pessoas e profissões. Veja abaixo: AURO É ADMINISTRADOR. Pessoa / Profissão Roberto Carlos Sérgio Auro Joselias

Economista

Estatístico N N

Administrador N N S N

Advogado N N

N

Contador S N N N N

Devemos agora completar a tabela com os N faltantes e, por exclusão, chegar aos demais S (sim), para cada profissão e pessoas envolvidas.

Pessoa / Profissão Roberto Carlos Sérgio Auro Joselias

Economista N

Estatístico N N

N

N

Administrador N N N S N

Advogado N N N N

Contador S N N N N

Perceba agora que o advogado só pode ser o Sérgio, porque a única coluna vazia para ele é a de advogado. Portanto, coloque S para ele e N para os demais na relação do advogado. Pessoa / Profissão Roberto Carlos Sérgio Auro Joselias

Economista N N N

Estatístico N N N N

Administrador N N N S N

Advogado N N S N N

Contador S N N N N

Perceba agora que o ESTATÍSTICO só pode ser o JOSELIAS, porque a única coluna vazia para ele. Portanto, coloque S para ele e N para os demais na relação. Pessoa / Profissão Roberto Carlos Sérgio Auro Joselias

Economista Estatístico N N N N N N N N S

Administrador N N N S N

Advogado N N S N N

Contador S N N N N

Perceba agora que o ECONOMISTA só pode ser o CARLOS, porque esta é a única coluna vazia para ele. Portanto, coloque S para ele e N para os demais na relação. Pessoa / Profissão Roberto Carlos Sérgio

Economista N S N

Estatístico N N N

Administrador N N N

Advogado N N S

Contador S N N 114

Auro Joselias

N N

N S

S N

N N

N N

PORTANTO, SÉRGIO É O ADVOGADO (B). Questões 01. (EMPLASA – Analista de Geomática Engenharia da Computação – VUNESP/2014) Augusto, Beatriz, Carlos, Daniela e Érica estão sentados, nessa ordem, em uma mesa circular, sendo que Beatriz está à esquerda de Augusto. Todos levantaram-se para buscar seus pratos de comida e quando voltaram à mesa, perceberam que nenhum deles ficou sentado ao lado de alguém com quem, inicialmente, estava lado a lado. Sabendo-se que, após a mudança, à esquerda de Augusto e entre ele e Érica, sentou-se mais de uma pessoa, seus nomes são, nessa ordem, (A) Daniela e Beatriz. (B) Carlos e Daniela. (C) Carlos e Beatriz. (D) Carlos, Daniela e Beatriz. (E) Daniela, Beatriz e Carlos. 02. UFS EBSERH/SE – Fisioterapeuta - Instituto AOCP/2014) As esposas de César, Fernando e Vinícius são, uma loira, uma ruiva e uma morena, não necessariamente nesta ordem. Uma se chama Daniela, outra Bruna e a outra Rafaela. A esposa de César se chama Daniela. A esposa de Vinícius é morena. A esposa de Fernando não se chama Bruna e não é loira. Os nomes das esposas loira, ruiva e morena são, respectivamente: (A) Daniela, Rafaela e Bruna. (B) Daniela, Bruna e Rafaela (C) Bruna, Daniela e Rafaela. (D) Bruna, Rafaela e Daniela. (E) Rafaela, Bruna e Daniela. 03. (SABESP – Técnico em Gestão I Informática – FCC/2014) Oito veículos, nomeados por letras, disputam uma corrida. A ordem inicial na corrida é: A; B; C; D; E; F; G; H. Sabe-se que aconteceram as seguintes modificações, e na sequência dada: H avança uma posição; A cai três posições; G avança duas posições; B cai duas posições; F avança três posições; C cai uma posição. Após essas alterações, a 1ª, 3ª, 5ª e 7ª posições estão ocupadas, respectivamente, pelos veículos (A) C; B; A; F. (B) B; D; E; H. (C) D; A; E; F. (D) D; B; A; G. (E) C; B; E; G. 04. (CRM/PR – Advogado – Quadrix/2014) Numa corrida com cinco competidores: - C e E chegaram juntos. - B chegou antes de A. - D chegou antes de B. - O vencedor chegou sozinho. Nesse caso, o vencedor foi: (A) A (B) B (C) C (D) D (E) E 05. (CRM/PR – Advogado – Quadrix/2014) BCG está para TUBERCULOSE assim como SALK está para: (A) TÉTANO. (B) SARAMPO. (C) CATAPORA.

115

(D) DIFTERIA. (E) POLIOMIELITE. Ocorre aqui um caso de associação ente doenças e vacinas. BCG é vacina para a tuberculose e SALK é vacina para o tratamento da poliomielite. Achei curioso por se tratar de uma prova para advogados. Se fosse uma prova da área de saúde acharia mais pertinente esta associação. Resposta: E. 06. (TRT/19ª Região – Analista Judiciário – Área Judiciária - FCC/2014) Álvaro, Bianca, Cléber e Dalva responderam uma prova de três perguntas, tendo que assinalar verdadeiro (V) ou falso (F) em cada uma. A tabela indica as respostas de cada uma das quatro pessoas às três perguntas.

Álvaro Bianca Cleber Dalva

Pergunta 1 V V F F

Pergunta 2 V F F V

Pergunta 3 F F V F

Dentre as quatro pessoas, sabe-se que apenas uma acertou todas as perguntas, apenas uma errou todas as perguntas, e duas erraram apenas uma pergunta, não necessariamente a mesma. Sendo assim, é correto afirmar que (A) Bianca acertou todas as perguntas. (B) Álvaro errou a pergunta 3. (C) Cléber errou todas as perguntas. (D) Dalva acertou todas as perguntas. (E) duas pessoas erraram a pergunta 3. Vamos testar as hipóteses possíveis: 1ª hipótese: Alvaro acertou todas as questões.

Álvaro Bianca Cleber Dalva

Pergunta 1 V V F F

Pergunta 2 V F F V

Pergunta 3 F F V F

Acertos 3 2 0 2

Erros 0 1 3 1

Agora vamos checar se esta hipótese obedece a todas as informações dadas: - que apenas uma acertou todas as perguntas: Álvaro - apenas uma errou todas as perguntas: Cléber - duas erraram apenas uma pergunta, não necessariamente a mesma: Bianca e Dalva. Não observamos nenhuma inconsistência. Portanto, hipótese válida. Alternativa C 07. (TC/DF - Auditor de Controle Externo - CESPEUnB/2014) José, Luís e Mário são funcionários públicos nas funções de auditor, analista e técnico, não necessariamente nessa ordem. Sabe-se que José não é analista, que o técnico será o primeiro dos três a se aposentar e que o analista se aposentará antes de Mário. Todo ano os três tiram um mês de férias e, no ano passado, no mesmo mês que José saiu de férias, ou Luís ou Mário também saiu. Com base nessas informações, julgue o item que segue. Mário é analista, José é técnico e Luís, auditor. (certo) (errado) 08. (TC/DF - Auditor de Controle Externo - CESPEUnB/2014) José, Luís e Mário são funcionários públicos nas funções de auditor, analista e técnico, não necessariamente nessa ordem. Sabe-se que José não é analista, que o técnico será o primeiro dos três a se aposentar e que o analista se aposentará antes de Mário. Todo ano os três tiram um mês de férias e, no ano passado, no mesmo mês

116

que José saiu de férias, ou Luís ou Mário também saiu. Com base nessas informações, julgue o item que segue. Se os três servidores trabalharem até o momento da aposentadoria e se aposentarem nos tempos previstos, então José ou Mário ainda estarão trabalhando quando Luís completar o tempo necessário para se aposentar. (Certo) (Errado) Pessoas Jose Luiz Mario

Auditor Não Não SIM

Analista Não SIM Não

Técnico SIM Não Não

1º Aposentar 2º Aposentar 3º Aposentar

Não Não SIM

não SIM não

Sim Não Não

Vamos analisar a proposição: Se os três servidores trabalharem até o momento da aposentadoria e se aposentarem nos tempos previstos, então José ou Mário ainda estarão trabalhando quando Luís completar o tempo necessário para se aposentar. De acordo com a tabela, José é o primeiro a se aposentar. Logo, temos que Mario estará trabalhando quando Luís se aposentar. Lembre-se que na disjunção apenas uma das parcelas (ou ambas) precisa ser verdadeira para que ela seja verdadeira. Se os três servidores se aposentarem nos tempos previstos (V), então José (F) ou Mário (V) ainda estarão trabalhando quando Luís completar o tempo necessário para se aposentar. Resposta: CERTO. 09. (CEASA Campinas/SP - Técnico de Mercado II - SHDIAS/2014) Os carros de Artur, Bernardo e César são, não necessariamente nesta ordem, uma Brasília, uma Parati e um Santana. Um dos carros é cinza, um outro é verde, e o outro é azul. O carro de Artur é cinza; o carro de César é o Santana; o carro de Bernardo não é verde e não é a Brasília. As cores da Brasília, da Parati e do Santana são, respectivamente: (A) Cinza, verde e azul. (B) Azul, cinza e verde. (C) Azul, verde e cinza. (D) Cinza, azul e verde. 10. (EBSERH/BA - Assistente Administrativo - IADES/2014) Bruno, Élcio e Heloísa trabalham no Hospital Saúde, cada um em um dos setores A, B e C, e atuam, cada um, em uma das áreas pediátrica, administrativa e cirúrgica, não respectivamente nem quanto aos setores, nem quanto às áreas. Sabe-se que: - todos trabalham em setores e áreas distintos; - Bruno não trabalha no setor C e nem na área de pediatria; - Heloísa trabalha na área cirúrgica; - um dos três trabalha na área administrativa, no setor A. Considerando essas informações, quem são, respectivamente, o funcionário que trabalha no setor A e o que atua na área pediátrica? (A) Heloísa e Bruno. (B) Heloísa e Élcio. (C) Bruno e Heloísa. (D) Bruno e Élcio. (E) Élcio e Bruno.

117

Vamos montar uma tabela com as características mencionadas: Setor A

Setor B

Setor C

Pediatria

Admin

Cirúrgica

Bruno Heloisa Elcio Preencheremos estas lacunas de acordo com as informações e possíveis conclusões a partir destas: - todos trabalham em setores e áreas distintos. Logo, não há repetição de funções e de áreas. - Bruno não trabalha no setor C e nem na área de pediatria Setor A

Setor B

Bruno Heloisa Elcio

Setor C não

Pediatria Não

Admin

Cirúrgica

Setor C não

Pediatria Não NÃO

Admin.

Cirúrgica NÃO SIM NÃO

- Heloísa trabalha na área cirúrgica Setor A

Setor B

Bruno Heloisa Elcio

NÃO

Podemos concluir que Bruno é da área administrativa. E que Élcio é da pediatria. Setor A

Setor B

Bruno Heloisa Elcio

Setor C não

Pediatria Não NÃO SIM

Admin. SIM NAO NAO

Cirúrgica NÃO SIM NÃO

- um dos três trabalha na área administrativa, no setor A. A área administrativa fica no setor A. Logo, é o setor de Bruno. Por consequência, Bruno Heloisa Elcio

Setor A SIM NÃO NÃO

Setor B NÃO

Setor C não

Pediatria Não NÃO SIM

Admin. SIM NAO NAO

Cirúrgica NÃO SIM NÃO

Pronto, já conseguimos responder á questão: - o funcionário que trabalha no setor A: Bruno. - o que atua na área pediátrica: Elcio. Resposta D. 11. (FCC) Em 2010, três Técnicos Judiciários, Alfredo, Benício e Carlos, viajaram em suas férias, cada um para um local diferente. Sabe-se que: - seus destinos foram: uma praia, uma região montanhosa e uma cidade do interior do Estado; - as acomodações por ele utilizadas foram: uma pousada, um pequeno hotel e uma casa alugada; - o técnico que foi à praia alojou-se em uma pousada; - Carlos foi a uma cidade do interior; - Alfredo não foi à praia; - quem se hospedou em um hotel não foi Carlos. Nessas condições, é verdade que: (A) Alfredo alugou uma casa. (B) Benício foi às montanhas. (C) Carlos hospedou-se em uma pousada. (D) aquele que foi à cidade hospedou-se em uma pousada.

118

(E) aquele que foi às montanhas hospedou-se em um hotel. 12. (MPE/SC - Técnico em Informática - FEPESE/2014) Um alpinista escala uma montanha vertical com 10 metros de altura. No primeiro dia ele sobe verticalmente 0,8 metros, no segundo dia, mais 1,6 metros, no terceiro, mais 2,4 metros e assim sucessivamente. Quantos dias serão necessários para o alpinista chegar ao topo? (A) 4. (B) 5. (C) 6. (D) 7. (E) 8. 13. (TRT/16ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Dois nadadores partem ao mesmo tempo de extremos opostos de uma piscina retilínea de 90 metros. Ambos nadadores nadam com velocidades constantes, um deles percorrendo 2 metros por cada segundo, e o outro percorrendo 3 metros por cada segundo. Supondo que os nadadores não perdem nem ganham tempo ao fazerem as viradas nos extremos da piscina, o segundo encontro dos dois nadadores na piscina ocorrerá após t segundos da partida dos nadadores. Nas condições dadas, t é igual a (A) 36. (B) 54. (C) 58. (D) 56. (E) 48. 14. (TRT/16ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Em uma floresta com 1002 árvores, cada árvore tem de 900 a 1900 folhas. De acordo apenas com essa informação, é correto afirmar que, necessariamente, (A) ao menos duas árvores dessa floresta têm o mesmo número de folhas. (B) apenas duas árvores dessa floresta têm o mesmo número de folhas. (C) a diferença de folhas entre duas árvores dessa floresta não pode ser maior do que 900. (D) não há árvores com o mesmo número de folhas nessa floresta. (E) a média de folhas por árvore nessa floresta é de 1400. 15. (TRT/16ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Uma urna contém 14 bolas vermelhas, 15 pretas, 5 azuis e 11 verdes. Retirando-se ao acaso uma bola por vez dessa urna, o número mínimo de retiradas para se ter certeza que uma bola azul esteja entre as que foram retiradas é (A) 6. (B) 20. (C) 1. (D) 41. (E) 40. 16. (TRT/2ª Região – Analista Judiciário – Área Judiciária - FCC/2014) Uma costureira precisa cortar retalhos retangulares de 15 cm por 9 cm para decorar uma bandeira. Para isso, ela dispõe de uma peça de tecido, também retangular, de 55 cm por 20 cm. Considerando que um retalho não poderá ser feito costurando dois pedaços menores, o número máximo de retalhos que ela poderá obter com essa peça é igual a (A) 8. (B) 9. (C) 6. (D) 7. (E) 10. 17. (AGU - Administrador - IDECAN/2014) Se o ano de 2012 começou em um domingo, então o dia 30 de dezembro de 2017 acontecerá em qual dia da semana? (A) Sábado. (B) Domingo. (C) Terça-Feira. (D) Quarta-Feira. 119

(E) Segunda-Feira. 18. TRF/3ª Região - Analista Judiciário - Área Judiciária – FCC/2014) Um tanque com 5 000 litros de capacidade estava repleto de água quando, às 00:00 hora de um certo dia, a água começou a escapar por um furo à vazão constante. À 01:00 hora desse mesmo dia, o tanque estava com 4 985 litros de água, e a vazão de escape da água permaneceu constante até o tanque se esvaziar totalmente, dias depois. O primeiro instante em que o tanque se esvaziou totalmente ocorreu em um certo dia às: (A) 14 horas e 20 minutos. (B) 21 horas e 20 minutos. (C) 18 horas e 40 minutos. (D) 14 horas e 40 minutos. (E) 16 horas e 20 minutos. 19. (TRF/3ª Região - Técnico Judiciário - Área Administrativa - FCC/2014) Sabe-se que uma máquina copiadora imprime 80 cópias em 1 minuto e 15 segundos. O tempo necessário para que 7 máquinas copiadoras, de mesma capacidade que a primeira citada, possam imprimir 3 360 cópias é de: (A) 15 minutos. (B) 3 minutos e 45 segundos. (C) 7 minutos e 30 segundos. (D) 4 minutos e 50 segundos. (E) 7 minutos. 20. (TRT/2ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Em uma das versões do jogo de Canastra, muito popular em certos Estados brasileiros, uma canastra é um jogo composto de sete cartas. Existem dois tipos de canastras: a canastra real, formada por sete cartas normais iguais (por exemplo, sete reis) e a canastra suja, formada por quatro, cinco ou seis cartas normais iguais mais a quantidade de coringas necessária para completar as sete cartas. São exemplos de canastras sujas: um conjunto de seis cartas ―9‖ mais um coringa ou um conjunto de quatro cartas ―7‖ mais três coringas. As canastras reais e sujas valem, respectivamente, 500 e 300 pontos, mais o valor das cartas que as compõem. Dentre as cartas normais, cada carta ―4‖, ―5‖, ―6‖ e ―7‖ vale 5 pontos, cada ―8‖, ―9‖, ―10‖, valete, dama e rei vale 10 pontos e cada ás vale 20 pontos. Já dentre os coringas, existem dois tipos: o ―2‖, que vale 20 pontos cada, e o joker, que vale 50 pontos cada. Uma carta ―3‖ não pode ser usada em uma canastra. A Canastra é jogada com dois baralhos, o que resulta em oito cartas de cada tipo (―2‖, ―3‖, ―4‖, ... , ―10‖, valete, dama, rei e ás) mais quatro coringas joker. Ao fazer uma canastra do jogo de Canastra, um jogador conseguirá uma quantidade de pontos, no mínimo, igual a: (A) 335. (B) 350. (C) 365. (D) 375. (E) 380. 21. (TRT/2ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Em uma das versões do jogo de Canastra, muito popular em certos Estados brasileiros, uma canastra é um jogo composto de sete cartas. Existem dois tipos de canastras: a canastra real, formada por sete cartas normais iguais (por exemplo, sete reis) e a canastra suja, formada por quatro, cinco ou seis cartas normais iguais mais a quantidade de coringas necessária para completar as sete cartas. São exemplos de canastras sujas: um conjunto de seis cartas ―9‖ mais um coringa ou um conjunto de quatro cartas ―7‖ mais três coringas. As canastras reais e sujas valem, respectivamente, 500 e 300 pontos, mais o valor das cartas que as compõem. Dentre as cartas normais, cada carta ―4‖, ―5‖, ―6‖ e ―7‖ vale 5 pontos, cada ―8‖, ―9‖, ―10‖, valete, dama e rei vale 10 pontos e cada ás vale 20 pontos. Já dentre os coringas, existem dois tipos: o ―2‖, que vale 20 pontos cada, e o joker, que vale 50 pontos cada. Uma carta ―3‖ não pode ser usada em uma canastra. A Canastra é jogada com dois baralhos, o que resulta em oito cartas de cada tipo (―2‖, ―3‖, ―4‖, ... , ―10‖, valete, dama, rei e ás) mais quatro coringas joker. Ao fazer uma canastra do jogo de Canastra usando apenas sete cartas, um jogador conseguirá uma quantidade de pontos, no máximo, igual a 120

(A) 530. (B) 535. (C) 570. (D) 615. (E) 640. Esta questão é parecida com a anterior. Porém, devemos usar raciocínio inverso, pois, agora queremos a pontuação máxima. Pretende-se calcular o valor máximo. Para isto devemos pensar inicialmente que a canastra deve ser limpa (pois vale 200 pontos a mais que a real). Só podemos usar 3 jokers, o que não seria o suficiente para superar a diferença entre canastra suja e real. Devemos também usar as cartas com maior pontuação individual. Lembrando que se deve usar o às (20 pontos, isto aumentaria o valor de pontos da canastra). Podemos montar a canastra com sete cartas ás. Vamos ver qual seria a pontuação: 7 cartas ás de 20 pontos: 140 pontos Pontos da canastra real : 500 TOTAL: 640 pontos. Resposta: E. 22. (TRT/2ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) No próximo ano, uma enfermeira deverá estar de plantão em 210 dos 365 dias do ano. No hospital em que ela trabalha, só se permite que uma enfermeira fique de plantão por, no máximo, 3 dias consecutivos. Nessas condições, combinando adequadamente os dias de plantão e de folga, o número máximo de dias consecutivos que ela poderá tirar de folga nesse ano é igual a: (A) 78. (B) 85. (C) 87. (D) 90. (E) 155. 23. (PC/PI - Escrivão de Polícia Civil - UESPI/2014) Se 01/01/2013 foi uma terça-feira, qual dia da semana foi 19/09/2013? (A) Quarta-feira. (B) Quinta-feira. (C) Sexta-feira. (D) Sábado. (E) Domingo. 24. (MPE/SC - Técnico em Informática - FEPESE/2014) Um ônibus está previsto para chegar em uma rodoviária às 00:14 horas. Porém, devido às boas condições de trânsito, o ônibus chega às 23:06 do dia anterior. Logo, o tempo que o ônibus chegou adiantado é de: (A) 56 minutos. (B) 58 minutos. (C) 1 hora e 2 minutos. (D) 1 hora e 4 minutos. (E) 1 hora e 8 minutos. 25. (SEFAZ/RJ – Auditor Fiscal da Receita Estadual 3ª categoria – FCC/2014) Em um clube com 440 associados ocorre uma eleição para presidente, em que os dois primeiros colocados, entre 6 candidatos, passam para um segundo turno. Se, no primeiro turno, todos os 440 associados votam, cada um, em apenas um dos candidatos, então o número mínimo de votos que assegura a um determinado candidato a sua participação no segundo turno é (A) 221 (B) 147 (C) 89 (D) 111 (E) 74

121

26. (TRT/16ª Região – Analista Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Renato e Luís nasceram no mesmo dia e mês. Renato tem hoje 14 anos de idade, e Luís tem 41 anos. Curiosamente, hoje as duas idades envolvem os mesmos algarismos, porém trocados de ordem. Se Renato e Luís viverem até o aniversário de 100 anos de Luís, a mesma curiosidade que ocorre hoje se repetirá outras (A) 2 vezes. (B) 3 vezes. (C) 5 vezes. (D) 4 vezes. (E) 6 vezes. 27. (TRT/2ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Em uma escola de 100 alunos, há três recuperações durante o ano, sendo uma em cada trimestre. Em certo ano, 55 alunos ficaram em recuperação no 1º trimestre, 48 no 2º e 40 no 3º. Somente com esses dados, é correto concluir que naquele ano, necessariamente, (A) todos os alunos da escola ficaram em recuperação em, pelo menos, um trimestre. (B) 40 alunos ficaram em recuperação em dois trimestres e os demais em um único. (C) pelo menos um aluno da escola ficou em recuperação em somente dois trimestres (D) no mínimo 5 e no máximo 40 alunos ficaram em recuperação nos três trimestres (E) pelo menos 3 alunos ficaram em recuperação no 1º e também no 2º trimestre. 28. (TRT/2ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) Amanda utiliza pequenas caixas retangulares, de dimensões 20 cm por 20 cm por 4 cm, para embalar as trufas de chocolate que fabrica em sua casa. As trufas são redondas, tendo a forma de bolas (esferas) de 4 cm de diâmetro. Considerando que as caixas devem ser tampadas, a máxima quantidade de trufas que pode ser colocada em uma caixa desse tipo é igual a (A) 32. (B) 25. (C) 20. (D) 16. (E) 12. Respostas 1 – Resolução: Vamos analisar a situação inicial na mesa: estão sentados nesta ordem: Augusto, Beatriz, Carlos, Daniela e Érica. Sabe-se que Beatriz está à esquerda de Augusto.

Ao se levantarem e sentarem novamente temos as seguintes informações: - nenhum deles ficou sentado ao lado de alguém com quem, inicialmente, estava lado a lado. - Sabendo-se que, após a mudança, à esquerda de Augusto e entre ele e Érica, sentou-se mais de uma pessoa. Duvida: podem ser duas ou três pessoas entre eles? Bem, devemos fazer a nova mesa com as informações que temos e tentar ver se não desobedecemos nenhuma das condições acima. Vamos ver esta possibilidade. Duas pessoas entre Augusto e Erica.

122

Veja que Beatriz não pode estar ao lado de Augusto, mas pode estar ao lado de Erica, pois, não foram vizinhos antes. Assim não podemos ter Carlos entre Augusto e Beatriz porque Carlos já foi vizinho de Beatriz. Logo, ele se sentará entre Erica e Carlos, no sentido horário. Caberá a Daniela sentar entre Carlos e Beatriz.

Resposta: A. 2 – Resolução: Esta questão pode ser resolvida através do preenchimento de uma tabela, conforme se tem as informações e possíveis deduções. Devemos colocar sim para a informação pertinente e não para as que não se adequam às características. Loira Ruiva Morena Daniela Bruna Rafaela César Fernando Vinícius Vamos anotar as informações e preencher esta tabela. - A esposa de César se chama Daniela. OBS: Nenhum dos demais terá Daniela como esposa.

César Fernando Vinícius

Loira Ruiva Morena Daniela Bruna Rafaela SIM NÃO NÃO NÃO NÃO

- A esposa de Vinícius é morena. Loira Ruiva Morena Daniela Bruna Rafaela César NÃO SIM NÃO NÃO Fernando NÃO NÃO Vinícius NÃO NÃO SIM NÃO - A esposa de Fernando não se chama Bruna e não é loira.

123

César Fernando Vinícius

Loira Ruiva Morena Daniela Bruna Rafaela NÃO SIM NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO SIM NÃO

Ao se preencher esta informação observamos que a Bruna só pode ser a mulher de Vinicius. A esposa de Cesar só pode ser a loira. Por isto, já adicionei estas informações à tabela abaixo: Loira Ruiva Morena Daniela Bruna Rafaela César SIM NÃO NÃO SIM NÃO NÃO Fernando NÃO SIM NÃO NÃO NÃO SIM Vinícius NÃO NÃO SIM NÃO SIM NÃO Pronto, a tabela está toda montada e preenchida. O que se pede: Os nomes das esposas loira, ruiva e morena são, respectivamente: Daniela, Rafaela e Bruna. Alternativa A. 3 – Resolução: Nesta questão devemos montar um esquema e ir fazendo as alterações segundo o enunciado. Ela exige mais trabalho do que raciocínio ou alto grau de dificuldade. Então, vamos a elas: Ordem de largada: posição carro

1 A

2 B

3 C

4 D

5 E

6 F

7 G

8 H

5 E

6 F

7 H

8 G

6 F

7 H

8 G

6 G

7 F

8 H

6 G

7 F

8 H

Agora faremos as alterações, passo a passo: -H avança uma posição. Significa que ele ultrapassa G. posição carro

1 A

2 B

3 C

4 D

- A cai três posições. Portanto, cai da primeira para a quarta posição. posição Carro

1 B

2 C

3 D

4 A

5 E

- G avança duas posições. Sai da oitava para a sexta posição. posição Carro

1 B

2 C

3 D

4 A

5 E

-B cai duas posições. Vai da primeira para a terceira posição posição Carro

1 C

2 D

3 B

4 A

5 E

- F avança três posições. Vai da sétima para a quarta posição. Cuidado com os deslocamentos nestas ultrapassagens. Principalmente com o carro A, que vai para a quinta posição. O carro E vai para a sexta e o carro G para a sétima posição. posição carro

1 C

2 D

3 B

4 F

5 A

6 E

7 G

8 H

- C cai uma posição. Vai para a segunda posição, perdendo a liderança para D.

124

posição carro

1 D

2 C

3 B

4 F

5 A

6 E

7 G

8 H

Agora iremos analisar as posições pedidas e a alternativa correta. Após essas alterações, a 1ª, 3ª, 5ª e 7ª posições estão ocupadas, respectivamente por: posição carro

1 D

2 C

3 B

4 F

5 A

6 E

7 G

8 H

D, B, A e G, estão, nesta ordem na alternativa D. Resposta: D. 4 – Resolução: Vamos montar um esquema para organizar as informações, após as primeiras conclusões: - C e E chegaram juntos. - B chegou antes de A. - D chegou antes de B. - O vencedor chegou sozinho. Analisando as informações temos algumas possibilidades a considerar: D antes de B que chegou antes de A. C e E juntos e não chegaram em primeiro, porque o vencedor chegou sozinho. Uma das possibilidades seria esta, mas, em todas elas o vencedor seria D. Poderíamos ter trocas de posições de C e E com as posições de A e B, pois, o enunciado não menciona que B e A chegaram imediatamente após. Posição D B A CeE Resposta: D 5 – Resolução: Ocorre aqui um caso de associação ente doenças e vacinas. BCG é vacina para a tuberculose e SALK é vacina para o tratamento da poliomielite. Achei curioso por se tratar de uma prova para advogados. Se fosse uma prova da área de saúde acharia mais pertinente esta associação. Resposta: E. 6 – Resolução: Vamos testar as hipóteses possíveis: 1ª hipótese: Alvaro acertou todas as questões.

Álvaro Bianca Cleber Dalva

Pergunta 1 V V F F

Pergunta 2 V F F V

Pergunta 3 F F V F

Acertos 3 2 0 2

Erros 0 1 3 1

Agora vamos checar se esta hipótese obedece a todas as informações dadas: - que apenas uma acertou todas as perguntas: Álvaro - apenas uma errou todas as perguntas: Cléber - duas erraram apenas uma pergunta, não necessariamente a mesma: Bianca e Dalva. Não observamos nenhuma inconsistência. Portanto, hipótese válida. Alternativa C 7 – Resolução: 125

Vamos montar uma tabela e preencher com as informações e conclusões possíveis: Sabe-se que José não é analista e o técnico será o primeiro dos três a se aposentar Pessoas Jose Luiz Mario 1º Aposentar

Auditor

Analista

Técnico

Não

Não

Não

2º Aposentar 3º Aposentar

Sim Não Não

- que o analista se aposentará antes de Mário (logo, ele não é analista e ele será o ultimo a aposentar. Logo ele também não é técnico). Luís é o analista.

Pessoas Jose Luiz Mario

Auditor

1º Aposentar 2º Aposentar 3º Aposentar

não

não

Analista Não SIM Não

Técnico

não

Sim Não Não

Não Não

Agora, basta completar a tabela e determinaremos os dados que faltam: pessoas Jose Luiz Mario 1º Aposentar 2º Aposentar 3º Aposentar

Auditor não não SIM

Analista Não SIM Não

Técnico SIM Não Não

não não SIM

não SIM não

Sim Não Não

Errada 8 – Resolução: Pessoas Jose Luiz Mario 1º Aposentar 2º Aposentar 3º Aposentar

Auditor Não Não SIM

Analista Não SIM Não

Técnico SIM Não Não

Não Não SIM

não SIM não

Sim Não Não

Vamos analisar a proposição:

126

Se os três servidores trabalharem até o momento da aposentadoria e se aposentarem nos tempos previstos, então José ou Mário ainda estarão trabalhando quando Luís completar o tempo necessário para se aposentar. De acordo com a tabela, José é o primeiro a se aposentar. Logo, temos que Mario estará trabalhando quando Luís se aposentar. Lembre-se que na disjunção apenas uma das parcelas (ou ambas) precisa ser verdadeira para que ela seja verdadeira. Se os três servidores se aposentarem nos tempos previstos (V), então José (F) ou Mário (V) ainda estarão trabalhando quando Luís completar o tempo necessário para se aposentar. Resposta: CERTO. 9 – Resolução: Vamos montar uma tabela com as características mencionadas e os possíveis donos de cada carro: Brasília

Parati

Santana

Cinza

Verde

Azul

Cinza Sim Não Não

Verde nao

Azul nao

Cinza Sim Não Não

Verde nao Não

Azul nao

Cinza Sim Não Não

Verde nao Não Sim

Azul nao Sim não

Artur Bernardo Cesar Preencheremos estas lacunas de acordo com as informações: O carro de Artur é cinza; o carro de César é o Santana

Artur Bernardo Cesar

Brasília

Parati

Não

Não

Santana não Não Sim

- o carro de Bernardo não é verde e não é a Brasília

Artur Bernardo Cesar

Brasília

Parati

Não Não

Não

Santana não Não Sim

Basta, agora, completar com as próximas deduções:

Artur Bernardo Cesar

Brasília Sim Não Não

Parati Não Sim Não

Santana não Não Sim

As cores da Brasília, da Parati e do Santana são, respectivamente: Cinza; azul e verde. Resposta: D. 10 – Resolução: Vamos montar uma tabela com as características mencionadas: Setor A

Setor B

Setor C

Pediatria.

Admin.

Cirúrgica

Bruno Heloisa Elcio

Preencheremos estas lacunas de acordo com as informações e possíveis conclusões a partir destas: - todos trabalham em setores e áreas distintos. Logo, não há repetição de funções e de áreas. - Bruno não trabalha no setor C e nem na área de pediatria

127

Setor A

Setor B

Bruno Heloisa Elcio

Setor C não

Pediatria. Não

Admin.

Cirúrgica

Setor C não

Pediatria. Não NÃO

Admin.

Cirúrgica NÃO SIM NÃO

- Heloísa trabalha na área cirúrgica Setor A

Setor B

Bruno Heloisa Elcio

NÃO

Podemos concluir que Bruno é da área administrativa. E que Élcio é da pediatria. Setor A

Setor B

Bruno Heloisa Elcio

Setor C não

Pediatria. Não NÃO SIM

Admin. SIM NAO NAO

Cirúrgica NÃO SIM NÃO

- um dos três trabalha na área administrativa, no setor A. A área administrativa fica no setor A. Logo, é o setor de Bruno. Por consequência, Bruno Heloisa Elcio

Setor A SIM NÃO NÃO

Setor B NÃO

Setor C Não

Pediatria. Não NÃO SIM

Admin. SIM NAO NAO

Cirúrgica NÃO SIM NÃO

Pronto, já conseguimos responder á questão: - o funcionário que trabalha no setor A: Bruno. - o que atua na área pediátrica: Elcio. Resposta D. 11 – Resolução: Primeiro passo: montar a tabela de dados: Praia

Montanha

Cidade

Pousada

Hotel

Casa

Alfredo Benício Carlos Segundo passo: anotar as informações e tirar conclusões transferindo-as para a tabela, adequadamente: - Carlos foi a uma cidade do interior;

Alfredo Benício Carlos

Praia

Montanha

N

N

Cidade N N S

Pousada

Hotel

Casa

- Alfredo não foi à praia; Se Alfredo não foi à praia ele também não foi na cidade (Carlos foi). Então Alfredo foi à montanha. Colocar os dados relativos a Alfredo e montanha completando a tabela.

Alfredo Benício Carlos

Praia N N

Montanha S N S

Cidade N N N

Pousada

Hotel

Casa

128

Portanto, Benício foi à praia. Completar a tabela acima.

Alfredo Benício Carlos

Praia N S N

Montanha S N N

Cidade N N S

Pousada

Hotel

Casa

Pousada N S N

Hotel

Casa

- o técnico que foi à praia alojou-se em uma pousada

Alfredo Benício Carlos

Praia N S N

Montanha S N N

Cidade N N S

N

- quem se hospedou em um hotel não foi Carlos. Portanto, Carlos hospedou-se na casa e Alfredo no hotel.

Alfredo Benício Carlos

Praia N S N

Montanha S N N

Cidade N N S

Pousada N S N

Hotel S N N

Casa N N S

12 – Resolução: A escalada obedece a uma progressão aritmética. Veja que a cada dia ele sobe 0,8m a mais do que o dia anterior. Esta é a razão da progressão. Vamos calcular quantos dias seriam necessários para atingir o topo. Pode ser por um esquema bem simples: Dia Escalou Altura atingida 1 0,8 0,8 2 1,6 2,4 3 2,4 4,8 4 3,2 8,0 5 Faltam 2,0m 10,0 Resposta: B. 13 – Resolução; Se os nadadores partem de lados opostos, porém, com velocidades diferentes eles se encontrarão pela primeira vez nadando em sentidos opostos antes de percorrerem completamente a primeira volta. Vamos analisar as velocidades dos nadadores: Nadador A: velocidade: 2 m/s. Para atravessar toda piscina precisará de 45 s. Nadador B: velocidade: 3m/s. Para atravessar toda piscina precisará de 30 s Observa-se que o deslocamento de B é maior que o deslocamento de A. Ele percorre uma distancia 1,5 vezes maior do que o nadador A, vindo em sentido contrário. Vamos pensar nestes deslocamentos dentro de uma piscina de 90 metros. Vou montar um esquema pra você entender melhor: A: cor azul B: cor vermelha Vou estipular alguns intervalos de tempo para ilustrar algumas situações: T= 15s

129

Decorridos 15s A terá se deslocado 30m (menos da metade da piscina) e B 45m (metade da piscina). Em poucos segundos se encontrarão pela primeira vez. Isto se daria no tempo em necessário para que A percorra ao menos 40m (ou seja, menos de 20s) e B já teria passado por ele (percorreu 60m). t= 20s

t=30s No tempo de 30s B percorreu 90m e irá retornar. Enquanto isto, ―A‖ percorreu 60m e estará na posição de mesmo sentido que B neste momento.

T= 45s A atinge a borda e irá retornar. B já se deslocou 45m em sua segunda volta na piscina.

Portanto, agora a distancia entre eles é de 45m. Porem, em sentido contrário a velocidade é somada, pois, vêm de encontro ao outro. A soma das velocidades daria 5m/s e para percorrer 45 m seriam necessários mais 9s. Tempo total: 54s. Daria pra resolver através de relações de cinemática (Física), mas meu objetivo é desenvolver um raciocínio mais simples. Alternativa B. 14 – Resolução: Observe que temos 1002 árvores. Número de folhas das árvores vai de 900 a 1900. A amplitude no número de folhas é de 1.000 unidades, existindo, então, 1001 árvores com números diferentes de folhas. Mas a árvore número 1002 teria que repetir o número de folhas de alguma outra árvore. Isto nos remete à teoria dos pombos. Nada mais do que foi mencionado nas demais alternativas podemos afirmar com exatidão. Pode ocorrer ou não. Mas ter ao menos 2 árvores com o mesmo número de folhas é fato concreto. Mesmo exemplo é ter 13 pessoas. Podemos afirmar que ao menos duas destas pessoas nasceram no mesmo mês (quando dizemos ao menos duas, significa que podem ter mais. Mas, no mínimo duas terão). Alternativa A. 15 – Resolução: Mais uma vez a teoria dos pombos. Isto sugere que você deve admitir que a pessoa que vai fazer a operação acima seja uma pessoa muito azarada. Portanto, podemos ate ter a tal bola retirada na primeira tentativa. Mas para garantir que certamente sairá uma bola desta cor, basta você pensar no 130

cara azarado que tirou todas as bolas de outras cores e, só depois, conseguiu tirar a bola da cor desejada. Então vejamos: Ele retirou: 14 bolas vermelhas + 15 pretas + 11 verdes (total até o momento: 40 bolas) e depois retirará, obrigatoriamente, uma bola azul (pois, neste momento só teremos bolas azuis no Baú, pois todas as outras foram retiradas). Portanto, o número de retiradas será: (14 + 15 + 11 + 1 = 41). Alternativa D. 16 – Resolução: Considerando as áreas dadas podemos pensar em recortar retângulos de 15cm x 9cm com as dimensões maiores em relação à dimensão maior do tecido. Montei um esquema para ilustrar a situação:

Assim, em 55 cm do tecido cabem 3 retângulos de 15cm e sobra uma faixa de 10cm. Destes 10 cm terei um retângulo ―deitado‖, em horizontal. Como a largura do retalho é de 20 cm temos a possibilidade de ter 6 retângulos em vertical e um na horizontal. Alternativa E. 17 – Resolução: Questão fácil de resolver, mas que se deve tomar muito cuidado. Sabemos que se 2012 começou num domingo Porém, este é um ano bissexto, pois, 12 é múltiplo de 4. Logo, 2013 começará dois dias a mais, e será numa terça. Seguindo: 2014 começará numa quarta; 2015 começará numa quinta; 2016 começará numa sexta. Aqui, nova pausa: 2016 é bissexto. Então, 2017 começará num domingo. E vamos até 2018, que começará numa segunda. Mas não queremos 2018 e sim dia 30 de dezembro de 2017. Basta, então, voltar 2 dias: sábado. Resposta: A. 18 – Resolução: Considerando a vazão constante devemos determinar o valor escoado para cada hora. Assim, determinaremos a vazão. Se havia 5.000 litros inicialmente e, depois de uma hora de vazamento tínhamos 4985 litros, observa-se que a vazão é de 15L/h (5.000 – 4.985 = 15). Portanto, vamos calcular quantas horas seriam necessárias para escoar totalmente 5.000 litros. 1h------------15L x---------------5.000 L X= 333,33h Veja que temos uma fração para as horas: 0,33h. Devemos transformar esta fração em horas para o equivalente em minutos. Lembrando que uma hora tem 60 minutos. Logo: 1h-------------60min 0,33h---------- Y min 131

Y = 20 minutos. Mas temos outra coisa a fazer. Qual seria o horário que esvaziaria completamente? Devemos ver quantos dias temos em 333 horas. Faremos o seguinte cálculo: 1dia-----------24horas Z--------------333 horas Z= 13,875 dias. Ou seja: depois de treze dias e algumas horas o tanque irá esvaziar completamente. Percebeu que temos novamente a fração? Vamos determinar a quantas horas esta fração corresponde: 1dia----------------24h 0,875 dia-----------R R = 0,875x24 = 21horas Então, se o esvaziamento começou em certo dia à 00:00 hora ele terminará de escoar totalmente treze dias depois, às 21:20min. Alternativa B. 19 – Resolução: Esta questão pode ser resolvida de diversas maneiras. Mas a resolvi de uma forma bem simples, a meu ver. Lembre-se que 1minuto e 15 segundos corresponde a 75 segundos. Pense assim: uma máquina imprime 80 cópias. Logo, 7 máquinas juntas imprimirão 7x80 cópias neste mesmo tempo, ou seja: 560 cópias em 1min e 15 segundos (75s). 1 máquina ---------------80 cópias----------------------75 segundos 7 máquinas -----------------X X = 560 cópias. Vamos resumir até aqui: serão 560 cópias com as sete impressoras juntas. Como precisamos imprimir 3360 cópias, vou dividir este valor por 560 para se determinar o tempo necessário: 7 máquinas imprimem --------------560 cópias----------------------75 segundos 3360 cópias ------------------------------Y Y = 450s Pronto, determinamos o tempo total: 450 segundos. Agora, basta transformar em minutos, dividindo por 60 (60s em cada minuto). Teremos: 1min-------------60s R-----------------450s R = 7,5min. Isto equivale a 7 minutos e meio minuto (30segundos). Logo, 7 minutos e 30 segundos. Alternativa C. 20 – Resolução: Pretende-se calcular o valor mínimo. Para isto devemos pensar inicialmente que a canastra deve ser suja (pois vale 200 pontos a menos que a real). Devemos também usar as cartas com menor pontuação individual. Lembrando que não se pode usar o às (20 pontos), nem o 2 (coringa, 20 pontos) nas cartas repetidas (isto aumentaria o valor de pontos da canastra). Podemos montar a canastra com seis cartas 4 e um coringa comum. Vamos ver qual seria a pontuação: 6 cartas de 5 pontos: 30 pontos 1 coringa comum: 20 pontos Pontos da canastra: 300 TOTAL: 350 pontos. Resposta: B. 21 – Resolução:

132

Esta questão é parecida com a anterior. Porém, devemos usar raciocínio inverso, pois, agora queremos a pontuação máxima. Pretende-se calcular o valor máximo. Para isto devemos pensar inicialmente que a canastra deve ser limpa (pois vale 200 pontos a mais que a real). Só podemos usar 3 jokers, o que não seria o suficiente para superar a diferença entre canastra suja e real. Devemos também usar as cartas com maior pontuação individual. Lembrando que se deve usar o às (20 pontos, isto aumentaria o valor de pontos da canastra). Podemos montar a canastra com sete cartas ás. Vamos ver qual seria a pontuação: 7 cartas ás de 20 pontos: 140 pontos Pontos da canastra real : 500 TOTAL: 640 pontos. Resposta: E. 22 – Resolução: Se ela irá trabalhar 210 dias e pode trabalhar, no máximo, 3 dias seguidos em regime de plantão teremos a seguinte situação: Plantão

Plantão

plantão

folga

Então, para cada 3 dias trabalhados ela obrigatoriamente deve intercalar um dia de folga. Se são 210 dias isto seria equivalente a trabalhar 70 intervalos de 3 dias e 68 dias intercalando estes plantões (porque se iniciar com a série de plantões entre as duas primeiras séries só é necessário um dia intercalando estes plantões e, após a última série de plantão, não será necessário dia de folga). Logo, considerando 365 no ano, teremos o seguinte: 365 dias – (210 dias de plantão + 68 dias de intervalo) = 87 Resposta: C. 23 – Resolução: Se 01/01/2013 foi uma terça feira, podemos determinar o dia da semana em que cairá 19/09/2013. Basta fazermos as seguintes operações: - determinar o número de dias entre estas datas: Janeiro faltam mais 30 dias para acabar o mês. Fevereiro 28 Março: 31 Abril 30 Maio 31 Junho 30 Julho 31 Agosto 31 Setembro 19 Logo, teremos um total de 261 dias. - Dividiremos este número por 7 e veremos quantas semanas inteiras teríamos neste intervalo de dias: 262/7 = 37 semanas e 2 dias. Logo, 19/09/2013 cairá numa quinta feira. Resposta: B. 24 – Resolução: Se o ônibus chegou às 23:06, ele se antecipou até a meia noite em 54 minutos, pois, a hora tem 60 minutos. E está aquém mais 14 minutos previstos até as 00:14h. Logo, a antecipação foi de (54 + 14) 68 minutos. Lembrando que cada hora tem 60 minutos a antecipação foi de 1hora e 8 minutos. Resposta: E. 25 – Resolução: Para passar para o segundo turno é necessário ter mais votos que os demais. Supondo que a eleição foi muito disputada, qual seria o mínimo de votos que garantiria, com certeza absoluta, um candidato no segundo turno? 133

Claro que você me diria: metade mais um. Seria 221. Mas a eleição foi acirrada. Ninguém atingiu metade dos votos. Devemos pensar em um valor em que a soma de todos os demais candidatos, no máximo, mais um poderiam ultrapassar esta quantia de votos. Podemos pensar em dividir o valor de votos por 3. Daria 146,66 votos. Mas não existe número de voto fracionário. Logo, dois dos candidatos ficariam com 147, ao arredondar pra cima. Outro iria para 146 ao arredondar para baixo. Veja que A e B teriam 146,66 e precisam de 0,33 para arredondar para 147. O candidato B também. Ambos, ―usariam‖ os 0,66 de votos do candidato C, que passaria a 146 votos. A e B iriam para o segundo turno. Vejam possibilidades de votos, em situações diversas: em que todos pontuam próximo do máximo da distribuição e onde os votos estão centrados em apenas 3 candidatos. E aqui, teríamos o valor que garante matematicamente a eleição com a aprovação de 2 candidatos para o segundo turno. A 74 147

B 74 147

C 73 146

D 73 0

E 73 0

F 73 0

SOMA 440 440

Resposta: B. 26 – Resolução: Se eles viverem até a idade de 100 anos de Luís, ou seja, mais 59 anos este fato ocorrerá algumas vezes. Mas vejam que devemos ter os algarismos repetidos, além de manter a diferença de idade que é de 27 anos. Mas a resposta deve levar em conta uma ―evolução‖ dos números: 4 e 1 são os números das idades atuais. Logo, quando a idade de Luis estiver na casa dos cinquenta anos em que ano os algarismos estarão em ordem repetida? Você poderia pensar em 50? Não, pois não daria a diferença de idade. Então pense: 51? Seria 51 e 15. Não daria certo. Vamos para o 52? Seria 52 e 25. Aqui seria possível. Então, a lógica aqui nesta questão é você aumentar uma unidade em cada número da idade de Luís: 41; 52; 63; 74; 85 e 96. Veja que as idades correspondentes seriam: 25; 36; 47; 58 e. 69. Percebeu que há uma razão de incremento de 11 unidades? Resposta: C. 27 – Resolução: Questão que exige um raciocínio relacionado às possibilidades extremas, que eu chamo de teoria do todo ou do nenhum. Esta teoria é minha, como eu penso. Vou explicar: sabendo que temos 100 alunos na escola e que 55 alunos ficaram de recuperação no 1º trimestre. Concorda que temos mais que metade dos alunos? Bem, vamos ao 2º semestre. Supondo que (minha teoria vai ser usada, kkk) pensemos que nenhum aluno em recuperação no 1º trimestre tenha ficado no segundo trimestre. Seria possível? Veja que se quero que nenhum aluno do 1º trimestre fique novamente de recuperação, teríamos apenas 45 alunos para esta possibilidade. Mas, o enunciado diz que foram 48 alunos. Ora, seriam necessários 3 alunos que já ficaram no 1º trimestre terem ficado novamente. Não há outra possiblidade. Teríamos intersecção destes conjuntos. Alternativa E. 28 – Resolução: Sabendo-se que as dimensões das caixas têm lados de 20 cm daria para colocar 5 trufas em cada fileira. Como temos 20 cm de lado daria para colocar 5 trufas de 4cm. A altura está adequada para o diâmetro da trufa (4 cm) e compatível com a altura da caixa. Veja esquema abaixo: 1 6 11 16 21

2 7 12 17 22

3 8 13 18 23

4 9 15 19 24

5 10 15 20 25 134

Cada trufa teria as dimensões de 4cmx4cmx4cm. Alternativa B.

12. Raciocínio Sequencial; Orientação Espacial e Temporal Podemos ter sequências com números, letras, números e letras e até sequências com palavras. Aqui, depende muito da sua observação. Mas você deve sempre buscar a diferença entre valores de um dos termos para o outro. Use todos os termos da sequência que foi dada para se certificar qual foi a linha de raciocínio desenvolvido. Determinando-se esta linha de raciocínio, você terá maior facilidade par determinar o que se pede. Resumindo, você deve descobrir a REGRA DE FORMAÇÃO da sequência. Sequência de Números

Progressão Aritmética: Soma-se constantemente um mesmo número.

Progressão Geométrica: Multiplica-se constantemente um mesmo número.

Incremento em Progressão: O valor somado é que está em progressão.

Série de Fibonacci: Cada termo é igual à soma dos dois anteriores. 1 1 2 3 5 8 13 Números Primos: Naturais que possuem apenas dois divisores naturais. 2 3 5 7 11 13 17 Quadrados Perfeitos: Números naturais cujas raízes são naturais. 1 4 9 16 25 36 49 Sequência de Letras As sequências de letras podem estar associadas a uma série de números ou não. Em geral, devemos escrever todo o alfabeto (observando se deve, ou não, contar com k, y e w) e circular as letras dadas para entender a lógica proposta. ACFJOU Observe que foram saltadas 1, 2, 3, 4 e 5 letras e esses números estão em progressão. ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTU

135

B1 2F H4 8L N16 32R T64 Nesse caso, associaram-se letras e números (potências de 2), alternando a ordem. As letras saltam 1, 3, 1, 3, 1, 3 e 1 posições. ABCDEFGHIJKLMNOPQRST Sequência de Pessoas

Na série acima temos sempre um homem seguido de duas mulheres, ou seja, aqueles que estão em uma posição múltipla de três (3º, 6º, 9º, 12º,...) serão mulheres e a posição dos braços sempre alterna, ficando para cima em uma posição múltipla de dois (2º, 4º, 6º, 8º,...). Sendo assim, a sequência se repete a cada seis termos, tornando possível determinar quem estará em qualquer posição. Sequência de Figuras Esse tipo de sequência pode seguir o mesmo padrão visto na sequência de pessoas ou simplesmente sofrer rotações, como nos exemplos a seguir:

Sequência de Fibonacci O matemático Leonardo Pisa, conhecido como Fibonacci, propôs no século XIII, a sequência numérica: (1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, …). Essa sequência tem uma lei de formação simples: cada elemento, a partir do terceiro, é obtido somando-se os dois anteriores. Veja: 1 + 1 = 2, 2 + 1 = 3, 3 + 2 = 5 e assim por diante. Desde o século XIII, muitos matemáticos, além do próprio Fibonacci, dedicaram-se ao estudo da sequência que foi proposta, e foram encontradas inúmeras aplicações para ela no desenvolvimento de modelos explicativos de fenômenos naturais. Veja alguns exemplos das aplicações da sequência de Fibonacci e entenda porque ela é conhecida como uma das maravilhas da Matemática. A partir de dois quadrados de lado 1, podemos obter um retângulo de lados 2 e 1. Se adicionarmos a esse retângulo um quadrado de lado 2, obtemos um novo retângulo 3 x 2. Se adicionarmos agora um quadrado de lado 3, obtemos um retângulo 5 x 3. Observe a figura a seguir e veja que os lados dos quadrados que adicionamos para determinar os retângulos formam a sequência de Fibonacci.

Se utilizarmos um compasso e traçarmos o quarto de circunferência inscrito em cada quadrado, encontraremos uma espiral formada pela concordância de arcos cujos raios são os elementos da sequência de Fibonacci.

136

O Parthenon que foi construído em Atenas pelo célebre arquiteto grego Fídias. A fachada principal do edifício, hoje em ruínas, era um retângulo que continha um quadrado de lado igual à altura. Essa forma sempre foi considerada satisfatória do ponto de vista estético por suas proporções sendo chamado retângulo áureo ou retângulo de ouro.

Como os dois retângulos indicados na figura são semelhantes temos: Como: b = y – a (2). Substituindo (2) em (1) temos: y2 – ay – a2 = 0. Resolvendo a equação: √

em que (

Logo:



(1).

) não convém.



Esse número é conhecido como número de ouro e pode ser representado por: √

Todo retângulo em que a razão entre o maior e o menor lado for igual a áureo, como o caso da fachada do Parthenon.

é chamado retângulo

As figuras a seguir possuem números que representam uma sequência lógica. Veja os exemplos: Exemplo 1

A sequência numérica proposta envolve multiplicações por 4. 6 x 4 = 24 24 x 4 = 96 96 x 4 = 384 384 x 4 = 1536

137

Exemplo 2

A diferença entre os números vai aumentando 1 unidade. 13 – 10 = 3 17 – 13 = 4 22 – 17 = 5 28 – 22 = 6 35 – 28 = 7 Exemplo 3

Multiplicar os números sempre por 3. 1x3=3 3x3=9 9 x 3 = 27 27 x 3 = 81 81 x 3 = 243 243 x 3 = 729 729 x 3 = 2187 Exemplo 4

A diferença entre os números vai aumentando 2 unidades. 24 – 22 = 2 28 – 24 = 4 34 – 28 = 6 42 – 34 = 8 138

52 – 42 = 10 64 – 52 = 12 78 – 64 = 14 Questões 01. (TRT/2ª Região – Analista Judiciário – Área Judiciária - FCC/2014) Efetuando as multiplicações 2 × 2 , 4 × 4 , 6 × 6 , 8 × 8 , ... , obtemos uma sequência de números representada a seguir pelos seus quatro primeiros elementos: (4 , 16 , 36 , 64 , ... ). Seguindo a mesma lógica, o 1000° elemento dessa sequência será 4.000.000 e o 1001° elemento será 4.008.004. Dessa forma, o 1002° elemento será (A) 4.008.016. (B) 4.016.016. (C) 4.016.008. (D) 4.008.036. (E) 4.016.036. 02. (TRT/16ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) A sequência de números a seguir foi criada com um padrão lógico. 1; 2; 2; 3; 3; 3; 4; 4; 4; 4; 5; 5; 5; 5; 5; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 7; 7; ... A soma de uma adição cujas parcelas são o 7º, 11º, 27º e o 29º termo dessa sequência é igual a (A) 31. (B) 42. (C) 24. (D) 32. (E) 17. 03. (TRT/16ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa - FCC/2014) A sequência de números a seguir foi criada com um padrão lógico. 1; 2; 2; 3; 3; 3; 4; 4; 4; 4; 5; 5; 5; 5; 5; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 7; 7; ... A soma de uma adição cujas parcelas são o 7º, 11 º, 27 º e o 29 º termos dessa sequência é igual a (A) 31. (B) 42. (C) 24. (D) 32. (E) 17. 04. (Câmara Municipal de São José dos Campos/SP - Analista Legislativo Informática Especialidade Analista de Sistemas - VUNESP/2014) Sabe-se que a lei de formação de uma sequência é tal que um termo, a partir do segundo, é igual à adição de 3 com o dobro do termo anterior. Sabe-se que o 4.º termo dessa sequência é o número 37. A diferença entre o 6º e o 3º termo dessa sequência, e nessa ordem, é igual a (A) 140. (B) 70. (C) 37. (D) 21. (E) 14. 05. (DESENVOLVE/SP - Contador - VUNESP/2014) Dada a sequência de números (809; 910; 1011; 1 112; …) e observando a diferença entre dois números consecutivos, podemos determinar todos os outros termos. Considere as diferenças entre o 34.º e o 32.º termo, entre o 65.º e o 62.º termos e entre o 102.º e o 97.º. A soma dessas diferenças é igual a 139

(A) 1001. (B) 1010. (C) 1110. (D) 1111. (E) 10100. 06. (UFGD EBSERH/MS – Técnico em Informática - Instituto AOCP/2014) Observe a sequência numérica a seguir: 11; 15; 19; 23;... Qual é o sétimo termo desta sequência? (A) 27. (B) 31. (C) 35. (D) 37. (E) 39. 07. (UFGD EBSERH/MS – Advogado - Instituto AOCP/2014) A sequência a seguir apresenta um padrão: 1; 8; 15; 22; ... Qual é o quinto termo desta sequência? (A) 27. (B) 28. (C) 29. (D) 30. (E) 31. 08. (EBSERH/BA - Enfermeiro - IADES/2014) Os cinco primeiros termos de uma sequência são 3, 7, 11, 15, 19. Qual é o seu 112º termo? (A) 223. (B) 225. (C) 445. (D) 447. (E) 449. 09. (SEDS/MG - Agente de Segurança Socioeducativa - IBFC/2014) Os números da sequência 1,2,3,4,4,3,2,1,1,2,3,4,..., estão escritos numa sequência lógica. Desse modo, o 86º termo dessa sequência é: (A) 4 (B) 3 (C) 2 (D) 1 10. (SABESP – Técnico em Gestão I Informática – FCC/2014) A sequência: 2; 3; 5; 6; 11; 12; 23; 24; . . ., foi criada com um padrão. A diferença entre os 14º e 11º termos é igual a (A) 48. (B) 97. (C) 65. (D) 25. (E) 19. 11. (RioPrevidência - Especialista em Previdência Social Gestão de Tecnologia da Informação - CEPERJ/2014) Observe a sequência de números apresentada abaixo: 8, 5, 13, 8, 21, 13, X Nessa sequência, o X vale: (A) 5 (B) 8 (C) 21 (D) 29 (E) 34 12. (RioPrevidência - Assistente Previdenciário - CEPERJ/2014) Observe atentamente a sequência a seguir: ABCDEEDCBAABCDE... A centésima primeira letra nessa sequência será: (A) A 140

(B) B (C) C (D) D (E) E 13. (CBM/RJ - Cabo Técnico em Enfermagem - ND/2014) Na sequência numérica 3, 5, 9, 17, 33, 65, 129,... , o termo seguinte ao 129 é: (A) 265 (B) 263 (C) 261 (D) 257 (E) 259 14. (PC/PI - Escrivão de Polícia Civil - UESPI/2014) Qual o próximo número da sequência 1, 2, 2, 4, 8, 32, ...? (A) 256. (B) 196. (C) 128. (D) 64. (E) 40. 15. (CBM/RJ - Cabo Técnico em Enfermagem - ND/2014) Na sequência numérica 6, 13, 22, 33, 46, 61 ,. . . , o termo seguinte ao 61 é: (A) 77. (B) 79 (C) 78. (D) 76. (E) 75. 16. (AGU - Técnico em Contabilidade - IDECAN/2014) Observe a sequência: 49, 64, 81, 100,... Qual será o sétimo termo? (A) 144. (B) 169. (C) 196. (D) 225. (E) 256. 17. (IF/SE - Técnico em Tecnologia da Informação - Fundação Dom Cintra/2014) A palavra ARACAJU foi escrita seguidamente cem vezes, conforme modelo mostrado abaixo: ARACAJUARACAJUARACAJUARACAJUARACAJUARACAJU... A 345ª letra escrita foi a seguinte: (A) U (B) R (C) A (D) C 18. (TRF/3ª Região - Analista Judiciário - Área Apoio Especializado Arquivologia- FCC/2014) Um tabuleiro de xadrez possui 64 casas. Se fosse possível colocar 1 grão de arroz na primeira casa, 4 grãos na segunda, 16 grãos na terceira, 64 grãos na quarta, 256 na quinta, e assim sucessivamente, o total de grãos de arroz que deveria ser colocado na 64ª casa desse tabuleiro seria igual a (A) 264. (B) 2126. (C) 266. (D) 2128. (E) 2256.

141

19. (TRF/4ª Região - Técnico Judiciário - Área Administrativa Especialidade Segurança e Transporte - FCC/2014) Considere a sequência ; ; ; ... . A diferença entre o número 2 e o 12º termo dessa sequência é igual a (A)

(B)

(C)

(D)

(E)

20. (AMAZUL - Assistente de Administração - Técnico de Contabilidade - IBFC/2014) Se os números ⁄ ; ⁄ ; 0,9; ⁄ ; ... seguem uma sequência lógica, então a soma entre o sexto e o sétimo termos dessa sequência é: (A) 2,8. (B) 3,6. (C) 3,2. (D) 3. 21. (MTur – Contador - ESAF/2014) A soma dos 200 primeiros termos da progressão (4, 7, 10, 13, ...) é igual a (A) 60.200 (B) 60.300 (C) 60.100 (D) 60.500 (E) 60.400 Respostas 1 – Resolução: Trata-se de uma progressão com primeiro termo sendo 2 e com razão 2, depois, elevado ao quadrado. Logo, o 1000º termo será a1000 = a1 + 999r Isto resulta em a1000 = 2 + 999x2 = 2000. Assim, o 1001° termo será 2002 (elevado ao quadrado resulta em 4.008.004). Dessa forma, o 1002° será 2004, que elevado ao quadrado dará 4016016. Alternativa B. 2 – Resolução: O padrão que se verifica é que os números estão em ordem crescente e, o teremos tantos termos tantos quanto for o número da sequência: 1; 2; 2; 3; 3; 3; 4; 4; 4; 4; 5; 5; 5; 5; 5; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 7; 7; ... Veja o 1 só aparece uma vez; o 2 aparece 2 vezes; o 3 aparece 3 vezes, etc Logo, vamos determinar a sequência até o termo 29. Depois somar os termos (em negrito) que se pede no enunciado: Vamos lá: 1; 2; 2; 3; 3; 3; 4; 4; 4; 4; 5; 5; 5; 5; 5; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 7; 7; 7; 7; 7; 7; 7; 8; 8;.... Logo a soma será: (4 + 5 + 7 + 8 = 24). Alternativa C. 3 – Resolução: O padrão que se verifica é que os números estão em ordem crescente e, o teremos tantos termos tantos quanto for o número da sequência: 1; 2; 2; 3; 3; 3; 4; 4; 4; 4; 5; 5; 5; 5; 5; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 7; 7; ... Veja o 1 só aparece uma vez; o 2 aparece 2 vezes; o 3 aparece 3 vezes, etc Logo, vamos determinar a sequência até o termo 29. Depois somar os termos (em negrito) que se pede no enunciado: Vamos lá: 1; 2; 2; 3; 3; 3; 4; 4; 4; 4; 5; 5; 5; 5; 5; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 7; 7; 7; 7; 7; 7; 7; 8; 8;.... Logo a soma será: (4 + 5 + 7 + 8 = 24). Alternativa C. 4 – Resolução:

142

Devemos montar uma planilha com os termos e as informações fornecidas. Além de seguir o padrão lógico da sequência. Sabemos que cada termo é obtido pelo dobro de um valor somado com 3 unidades. Vejamos o quarto termo: Termo Valor

1

2

3

4 37

5

6

Vamos determinar os demais termos? Para isto precisamos determinar o 5º e 6º termos de uma maneira bem simples: dobrar o termo anterior e somar 3. 5º termo: (2. 37) + 3 = 74 + 3 = 77 6º termo: (2. 77) + 3 = 154 + 3 = 157 E para determinarmos o terceiro termo? Sabemos que o terceiro termo precede o quarto termo. Portanto, se excluirmos 3 unidades do 4º termo teremos 2x. Onde x é o valor do 3º termo, segundo a lógica de formação da sequência. Então: 3º termo: (2. X) + 3 = 37. 2.X = 34. Logo, X = 17. A diferença entre o sexto termo e o terceiro termo será: Termo Valor

1

2

3 17

4 37

5 77

6 157

(157 – 17 = 140). Alternativa A. 5 – Resolução: Vamos aproveitar a dica do enunciado e calcular a diferença entre os termos da sequência: (809; 910; 1011; 1.112; …) 910 – 809 = 101 1011 – 910 = 101 1112 – 1011 = 101 Portanto, concluímos que, independentemente do valor numérico do termo a diferença é sempre constante e igual 0 101. Portanto, a cada par de termos teremos esta diferença. Vamos calcular o que se pede: - diferenças entre o 34.º e o 32.º termo Observa-se que temos um intervalo de dois termos. Mantendo a ordem dos termos, teremos sempre valores positivos (termo maior valor – termo menor valor). Então a diferença será [2x(101)] = 202 - entre o 65.º e o 62.º termo Observa-se que temos um intervalo de três termos. Mantendo a ordem dos termos. Então a diferença será [3x101] = 303 - entre o 102.º e o 97 Observa-se que temos um intervalo de cinco termos. Mantendo a ordem dos termos. Então a diferença será [5x101] = 505. Somando-se estas diferenças teremos: 202 + 303 + 505 = 1010. Poderia ser feito de uma maneira mais rápida. Somamos todas as diferenças de termos (34 – 32 = 2; 65 - 62 = 3; 102 – 97 = 5), que seria igual a 10 e multiplicar pela diferença constante igual a 101. Daria: 10 x 101 = 1.010. Resposta: B. 6 – Resolução: Para determinarmos o sétimo termo de uma progressão primeiro precisamos determinar qual o tipo de progressão e sua razão. Analisando a sequência percebemos que os valores aumentam sempre 4 unidades. Logo, é uma progressão aritmética com razão 4 e primeiro termo igual a 11. Precisamos determinar o sétimo termo usaremos uma das propriedades de P.A. an = a1 + (n-1).r a7 = a1 + 6r a7 = 11 + 6.4 a7 = 11 + 24 = 35. 143

Você também poderia fazer rapidamente sem recorrer a propriedades. Como os valores são pequenos e o termo pedido não está distante, poderia ter sido feito assim: 11; 15; 19; 23; 27; 31; 35 Alternativa C 7 – Resolução: Para determinarmos o quinto termo de uma progressão primeiro precisamos determinar qual o tipo de progressão e sua razão. Analisando a sequência percebemos que os valores aumentam sempre 7 unidades. Logo, é uma progressão aritmética com razão 7 e primeiro termo igual a 1. Precisamos determinar o quinto termo usaremos uma das propriedades de P.A. an = a1 + (n-1).r a5 = a1 + 4r a5 = 1 + 4.7 a5 = 1 + 28 = 29. Você também poderia fazer rapidamente sem recorrer a propriedades. Como os valores são pequenos e o termo pedido seria o próximo, poderia ter sido feito assim. Seria muito mais rápido. 1; 8; 15; 22;29. Alternativa C 8 – Resolução: Para determinarmos o qualquer termo de uma sequência precisamos determinar sua formação, seu padrão de formação lógico. Percebemos que se trata de uma P.A. Inicialmente precisamos determinar sua razão. Analisando a sequência percebemos que os valores aumentam sempre 4 unidades. Logo, é uma progressão aritmética com razão 4 e primeiro termo igual a 3. Precisamos determinar o 112º termo. Para tal, usaremos uma das propriedades de P.A. an = a1 + (n-1).r a112 = 3 + (112 – 1). 4 a112 = 3 + 111 . 4 a112 = 3 + 444 = 447. Alternativa: D. 9 – Resolução: Sempre que se tem uma sequência devemos buscar achar um padrão nesta danada.... A sequência acima é bem tranquila: 1,2,3,4,4,3,2,1. Observe que há uma ordem crescente do 1 ao 4, REPETE o número quatro e decresce a ordem. Destaquei o REPETE porque a sequência poderia ser assim 1, 2, 3, 4, 3, 2, 1 e o cálculo mudaria radicalmente. Então, temos um fator de repetição de 8 unidades, sendo que os 4 primeiros são crescentes e os 4 finais são decrescentes. Para determinar o termo 86 você tem duas opções: ir colocando os números até chegar ao termo 86 ou usar um raciocínio mais rápido: - determine qual número inteiro repete o valor 8 até chegar próximo de 86 (você poderia dividir 86 por 8, que daria 10,75), obtendo números inteiros de repetições igual a 10 (daria 8x10). Significa que a sequência acima se repetiria 10 vezes (daria 80) e deveríamos ―caminhar‖ além dela até o sexto termo: 1,2,3,4,4,3,,2,1. Resultado: o sexto termo após 10 repetições da sequência seria o número 3. Veja que se do valor da divisão (10,75) descontássemos o valor 10 sobraria o valor 0,75. Significa que daria 10 sequências de 8 números e 0,75x 8 números = 6 números da sequência. Alternativa B. 10 – Resolução: Devemos buscar determinar o padrão de repetição ou padrão lógico da sequência. Qual seria o padrão neste caso? Veja que não é muito complicado. Mas você deve observar que são pequenas séries dentro de uma sequência: 2; 3; 5; 6; 11; 12; 23; 24 Termo 1 Valor 2

2 3

3 5

4 6

5 6 7 8 9 11 12 23 24

10 11 12 13 14

144

Veja que a soma do 1º e do 2º termo dá o valor do 3º termo. O quarto termo é o número posterior desta soma. Assim, sucessivamente. Exemplo: 2 + 3 = 5 5 + 6 = 11 11 + 12 = 23.... Portanto, cabe, agora, completar a tabela da sequência até o 14º termo e fazer a subtração pedida no enunciado. Vamos preencher: Termo 1 Valor 2

2 3

3 5

4 6

5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 11 12 23 24 47 48 95 96 191 192

O 14º termo é 192 e o 11º termo é 95. A diferença será: 192 – 95 = 97. Resposta: B. 11 – Resolução: Devemos buscar determinar o padrão de repetição ou padrão lógico da sequência. Qual seria o padrão neste caso? Veja que não é muito complicado. Mas você deve observar que são pequenas séries dentro de uma sequência: 8, 5, 13, 8, 21, 13, X termo 1 valor 8

2 5

3 4 13 8

5 6 7 21 13 X

8

9

10 11 12 13 14

Veja que a soma do 1º e do 2º termo dá o valor do 3º termo. O quarto termo corresponde ao terceiro termo menos o valor do segundo termo. Assim, sucessivamente. Observe que se intercala uma soma e depois a diferença entre os termos: 8, 5, 13, 8, 21, 13, X Exemplo: 8 + 5 = 13 13 - 5 = 8 8 + 13 = 21 21 – 8 = 13 Agora, teremos a soma dos termos anteriores ao X, resultando neste. 21 + 13 = X. Concluímos que X = 34. Alternativa E. 12 – Resolução: Perceberam a lógica da sequência? ABCDEEDCBAABCDE... Esta inicia na letra A, vai até a letra E, repetindo a letra ―E‖ e retorna novamente até a letra A. Depois, seguem-se repetições deste padrão. Portanto, é uma sequência de 10 letras. Vamos obter o termo pedido por 10 para determinar quantas vezes esta sequência inteira se repetirá. Depois, o valor que faltar até chegar a 101 seguiremos na sequência dada e determinaremos a resposta pedida: X = 101/10 = 10,1.... Mas só importa saber quanto seria um múltiplo de 10 mais próximo de 101 (nem precisaria fazer calculo. Poderia pensar assim: 10x10 = 100. Para 101 faltaria mais 1 unidade. Então, a próxima (e primeira letra que inicia a repetição da série) é a letra A. Resposta: A. 13 – Resolução: Analisando a sequência observamos que a diferença entre os termos mantem uma progressão. 3, 5, 9, 17, 33, 65, 129,... equivale a: 3+2=5 5+4=9 9 + 8 = 17 17 + 16 = 33 33 + 32 = 65 65 + 64 = 129 129 + 128 = 257. 145

Comentário: este tipo de sequência é muito comum em concursos. Poderia ser reescrita observando um fator comum a todos os acréscimos: 3 + 21= 5 5 + 22= 9 9 + 23 = 17 17 + 24 = 33 33 + 25 = 65 65 + 26 = 129 129 + 27 = 257. Portanto, se ele pedisse termos mais distantes, poderia usar este raciocínio, caso você consiga ―enxergá-lo‖ no momento da resolução da questão. Resposta: D. 14 – Resolução: Aqui mais um caso de que você precisa ―sacar‖ o que está ocorrendo na sequência. Por isto, treino é fundamental. Percebeu que todo o terceiro termo é resultado da multiplicação entre o 1º termo e o 2º termo? E assim ocorre com os demais termos, Veja: 1x2=2 O 4º termo é obtido multiplicando o 2º e 3º termo. 2 x 2 = 4. Portanto, o termo seguinte será: 8 x 32 = 256 Resposta: A. 15 – Resolução: Analisando a sequência observamos que a diferença entre os termos formam uma progressão. 6, 13, 22, 33, 46, 61,... equivale a: 6 + 7 = 13, 13 + 9 = 22 22 + 11 = 33 33 + 13 = 46 46 + 15 = 61 61 + 17 = 78 Comentário: este tipo de sequência é muito comum em concursos. Poderia ser reescrita observando um fator comum a todos os acréscimos: 6 + (7 + 2) = 13 13 + (7 + 2) = 22 22 + (7 + 4) = 33 33 + (7 + 6) = 46 46 + (7 + 8) = 61 61 + (7 + 10) = 78 Mas, também poderia ser escrita assim: 6 + (7 + 2.n) = 13, aqui n=0. Nos demais termos teríamos n=1; n=2; ... 13 + (7 + 2.1) = 22 22 + (7 + 2.2) = 33 33 + (7 + 2.3) = 46 46 + (7 + 2.4) = 61 61 + (7 + 2.5) = 78 Portanto, se ele pedisse termos mais distantes, poderia usar este raciocínio, caso você consiga ―enxergá-lo‖ no momento da resolução da questão. Resposta: C. 16 – Resolução: 146

Você conseguiu observar algum padrão lógico nesta sequência? Vamos montar um esquema para analisar alguma relação entre os valores destes termos: 1º termo: 49 = 72 2º termo:64 = 82 3º termo:81 = 92 4º termo:100 = 102 5º termo: 11 6º termo: 12 7º termo: 132 Logo, o sétimo termo será 132 = 169. Resposta: B. 17 – Resolução: Sabendo que a palavra ARACAJU é formada por 7 letras devemos procurar o múltiplo de 7 mais próximo de 345. Logo, basta dividir por 7. Depois de analisar quantas letras sobram de determinada resposta. Então, faremos da seguinte forma: 345/7 = 49, 28. Só interessa o valor 49. Pois, 49x7 = 343. Logo, para 345 faltam duas unidades e, neste caso, duas letras (a segunda letra da palavra ARACAJU). Resposta B. 18 – Resolução: Observe que esta relação é típica de uma progressão geométrica, Vejamos isto: Casa Grãos

1 1

2 4

3 16

4 64

5 256

64ª X

Perceba que podemos calcular a razão de uma P.G. dividindo-se um termo pelo seu antecedente: =

=

=4

Logo a razão da PG em questão é igual a 4. Como determinamos o valor de um termo da PG? No caso o termo 64, teremos a seguinte relação: a1 = 1 a64 = a1.q64-1 a64 = a1.q63 a64 = 1.463 como sabemos que 4 é equivalente a 22, podemos reescrever a seguinte relação: a64 = 1.(22)63 a64 = 2126 Resposta B. 19 – Resolução: Observe que a sequência acima traz uma relação de PA no dividendo, com aumento de uma unidade a cada termo e de duas unidades no divisor. Logo, evitando uso de cálculos, podemos fazer o 12º termo. Se fosse um termo muito maior poderia valer a pena fazer o cálculo. Mas, na hora de prova, neste tipo de questão eu pensaria assim: - a sequência parou no quarto termo com valor 5 no dividendo. Então, no 12º termo terá o valor 13. - a sequência parou no quarto termo com o valor 11. Então, no 12º termo o divisor será 27. Logo, a diferença ente o número 2 e o 12º termo será: 2 - = - = Alternativa E. 20 – Resolução: Aqui temos uma ―pegadinha‖: como se trata de uma sequência, precisamos determinar o padrão empregado nesta sequência. Porém, veja que alguns dos membros foram ―descaracterizados‖ em relação a outros. Observe: ⁄ = 5/10

147

0,9 = 9/10. Isto pode dificultar sua visão para determinar o padrão. Vamos substituir estes valores na sequência novamente, mas, escritos em função do divisor 10: 5/10; 7/10; 9/10; 11/10;... Precisamos determinar o sexto e o sétimo termos para fazermos a soma solicitada no enunciado. Então, basta acrescentar duas unidades no dividendo e chegaremos aos termos mencionados: 5/10; 7/10; 9/10; 11/10;.13/10; 15/10; 17/10. O sexto termo é 15/10 que equivale a 1,5 unidades. O sétimo termo é 17/10, que equivale a 1,7 unidades. Logo a soma seria igual a 3,2 unidades. Alternativa C. 21 – Resolução: Para determinarmos a soma dos termos de uma progressão primeiro precisamos determinar qual o tipo de progressão e sua razão. Analisando a sequência percebemos que os valores aumentam sempre 3 unidades. Logo, é uma progressão aritmética com razão 3 e primeiro termo igual a 4. Precisamos determinar o termo 200. Para determinarmos o termo 200 usaremos uma das propriedades de P.A. an = a1 + (n-1).r a200 = a1 + 199r a200 = 4 + 199.3 a200 = 4 + 597 = 601 Em uma P.A. a soma dos n termos pode ser obtida somando o primeiro e o ultimo termo e multiplicando pela metade do número de termos envolvidos. Se a1 = 4 e a200 = 601 esta soma dá 605. Multiplicando esta soma por 100 (metade de 200 termos) teremos o valor final de 60.500. Alternativa: D.

148

Questões Complementares Prof.ª Raissa Y. Y. Rodrigues 01. (Banco do Brasil - Assistente Técnico-Administrativo - FCC/2014) Considere que há três formas de Ana ir para o trabalho: de carro, de ônibus e de bicicleta. Em 20% das vezes ela vai de carro, em 30% das vezes de ônibus e em 50% das vezes de bicicleta. Do total das idas de carro, Ana chega atrasada em 15% delas, das idas de ônibus, chega atrasada em 10% delas e, quando vai de bicicleta, chega atrasada em 8% delas. Sabendo-se que um determinado dia Ana chegou atrasada ao trabalho, a probabilidade de ter ido de carro é igual a (A) 20%. (B) 40%. (C) 60%. (D) 50%. (E) 30%. 02. (Ministério da Fazenda - MI - Assistente Técnico administrativo - Cespe/UnB/2013) Sorteando-se um número de uma lista de 1 a 100, qual a probabilidade de o número ser divisível por 3 ou por 8? (A) 41% (B) 44% (C) 42% (D) 45% (E) 43% (TCU – Analista de controle externo - UnB/Cespe/2014) Em geral, empresas públicas ou privadas utilizam códigos para protocolar a entrada e a saída de documentos e processos. Considere que se deseja gerar códigos cujos caracteres pertençam ao conjunto das 26 letras de um alfabeto, que possui apenas 5 vogais. Com base nessas informações, julgue os itens que se seguem. 03. (TCU – Analista de controle externo - UNB/CESPE/2014) Se os protocolos de uma empresa devem conter 4 letras, sendo permitida a repetição de caracteres, então podem ser gerados menos de 400.000 protocolos distintos. ( ) CERTA ( ) ERRADA 04. (TCU – Analista de controle externo - UnB/Cespe/2014) Se uma empresa decide não usar as 5 vogais em seus códigos, que poderão ter 1, 2 ou 3 letras, sendo permitida a repetição de caracteres, então e possível obter mais de 1000 códigos distintos. ( ) CERTA ( ) ERRADA 05. (TCU – Analista de controle externo - UnB/Cespe/2014) O número total de códigos diferentes formados por 3 letras distintas e superior a 15000. ( ) CERTA ( ) ERRADA (TRE/RJ – Técnico Judiciário - CESPE/UnB/2012) Nas eleições municipais de uma pequena cidade, 30 candidatos disputam 9 vagas para a câmara de vereadores. Na sessão de posse, os nove eleitos escolhem a mesa diretora, que será composta por presidente, primeiro e segundo secretários, sendo proibido a um mesmo parlamentar ocupar mais de um desses cargos. Acerca dessa situação hipotética, julgue os itens seguintes. 06. (TRE/RJ – Técnico Judiciário - CESPE/UnB/2012) A quantidade de maneiras distintas de se formar a mesa diretora da câmara municipal é superior a 500. ( ) CERTA ( ) ERRADA 07. (TRE/RJ – Técnico Judiciário - CESPE/UnB/2012) A quantidade de maneiras distintas para se formar a câmara de vereadores dessa cidade é igual a 30!/(9!×21!). ( ) CERTA ( ) ERRADA 149

08. (TRE/RJ – Técnico Judiciário - CESPE/UnB/2012) Sabendo-se que um eleitor vota em apenas um candidato a vereador, é correto afirmar que a quantidade de maneiras distintas de um cidadão escolher um candidato é superior a 50. ( ) CERTA ( ) ERRADA 09. (VALEC - Assistente Administrativo – FEMPERJ/2012) Uma ―capicua‖ é um número que escrito de trás para a frente é igual ao número original. Por exemplo: 232 e 1345431 são ―capicuas‖. A quantidade de ―capicuas‖ de sete algarismos que começam com o algarismo 1 é igual a: (A) 400 (B) 520 (C) 640 (D) 1000 (E) 1200 10. (VALEC – Assistente Administrativo - FEMPERJ/2012) Uma rodovia tem 320 km. A concessionária da rodovia resolveu instalar painéis interativos a cada 10 km, nos dois sentidos da rodovia. Em cada sentido, o primeiro painel será instalado exatamente no início da rodovia, e o último, exatamente ao final da rodovia. Assim, a concessionária terá de instalar a seguinte quantidade total de painéis: (A) 32 (B) 64 (C) 65 (D) 66 (E) 72 11. (VALEC – Assistente Administrativo - FEMPERJ/2012) Num certo ano, 10% de uma floresta foram desmatados. No ano seguinte, 20% da floresta remanescente foi desmatada e, no ano seguinte, a floresta remanescente perdeu mais 10% de sua área. Assim, a floresta perdeu, nesse período, a seguinte porcentagem de sua área original: (A) 35,2% (B) 36,4% (C) 37,4% (D) 38,6% (E) 40,0% 12. (BRDE – Analista de sistemas - AOCP/2012) Quantos subconjuntos podemos formar com 3 bolas azuis e 2 vermelhas, de um conjunto contendo 7 bolas azuis e 5 vermelhas? (A) 250 (B) 5040 (C) 210 (D) 350 (E) 270 (PM/CE - Soldado da Polícia Militar - Cespe/UnB/2013) Conta-se na mitologia grega que Hércules, em um acesso de loucura, matou sua família. Para expiar seu crime, foi enviado a presença do rei Euristeu, que lhe apresentou uma serie de provas a serem cumpridas por ele, conhecidas como Os doze trabalhos de Hércules. Entre esses trabalhos, encontram-se: matar o leão de Neméia, capturar a corça de Cerinéia e capturar o javali de Erimanto. Considere que a Hércules seja dada a escolha de preparar uma lista colocando em ordem os doze trabalhos a serem executados, e que a escolha dessa ordem seja totalmente aleatória. Além disso, considere que somente um trabalho seja executado de cada vez. Com relação ao número de possíveis listas que Hércules poderia preparar, julgue os itens subsequentes. 13. (PM/CE - Soldado da Polícia Militar - Cespe/UnB/2013) O número máximo de possíveis listas que Hercules poderia preparar e superior a 12x10! ( ) CERTA ( ) ERRADA 14. (PM/CE - Soldado da Polícia Militar - Cespe/UnB/2013) O número máximo de possíveis listas contendo o trabalho ―matar o leão de Neméia‖ na primeira posição é inferior a 240 x 990 x 56 x 30. 150

( ) CERTA (

) ERRADA

15. (PM/CE - Soldado da Polícia Militar - Cespe/UnB/2013) O número máximo de possíveis listas contendo os trabalhos ―capturar a corça de Cerinéia‖ na primeira posição e ― capturar o javali de Erimanto‖ na terceira posição e inferior a 72 x 42 x 20 x 6. ( ) CERTA ( ) ERRADA 16. (PM/CE - Soldado da Polícia Militar - Cespe/UnB/2013) O número máximo de possíveis listas contendo os trabalhos ― capturar a corça de Cerineia‖ e ― capturar o javali de Erimanto‖ nas ultimas duas posições, em qualquer ordem, e inferior a 6! x 8!. ( ) CERTA ( ) ERRADA (TRT 10ª Região – Técnico Judiciário - Cespe/UnB/2013) Considere que em um escritório trabalham 11 pessoas: 3 possuem nível superior, 6 tem o nível médio e 2 são de nível fundamental. Será formada, com esses empregados, uma equipe de 4 elementos para realizar um trabalho de pesquisa. Com base nessas informações, julgue os itens seguintes, acerca dessa equipe. 17. (TRT 10ª Região – Técnico Judiciário - Cespe/UnB/2013) Se essa equipe for formada somente com empregados de nível médio e fundamental, então ela poderá ser formada de mais de 60 maneiras distintas. ( ) CERTA ( ) ERRADA 18. (TRT 10ª Região – Técnico Judiciário - Cespe/UnB/2013) Se essa equipe incluir todos os empregados de nível fundamental, então ela poderá ser formada de mais de 40 maneiras distintas. ( ) CERTA ( ) ERRADA 19. (TRT 10ª Região – Técnico Judiciário - Cespe/UnB/2013) Formando-se a equipe com dois empregados de nível médio, e dois de nível superior, então essa equipe poderá ser formada de, no máximo, 40 maneiras distintas. ( ) CERTA ( ) ERRADA 20. (Banco do Brasil/TO - Escriturário - Cespe/UnB/2012) Considere que o BB tenha escolhido alguns nomes de pessoas para serem usados em uma propaganda na televisão, em expressões do tipo Banco do Bruno, Banco da Rosa etc. Suponha também, que a quantidade total de nomes escolhidos para aparecer na propaganda seja 1 2 e que, em cada inserção da propaganda na TV, sempre apareçam somente dois nomes distintos. Nesse caso, a quantidade de inserções com pares diferentes de nomes distintos que pode ocorrer e inferior a 70. Julgue o enunciado acima. ( ) CERTA ( ) ERRADA 21. (Banco do Brasil/TO - Escriturário - Cespe/UnB/2012) Há exatamente 495 maneiras diferentes de se distribuírem 12 funcionários de um banco em 3 agências, de modo que cada agência receba 4 funcionários. Julgue o enunciado acima. 22. (USP – VESTIBULAR - FUVEST/2012) Considere todas as trinta e duas sequências, com cinco elementos cada uma, que podem ser formadas com os algarismos 0 e 1. Quantas dessas sequências possuem pelo menos três zeros em posições consecutivas? (A) 3 (B) 5 (C) 8 (D) 12 (E) 16 23. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2012) De uma urna contendo 10 bolas coloridas, sendo 4 brancas, 3 pretas, 2 vermelhas e 1 verde, retiram-se de uma vez 4 bolas .Quantos são os casos possíveis em que aparecem exatamente uma bola de cada cor?

151

24. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2012) Um estudante deseja colorir o mapa da região Centro-Oeste (ilustrado abaixo) de modo que territórios adjacentes sejam de cores distintas. Por exemplo, já que Goiás e o distrito Federal têm fronteira em comum, terão de ser coloridos de forma diferente. Supondo que o estudante dispõe de quatro cores distintas e cada território seja de uma única cor, calcule de quantas maneiras ele pode colorir os territórios do mapa.

Obs.: a região externa à região Centro Oeste não será colorida; a palavra território refere-se à extensão considerável de terra, e não à competência administrativa. 25. (UEL – VESTIBULAR - COPS/2012) Para responder um questionário preenche-se o cartão apresentado a seguir, colocando-se X em uma só RESPOSTA para cada questão.

Há quantas maneiras distintas para responder esse questionário? 26. (UNESP - VESTIBULAR - VUNESP/2013) Quatro amigos vão ocupar as poltronas a, b, c, d de um ônibus dispostas na mesma fila horizontal, mas em lados diferentes em relação ao corredor, conforme a ilustração.

Dois deles desejam sentar-se juntos, seja do mesmo lado do corredor, seja em lados diferentes. Nessas condições, de quantas maneiras distintas os quatro podem ocupar as poltronas referidas, considerando-se distintas as posições em que pelo menos dois dos amigos ocupem poltronas diferentes? (A) 24 (B) 18 (C) 16 (D) 12 (E) 6 27. (UFSCar - VESTIBULAR - VUNESP/2013) Um encontro científico conta com a participação de pesquisadores de três áreas, sendo eles: 7 químicos, 5 físicos e 4 matemáticos. No encerramento do

152

encontro, o grupo decidiu formar uma comissão de dois cientistas para representá-lo em um congresso. Tendo sido estabelecido que a dupla deveria ser formada por cientistas de áreas diferente, o total de duplas distintas que podem representar o grupo no congresso é igual a: (A) 46 (B) 59 (C) 77 (D) 83 (E) 91 28. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2012) Cada um dos círculos da figura ao lado deverá ser pintado com uma única cor, escolhida dentre quatro disponíveis. Sabendo-se que dois círculos consecutivos nunca serão pintados com a mesma cor, então o número de formas de se pintar os círculos é:

(A) 100 (B) 240 (C) 729 (D) 2916 (E) 5040 29. (UNESP - VESTIBULAR - VUNESP/2012) Uma rede de supermercados fornece a seus clientes um cartão de crédito cuja identificação é formada por 3 letras distintas (dentre 26), seguidas de 4 algarismos distintos. Uma determinada cidade receberá os cartões que têm L como terceira letra, o último algarismo é zero e o penúltimo é 1. A quantidade total de cartões distintos oferecidos por tal rede de supermercados para essa cidade é (A) 33 600. (B) 37 800. (C) 43 200. (D) 58 500. (E) 67 600. 30. (UEL - VESTIBULAR - COPS/2012) Um professor de Matemática comprou dois livros para premiar dois alunos de uma classe de 42 alunos. Como são dois livros diferentes, de quantos modos distintos pode ocorrer a premiação? (A) 861 (B) 1722 (C) 1764 (D) 3444 (D) 31. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2012) O número de equipes de trabalho que poderão ser formadas num grupo de dez indivíduos, devendo cada equipe ser constituída por um coordenador, um secretário e um digitador, é: (A) 240 (B) 360 (C) 480 (D) 600 (E) 720 32. (Administração - VESTIBULAR - FGV/2012) Aconteceu um acidente: a chuva molhou o papel onde Teodoro marcou o telefone de Aninha e apagou os três últimos algarismos. Restaram apenas os dígitos 58347. Observador, Teodoro lembrou que o número do telefone da linda garota era um número par, não divisível por 5 e que não havia algarismos repetidos. Apaixonado, resolveu testar todas as combinações numéricas possíveis. Azarado! Restava apenas uma possibilidade, quando se esgotaram os créditos do seu telefone celular. Até então, Teodoro havia feito quantas ligações? (A) 23 (B) 59 153

(C) 39 (D) 35 (E) 29 33. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2012) O número total de inteiros positivos que podem ser formados com algarismos 1, 2, 3 e 4, se nenhum algarismo é repetido em nenhum inteiro, é: (A) 54 (B) 56 (C) 58 (D) 60 (E) 64 34. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2012) O total de números inteiros com todos os algarismos distintos, compreendidos entre 11 e 1000 é? (A) 576 (B) 648 (C) 728 (D) 738 (E) 741 35. (PC/SP - Escrivão de Polícia - VUNESP/2012) UM trem de passageiros é constituído de uma locomotiva e 6 vagões distintos, sendo um deles vagão-restaurante. Sabendo que a locomotiva deve ir a frente da composição e que o vagão restaurante não pode ser colocado imediatamente após a locomotiva, de quantos modos diferentes é possível montar essa composição é: (A) 120 (B) 320 (C) 500 (D) 600 (E) 720 (FGV/SP - Administração - FGV/2012) Um processo industrial deve passar pelas etapas A, B, C, D e E. (questões 36 e 37) 36. (FGV/SP - Administração - FGV/2012) Quantas sequências de etapas podem ser delineadas se A e B devem ficar juntas no início do processo e A deve preceder B? 37. (FGV/SP - Administração - FGV/2012) Quantas sequências de etapas podem ser delineadas se A e B devem ficar juntas, em qualquer ordem, e não necessariamente no inicio do processo? 38. (USP – VESTIBULAR - Fuvest/2012) Um lotação possui três bancos para passageiros, cada um com três lugares, e deve transportar os três membros da família Sousa, o casal Lúcia e Mauro e mais quatro pessoas. Além disso, 1. A família Sousa quer ocupar um mesmo banco; 2. Lúcia e Mauro querem sentar-se lado a lado. Nessas condições, o número de maneiras distintas de dispor os nove passageiros no lotação é igual a (A) 928 (B) 1152 (C) 1828 (D) 2412 (E) 3456 39. (UFC - VESTIBULAR - UFC/2012) Dispondo-se de abacaxi, acerola, goiaba, laranja, maçã, mamão e melão, calcule de quantos sabores diferentes pode-se preparar um suco usando-se 3 frutas distintas. 40. (PC/SP - Auxiliar de Papiloscopista Policial - Vunesp/2012) De um grupo constituído de 6 enfermeiros e 2 médicos, deseja-se formar comissões de 5 pessoas. Quantas dessas comissões podem ser formadas se os 2 médicos devem, necessariamente, fazer parte de todas as comissões? 154

(A) 10 (B) 15 (C) 20 (D) 168 (E) 336 41. (PC/SP - Auxiliar de Papiloscopista Policial - Vunesp/2012) Um juiz dispõe de 10 pessoas, das quais somente 4 são advogados, para formar um júri com 7 jurados. O número de formas de compor o júri com pelo menos 1 advogado, é: (A) 120 (B) 108 (C) 160 (D) 140 (E) 128 42. (Administração - VESTIBULAR - FGV/2012) Em uma universidade no departamento de veterinária, existem 7 professores com especialização em parasitologia e 4 em microbiologia. Em um congresso para a exposição dos seus trabalhos, serão formadas equipes de seguinte forma: 4 com especialização em parasitologia e 2 em microbiologia. Quantas equipes diferentes poderão ser formadas? 43. (ESPCEX - VESTIBULAR - 2012) A equipe de professores de uma escola possui um banco de questões de matemática composto de 5 questões sobre parábolas, 4 sobre circunferências e 4 sobre retas. De quantas maneiras distintas a equipe pode montar uma prova com 8 questões, sendo 3 de parábolas, 2 de circunferências e 3 de retas? (A) 80 (B) 96 (C) 240 (D) 640 (E) 1280 44. (USP - VESTIBULAR - FUVEST/2012) Participam de um torneio de voleibol, 20 times distribuídos em 4 chaves, de 5 times cada. Na 1° fase do torneio, os times jogam entre si uma única vez (um único turno), todos contra todos em cada chave, sendo que os 2 melhores de cada chave passam para a 2°fase. Na 2° fase, os jogos são eliminatórios; depois de cada partida, apenas o vencedor permanece no torneio. Logo, o número de jogos necessários até que se apure o campeão do torneio é (A) 39 (B) 41 (C) 43 (D) 45 (E) 47 45. (UNIFESP - VESTIBULAR - VUNESP/2012) O corpo clínico da pediatria de certo hospital é composto por 12 profissionais, dos quais 3 são capacitados para atuação junto a crianças que apresentam necessidades educacionais especiais. Para fins de assessoria, deverá ser criada uma comissão de 3 profissionais, de tal maneira que 1 deles, pelo menos, tenha a capacitação referida. Quantas comissões distintas podem ser formadas nestas condições? (A) 792 (B) 494 (C) 369 (D) 136 (E) 108 46. (IBMEC - VESTIBULAR - 2012) Considere um cubo ABCDEFGH, cujas arestas medem 2 cm. O Número de maneiras diferentes de escolher três de seus vértices de modo que a área do triângulo por eles determinados seja maior do que 2 cm² é igual a

155

(A) (B) (C) (D) (E)

32 36 40 48 56

47. (Administração - VESTIBULAR -FGV/2012) O número de permutações da palavra ECONOMIA que não começam nem terminam com a letra O é (A) 9400 (B) 9600 (C) 9800 (D) 10200 (E) 10800 48. (ITA - VESTIBULAR - 2012) O número de soluções inteiras, maiores ou iguais a zero, da equação x + y + z + w = 5 é: (A) 36 (B) 48 (C) 52 (D) 54 (E) 56 (PC/SP - Auxiliar de Papiloscopista Policial - Vunesp/2012) Dez rapazes, em férias no litoral, estão organizando um torneio de voleibol de praia. Cinco deles são selecionados para escolher os parceiros e capitanear as cinco equipes a serem formadas, cada uma com dois jogadores. (questões 49 e 50) 49. (PC/SP - Auxiliar de Papiloscopista Policial - Vunesp/2012) Nessas condições, quantas possibilidades de formação de equipes eles têm? 50. (PC/SP - Auxiliar de Papiloscopista Policial - Vunesp/2012) Uma vez formadas as cinco equipes, quantas partidas se realizarão, se cada uma das equipes deverá enfrentar todas as outras uma única vez? 51. (Banco do Brasil – Escriturário – Cesgranrio/2014) Para cadastrar-se em um site de compras coletivas, Guilherme precisará criar uma senha numérica com, no mínimo, 4 e, no máximo, 6 dígitos. Ele utilizará apenas algarismos de sua data de nascimento: 26/03/1980. Quantas senhas diferentes Guilherme poderá criar se optar por uma senha sem algarismos repetidos? (A) 5.040 (B) 8.400 (C) 16.870 (D) 20.160 (E) 28.560 52. (Banco do Brasil – Escriturário – Cesgranrio/2014) Se todos os anagramas da palavra BRASIL forem dispostos em ordem alfabética, o primeiro anagrama cuja última letra é ''B'' ocupará que posição? (A)5ª (B)25ª (C)34ª (D)49ª (E)121ª 53. (Banco do Brasil – Escriturário – Cesgranrio/2014) Um grupo de 40 pessoas, homens e mulheres, está reunido em uma sala. Todos têm mais de 30 e menos de 50 anos. Alguns homens têm menos de 40 anos, e algumas mulheres, mais de 35 anos. Considere que a idade de cada pessoa seja representada por um número inteiro (anos completados até a presente data). Desse modo, afirma-se que, nesse grupo, há (A) 19 pessoas, no mínimo, de idades diferentes. (B) um homem, pelo menos, de 45 anos. 156

(C) alguma mulher de 39 anos. (D) pessoas com a mesma idade. (E) um homem e uma mulher, necessariamente, cujas idades são iguais. 54. (Banco do Brasil – Escriturário – Cesgranrio/2014) Uma pessoa dispõe de balas de hortelã, de caramelo e de coco e pretende ―montar‖ saquinhos com 13 balas cada, de modo que, em cada saquinho, haja, no mínimo, três balas de cada sabor. Um saquinho diferencia-se de outro pela quantidade de balas de cada sabor. Por exemplo, seis balas de hortelã, quatro de coco e três de caramelo compõem um saquinho diferente de outro que contenha seis balas de coco, quatro de hortelã e três de caramelo. Sendo assim, quantos saquinhos diferentes podem ser ―montados‖? (A) 4 (B) 6 (C) 9 (D) 12 (E) 15 55. (USP - VESTIBULAR - FUVEST/2012) – Escolhido ao acaso um elemento do conjunto dos divisores positivos de 60, a probabilidade de que ele seja primo é: A)

B)

C)

D)

E)

56. (ENEM - VESTIBULAR - 2012) – As 23 ex-alunas de uma turma que completou o Ensino Médio há 10 anos se encontraram em uma reunião comemorativa. Várias delas haviam se casado e tido filhos. A distribuição das mulheres, de acordo com a quantidade de filhos, é mostrada no gráfico abaixo. Um prêmio foi sorteado entre todos os filhos dessas ex-alunas. A probabilidade de que a criança premiada tenha sido um(a) filho(a) único(a) é

(A) (B) (C) (D) (E) 57. (PC/SP - Auxiliar de Papiloscopista Policial - Vunesp/2012) – Lançando-se simultaneamente dois dados não viciados, a probabilidade de que suas faces superiores exibam soma igual a 7 ou 9 é: RESPOSTA: s (A) (B) (C) (D) (E) 58. (ITA - VESTIBULAR -2012) – Retiram-se 3 bolas de uma urna que contém 4 bolas verdes, 5 bolas azuis e 7 bolas brancas. Se P1 é a probabilidade de não sair bola azul e P2 é a probabilidade de todas as bolas saírem com a mesma cor, então a RESPOSTA: que mais se aproxima de P1 + P2 é:

157

(A) 0,21. (B) 0,25. (C) 0,28 (D) 0,35. (E) 0,40 59. (Administração - VESTIBULAR – FGV/2012) – Num espaço amostral, dois eventos independentes A e B são tais que P(A U B) = 0,8 e P(A) = 0,3. Podemos concluir que o valor de P(B) é: (A) 0,5 (B) 5/7 (C) 0,6 (D) 7/15 (E) 0,7 60. (CGU - Analista de Finanças e Controle – ESAF/2012) Um dado de seis faces numeradas de 1 a 6 é viciado de modo que, quando lançado, a probabilidade de ocorrer uma face par qualquer é 300% maior do que a probabilidade de ocorrer uma face ímpar qualquer. Em dois lançamentos desse dado, a probabilidade de que ocorram exatamente uma face par e uma face ímpar (não necessariamente nesta ordem) é igual a: (A) 0,1600 (B) 0,1875 (C) 0,3200 (D) 0,3750 (E) 1 61. (PC/SP - Auxiliar de Papiloscopista Policial - Vunesp/2012) Numa pesquisa feita com 200 homens, observou-se que 80 eram casados, 20 separados, 10 eram viúvos e 90 eram solteiros. Escolhido um homem ao acaso, a probabilidade de ele não ser solteiro é (A) 0,65 (B) 0,6 (C) 0,55 (D) 0,5 (E) 0,35 62. (UFU - VESTIBULAR - 2012) De uma urna que contém bolas numeradas de 1 a 100 será retirada uma bola. Sabendo-se que qualquer uma das bolas tem a mesma chance de ser retirada, qual é a probabilidade de se retirar uma bola, cujo número é um quadrado perfeito ou um cubo perfeito? (A) 0,14 (B) 0,1 (C) 0,12 (D) 0,16 (E) 0,2 63. (MACKENZIE - VESTIBULAR - 2012) Escolhe-se ao acaso um número de três algarismos distintos tomados do conjunto {1,2,3,4,5}. A possibilidade de nesse número aparecer o algarismo 2 e não aparecer o algarismo 4 é: (A) 3/5 (B) 4/5 (C) 3/10 (D) 5/10 (E) 7/10 64. (MACKENZIE - VESTIBULAR - 2012) 4 Homens e 4 mulheres devem ocupar os 8 lugares de um banco. Qual é a probabilidade de que nunca fiquem lado a lado duas pessoas do mesmo sexo? (A) 1/56 (B) 1 (C) 1/16 (D) 1/32 (E) 1/35

158

65. (UEL/PR - VESTIBULAR -COPS/2012) Considere um cubo e suas arestas. A probabilidade de escolhermos um par de arestas distintas desse cubo e elas serem paralelas entre si é: (A) 2/33 (B) 5/66 (C) 1/11 (D) 4/33 (E) 3/11 66. (USP - VESTIBULAR - FUVEST/2012) Dois dados cúbicos, não viciados, com faces numeradas de 1 a 6, serão lançados simultaneamente. A probabilidade de que sejam sorteados dois números consecutivos, cuja soma seja um número primo, é de (A) 2/9 (B) 1/3 (C) 4/9 (D) 5/9 (E) 2/3 67. (CGU - Analista de Finanças e Controle – ESAF/2012) Uma caixa contém 3 bolas brancas e 2 pretas. Duas bolas serão retiradas dessa caixa, uma a uma e sem reposição, qual a probabilidade de serem da mesma cor? (A) 55% (B) 50% (C) 40% (D) 45% (E) 35% 68. (CGU - Analista de Finanças e Controle – ESAF/2012) O número de centenas ímpares e maiores do que trezentos, com algarismos distintos, formadas pelos algarismos 1, 2, 3, 4 e 6, é igual a (A) 15 (B) 9 (C) 18 (D) 6 (E) 12 69. (CGU - Analista de Finanças e Controle – ESAF/2012) Dos aprovados em um concurso público, os seis primeiros foram Ana, Bianca, Carlos, Danilo, Emerson e Fabiano. Esses seis aprovados serão alocados nas salas numeradas de 1 a 6, sendo um em cada sala e obedecendo a determinação de que na sala 1 será alocado um homem. Então, o número de possibilidades distintas de alocação desses seis aprovados é igual a (A) 720 (B) 480 (C) 610 (D) 360 (E) 540 70. (CGU - Analista de Finanças e Controle – ESAF/2012) Uma reunião no Ministério da Fazenda será composta por seis pessoas, a Presidenta, o Vice-Presidente e quatro Ministros. De quantas formas distintas essas seis pessoas podem se sentar em torno de uma mesa redonda, de modo que a Presidenta e o Vice-Presidente fiquem juntos? (A) 96 (B) 360 (C) 120 (D) 48 (E) 24 71. (PETROBRAS - Administrador Júnior - Cesgranrio/2012) Em uma reunião social, cada convidado cumprimentou uma única vez todos os outros com um aperto de mão, o que resultou em 45 desses cumprimentos. Nesse contexto, e correto afirmar que:

159

Apenas 12 pessoas participaram da reunião. ( ) CERTA ( ) ERRADA 72. (PETROBRAS - Administrador Júnior - Cesgranrio/2012) Em uma classe de 9 alunos, todos se dão bem, com exceção de Andréia, que vive brigando com Manoel e Alberto. Nessa classe, será constituída uma comissão de cinco alunos, com a exigência de que cada membro se relacione bem com todos os outros. Quantas comissões podem ser formadas? (A) 71 (B) 75 (C) 80 (D) 83 (E) 87 73. (MACKENZIE – VESTIBULAR - 2012) Dentre os anagramas distintos que podemos formar com n letras, das quais somente 2 são iguais, 120 apresentam essas duas letras iguais juntas. Quanto vale n? (A) 4 (B) 5 (C) 6 (D) 7 (E) 122 74. (MACKENZIE - VESTIBULAR - 2012) O número de comissões diferentes, de 2 pessoas, que podemos formar com os n diretores de uma firma, é k. Se, no entanto, ao formar estas comissões, tivermos que indicar uma das pessoas para presidente e a outra para suplente podemos formar k + 3 comissões diferentes. Então, n vale: (A) 3 (B) 10 (C) 13 (D) 30 (E) 40 (TRT 17ª Região/ES - Técnico Judiciário – Cespe/Unb/2013) Em razão da limitação de recursos humanos, a direção de determinada unidade do MPU determinou ser prioridade analisar os processos em que se investiguem crimes contra a administração pública que envolvam autoridades influentes ou desvio de altos valores. A partir dessas informações, considerando P = conjunto dos processos em análise da unidade, A = processos de P que envolvem autoridades influentes, B = processos de P que envolvem desvio de altos valores, Cp(X) = processos de P que não estão no conjunto, e supondo que, dos processos de P, são de A e são de B, julgue o iten a seguir. (questões 75 a 77) 75. (TRT 17ª Região/ES - Técnico Judiciário – Cespe/Unb/2013) Selecionando-se ao acaso um processo em trâmite na unidade em questão, a probabilidade de que ele não envolva autoridade influente será superior a 30%. ( ) CERTA ( ) ERRADA 76. (TRT 17ª Região/ES - Técnico Judiciário – Cespe/Unb/2013) O conjunto Cp(A) ∪ Cp(B) corresponde aos processos da unidade que não são prioritários para a análise. ( ) CERTA ( ) ERRADA 77. (TRT 17ª Região/ES - Técnico Judiciário – Cespe/Unb/2013) A quantidade de processos com prioridade de análise por envolverem, simultaneamente, autoridades influentes e desvios de altos valores é inferior à de processos que não são prioritários para a análise. ( ) CERTA ( ) ERRADA 78. (PC/PR – Delegado de Policia - COPS/UEL/2013) Três integrantes da Polícia Civil, Silva, Nascimento e Barbosa, participam de uma competição de MMA. Silva e Nascimento têm as mesmas chances de vencer, e cada um tem duas vezes mais chances de vencer do que Barbosa. Assinale a RESPOSTA: que apresenta, corretamente, a probabilidade de Silva ou Barbosa vencer a competição. (A) 2/15 160

(B) 1/5 (C) 2/3 (D) 3/5 (E) 4/5 79. (PC/PR – Delegado de Policia - COPS/UEL/2013) Em uma investigação há 10 suspeitos, que o delegado deverá interrogar. Para maiores esclarecimentos, o delegado também fará interrogatórios em grupos de 2, 3, 4 e 5 pessoas, considerando todas as variações possíveis. Com base nessas considerações, assinale a RESPOSTA: que apresenta, corretamente, a quantidade de interrogatórios que o delegado deverá fazer. (A) 45 (B) 210 (C) 252 (D) 627 (E) 637 80. (Administração - VESTIBULAR - FGV/2014) Dois eventos A e B de um espaço amostral são independentes. A probabilidade do evento A é P(A) = 0,4 e a probabilidade da união de A com B é P(A _ B) = 0,8. Pode-se concluir que a probabilidade do evento B é: (A) 5/6 (B) 4/5 (C) 3/4 (D) 2/3 (E) 1/2 81. (Economia – VESTIBULAR - FGV/2012) As seis faces do dado A estão marcadas com 1, 2, 3, 3, 5, 6; e as seis faces do dado B estão marcadas com 1, 2, 4, 4, 5 e 6. Considere que os dados A e B são honestos no sentido de que a chance de ocorrência de cada uma de suas faces é a mesma. Se os dados A e B forem lançados simultaneamente, a probabilidade de que a soma dos números obtidos seja ímpar é igual a (A)

(B)

(C)

(D)

(E)

82. (Economia – VESTIBULAR - FGV/2012) O total de maneiras de distribuirmos n objetos diferentes em duas caixas diferentes de forma que nenhuma delas fique vazia e igual a (A) 2n – 1. (B) 2n – 2. (C) 2n –1. (D) 2n – 2. (E) 2n. 83. (MPE/TO – Todos os cargos - CESPE/2013) Um dirigente sugeriu a criação de um torneio de futebol chamado Copa dos Campeões, disputado apenas pelos oito países que já foram campeões mundiais: os três sul-americanos (Uruguai, Brasil e Argentina) e os cinco europeus (Itália, Alemanha, Inglaterra, Franca e Espanha). As oito seleções seriam divididas em dois grupos de quatro, sendo os jogos do grupo A disputados no Rio de Janeiro e os do grupo B em São Paulo. Considerando os integrantes de cada grupo e as cidades onde serão realizados os jogos, o numero de maneiras diferentes de dividir as oito seleções de modo que as três sul-americanas não fiquem no mesmo grupo e (A) 140. (B) 120. (C) 70. (D) 60. (E) 40. 84. (CHESF – Administração – Cesgranrio/2012) Para preencher vagas disponíveis, o departamento de pessoal de uma empresa aplicou um teste em 44 candidatos, solicitando, entre outras informações, que o candidato respondesse se já havia trabalhado: I - em setor de montagem eletromecânica de equipamentos; 161

II - em setor de conserto de tubulações urbanas; III - em setor de ampliações e reformas de subestações de baixa e de alta tensão. Analisados os testes, o departamento concluiu que todos os candidatos tinham experiência em pelo menos um dos setores citados anteriormente e que tinham respondido afirmativamente: - 28 pessoas a RESPOSTA: I; - 4 pessoas somente a RESPOSTA: I; - 1 pessoa somente a RESPOSTA: III; - 21 pessoas as RESPOSTA: s I e II; - 11 pessoas as RESPOSTA: s II e III; - 13 pessoas as RESPOSTA: s I e III. 85. (HUB/EBSERH – Área administrativa - IBFC/2013) Numa pesquisa, sobre a preferência entre 2 produtos, foram entrevistadas 320 pessoas e chegou-se ao seguinte resultado: 210 preferiram o produto A, 190 preferiram o produto B e 45 nenhum dos dois. Portanto, o total de entrevistados que preferiram somente um dos produtos foi de: (A) 150 (B) 125 (C) 35 (D) 85 86. (HUB/EBSERH – Área administrativa - IBFC/2013) Numa pesquisa com 320 pessoas sobre a escolha entre dois produtos A e B constatou-se que: 175 escolheram o produto A, 120 escolheram o produto B e 35 não opinaram, podemos dizer então que: (A) 20 pessoas escolheram os dois produtos. (B) 110 pessoas escolheram somente o produto B. (C) 155 pessoas escolheram somente o produto A. (D) 275 pessoas gostam do produto A ou do produto B. (E) Menos de 10 pessoas escolheram os dois produtos. 87. (HUB/EBSERH – Área administrativa - IBFC/2013) Dos 320 alunos de uma academia de ginástica, sabe-se que 170 praticam aeróbica, 148 praticam natação, 172 praticam boxe, 80 praticam aeróbica e boxe, 75 praticam natação e boxe, 62 praticam aeróbica e natação e 23 praticam os três. Nessas condições podemos afirmar que: (A) 40 alunos praticam somente natação. (B) 74 alunos praticam natação ou aeróbica. (C) 91 alunos praticam aeróbica ou boxe. (D) O total de alunos que não fazem aeróbica, boxe e natação é igual a 34. (E) 51 alunos praticam somente boxe. 88. (HUB/EBSERH – Área administrativa - IBFC/2013) Dois candidatos A e B disputaram um cargo numa empresa. Os funcionários da empresa poderiam votar nos dois ou em apenas um deles ou em nenhum deles. O resultado foi o seguinte: 55% dos funcionários escolheram o candidato A, 75% escolheram o candidato B, 10% dos votos foram em branco. Pode-se afirmar então que o total de funcionários que escolheram somente um dentre os dois candidatos foi de: (A) 50% (B) 40% (C) 90% (D) 120% 89. (HUB/EBSERH – Área administrativa - IBFC/2013) Uma pesquisa, envolvendo 1.000 pessoas, verificou que todas estavam contaminadas por um dos vírus X ou Y ou por ambos. Se havia 450 pessoas contaminadas pelo vírus X e, dessas, 60 estavam contaminadas por ambos os vírus, qual o número de pessoas contaminadas apenas pelo vírus Y? (A) 390 (B) 490 (C) 510 (D) 550 (E) 610 162

90. (HUB/EBSERH – Área administrativa - IBFC/2013) Em uma escola, são praticados dois esportes – futebol e basquete – do seguinte modo: 54 alunos praticam apenas um esporte; 32 praticam futebol; 12 praticam ambos e 74 não praticam basquete. Qual é o total de alunos da escola? (A) 108. (B) 120. (C) 124. (D) 128. (E) 132. 91. (ANVISA - Técnico Administrativo – CETRO/2013) Considere as premissas: P1: Todos os ϫ são ¥. P2: Todos os ¥ são Ϯ. P3: Quem é € não é Ϯ. Assinale a RESPOSTA: que não é uma consequência lógica das três premissas apresentadas. (A) Os ϫ não são €. (B) Os ¥ não são €. (C) Os Ϯ não são €. (D) Os Ϯ são ¥. (E) Os ϫ são Ϯ. 92. (ANVISA - Técnico Administrativo – CETRO/2013) Em um pote de doces, sabe-se que existe pelo menos um chiclete que é de hortelã. Sabe-se, também, que todos os doces do pote que são de sabor hortelã são verdes. Segue-se, portanto, necessariamente que (A) todo doce verde é de hortelã. (B) todo doce verde é chiclete. (C) nada que não seja verde é chiclete. (D) algum chiclete é verde. (E) Algum chiclete não é verde. 93. (Secretaria da Administração do Estado do Tocantins – Técnico agropecuário AOCP/2012) Uma determinada creche possui 24 crianças, das quais: - 12 são loiras; - 6 têm olhos azuis; - 15 têm cabelos curtos; - 2 são loiras, têm olhos azuis e não têm cabelos curtos; - 2 têm olhos azuis e cabelos curtos e não são loiras; - 1 é loira, tem olhos azuis e cabelos curtos. Então, nessa creche, o número de crianças que são loiras, têm cabelos curtos, mas não têm olhos azuis é de: (A) 3. (B) 4. (C) 5. (D) 6. (E) 7. 94. (Secretaria da Administração do Estado do Tocantins – Técnico agropecuário AOCP/2012) Considere três conjuntos finitos X, Y e Z. Sabendo que I. X ∩ Y tem 16 elementos; II. X ∩ Z tem 7 elementos e III. X ∩ Y ∩ Z tem 2 elementos. O número de elementos de (Y U Z) ∩ X é (A) 2. (B) 7. (C) 16. (D) 21. (E) 25.

163

95. (Secretaria da Administração do Estado do Tocantins – Técnico agropecuário AOCP/2012) Em um bairro da cidade, as famílias foram entrevistadas. Nesta entrevista, a primeira pergunta era ―Sua família possui gatos?‖ e a segunda era ―Sua família possui cachorros?‖. Constatou-se que 218 famílias responderam ―sim‖ na segunda pergunta, 307 responderam ―não‖ na primeira pergunta e 74 responderam ―sim‖ em ambas as perguntas. Sabendo que neste bairro 418 famílias foram entrevistadas, quantas famílias possuem apenas gatos? (A) 21 famílias. (B) 28 famílias. (C) 31 famílias. (D) 37 famílias. (E) 43 famílias. 96. (INSS – Técnico Administrativo – FCC/2012) Em uma turma de 100 alunos, 63 sabem escrever apenas com a mão direita, 5 não sabem escrever, 25% dos restantes sabem escrever tanto com a mão direita quanto com a esquerda, e os demais alunos sabem escrever apenas com a mão esquerda. Dessa turma, a porcentagem de alunos que sabe escrever com apenas uma das duas mãos é de: (A) 86% (B) 87% (C) 88% (D) 89% (E) 90% 97. (TCE/GO – Técnico de Controle Externo – FCC/2013) São dadas as afirmações: - Toda cobra é um réptil. - Existem répteis venenosos. Se as duas afirmações são verdadeiras, então, com certeza, também é verdade que: (A) Se existe uma cobra venenosa, então ela é um réptil. (B) Toda cobra é venenosa. (C) Algum réptil venenoso é uma cobra. (D) Qualquer réptil é uma cobra. (E) Se existe um réptil venenoso, então ele é uma cobra. 98. (MPU – Técnico de Apoio Especializado – FCC/2012) Considere que as seguintes afirmações são verdadeiras: - Todo motorista que não obedece às leis de trânsito é multado. - Existem pessoas idôneas que são multadas. Com base nessas afirmações é verdade que: (A) Se um motorista é idôneo e não obedece às leis de trânsito, então ele é multado. (B) Se um motorista não respeita as leis de trânsito, então ele é idôneo. (C) Todo motorista é uma pessoa idônea. (D) Toda pessoa idônea obedece às leis de trânsito. (E) Toda pessoa idônea não é multada. (STF - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2013) Uma organização contratou convênios com um plano de saúde, um plano de previdência privada e uma seguradora de veículos para adesão voluntária ia de seus 5.350 empregados. Sabe-se que as adesões ficaram assim distribuídas: - 870 aderiram ao plano de saúde e ao seguro de veículos; - 580 aderiram ao seguro de veículos e ao plano de previdência; - 1.230 aderiram aos planos de saúde e de previdência; - 320 aderiram apenas ao seguro de veículos - 2.280 aderiram ao plano de previdência; - 350 aderiram as três modalidades de convenio; - 280 não aderiram a nenhum convenio. Com base nessa situação, julgue os itens seguintes (questões 99 a 102)

164

99. (STF - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2013) Os Mais de 2.000 empregados aderiram apenas ao plano de saúde. ( ) CERTA ( ) ERRADA 100. (STF - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2013) O numero de empregados que aderiram apenas aos planos de saúde e de previdência foram 850. ( ) CERTA ( ) ERRADA 101. (STF - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2013) O número de empregados que aderiram a apenas duas modalidades de convênios foi inferior a 1.650. ( ) CERTA ( ) ERRADA 102. (STF - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2013) Menos de 900 empregados aderiram apenas ao plano de previdência. ( ) CERTA ( ) ERRADA (MPE/TO – Analista - Cespe/UnB/2012) Depois de uma campanha publicitaria para melhorar o nível de conhecimento e de informação das pessoas, os 31 empregados de uma empresa passaram a assinar os jornais CT, FT e JT, da seguinte forma: - cada um dos empregados assinou pelo menos um dos jornais; - 2 empregados assinaram os 3 jornais; - 3 empregados assinaram apenas os jornais CT e JT; - 8 empregados assinaram apenas o jornal JT; - 4 empregados assinaram os jornais CT e FT; - 13 empregados assinaram o jornal JT; - 16 empregados assinaram o jornal CT. Julgue os itens a seguir: (questões 103 a 107) 103. (MPE/TO – Analista - Cespe/UnB/2012) Nenhum empregado assinou apenas os jornais FT e JT. ( ) CERTA ( ) ERRADA 104. (MPE/TO – Analista - Cespe/UnB/2012) 6 empregados assinaram os jornais CT e JT. ( ) CERTA ( ) ERRADA 105. (MPE/TO – Analista - Cespe/UnB/2012) 3 empregados assinaram apenas os jornais CT e FT. ( ) CERTA ( ) ERRADA 106. (MPE/TO – Analista - Cespe/UnB/2012) 7 empregados assinaram apenas o jornal FT. ( ) CERTA ( ) ERRADA 107. (MPE/TO – Analista - Cespe/UnB/2012) 10 empregados assinaram apenas o jornal CT. ( ) CERTA ( ) ERRADA (Seguer/ES – Analista Executivo - Cespe/UnB/2012) A partir dessas informações, julgue o item seguinte. (questões 108 a 110) 108. (Seguer/ES – Analista Executivo - Cespe/UnB/2012) A proposição ―Se o referido entrevistado às vezes se ofende ao receber criticas, então ele raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖ é verdadeira. ( ) CERTA ( ) ERRADA 109. (Seguer/ES – Analista Executivo - Cespe/UnB/2012) A proposição ―Sempre que o referido entrevistado passa por per isso de estresse, sua saúde física fica debilitada e ele acaba doente, além disso, ele raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖ é falsa ( ) CERTA ( ) ERRADA

165

110. (Seguer/ES – Analista Executivo - Cespe/UnB/2012) Considere que um conjunto de empregados de uma empresa tenha respondido integralmente ao teste apresentado e tenha sido verificado o que 15 deles fizeram uso da opção ―às vezes‖, 9 ―raramente‖, 13 ―sempre‖. Além disso, 4 desses empregados usaram as opções ―às vezes‖ e ―raramente‖, e 8 usaram ―às vezes‖ e ―sempre‖, 4 usaram ―sempre‖ e ―raramente‖, e 3 usaram ―às vezes‖, ―sempre‖ e ―raramente‖. Nessa situação é correto afirmar que menos de 30 empregados dessa empresa responderam ao teste. ( ) CERTA ( ) ERRADA (PETROBRAS – Administrador Junior - Cesgranrio/2013) Um posto de abastecimento de combustíveis vende gasolina comum (GC), álcool anidro (AA) e óleo diesel (OD). Em uma pesquisa realizada com 200 clientes, cada entrevistado declarou que seus veículos consomem pelo menos um dos produtos citados, de acordo com a tabela abaixo.

Considerando essas informações e que cada veículo consome apenas um tipo de combustível, e correto afirmar que: (questões 111 a 113) 111. (PETROBRAS – Administrador Junior - Cesgranrio/2013) 35 clientes possuem apenas veículos que consomem OD. ( ) CERTA ( ) ERRADA 112. (PETROBRAS – Administrador Junior - Cesgranrio/2013) Pelo menos dois produtos são consumidos pelos veículos de mais de 120 clientes. ( ) CERTA ( ) ERRADA 113. (PETROBRAS – Administrador Junior - Cesgranrio/2013) 10 clientes possuem mais de um veiculo, sendo que pelo menos um desses veículos consome GC e outro consome AA, mas não possuem nenhum veiculo que consome OD. ( ) CERTA ( ) ERRADA 114. (MF - MI - Assistente Técnico administrativo - Cespe/UnB/2013) Em uma cidade as seguintes premissas são verdadeiras: Nenhum professor é rico. Alguns políticos são ricos. Então, pode-se afirmar que: (A) Nenhum professor é político. (B) Alguns professores são políticos. (C) Alguns políticos são professores. (D) Alguns políticos não são professores. (E) Nenhum político é professor. 115. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2014) Em uma pesquisa de mercado sobre o uso de notebooks e tablets foram obtidos, entre os indivíduos pesquisados, os seguintes resultados: - 55 usam notebook; - 45 usam tablet, e - 27 usam apenas notebook. Sabendo que todos os pesquisados utilizam pelo menos um desses dois equipamentos, então, dentre os pesquisados, o numero dos que usam apenas tablet e (A) 8. (B) 17. 166

(C) 27. (D) 36. (E) 45. 116. (MPE/TO – Analista - CESPE/2012) Dentro de um grupo de tradutores de livros, todos os que falam alemão também falam inglês, mas nenhum que fala inglês fala japonês. Além disso, os dois únicos que falam russo também falam coreano. Sabendo que todo integrante desse grupo que fala coreano também fala japonês, pode-se concluir que, necessariamente, (A) todos os tradutores que falam japonês também falam russo. (B) todos os tradutores que falam alemão também falam coreano. (C) pelo menos um tradutor que fala inglês também fala coreano. (D) nenhum dos tradutores fala japonês e também russo. (E) nenhum dos tradutores fala russo e também alemão. 117. (IBGE – Analista de sistemas - CESGRANRIO/2013) Considere verdadeiras as seguintes premissas: Todas as pessoas que andam de trem moram longe do centro. Todas as pessoas que andam de carro não andam de ônibus. Algumas pessoas andam de ônibus e de trem. Portanto, (A) algumas pessoas que moram próximo do centro andam de carro ou de ônibus. (B) algumas pessoas que moram longe do centro não andam de carro. (C) todas as pessoas que moram próximo do centro andam de trem. (D) algumas pessoas que andam de carro moram longe do centro. (E) todas as pessoas que andam de carro moram longe do centro. 118. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2013) Numa pesquisa com alunos das Fatecs foram feitas, entre outras, duas perguntas: - Você se declara afrodescendente?

- Você fez o ensino médio integralmente em escola pública?

Com os dados obtidos na pesquisa, foi construído o diagrama de Euler-Venn da figura.

No diagrama, considere que: - U é o conjunto universo da pesquisa; - A é o conjunto dos alunos que se declaram afrodescendentes; e - P é o conjunto dos alunos que fizeram o ensino médio integralmente em escola pública.

167

De acordo com os dados do diagrama, o número de alunos consultados que responderam ―Sim‖ às duas perguntas e o número dos que responderam ―Não‖ às duas perguntas são, respectivamente, 78 e 162. (A) 78 e 48. (B) 90 e 60. (C) 90 e 210. (D) 174 e 270. 119. (TCE/RJ – Auditor de controle externo - CESPE/2012) João adora subir e descer degraus, o que faz de um jeito um pouco estranho, mas sistemático. Em cada movimento, João sobe um ou mais degraus e desce zero ou mais degraus. Numa dessas subidas, os primeiros movimentos de João foram: 1. Subiu um e desceu zero 2. Subiu um e desceu um 3. Subiu dois e desceu um 4. Subiu três e desceu dois 5. Subiu cinco e desceu três João pisou pela primeira vez no trigésimo (30) degrau da escada no movimento de número: (A) 6 (B) 7 (C) 8 (D) 9 (E) 10 120. (TCE/RJ – Auditor de controle externo - CESPE/2012) Num campeonato de futebol, todos os times jogaram entre si duas vezes, em turno e returno. Houve 132 jogos. O número de times participando do campeonato era de: (A) 8; (B) 9; (C) 10; (D) 11; (E) 12 121. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2014) Observe que, em cada linha do quadro, a sequencia de algarismos da coluna (II) foi formada a partir da sequencia de algarismos da coluna (I), aplicando-se critérios diferentes para os algarismos impares e para os algarismos pares. Com base nos mesmos critérios, a sequencia de algarismos que substitui, corretamente, o ponto de interrogação da quarta linha e segunda coluna do quadro é (A) 143092 (B) 183496 (C) 321496 (D) 941032 (E) 983416 122. (TCE/RJ – Auditor de controle externo - CESPE/2012) Um cubo feito de madeira maciça clara teve suas faces pintadas de preto. Se esse cubo for serrado regularmente e dividido em 27 cubos, todos do mesmo tamanho, o número dos cubos resultantes com apenas duas de suas faces pintadas de preto é: (A) 8; (B) 12; (C) 16; (D) 20; (E) 24. 123. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2014) O sólido da figura é formado por cubos de aresta 1 cm os quais foram sobrepostos e/ou colocados lado a lado.

168

Para se completar esse sólido, formando um paralelepípedo reto retângulo com dimensões 3 cm O valor mínimo de N e (A) 13. (B) 18. (C) 19. (D) 25. (E) 27. 124. (HUB/EBSERH – Técnico em informática - IBFC/2013) Em uma escola, são conhecidos os seguintes dados sobre os alunos formados no Ensino Médio, em certo ano:

Aprovados em algum vestibular Reprovados nos vestibulares que fizeram Não fizeram vestibular

Rapazes Moças 171 178 95 52

Analisando o quadro acima, percebe-se que alguns dados não foram divulgados. Sabe-se que o total dos alunos formados no Ensino Médio, nesse ano é de 632 e, desses, o número de rapazes é 315. Sobre esta situação hipotética, assinale a RESPOSTA: correta. (A) O número de rapazes formados é maior do que o de moças formadas. (B) O número de rapazes aprovados em algum vestibular é maior do que o de moças aprovadas em algum vestibular. (C) O número de rapazes que não fizeram vestibulares é maior do que o de moças que não fizeram vestibular. (D) O número de todos os alunos aprovados em vestibular é inferior à soma dos reprovados com os que não fizeram. (E) O número total de alunos aprovados em vestibular não atinge a metade dos alunos formados nesse ano. 125. (SEAP/DF - ANALISTA DE COMUNICAÇÃO – IADES/2013) Se todo arquiteto é desenhista, existe professor que é arquiteto, mas algum desenhista não é professor, então é correto afirmar que (A) existe professor que não é arquiteto. (B) existe arquiteto que não é professor. (C) algum professor não é desenhista. (D) todo arquiteto que é professor é também desenhista. (E) algum desenhista 126. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Observe a sequência abaixo e, em seguida, assinale a RESPOSTA: que preenche corretamente o espaço do ponto de interrogação.

169

(A)

(B)

(C)

(D)

(E) 127. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Uma propriedade lógica define a sucessão: JUIZ, FARINHA, MACACO, ABELHA, MALETA, * . Sendo assim, assinale a RESPOSTA: que substitui o asterisco corretamente. (A) PALITO. (B) CABELO. (C) JILÓ. (D) LOUSA. (E) ELEFANTE 128. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Observe a sucessão de vocábulos formados todos com sete letras: LOSANGO – ICEBERG – BRUCUTU – DOIDICE Assinale a RESPOSTA: que apresenta o próximo vocábulo da sucessão acima: (A) NOVENTA (B) LEGISTA (C) MARASMO (D) PROFANO (E) SUPIMPA 129. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Três mulheres, Aline, Beatriz e Carla namoram Roberto, Francisco e Paulo, mas não se sabe quem namora quem. Cada mulher pratica um esporte: atletismo, natação e basquete, mas também não se sabe quem pratica o quê. Sobre esta situação, sabe-se que: I) A moça que joga basquete namora Paulo. II) Carla pratica natação. III) Francisco não namora Carla. IV) Beatriz não joga basquete. Com base nessas informações, é incorreto afirmar que: (A) Paulo é o namorado de A1ine. (B) Roberto namora Carla. 170

(C) Aline joga basquete. (D) Atletismo é o esporte de Beatriz. (E) Beatriz é a namorada de Roberto. 130. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) O conjunto de números abaixo obedece a uma propriedade lógica. Sendo assim, assinale a RESPOSTA: que apresenta um número que pode pertencer a esse conjunto. {539, 403, 4.118, 521, 4, 490, ?} (A) 50.871 (B) 71 (C) 6.244 (D) 873 (E) 44 131. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Analise as palavras abaixo, que formam uma sucessão lógica e, em seguida, assinale a RESPOSTA: que preenche corretamente a lacuna. NENHUM, FREGUÊS, BRINCO, REPETE, PROMOVE, _____________ . (A) BRONZE (B) LIXO (C) MENINO (D) CHAVEIRO (E) HERÓI 132. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) As bandas de rock preferidas de Jonas, Marcelo e Ricardo são, não necessariamente nessa ordem, Metálica, Motöhead e Megadeth. Um deles comprou um CD de sua banda favorita, o outro comprou um DVD e o outro comprou uma camiseta. Sabe-se que: 1. Marcelo comprou um CD. 2. A banda preferida de Ricardo é o Megadeth. 3. Jonas não comprou um DVD e não gosta de Motöhead. Logo, a camiseta o DVD e o CD são, respectivamente, das bandas. (A) Metálica, Motöhead e Megadeth. (B) Megadeth, Motöhead e Metálica. (C) Motöhead, Metálica e Megadeth. (D) Megadeth, Metálica e Motöhead. (E) Metálica, Megadeth e Motöhead. 133. (VALEC – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO - FEMPERJ/2012) Observe a sequência: 121, 119, 116, 112, 107, ... O próximo termo é: (A) 99 (B) 100 (C) 101 (D) 102 (E) 103 134. (VALEC – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO - FEMPERJ/2012) Minha idade somada com as de meus dez irmãos é igual a 334. Se ninguém falecer, daqui a doze anos a soma de nossas idades será igual a: (A) 346 (B) 398 (C) 454 (D) 462 (E) 466

171

135. (BRDE – ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Complete o elemento faltante, considerando a sequência a seguir: 1 2 4 8 ? 32 64 (A) 26 (B) 12 (C) 20 (D) 16 (E) 34 136. (BRDE – ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Assinale a RESPOSTA: que apresenta a ordem em que os 5 retângulos foram colocados.

(A) TQRZP (B) PZRQT (C) RTZPQ (D) ZPRTQ (E) PZRTQ 137. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Dois amigos disputavam um jogo, no qual é atribuído três pontos por vitória e é retirado dois pontos por derrota em cada rodada. Sabendo que ambos começaram com 10 pontos, que um deles ganhou exatamente quatro rodadas e o outro terminou o jogo com 11 pontos, então, quantas rodadas os amigos jogaram? (A) 5 (B) 6 (C) 7 (D) 8 (E) 9 (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Considerando que 300 pessoas tenham sido selecionadas para trabalhar em locais de apoio na próxima copa do mundo e que 175 dessas pessoas sejam do sexo masculino, julgue o seguinte item. (questões 138 a 140) 138. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se, em um dia de jogo, funcionarem 24 postos de apoio e se cada posto necessitar de 6 mulheres e 6 homens, então a quantidade de pessoas selecionadas será suficiente. ( ) CERTA ( ) ERRADA 139. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) É impossível dividir as 300 pessoas em grupos de modo que todos os grupos tenham a mesma quantidade de mulheres e a mesma quantidade de homens. ( ) CERTA ( ) ERRADA 140. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Considere que 50 locais de apoio sejam espalhados pela cidade. Considere ainda que cada um deles necessite, para funcionar corretamente, de 3 pessoas trabalhando por dia, independentemente do sexo. Nessa situação, se todas as pessoas selecionadas forem designadas para esses locais de apoio e se cada uma delas intercalar um dia de trabalho com um dia de folga ou vice-versa, então os postos funcionarão da forma desejada. ( ) CERTA ( ) ERRADA 172

141. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) Em um ano de 365 dias, quantas vezes, no máximo, pode ocorrer sexta-feira 13? (A) 5 (B) 4 (C) 3 (D) 2 (E) 1 142. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) O professor Epaminondas, no primeiro dia de aula, apostou que, entre os alunos daquela classe, pelo menos dois fariam aniversário no mesmo dia do mês. O professor tinha certeza de que ganharia a aposta, pois naquela classe o número de alunos era maior ou igual a (A) 15 (B) 32 (C) 28 (D) 31 (E) 30 143. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) Numa biblioteca há 2500 livros. Nenhum tem mais de 500 páginas. Pode-se afirmar que: (A) O número total de páginas é superior a 500.000 (B) Há pelo menos 3 livros com o mesmo número de páginas (C) Existe algum livro com menos de 50 páginas (D) Existe pelo menos um livro com exatamente 152 páginas (E) O número total de páginas é inferior a 900.000 144. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) Uma floresta tem 1.000.000 de árvores. Nenhuma tem mais de 300.000 folhas. Então: (A) Duas árvores quaisquer nunca terão o mesmo número de folhas (B) Há pelo menos uma árvore com uma só folha (C) Existem pelo menos duas árvores com o mesmo número de folhas (D) O número médio de folhas por árvore é 150.000 (E) O número total de folhas na floresta pode ser maior que 1012 145. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) João é mais velho que Pedro, que é mais novo que Carlos; Antônio é mais velho do que Carlos, que é mais novo do que João. Antônio não é mais novo do que João e todos os quatros meninos tem idades diferentes. O mais jovem é: (A) João (B) Antônio (C) Pedro (D) Carlos (E) Impossível de identificar a partir dos dados apresentados. 146. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) Considerando que em uma festa existem 15 pessoas, não podemos afirmar que: (A) Pelo menos duas nasceram no mesmo mês do ano. (B) Pelo menos três nasceram no mesmo dia da semana. (C) Se uma pessoa conhece as demais então existem pelo menos duas com o mesmo número de conhecidos (o conhecer alguém é recíproco). (D) Se uma pessoa não conhece ninguém então pode não existir duas pessoas com o mesmo número de conhecidos (o conhecer alguém é recíproco). (E) A diferença de idade "em anos" de duas delas é um múltiplo de 14. 147. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) Uma caixa contém 900 cartões, numerados de 100 a 999. Retiramos ao acaso (sem reposição) cartões da caixa e anotamos a soma dos seus algarismos. Qual a menor quantidade de cartões que devem ser retirados da caixa para garantirmos que pelo menos 3 destas somas sejam iguais? (A) 51 173

(B) (C) (D) (E)

52 53 54 55

148. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) Três amigos, Brener, Flávio e Choquito, foram ao mercado com suas mulheres: Maria, Bráulia e Ana. Não se sabe quem casado com quem. Isto pode ser descoberto com base nos dados seguintes: cada uma destas seis pessoas pagou, para cada objeto comprado, tantos reais quantos objetos comprou. Cada homem gastou 48 reais a mais do que sua mulher. Além disso, Brener comprou 9 objetos a mais que Ana e Flávio 7 objetos a mais que Maria. Podemos afirmar que Flávio é marido de: (A) Bráulia (B) Maria (C) Ana (D) Nada se pode afirmar (E) Duas delas 149. (Receita Federal - Auditor Fiscal - ESAF/2013) A afirmação "A menina tem olhos azuis ou o menino é loiro" tem como sentença logicamente equivalente: (A) Se o menino é loiro, então a menina tem olhos azuis. (B) Se a menina tem olhos azuis, então o menino é loiro. (C) Se a menina não tem olhos azuis, então o menino é loiro. (D) Não é verdade que se a menina tem olhos azuis, então o menino é loiro. (E) Não é verdade que se o menino é loiro, então a menina tem olhos azuis. 150. (TRT 1ª Região - Técnico Judiciário - FCC/2012) Há dois casais (marido e mulher) dentre Carolina, Débora, Gabriel e Marcos. A respeito do estado brasileiro (E) e da região do Brasil (R) que cada uma dessas quatro pessoas nasceu, sabe-se que: - Carolina nasceu na mesma R que seu marido, mas E diferente; - Gabriel nasceu no Rio de Janeiro, e sua esposa na região Nordeste do Brasil; - Os pais de Marcos nasceram no Rio Grande do Sul, mas ele nasceu em outra R; - Débora nasceu no mesmo E que Marcos. É correto afirmar que: (A) Marcos nasceu na mesma R que Gabriel. (B) Carolina e Débora nasceram na mesma R. (C) Gabriel é marido de Carolina. (D) Marcos não é baiano. 151. (PC/DF - Perito Criminal - FUNIVERSA/2012) Cinco amigos encontraram-se em um bar e, depois de algumas horas de muita conversa, dividiram igualmente a conta, a qual fora de, exatos, R$ 200,00, já com a gorjeta incluída. Como se encontravam ligeiramente alterados pelo álcool ingerido, ocorreu uma dificuldade no fechamento da conta. Depois que todos julgaram ter contribuído com sua parte na despesa, o total colocado sobre a mesa era de R$ 160,00, apenas, formados por uma nota de R$ 100,00, uma de R$ 20,00 e quatro de R$ 10,00. Seguiram-se, então, as seguintes declarações, todas verdadeiras: Antônio: — Basílio pagou. Eu vi quando ele pagou. Danton: — Carlos também pagou, mas do Basílio não sei dizer. Eduardo: — Só sei que alguém pagou com quatro notas de R$ 10,00. Basílio: — Aquela nota de R$ 100,00 ali foi o Antônio quem colocou, eu vi quando ele pegou seus R$ 60,00 de troco. Carlos: — Sim, e nos R$ 60,00 que ele retirou, estava a nota de R$ 50,00 que o Eduardo colocou na mesa. Imediatamente após essas falas, o garçom, que ouvira atentamente o que fora dito e conhecia todos do grupo, dirigiu-se exatamente àquele que ainda não havia contribuído para a despesa e disse: O

174

senhor pretende usar seu cartão e ficar com o troco em espécie? Com base nas informações do texto, o garçom fez a pergunta a: (A) Antônio (B) Basílio (C) Carlos (D) Danton (E) Eduardo 152. (TJM/SP - Analista de Sistemas – Vunesp/2012) Se afino as cordas, então o instrumento soa bem. Se o instrumento soa bem, então toco muito bem. Ou não toco muito bem ou sonho acordado. Afirmo ser verdadeira a frase: não sonho acordado. Dessa forma, conclui-se que (A) Sonho dormindo. (B) O instrumento afinado não soa bem. (C) As cordas não foram afinadas. (D) Mesmo afinado o instrumento não soa bem. (E) Toco bem acordado e dormindo. 153. (TJ/RJ - Analista Judiciário - FCC/2012) Considere a seguinte análise, feita por um comentarista esportivo durante um torneio de futebol. Se o Brasil vencer ou empatar o jogo contra o Equador, então estará classificado para a semifinal, independentemente de outros resultados. Classificando-se para a semifinal, a equipe brasileira vai enfrentar o Uruguai. De acordo com essa análise, conclui-se que se o Brasil (A) Não enfrentar o Uruguai, necessariamente terá perdido o jogo para o Equador. (B) Não se classificar para a semifinal, terá necessariamente empatado o jogo com o Equador. (C) Enfrentar o Uruguai, necessariamente terá vencido ou empatado seu jogo contra o Equador. (D) Perder seu jogo contra o Equador, necessariamente não se classificará para a semifinal. (E) Se classificar para a semifinal, então necessariamente não terá sido derrotado pelo Equador. 154. (TCE/SP - Agente de Fiscalização Financeira - FCC/2012) Se a tinta é de boa qualidade então a pintura melhora a aparência do ambiente. Se o pintor é um bom pintor até usando tinta ruim a aparência do ambiente melhora. O ambiente foi pintado. A aparência do ambiente melhorou. Então, a partir dessas afirmações, é verdade que: (A) O pintor era um bom pintor ou a tinta era de boa qualidade. (B) O pintor era um bom pintor e a tinta era ruim. (C) A tinta não era de boa qualidade. (D) A tinta era de boa qualidade e o pintor não era bom pintor. (E) Bons pintores não usam tinta ruim. 155. (PGE/BA - Assistente de Procuradoria - FCC/2013) Eu sou homem. O filho de Cláudio é pai do meu filho. Nesse caso, o que eu sou de Cláudio? (A) Avô (B) Neto (C) Filho (D) Bisavô (E) Pai 156. (BAHIAGÁS – Técnico de Processos Organizacionais – FCC/2012) Observe a sequência que foi criada com uma lógica matemática: 7; 29; quarenta; 8; 11; vinte; 3; 31; trinta; 5; 73; oitenta; 6; 52; ……. A palavra que completa o espaço é: (A) noventa. (B) sessenta. (C) trinta. (D) vinte. (E) dez. 175

157. (Administração - VESTIBULAR - FGV/2012) Os habitantes de certo país podem ser classificados em políticos e não políticos. Todos os políticos sempre mentem e todos os não políticos sempre falam a verdade. Um estrangeiro, em visita ao referido país, encontra-se com 3 nativos, I, II, III. Perguntando ao nativo I se ele é político, o estrangeiro recebe uma RESPOSTA que não consegue ouvir direito. O nativo II informa, então, que I negou ser um político. Mas o nativo III afirma que I é realmente um político. Quantos dos 3 nativos são políticos? (A) Zero (B) Um (C) Dois (D) NDA 158. (TRF 5ª REGIÃO – Técnico Judiciário – FCC/2012) Observe o diagrama.

Usando a mesma ideia, é possível determinar os números do interior de cada um dos 4 círculos do diagrama a seguir.

Desses quatro números, o: (A) maior é 6 (B) menor é 4 (C) menor é 3 (D) maior é 12 (E) maior é 9 159. (TRT/Mato Grosso - Analista Judiciário – FCC/2014) A figura indica três símbolos, dispostos em um quadrado de 3 linhas e 3 colunas, sendo que cada símbolo representa um número inteiro. Ao lado das linhas e colunas do quadrado, são indicadas as somas dos correspondentes números de cada linha ou coluna, algumas delas representadas pelas letras X, Y e Z.

176

Nas condições dadas. X + Y + Z é igual a (A) 17 (B) 18 (C) 19 (D) 20 (E) 21 160. (TRT 24ª Região – Técnico Judiciário - FCC/2013) Sabe-se que Vitor e Valentina trabalham como Auxiliares de Enfermagem em uma empresa e, sistematicamente, seus respectivos plantões ocorrem a cada 8 dias e a cada 6 dias. Assim sendo, se no último dia de Natal – 25/12/2010 – ambos estiveram de plantão, então, mantido o padrão de regularidade, uma nova coincidência de datas de seus plantões em 2011, com certeza, NÃO ocorrerá em: (A) 18 de janeiro. (B) 10 de fevereiro. (C) 31 de março. (D) 24 de abril. (E) 18 de maio. 161. (BAHIAGÁS – Técnico de Processos Organizacionais – FCC/2013) Observe a sequência que foi criada com uma lógica matemática: 7; 29; quarenta; 8; 11; vinte; 3; 31; trinta; 5; 73; oitenta; 6; 52; ……. A palavra que completa o espaço é: (A) Noventa. (B) Sessenta. (C) Trinta. (D) Vinte. (E) Dez. 162. (TJ/SE – Técnico Judiciário – FCC/2013) Considere que os dois primeiros pares de palavras foram escritos segundo determinado critério. Temperamento – totem Traficante – tetra Massificar – ? De acordo com esse mesmo critério, uma palavra que substituiria o ponto de interrogação é: (A) Ramas. (B) Maras. (C) Armas. (D) Sambar. (E) Asmar. 163. (TRT 24ª REGIÃO – Técnico Judiciário – FCC/2013) Certo escritório anunciou uma vaga para escriturários e uma das formas de seleção dos candidatos era testar sua habilidade em digitar textos, em que cada um recebia uma lista com uma sucessão de códigos, que deveria ser copiada. Embora não fosse um bom digitador, Salomão concorreu a essa vaga e o resultado de seu teste é mostrado abaixo.

177

O número de erros cometidos por Salomão foi igual a: (A) 7. (B) 8. (C) 9. (D) 10. (E) 11. 164. (TRT 22ª Região – Técnico Judiciário – FCC/2012) No esquema abaixo, considere a relação existente entre o primeiro e o segundo grupos de letras, a contar da esquerda. A mesma relação deve existir entre o terceiro grupo e o quarto, que está faltando. A C E B : D F H E :: L N P M : ? O grupo de letras que substitui corretamente o ponto de interrogação é (A) N P R O (B) N Q S R (C) O Q S P (D) O R T P (E) P R T Q 165. (DNOCS - Agente Administrativo – FCC/2013) Três Agentes Administrativos – Almir, Noronha e Creuza – trabalham no Departamento Nacional de Obras Contra as Secas: um, no setor de atendimento ao público, outro no setor de compras e o terceiro no almoxarifado. Sabe-se que: - Esses Agentes estão lotados no Ceará, em Pernambuco e na Bahia; - Almir não está lotado na Bahia e nem trabalha no setor de compras; - Creuza trabalha no almoxarifado; - O Agente lotado no Ceará trabalha no setor de compras. Com base nessas informações, é correto afirmar que o Agente lotado no Ceará e o Agente que trabalha no setor de atendimento ao público são, respectivamente, (A) Almir e Noronha. (B) Creuza e Noronha. (C) Noronha e Creuza. (D) Creuza e Almir. (E) Noronha e Almir. 166. (METRÔ/SP - AGENTE DE SEGURANÇA - FCC/2012) Suponha que às 5h30min de certo dia, dois trens da Companhia do Metropolitano de São Paulo partiram simultaneamente de um mesmo terminal T e seguiram por linhas diferentes. Considerando que a cada 78 minutos da partida um dos trens retorna a T, enquanto que o outro o faz a cada 84 minutos, então, nesse dia, ambos se encontraram novamente em T às: A) 19h42min. B) 21h48min. C) 21h36min. D) 23h42min. E) 23h48min.

178

167. (TCE/SP - Agente de Fiscalização Financeira – FCC/2012) Na figura, o segmento AB mede 20 m e o ponto E situa-se exatamente na metade dessa distância. O segmento BC mede 20 m e o ponto F situa-se exatamente na metade dessa distância. O segmento AC mede 20 m e o ponto D situase exatamente na metade dessa distância. O segmento DE mede 10 m e o ponto H situa-se exatamente na metade dessa distância. O segmento EF mede 10 m e o ponto I situa-se exatamente na metade dessa distância. O segmento DF mede 10 m e o ponto G situa-se exatamente na metade dessa distância. Os segmentos GH, HI e GI apresentam a mesma medida e é 5 m. A distância percorrida por um caminhante que caminha sobre os lados da figura seguindo uma única vez o percurso sugerido pelas letras ABCDEFGHI é, em metros,

(A) (B) (C) (D) (E)

85. 90. 95. 100. 105.

168. (TCE/SP – Agente de Fiscalização Financeira - FCC/2012) Considere as informações disponíveis sobre três amigos que jogam futebol: I. Um é atacante, o outro goleiro e o outro zagueiro; II. Marcelo é atacante; III. Jonas não é o mais baixo dos três; IV. Bruno é mais alto que o goleiro. É correto afirmar que: (A) Bruno é o mais alto dos três; (B) Jonas é zagueiro; (C) Jonas é o mais alto dos três; (D) Bruno é mais baixo que Marcelo; (E) Marcelo é mais alto que Jonas. 169. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2014) Um quebra-cabeça e composto por apenas três pecas que, quando encaixadas corretamente, formam o retângulo da figura

Assinale a RESPOSTA: que apresenta as três peças que permitem montar esse quebra-cabeça. (A)

(B)

179

(C)

D)

E)

170. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2013) Seja M um subconjunto finito do conjunto dos números inteiros. Sobre os elementos de M, considere as seguintes informações: - 40 são números primos; - 50 são números positivos; - 14 são números não primos e não positivos e - 8 são números primos e positivos. Considerando M o subconjunto dos inteiros com menor número de elementos que satisfazem, simultaneamente, as informações, pode-se afirmar corretamente que em M há (A) 112 elementos. (B) 64 números que não são primos. (C) 90 números que são primos ou positivos. (D) 42 números que são positivos e não primos. (E) 36 números que são primos e não positivos. 171. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2013) A figura mostra a planificação de um cubo, que apresenta imagens em suas faces.

O cubo montado a partir dessa planificação é

A)

180

B)

C)

D)

E) 172. (TCE/SP – Agente de Fiscalização Financeira - FCC/2012) 165189715 é para a palavra ―perigo‖ o mesmo que 21141141 é para a palavra: (A) abaixo; (B) cinema; (C) boneca; (D) banana; (E) gravita. 173. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2013) Uma folha de papel retangular foi dobrada em três partes congruentes, conforme a sequência apresentada na figura do retângulo obtido, foram recortados um semicírculo e um triângulo retângulo isósceles, conforme figura 2.

A)

B)

D)

C)

E)

174. (DNIT - Técnico de Suporte em Infraestrutura de Transportes - ESAF/2012) No reino de Leones, em 1995, o setor público e o setor privado empregavam o mesmo número de pessoas. De 1995 para 2000, o número de empregados no setor público decresceu mais do que cresceu o número de empregados no setor privado. Curiosamente, porém, a taxa de desemprego no reino (medida pela razão entre o número total de desempregados e o número total da força de trabalho) permaneceu exatamente a mesma durante o período 1995-2000. Ora, sabe-se que as estatísticas econômicas e demográficas, em Leones, são extremamente precisas. Sabe-se, ainda, que toda a pessoa que faz parte da força de trabalho do reino encontra-se em uma e em somente uma das seguintes situações: a) está desempregada; b) está empregada no setor público; 181

c) está empregada no setor privado. Pode-se, portanto, concluir que, durante o período considerado (1995-2000), ocorreu em Leones necessariamente o seguinte: (A) A força de trabalho total diminuiu. (B) O emprego total aumentou. (C) O total de desempregados permaneceu constante. (D) Os salários pagos pelo setor privado aumentaram, em média, mais do que os do setor público. (E) Um número crescente de pessoas procuraram trabalho no setor privado. 175. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2014) Comparando-se uma palavra de quatro letras distintas com as palavras BIFE, FEIA, FOME, BAFO, MATE e PEMA observa-se que BIFE FEIA FOME BAFO MATE PEMA

Não tem letras em comum com ela. Tem uma única letra em comum com ela, mas que não está na mesma posição. Tem uma única letra em comum com ela, mas não está na mesma posição. Tem exatamente duas letras em comum com ela, e essas duas letras estão nas mesmas posições na palavra procurada. Tem exatamente duas letras em comum com ela, e essas duas letras estão nas mesmas posições na palavra procurada. Tem exatamente duas letras em comum com ela, uma na mesma posição e a outra não.

De acordo com as informações dadas, é correto concluir que a palavra e o nome de (A) uma ave. (B) uma flor. (C) uma fruta. (D) um peixe. (E) um mamífero. 176. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2013) Os números colocados nos patamares da pirâmide seguem uma sequência lógica. O número que se deve colocar no topo dessa pirâmide é

(A) (B) (C) (D) (E)

768. 1 068. 3 072. 3 840. 4 831.

177. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2012) Sabe-se que todo o número inteiro n maior do que 1 admite pelo menos um divisor (ou fator) primo. Se n é primo, então tem somente dois divisores, a saber, 1 e n. Se n é uma potência de um primo p, ou seja, é da forma ps, então 1, p, p2, ..., ps são os divisores positivos de n. Segue-se daí que a soma dos números inteiros positivos menores do que 100, que têm exatamente três divisores positivos, é igual a: (A) 25 (B) 87 (C) 112 (D) 121 (E) 169

182

178. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2013) Seja seguir.

Após deslizar a figura pelo plano se obter

(A)

B)

D)

E)

o plano que contém a figura plana a

, isto é, realizar translação ou rotação da figura no plano

, pode-

C)

179. (FATEC/SP - Professor Associado - FATEC/2013) Considere as seguintes informações: - O átomo de carbono tem o triplo do número de prótons que tem o átomo de hélio; - o átomo de hidrogênio tem a metade do número de prótons que tem o átomo de hélio; - o átomo de argônio tem o triplo do número de prótons que tem o átomo de carbono. Com base nessas informações, conclui-se que a razão entre o número de prótons do átomo de argônio e o número de prótons do átomo de hidrogênio é, nesta ordem, igual a (A) 3. (B) 6. (C) 9. (D) 12. (E) 18. 180. (IBGE – Analista de sistemas - CESGRANRIO/2013) Um professor escolheu três alunos de sua turma para fazerem seminários sobre medidas de tendência central: João, Carlos e Maria. A média aritmética, a mediana e a moda foram as medidas escolhidas pelo professor para serem os temas dos seminários. Cada um dos alunos abordou apenas uma das três medidas de tendência central, sendo que, ao final, cada uma delas foi tema de algum seminário. Sabe-se que: - Sobre a mediana, falou João ou Maria; - Sobre a moda, falou Maria ou Carlos; - Sobre a média aritmética, falou Carlos ou Maria; - Ou João falou sobre a média aritmética, ou Carlos falou sobre a moda. A média aritmética, a mediana e a moda foram, respectivamente, os temas dos seminários de (A) Carlos, João e Maria (B) Carlos, Maria e João (C) Maria, João e Carlos 183

(D) Maria, Carlos e João (E) João, Maria e Carlos 181. (IBGE – Analista de sistemas - CESGRANRIO/2013) O agente secreto 0,7 resolve criar um sistema de códigos secretos que consiste em fazer cada letra do alfabeto corresponder a um número e, em seguida, tomar uma palavra, ou uma disposição qualquer de letras (tendo ou não significado), e multiplicar os valores de suas letras, obtendo, dessa forma, o código. O valor atribuído a uma letra será sempre o mesmo, onde quer que ela apareça. Assim, ele encontrou os códigos para as seguintes palavras: GEOGRAFIA = 56 e AGORA = 24. Sabendo-se que o número que corresponde à letra F é o dobro do número atribuído à letra B, o código de IBGE é (A) 7/6 (B) 7/4 (C) 7/2 (D) 8/3 (E) 8/5 182. (IBGE – Analista de sistemas - CESGRANRIO/2013) Três homens, Ari, Beto e Ciro, e três mulheres, Laura, Marília e Patrícia, formam três casais (marido e mulher). Dentre as mulheres, há uma médica, uma professora e uma advogada. A mulher de Ari não se chama Patrícia e não é professora. Beto é casado com a advogada, e Ciro é casado com Laura. As profissões de Laura, Marília e Patrícia são, respectivamente (A) advogada, médica e professora (B) advogada, professora e médica (C) professora, médica e advogada (D) professora, advogada e médica (E) médica, professora e advogada Atenção: Para responder às questões abaixo, considere as informações abaixo: Uma corretora de seguros negocia cinco tipos de apólices de seguros denominadas I, II, III, IV e V. Nos primeiros vinte dias do mês, a corretora negociou 1.240 apólices. O Gráfico A mostra a participação, em porcentagem, de cada um dos tipos de apólice nesses 1.240 negócios. O Gráfico B mostra, em porcentagem, a meta de participação nos negócios a ser alcançada até o fim do mês por tipo de apólice. Sabe-se que a meta a ser atingida é a de negociação de 1.500 apólices no mês.

183. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) O número de negociações, ainda necessárias, da apólice V, para alcançar exatamente a meta prevista para ela, é: (A) 75. (B) 163. (C) 124. (D) 62. (E) 225.

184

184. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) O tipo de apólice que deve ser menos negociada, no tempo que ainda falta, para que a meta seja exatamente atingida, é a apólice: (A) IV. (B) II. C) III. (D) I. (E) V. 185. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) Considere que os preços de negociação das apólices sejam 1 unidade monetária para a apólice I, 2 unidades monetárias para a apólice II, 3 unidades monetárias para a apólice III, 4 unidades monetárias para a apólice IV e 5 unidades monetárias para a apólice V. Se a meta mensal de 1.500 negociações, com participação conforme descrito no gráfico B, for atingida, a participação da apólice IV na arrecadação total das negociações realizadas nesse mês, em porcentagem aproximada, é igual a: (A) 48. (B) 40. (C) 35. (D) 45. (E) 42. 186. (IBGE – Analista de sistemas - CESGRANRIO/2013) Ariovaldo escolheu um número natural de 5 algarismos e retirou dele um de seus algarismos, obtendo assim um número de 4 algarismos (por exemplo, se o número escolhido é 56.787 e o algarismo retirado é o 8, então o número obtido é 5.677). A soma do número inicial de 5 algarismos, escolhido por Ariovaldo, com o de 4 algarismos, obtido retirando-se um dos algarismos do número escolhido, é 81.937. O algarismo retirado do número inicial de 5 algarismos foi o algarismo das (A) dezenas de milhares (B) unidades de milhares (C) centenas (D) dezenas (E) unidades 187. (Banco do Brasil – Assistente Técnico-Administrativo – FCC/2014) Em um argumento, as seguintes premissas são verdadeiras: - Se o Brasil vencer o jogo, então a França não se classifica. - Se a França não se classificar, então a Itália se classifica. - Se a Itália se classificar, então a Polônia não se classifica. - A Polônia se classificou. Logo, pode-se afirmar corretamente que: (A) a Itália e a França se classificaram. (B) a Itália se classificou e o Brasil não venceu o jogo. (C) a França se classificou ou o Brasil venceu o jogo. (D) a França se classificou e o Brasil venceu o jogo. (E) a França se classificou se, e somente se, o Brasil venceu o jogo. 188. (SEAP/DF - ANALISTA DE COMUNICAÇÃO – IADES/2013) Em uma eleição para prefeitos, o partido X venceu em todas as capitais com mais de 2 milhões de habitantes, exceto as do Nordeste. Sabendo que esse partido venceu na capital Y, é correto afirmar: (A) Nada se pode afirmar sobre o número de habitantes de Y ou sua localização. (B) Y tem mais de 2 milhões de habitantes ou não está no Nordeste. (C) Y tem mais de 2 milhões de habitantes e não está no Nordeste. (D) Y tem mais de 2 milhões de habitantes. (E) Y não está no Nordeste 189. (SEAP/DF - ANALISTA DE COMUNICAÇÃO – IADES/2013) Rodrigo, Alberto, Carlos e Teresa votaram na última eleição presidencial. Um deles votou no candidato X, Carlos votou em branco e os outros votaram no candidato Y. Um dos que votaram em Y é pernambucano, Teresa é goiana e os demais são um catarinense e um paulista. 185

Com base nessas informações, e sabendo-se que Rodrigo não é de Pernambuco, é correto afirmar: (A) Alberto votou em Y. (B) Rodrigo é paulista. (C) Teresa votou em X. (D) O catarinense é Carlos. (E) Quem votou em X foi o catarinense. 190. (TRE/SC – Analista – FAPEU/2014) Em um determinado país, toda família com renda inferior a $100 e com crianças, ou que inclua gestantes e tenha renda de até $150, tem direito a receber auxílio de um programa governamental. Se certa família desse país não tiver direito a esse auxílio, isso significa que ela: (A) Não inclui nem crianças nem gestantes. (B) Tem renda superior a $150 e não inclui nem crianças nem gestantes. (C) Tem renda superior a $150 ou não inclui nem crianças nem gestantes. (D) Tem renda inferior a $100 mas não inclui crianças, ou tem renda inferior a $150 mas não inclui gestantes. (E) Tem renda superior a $150, ou tem renda entre $100 e $150 mas não inclui gestantes, ou não tem crianças nem gestantes. 191. (TRE/SC – Analista – FAPEU/2014) O partido P somente iria lançar candidato próprio à prefeitura de Florianópolis se o político X aceitasse se candidatar, mas ele só se candidataria se recebesse o apoio do governador. Este, por sua vez, não daria seu apoio se P não se coligasse ao partido Q. Com base nessa informação e sabendo-se que X não se candidatou, tudo o que se pode concluir é que: (A) P não se coligou a Q (B) X não recebeu o apoio do governador. (C) P não lançou candidato próprio. (D) P não lançou candidato próprio e X não recebeu o apoio do governador. (E) P não lançou candidato próprio, X não recebeu o apoio do governador, e P não se coligou a Q 192. (TRT/BA – Técnico Judiciário - FCC/2013) A ―Guerra dos Mil Dias‖ foi uma guerra civil que ocorreu na Colômbia, tendo começado no ano de 1899. Considerando que o conflito tenha durado exatamente 1000 dias, é possível concluir, apenas com as informações fornecidas, que seu término (A) pode ter ocorrido no ano de 1902 ou de 1903. (B) ocorreu, certamente, no ano de 1901. (C) pode ter ocorrido no ano de 1901 ou de 1902. (D) ocorreu, certamente, no ano de 1903. (E) ocorreu, certamente, no ano de 1902. 193. (TRT/BA – Técnico Judiciário - FCC/2013) Analisando a tabela de classificação do campeonato de futebol amador do bairro antes da realização da última rodada, o técnico do União concluiu que, caso seu time vencesse sua última partida ou o time do Camisa não ganhasse seu último jogo, então o União seria campeão. Sabendo que o União não se sagrou campeão, pode-se concluir que, necessariamente (A) a Camisa venceu seu jogo e o União empatou ou perdeu o seu. (B) o Camisa perdeu seu jogo e o União perdeu o seu. (C) o Camisa venceu seu jogo e o União venceu o seu. (D) o Camisa empatou seu jogo e o União empatou ou perdeu o seu. (E) o Camisa empatou seu jogo e o União venceu o seu. 194. (TRT/BA – Técnico Judiciário - FCC/2013) Pretende-se pintar alguns dos 25 quadradinhos do quadriculado 5×5 mostrado na figura a seguir.

186

O número máximo de quadradinhos que poderão ser pintados de modo que quaisquer dos quadradinhos pintados nunca possuam um lado comum é igual a (A) 9 (B) 10 (C) 12 (D) 13 (E) 15 195. (PC/PR- Delegado de Polícia - COPS/UEL/2013) Observe a figura a seguir.

Se essa figura representa a planificação de um cubo, então a face oposta à face D é dada por: (A) A (B) B (C) C (D) E (E) F 196. (PC/PR- Delegado de Polícia - COPS/UEL/2013) Para exercitar as diversas habilidades que um soldado deve ter (memorização, respeito a comandos, equilíbrio, senso espacial, preparo físico), um comandante executa a seguinte prática: posiciona seus 5 soldados em fila, um ao lado do outro, numera-os de 1 a 5, informa que a comunicação entre eles deverá ser feita pela numeração, coloca uma venda em seus olhos e explica os 3 movimentos a serem executados (posição de descanso, posição de ataque e inversão de posição, que significa passar para a posição anterior àquela em que estavam). Isso posto, inicia os comandos: I. Todos em posição de descanso. II. Soldados cuja numeração é par, em posição de ataque. III. Soldados cuja numeração é um múltiplo de 3, invertam sua posição. IV. Soldados cuja numeração é um múltiplo de 4, invertam sua posição. V. Soldados cuja numeração é um múltiplo de 5, invertam sua posição. Após os cinco comandos, o comandante solicita a um dos soldados que responda quais deles se mantêm na posição de descanso. Assinale a RESPOSTA: que apresenta, corretamente, a RESPOSTA à pergunta do comandante. (A) 1 e 3 (B) 1 e 4 (C) 2 e 4 (D) 2 e 5 (E) 3 e 5 197. (PC/PR- Delegado de Polícia - COPS/UEL/2013) A figura, a seguir, mostra a configuração de um tabuleiro 3 × 3 com peças pretas e brancas.

O movimento de cada uma das peças parece a letra L, ou seja, 2 casas verticalmente e, em seguida, 1 casa horizontalmente; ou 2 casas horizontalmente e, em seguida, 1 casa verticalmente. Uma peça 187

pode pular outra peça, mas não pode sair do tabuleiro, e as peças não podem se sobrepor. Seguindo essas orientações, movimente cada uma das peças desse tabuleiro uma única vez e, posteriormente, assinale a RESPOSTA: que apresenta uma configuração possível de ser obtida.

198. (TRT 9ª Região – Técnico Judiciário – FCC/2013) Uma senha formada por três letras distintas de nosso alfabeto possui exatamente duas letras em comum com cada uma das seguintes palavras: ARI, RIO e RUA. Em nenhum dos três casos, porém, uma das letras em comum ocupa a mesma posição na palavra e na senha. A primeira letra dessa senha é: (A) R (B) O (C) L (D) I (E) A 199. (AL/PE - Analista Legislativo - FCC/2014) Quatro tipos de doces diferentes são embalados em caixas de mesmo formato e aparência, a não ser pelo rótulo indicativo do tipo de doce nela contido. Por equívoco, os rótulos das quatro caixas foram trocados de forma que nenhum deles corresponde ao doce nela contido. Por meio do uso do raciocínio lógico, o menor número de caixas que precisam ser abertas para que se possa ter certeza do conteúdo contido nas quatro caixas é (A) 3. (B) 2. (C) 1. (D) 0. (E) 4. 200. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP – APOF - ESAF/2012) Num acampamento escolar com crianças que supostamente comem a mesma quantidade de comida por dia, havia comida suficiente para exatamente 60 dias. Passados 20 dias, chegaram inesperadamente mais vinte crianças que supostamente comiam a mesma quantidade de comida por dia que as que estavam acampadas e que ficaram 10 dias no local antes de seguirem viagem. Se, ao fim de 50 dias, a contar do início do acampamento, as crianças tiveram que ir embora porque a comida havia acabado, quantas eram elas? (A) 20 (B) 60 (C) 30 (D) 120 (E) 10 201. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP - APOF – ESAF2012) Em uma cidade, às 15 horas, a sombra de um poste de 10 metros de altura mede 20 metros e, às 16 horas do mesmo dia, a sombra deste mesmo poste mede 25 m. Por interpolação e extrapolação lineares, calcule quanto mediria a sombra de um poste de 20 metros, na mesma cidade, às 15h30min do mesmo dia. (A) 20m (B) 35m (C) 65m (D) 50m (E) 45m 188

202. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2013) Efetuando as multiplicações 2 × 2 , 4 × 4 , 6 × 6 , 8 × 8 , ... , obtemos uma sequência de números representada a seguir pelos seus quatro primeiros elementos: (4 , 16 , 36 , 64 , ... ). Seguindo a mesma lógica, o 1000° elemento dessa sequência será 4.000.000 e o 1001° elemento será 4.008.004. Dessa forma, o 1002° elemento será (A) 4.016.008. (B) 4.008.036. (C) 4.016.036. (D) 4.008.016. (E) 4.016.016. 203. (STJ - Técnico Judiciário - Cespe/UnB/2013) Com base nessas informações, julgue os itens a seguir relativos aos jovens internados nas unidades da FEBEM de São Paulo. I - O numero de jovens do sexo feminino e superior a 100. II - A quantidade de jovens com 16 anos de idade supera a de jovens com 15 anos em mais de 100% desta. III - O furto corresponde a mais de 10% do total do conjunto das ―INFRACOES MAIS FREQUENTES‖ citadas. IV - A expressão ― 70% devem estar fora da FEBEM‖ , apresentada como ―SOLUCAO‖, refere-se aos 73,4% responsáveis pelas ― INFRACOES FREQUENTES‖ citadas. V - De acordo com a ― SOLUCAO‖ apresentada, o numero de jovens que podem ou devem permanecer na FEBEM e superior a 1.100. A quantidade de itens certos e igual a: (A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 (E) 5 204. (TRT 6ª Região - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2012) Considere que a cesta básica tenha seu preço majorado a cada mês, de acordo com a inflação mensal. Se, em dois meses consecutivos, a inflação foi de 5% e 10%, então a cesta básica, nesse período, foi majorada em exatamente 15%. Julgue esta proposição. ( ) CERTA ( ) ERRADA 205. (STJ - Técnico Judiciário - Cespe/UnB/2013) A tabela acima apresenta dados sobre a produção e a venda de automóveis de três montadoras, no mês de abril. Sabendo-se que nesse mesmo mês as três montadoras venderam 79% dos 10.000 automóveis produzidos, o valor de y na tabela e igual a: (A) 90; (B) 80; (C) 65; (D) 50; (E) 30. (TRT 6ª Região - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2012) Em uma copa, estão armazenados copos de plástico pequenos para café e médios para agua. Julgue os itens que se seguem, a respeito desses copos. (questões de 206 a 210) 206. (TRT 6ª Região - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2012) Suponha que existem 6.530 copos para agua e que o numero de copos para café e 70% maior que o numero de copos para agua. Então existem menos de 11.100 copos pequenos nessa copa. ( ) CERTA ( ) ERRADA 207. (TRT 6ª Região - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2012) Se a capacidade do copo pequeno é para 50 ml e a do copo médio e igual 4 vezes a capacidade do copo pequeno, então o volume do copo médio e igual 20 centilitros. ( ) CERTA ( ) ERRADA

189

208. (TRT 6ª Região - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2012) Se em um dia foram usados 60 copos pequenos e o numero de copos médios usados nesse mesmo dia é igual a 3/5 do numero de copos pequenos usados, então foram usados mais de 100 copos nesse dia. ( ) CERTA ( ) ERRADA 209. (TRT 6ª Região - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2012) Considere que, em determinado dia, o numero de copos médios usados foi igual a 3/8 do número de copos pequenos usados. Se, nesse dia foram usados 66 copos, então o numero de copos médios usados foi superior a 20. ( ) CERTA ( ) ERRADA 210. (TRT 6ª Região - Técnico Judiciário - UnB/Cespe/2012) Suponha que, em determinado dia, o numero de copos pequenos usados na parte da tarde foi igual a 1/5 do numero de copos pequenos usados na parte da manhã, e que o total de copos médios usados nesse dia foi igual a 4/9 do total de copos pequenos usados. Se, nesse dia, foram usados 156 copos, então a diferença entre o numero de copos pequenos usados e o de copos médios usados é igual a 60. ( ) CERTA ( ) ERRADA 211. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2012) Julgue a proposição a seguir. Se for dado um desconto de 8% sobre o preço de venda de um produto de valor igual a R$ 1250,00 então o valor a ser pago por esse produto será superior a R$ 1100,00. ( ) CERTA ( ) ERRADA O Rio e seus Números Rio da integração nacional, o São Francisco, descoberto em 1502, tem esse titulo por ser o caminho de ligação do Sudeste e do Centro-Oeste com o Nordeste. Desde a sua nascente, na Serra da Canastra, em Minas Gerais, ate a sua foz, na divisa de Sergipe e Alagoas, ele percorre 2.700 km. O rio São Francisco recebe agua de 168 afluentes, dos quais 99 são perenes, 90 estão na sua margem direita e 78, na esquerda. A produção de agua de sua bacia concentra-se nos cerrados do Brasil Central e em Minas Gerais. O Velho Chico — como carinhosamente o rio também e chamado — banha os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. Sua bacia hidrográfica também envolve parte do estado de Goiás e o Distrito Federal. Os índices pluviais da bacia do São Francisco variam entre sua nascente e sua foz. A pluviometria media vai de 1.900 ml na área da Serra da Canastra a 350 ml no semiárido nordestino. Por sua vez, os índices de evaporação variam inversamente e crescem de acordo com a distância da nascente: vão de 500 ml anuais, na cabeceira, a 2.200 ml anuais em Petrolina - PE. Depois de movimentarem os gigantescos geradores das hidrelétricas de Paulo Afonso, Itaparica, Moxotó, Xingó e Sobradinho, as águas do São Francisco correm para o mar. Atualmente, 95% do volume médio liberado pela barragem de Sobradinho — 1.850 m³ por segundo — são despejados na foz e apenas 5% são consumidos no Vale do São Francisco. Nos anos chuvosos, a vazão de Sobradinho chega a ultrapassar 15.000 m³ por segundo, e todo esse excedente também vai para o mar. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2012) A partir do texto acima, julgue os itens a seguir. (questões de 212 a 215) 212. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2012) O Suponha que seja possível navegar pelo rio São Francisco, desde sua nascente ate a foz, em uma embarcação que desenvolva uma velocidade de 50 km/h. Nesse caso, viajando sem parar, seriam necessários mais de dois dias para percorrer todo o rio São Francisco. ( ) CERTA ( ) ERRADA 213. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2012) Mais de 45% dos afluentes do rio São Francisco secam nos períodos de seca. ( ) CERTA ( ) ERRADA 214. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2012) Infere-se do texto que mais de 50% dos afluentes perenes do rio São Francisco ficam na sua margem direita. ( ) CERTA ( ) ERRADA

190

215. (TCU – ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO - CESPE/2012) O Considerando dois afluentes quaisquer, a distancia entre os pontos em que eles desembocam no rio São Francisco e sempre superior a 17 km. ( ) CERTA ( ) ERRADA 216. (TCE/SE – Técnico de Controle Externo – FCC/2012) O robô A percorre um segmento de reta com medida par, em metros, em 20 segundos cada metro; um segmento de reta com medida ímpar, em metros, é percorrido em 30 segundos cada metro. O robô B percorre em 20 segundos cada metro os segmentos de medida ímpar, em metros. Os segmentos de medida par, em metros, o robô B percorre em 30 segundos. Um percurso com segmentos de reta de 2 metros, 3 metros, 4 metros, 7 metros, 4 metros e 3 metros será percorrido pelo robô mais rápido, neste percurso, com uma vantagem, em segundos, igual a (A) 10 (B) 20 (C) 30 (D) 35 (E) 40 217. (MI - Assistente Técnico administrativo - Cespe/UnB/2013) A figura abaixo mostra quatro cilindros que rolam uns contra os outros, sem deslizamento. Sabe-se que os diâmetros de A e D medem 4 e 8 centímetros respectivamente; o diâmetro de B é quatro vezes o diâmetro de C; a soma dos diâmetros de A e D é a metade do diâmetro de B; e a velocidade de A é 180 rotações por minuto (r.p.m.). A velocidade de D, em r.p.m., é: (A) 60; (B) 90; (C) 120; (D) 180; (E) 360. 218. (MI - Assistente Técnico administrativo - Cespe/UnB/2013) Uma empresa pretende construir um deposito de material em forma de um paralelepípedo, cuja base retangular tem 40 m de comprimento. A base e a altura das tesouras do telhado do deposito tem, respectivamente, 32 m e 5 m, conforme ilustra a figura ao lado. Considerando as informações acima e a figura apresentada, e correto afirmar que a área do telhado a ser coberta, em m2, é:

(A) inferior a 900; (B) superior a 900 e inferior a 1.000; (C) superior a 1.000 e inferior a 1.100; (D) superior a 1.100 e inferior a 1.200; (E) superior a 1.200. 219. (MI - Assistente Técnico administrativo - Cespe/UnB/2013) Dadas as matrizes

, calcule o determinante do produto A.B. (A) 8 191

(B) (C) (D) (E)

12 9 15 6

220. (MI - Assistente Técnico administrativo - Cespe/UnB/2013) Dado o sistema de equações lineares

O valor de x + y + z é igual a (A) (B) (C) (D) (E)

8 16 4 12 14

221. (IBGE – Analista de sistemas - CESGRANRIO/2013) O carpinteiro José teve de dividir (sem sobras) uma placa retangular de dimensões 7 dm por 6 dm, em quadrados de lados expressos por um número inteiro de decímetros, de modo a obter o menor número de quadrados possível. Depois de vários ensaios, ele conseguiu resolver o problema, obtendo apenas 5 quadrados, cuja solução está indicada na Figura abaixo, com as medidas em decímetros.

Agora José tem de resolver o mesmo problema, porém no caso do retângulo de dimensões 6 dm por 5 dm. Nesse caso, o menor número de quadrados obtidos será (A) 12 (B) 9 (C) 6 (D) 5 (E) 4 222. (IBGE – Analista de sistemas - CESGRANRIO/2013) Renato vai preencher cada quadrado da fila abaixo com um número, de forma que a soma de quaisquer três números consecutivos na fila (vizinhos) sempre seja 2.014.

O número que Renato terá de colocar no lugar de N é (A) 287 192

(B) 745 (C) 982 (D) 1.012 (E) 1.032 223. (Banco do Brasil – Escriturário - FCC/2013) – Depois de ter comprado 15 livros de mesmo preço unitário, Paulo verificou que sobraram R$ 38,00 em sua posse, e faltaram R$ 47,00 para comprar outro livro desse mesmo preço unitário. O valor que Paulo tinha inicialmente para comprar seus livros era, em R$, de: (A) 1.225,00. (B) 1.305,00. (C) 1.360,00. (D) 1.313,00. (E) 1.228,00. 224. (Banco do Brasil – Escriturário - FCC/2013) Renato aplicou R$ 1.800,00 em ações e, no primeiro dia, perdeu 1/2 do valor aplicado. No segundo dia Renato ganhou 4/5 do valor que havia sobrado no primeiro dia, e no terceiro dia perdeu 4/9 do valor que havia sobrado no dia anterior. Ao final do terceiro dia de aplicação, Renato tinha, em R$, (A) 820,00. (B) 810,00. (C) 800,00. (D) 900,00. (E) 1.200,00. 225. (Banco do Brasil – Escriturário - FCC/2013) Nos quatro primeiros dias úteis de uma semana o gerente de uma agência bancária atendeu 19, 15, 17 e 21 clientes. No quinto dia útil dessa semana esse gerente atendeu n clientes. Se a média do número diário de clientes atendidos por esse gerente nos cinco dias úteis dessa semana foi 19, a mediana foi: (A) 19. (B) 18. (C) 20. (D) 23. (E) 21. 226. (Banco do Brasil – Escriturário - FCC/2013) Certo capital foi aplicado por um ano à taxa de juros de 6,59% a.a. Se no mesmo período a inflação foi de 4,5%, a taxa real de juros ao ano dessa aplicação foi, em %, de: (A) 2,2. (B) 1,9. (C) 2,0. (D) 2,1. (E) 1,8. 227. (Banco do Brasil – Escriturário - FCC/2013) Um empréstimo de R$ 800.000,00 deve ser devolvido em 5 prestações semestrais pelo Sistema de Amortizações Constantes (SAC) à taxa de 4% ao semestre. O quadro demonstrativo abaixo contém, em cada instante do tempo (semestre), informações sobre o saldo devedor (SD), a amortização (A), o juro (J) e a prestação (P) referentes a esse empréstimo. Observe que o quadro apresenta dois valores ilegíveis:

193

Se o quadro estivesse com todos os valores legíveis, o valor correto da prestação P, no último campo à direita, na linha correspondente ao semestre 5, da tabela, seria de: (A) 167.500,00. (B) 166.400,00. (C) 162.600,00. (D) 168.100,00. (E) 170.300,00. 228. (Banco do Brasil – Assistente Técnico-Administrativo – FCC/2014) Sabendo-se que log x representa o logaritmo de x na base 10, calcule o valor da expressão log 20 + log 5. (A) 5 (B) 4 (C) 1 (D) 2 (E) 3 229. (EMGEPRON – Advogado - BIO-RIO/2014) A negação de ―Paulo é botafoguense e gosta de cinema‖ é: A) Paulo não é botafoguense e não gosta de cinema B) Paulo não é botafoguense mas gosta de cinema C) Paulo não é botafoguense ou não gosta de cinema D) Paulo não gosta de cinema 230. (Banco do Brasil – Assistente Técnico-Administrativo – FCC/2014) Em uma progressão aritmética, tem-se a3 + a6 = 29 e 2 5 a + a = 23. Calcule a soma dos 200 primeiros termos dessa progressão aritmética. (A) 60.500 (B) 60.700 (C) 60.600 (D) 60.400 (E) 60.800 231. (Banco do Brasil – Assistente Técnico-Administrativo – FCC/2014) O lucro da empresa de Ana, Beto e Carina é dividido em partes diretamente proporcionais aos capitais que eles empregaram. Sabendo-se que o lucro de um determinado mês foi de 60 mil reais e que os capitais empregados por Ana, Beto e Carina foram, respectivamente, 40 mil reais, 50 mil reais e 30 mil reais, calcule a parte do lucro que coube a Beto. (A) 20 mil reais (B) 15 mil reais (C) 23 mil reais (D) 25 mil reais (E) 18 mil reais

194

232. (Banco do Brasil – Assistente Técnico-Administrativo – FCC/2014) Em 18 horas, 2 servidores analisam 15 processos. Trabalhando no mesmo ritmo, o número de servidores necessários para analisar 10 processos em 6 horas é igual a (A) 4. (B) 6. (C) 5. (D) 3. (E) 7. 233. (SEAP/DF - ANALISTA DE COMUNICAÇÃO – IADES/2013) Uma pesquisa de intenções de voto determinou que certo candidato teria entre 25% e 29% dos votos, enquanto outra previu que ele ficaria com pelo menos 31% dos votos. Uma nova pesquisa disse que ele poderia obter no máximo 27% dos votos, outra que ele teria de 27% a 32%, e uma última que ele receberia entre 26% e 30%. Sabendo-se que, dessas 5 pesquisas, apenas 3 acertaram o resultado e desconsiderando valores não inteiros, o melhor que se pode afirmar sobre a votação desse candidato é que ele recebeu (A) 28% ou 29% dos votos (B) de 28% a 30% dos votos (C) entre 26% e 28% dos votos (D) 26%, 28% ou 29% dos votos (E) 26%, 27% ou 29% dos votos 234. (TRT/BA – Técnico Judiciário - FCC/2013) A diretoria de uma empresa decidiu realizar um torneio de futebol anual com a participação de seus quatro departamentos. De acordo cm as regras, em cada edição do torneio, o departamento campeão receberá um troféu de posse transitória que, no ano seguinte, voltará a ser colocado em disputa. O primeiro departamento que vencer cinco edições do torneio ficará com a posse definitiva do troféu, devendo ser confeccionado um novo troféu para o próximo ano. O número de edições do torneio que serão disputadas até que um dos departamentos fique com a posse definitiva do troféu será, no máximo, igual a (A) 21 (B) 20 (C) 17 (D) 16 (E) 5 Atenção: Para responder às questões seguintes, considere as informações abaixo: O supervisor de uma agência bancária obteve dois gráficos que mostravam o número de atendimentos realizados por funcionários. O Gráfico I mostra o número de atendimentos realizados pelos funcionários A e B, durante 2 horas e meia, e o Gráfico II mostra o número de atendimentos realizados pelos funcionários C, D e E, durante 3 horas e meia.

235. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) Observando os dois gráficos, o supervisor desses funcionários calculou o número de atendimentos, por hora, que cada um deles executou. O número de atendimentos, por hora, que o funcionário B realizou a mais que o funcionário C é: (A) 3. (B) 10. (C) 5. (D) 6. (E) 4. 195

236. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) Preocupado com o horário de maior movimento, que se dá entre meio dia e uma e meia da tarde, o supervisor colocou esses cinco funcionários trabalhando simultaneamente nesse período. A partir das informações dos gráficos referentes ao ritmo de trabalho por hora dos funcionários, o número de atendimentos total que os cinco funcionários fariam nesse período é: (A) 57. (B) 19. (C) 38. (D) 45. E) 10. 237. (TRT/BA – Técnico Judiciário - FCC/2013) Observando os resultados das multiplicações indicadas a seguir, pode-se identificar um padrão. 11 x 11=121 101 x 101=10201 1001 x 1001=1002001 111 x 111=12321 101101 x 10101=102030201 1001001 x 1001001=1002003002001 De acordo com esse padrão, o resultado da multiplicação 1010101×1010101 é igual a (A) 1002003004003002001 (B) 1234321 (C) 102343201 (D) 10023032001 (E) 1020304030201 (Policia Civil/DF – Agente de Polícia - CESPE/2013) Considerando que 300 pessoas tenham sido selecionadas para trabalha em locais de apoio na próxima copa do mundo e que 175 dessas pessoas sejam do sexo masculino, julgue os seguintes itens. (questões de 238 a 240) 238. (Policia Civil/DF – Agente de Polícia - CESPE/2013) É impossível dividir as 300 pessoas em grupos de modo que todos os grupos tenham a mesma quantidade de mulheres e homens. ( ) CERTA ( ) ERRADA 239. (Policia Civil/DF – Agente de Polícia - CESPE/2013) Considere que 50 locais de apoio sejam espalhados pela cidade. ( ) CERTA ( ) ERRADA 240. (Policia Civil/DF – Agente de Polícia - CESPE/2013) Se, em um dia de jogo, funcionarem 24 postos de apoio e se cada posto necessitar de 6 mulheres e 6 homens, então a quantidade de pessoas selecionadas será suficiente. ( ) CERTA ( ) ERRADA 241. (TRT - Analista Judiciário – FCC/2012) A figura mostra a localização dos apartamentos de um edifício de três pavimentos que tem apenas alguns deles ocupados: Sabe-se que: - Maria não tem vizinhos no seu andar, e seu apartamento localiza-se o mais a leste possível; - Taís mora no mesmo andar de Renato, e dois apartamentos a separam do dele; - Renato mora em um apartamento no segundo andar exatamente abaixo do de Maria; - Paulo e Guilherme moram no andar mais baixo, não são vizinhos e não moram abaixo de um apartamento ocupado. - No segundo andar estão ocupados apenas dois apartamentos.

196

Se Guilherme mora a sudoeste de Tais, o apartamento de Paulo pode ser: (A) 1 ou 3 (B) 1 ou 4 (C) 3 ou 4 (D) 3 ou 5 (E) 4 ou 5 (Policia Civil/DF – Agente de Polícia - CESPE/2013) Considere que a empresa X tenha disponibilizado um aparelho celular a um empregado que viajou em missão de 30 dias corridos. O custo do minuto de cada ligação, para qualquer telefone, é de R$ 0,15. Nessa situação, considerando que a empresa tenha estabelecido limite de R$ 200,00 e que, depois de ultrapassado esse limite, o empregado arcará com as despesas, julgue os itens a seguir. Limite de R$200,00 Valor de R$0,15/minuto Tempo: 30 dias corridos (Questões 242 a 245) 242. Nos primeiros 10 dias, o tempo total das ligações do empregado tiver sido de 15 h, então, sem pagar adicional, ele disporá de mais de um terço do limite estabelecido pela empresa. ( ) CERTA ( ) ERRADA 243. Se, ao final da missão, o empregado pagar R$ 70,00 pelas ligações excedentes, então, em média, suas ligações terão sido de uma hora por dia. ( ) CERTA ( ) ERRADA 244. Se, ao final da missão, o tempo total de suas ligações for de 20 h. o empregado não pagará excedente. ( ) CERTA ( ) ERRADA 245. (Policia Civil/DF – Agente de Polícia - CESPE/2013) Considere que, em uma nova missão, o preço das ligações tenha passado a depender da localidade, mesma cidade ou cidade distinta da de origem da ligação, e do tipo de telefone para o qual a ligação tenha sido feita, celular, fixo ou rádio. As tabelas abaixo mostram quantas ligações de cada tipo foram feitas e o valor de cada uma:

197

Nessas condições, se A = ? for a matriz formada pelos dados da tabela I, e B = ? for a matriz formada pelos dados da tabela II, então a soma de todas as entradas da matriz AxB será igual ao valor total das ligações efetuadas. ( ) CERTA ( ) ERRADA 246. (PC/PR - Delegado de Polícia - COPS/UEL/2013) As tabelas 1 e 2 são formadas de acordo com o mesmo procedimento, mas na tabela 2 foram indicados somente 3 números. As linhas da tabela 1 são formadas de modo que todo termo, a partir do segundo, é igual à soma do termo anterior com uma constante k. Da mesma forma compõem-se as colunas, porém com uma constante r diferente de k.

Neste contexto, assinale a RESPOSTA: que apresenta, corretamente, o valor de X. (A) 11 (B) 13 (C) 89 (D) 91 (E) 102 247. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2014) No plano cartesiano da figura, considere que as escalas nos dois eixos coordenados são iguais e que a unidade de medida linear e 1 cm. Nele, esta representada parte de uma linha poligonal que começa no ponto P(0; 3) e, mantendo-se o mesmo padrão, termina em um ponto Q.

198

Na figura, a linha poligonal e formada por segmentos de reta. - Que são paralelos aos eixos coordenados e - Cujas extremidades têm coordenadas inteiras não negativas. Sabendo que o comprimento da linha poligonal, do ponto P ate o ponto Q, e igual a 94 cm, as coordenadas do ponto Q são (A) (25; 2) (B) (28; 1) (C) (32; 1) (D) (33; 1) (E) (34; 2) 248. (PC/PR - Delegado de Polícia - COPS/UEL/2013) Em uma comunidade há 4 pontos estratégicos: A, B, C e D, conforme figura a seguir.

Existem 8 caminhos ligando os pontos A e B, 6 caminhos ligando os pontos B e C, 3 caminhos ligando os pontos C e D e 4 caminhos ligando os pontos D e A. Com base nesse contexto, assinale a RESPOSTA: que apresenta, corretamente, a quantidade de caminhos que ligam os pontos A e C. (A) 48 (B) 50 (C) 60 (D) 196 (E) 576 249. (PC/PR - Delegado de Polícia - COPS/UEL/2013) No país dos Números, as calculadoras são diferentes. A operação numérica mais utilizada é *. Quando digitamos na calculadora x * y, a conta efetuada é x * y = x × y + 2 × x, em que x e y pertencentes ao conjunto dos números reais R, e as operações × e + são as usuais de IR. Com essas considerações, assinale a RESPOSTA: que apresenta, corretamente, o resultado da operação x * y, com x = 3 e y = −1. (A) -3 (B) -1 (C) 0 (D) 1 (E) 3 250. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2013) Victor ganhou uma caixa com N bombons. Desses bombons, ele come um e dá metade dos bombons que sobraram para Pedro. Dos bombons

199

que recebeu, Pedro come um e dá metade dos bombons que sobraram para Ana. Dos bombons que recebeu, Ana come um e dá metade dos bombons que sobraram para Beatriz. Sabendo-se que Beatriz recebeu dois bombons, então a soma dos algarismos de N é (A) 5. (B) 6. (C) 7. (D) 8. (E) 9. 251. (TRT 9ª Região – Técnico Judiciário – FCC/2013) No mês de dezembro de certo ano, cada funcionário de certa empresa recebeu um prêmio de R$ 320,00 para cada mês do ano em que tivesse acumulado mais de uma função, além de um abono de Natal no valor de R$ 1.250,00. Sobre o valor do prêmio e do abono, foram descontados 15% referentes a impostos. Paula, funcionária dessa empresa, acumulou, durante 4 meses daquele ano, as funções de secretária e telefonista. Nos demais meses, ela não acumulou funções. Dessa forma, uma expressão numérica que representa corretamente o valor, em reais, que Paula recebeu naquele mês de dezembro, referente ao prêmio e ao abono, é: (A) 0,85 × [(1250 + 4) × 320] (B) (0,85 × 1250) + (4 × 320) (C) (4 × 320 + 1250) − 0,15 (D) (0,15 × 1250) + (4 × 320) (E) 0,85 × (1250 + 4 × 320) 252. (TRT 9ª Região – Técnico Judiciário – FCC/2013) Em um tribunal, trabalham 17 juízes, divididos em três níveis, de acordo com sua experiência: dois são do nível I, cinco do nível II e os demais do nível III. Trabalhando individualmente, os juízes dos níveis I, II e III conseguem analisar integralmente um processo em 1 hora, 2 horas e 4 horas, respectivamente. Se os 17 juízes desse tribunal trabalharem individualmente por 8 horas, então o total de processos que será analisado integralmente pelo grupo é igual a: (A) 28 (B) 34 (C) 51 (D) 56 (E) 68 253. (Administração - VESTIBULAR - FGV/2014) Uma fábrica de panelas opera com um custo fixo mensal de R$ 9 800,00 e um custo variável por panela de R$ 45,00. Cada panela é vendida por R$ 65,00. Seja x a quantidade que deve ser produzida e vendida mensalmente para que o lucro mensal seja igual a 20% da receita. A soma dos algarismos de x é: (A) 2 (B) 3 (C) 4 (D) 5 (E) 6 254. (Administração – VESTIBULAR - FGV/2014) A média mínima para um aluno ser aprovado em certa disciplina de uma escola é 6. A distribuição de frequências das médias dos alunos de uma classe, nessa disciplina, é dada abaixo:

200

A porcentagem de alunos aprovados foi: (A) 62% (B) 63% (C) 64% (D) 65% (E) 66% 255. (MPE/TO – Analista - CESPE/2012) Os organizadores de uma festa previram que o público do evento seria de, pelo menos, 1.000 pessoas e que o numero de homens presentes estaria entre 60% e 80% do numero de mulheres presentes. Para que tal previsão esteja errada, basta que o número de (A) Homens presentes na festa seja igual a 360. (B) Homens presentes na festa seja igual a 500. (C) Homens presentes na festa seja igual a 1.000. (D) Mulheres presentes na festa seja igual a 650. (E) Mulheres presentes na festa seja igual a 1.000. 256. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2014) Em um jogo de tabuleiro, para cada jogada são lançados dois dados, um branco e outro vermelho. Os dados são honestos, tem a forma de tetraedro regular e com um único numero em cada face. O dado branco tem as faces numeradas por: – 1, 0, 1 e 2. O dado vermelho tem as faces numeradas por: – 2, – 1, 0 e 1. O jogador lança os dados e observa a face em que cada um deles se apoia, isto e, a que esta voltada para baixo. Pelas regras do jogo, o jogador avança ou retrocede, no tabuleiro, quando o produto dos números obtidos nos dados for positivo ou negativo, respectivamente. Em uma jogada, o numero de modos distintos em que os resultados dos dados levam a um retrocesso é

(A) 4. (B) 5. (C) 6. (D) 7. (E) 8. 257. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2013) Considere a sequencia de pentágonos, formada de acordo com um determinado critério.

201

O numero 6 652 pertence ao pentágono Pn, em que n e natural não nulo. Assim sendo, n e divisível por (A) 2. (B) 3. (C) 5. (D) 7. (E) 11. 258. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2013) O fluxograma a seguir apresenta parte dos procedimentos seguidos por um professor para determinar a situação dos alunos apos o fechamento das notas do 4º bimestre.

Considere um aluno que, ao longo do ano letivo, obteve as seguintes notas bimestrais:

De acordo com o fluxograma no fechamento das notas do 4º bimestre, esse aluno obteve media (A) 2,90 e está retida. (B) 5,50 e fará recuperação. (C) 6,75 e fará recuperação. (D) 7,25 e está aprovado. 259. (TRT 9ª Região – Técnico Judiciário – FCC/2013) Em uma repartição pública em que 64% dos funcionários têm salário superior a R$ 7.000,00, 60% dos funcionários têm curso superior e 40% possuem apenas formação de ensino médio. Dentre os servidores com nível superior, 80% ganham mais do que R$ 7.000,00. Dessa forma, dentre os funcionários que têm somente formação de Ensino Médio, aqueles que recebem salário maior do que R$ 7.000,00 correspondem a: (A) 48% (B) 44% (C) 40% 202

(D) 50% (E) 56% 260. (TRT 9ª Região – Técnico Judiciário – FCC/2013) Em um terreno plano, uma formiga encontra-se, inicialmente, no centro de um quadrado cujos lados medem 2 metros. Ela caminha, em linha reta, até um dos vértices (cantos) do quadrado. Em seguida, a formiga gira 90 graus e recomeça a caminhar, também em linha reta, até percorrer o dobro da distância que havia percorrido no primeiro movimento, parando no ponto P. Se V é o vértice do quadrado que se encontra mais próximo do ponto P, então a distância, em metros, entre os pontos P e V é: (A) igual a 1. (B) um número entre 1 e 2. (C) igual a 2. (D) um número entre 2 e 4. (E) igual a 4. 261. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2013) Em uma sequência numérica, sabe-se que: - o 1º termo é igual a 10; - o 5º termo é igual a 31; - a soma do 1º do 2º e do 3º termos é igual a 45; - a soma do 2º do 3º e do 4º termos é igual a 60; e - a soma do 3º do 4º e do 5º termos é igual a 75. Nessas condições, o produto do 2º pelo 4º termo dessa sequência é (A) 300. (B) 304. (C) 325. (D) 400. (E) 475. 262. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) Depois de ter comprado 15 livros de mesmo preço unitário, Paulo verificou que sobraram R$ 38,00 em sua posse, e faltaram R$ 47,00 para comprar outro livro desse mesmo preço unitário. O valor que Paulo tinha inicialmente para comprar seus livros era, em R$, de: (A) 1.225,00. (B) 1.305,00. (C) 1.360,00. (D) 1.313,00. (E) 1.228,00. 263. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2014) Considere a sequencia formada por figuras compostas por quadradinhos nas cores cinza e preta dispostos de acordo com um determinado critério.

Admitindo o mesmo padrão de formação das figuras, o numero de quadradinhos pretos da figura que ocupa a 96ª posição é (A) 45. (B) 47. (C) 49. (D) 50. (E) 52. 264. (Administração – VESTIBULAR - FGV/2014) Três sócios A, B e C resolvem abrir uma sociedade com um capital de R$100.000,00. B entrou com uma quantia igual ao dobro da de A, e a 203

diferença entre a quantia de C e a de A foi R$ 60 000,00. O valor absoluto da diferença entre as quantias de A e B foi: (A) R$ 10 000,00 (B) R$ 15 000,00 (C) R$ 20 000,00 (D) R$ 25 000,00 (E) R$ 30 000,00 265. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) Renato aplicou R$ 1.800,00 em ações e, no primeiro dia, perdeu 1/2 do valor aplicado. No segundo dia Renato ganhou 4/5 do valor que havia sobrado no primeiro dia, e no terceiro dia perdeu 4/9 do valor que havia sobrado no dia anterior. Ao final do terceiro dia de aplicação, Renato tinha, em R$, (A) 820,00. (B) 810,00. (C) 800,00. (D) 900,00. (E) 1.200,00. 266. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2013) João possui apenas moedas de 10 e 25 centavos, que juntas formam um total de R$ 1,95. Assim sendo, pode-se afirmar corretamente que João tem (A) mais moedas de 10 do que de 25 centavos. (B) no máximo 15 moedas dos dois tipos. (C) no máximo 7 moedas de 10 centavos. (D) no mínimo 5 moedas de 25 centavos. (E) no mínimo 9 moedas dos dois tipos. 267. (Banco do Brasil – Escriturário – FCC/2013) Nos quatro primeiros dias úteis de uma semana o gerente de uma agência bancária atendeu 19, 15, 17 e 21 clientes. No quinto dia útil dessa semana esse gerente atendeu n clientes. Se a média do número diário de clientes atendidos por esse gerente nos cinco dias úteis dessa semana foi 19, a mediana foi: (A) 19. (B) 18. (C) 20. (D) 23. (E) 21. 268. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP – APOF - ESAF/2012) A e B são os lados de um retângulo I. Ao se aumentar o lado A em 20% e reduzir-se o lado B em 20% obtém-se o retângulo II. Se, ao invés disso, se aumentar o lado B em 20% e diminuir-se o lado A em 20%, tem-se o retângulo III. Pode-se afirmar que: (A) Os três retângulos têm a mesma área. (B) O retângulo III tem a maior área. (C) O retângulo II tem a maior área. (D) O retângulo I tem a maior área. (E) Os retângulos II e III têm uma área igual, maior que a do retângulo I. 269. (Economia – VESTIBULAR - FGV/2012) Dois veículos partem simultaneamente de um ponto P de uma pista circular, porém em direções opostas. Um deles corre ao ritmo de 5 metros por segundo, e o outro, ao ritmo de 9 metros por segundo. Se os veículos param quando se encontrarem pela primeira vez no ponto P, o número de vezes que eles terão se encontrado durante o percurso, sem contar os encontros da partida e da chegada, é igual a (A) 45. (B) 44. (C) 25. (D) 17. (E) 13. 270. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP – APOF - ESAF/2012) Suponha que um carro perde por ano 20% de seu valor em relação ao ano anterior, uma moto perde por ano 30% de seu valor em relação ao 204

ano anterior e uma bicicleta perde por ano 10% de seu valor em relação ao ano anterior. Além disso, suponha que o carro custa o dobro de uma moto e uma moto o dobro de uma bicicleta. Sendo assim, ao final de 5 anos: (A) Nenhum dos 3 valerá nada. (B) O carro valerá mais que a moto e a moto valerá mais que a bicicleta. (C) Apenas a bicicleta valerá algo. (D) A bicicleta valerá mais que o carro. (E) A bicicleta valerá mais que a moto. 271. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP – APOF - ESAF/2012) Assinale a opção verdadeira. (A) 3 = 4 e 3 + 4 = 9 (B) Se 3 = 3, então 3 + 4 = 9 (C) Se 3 = 4, então 3 + 4 = 9 (D) 3 = 4 ou 3 + 4 = 9 (E) 3 = 3 se e somente se 3 + 4 = 9 272. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP - APOF – ESAF2012) O determinante de uma matriz 3X3 é igual a x. Se multiplicarmos os três elementos da 1a linha por 2 e os três elementos da 2a coluna por -1, o determinante será: (A) -x2 (B) -2x (C) 4x2 (D) x2 (E) -2x2 273. (Economia – VESTIBULAR - FGV/2012) Na cantina de um colégio, o preço de 3 chicletes, 7 balas e 1 refrigerante é R$ 3,15. Mudando-se as quantidades para 4 chicletes, 10 balas e 1 refrigerante, o preço, nessa cantina, passa para R$ 4,20. O preço, em reais, de 1 chiclete, 1 bala e 1 refrigerante nessa mesma cantina, é igual a (A) 1,70. (B) 1,65. (C) 1,20. (D) 1,05. (E) 0,95. 274. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012) Uma esfera foi liberada no ponto A de uma rampa. Sabendo-se que o ponto A está a 2 metros do solo e que o caminho percorrido pela esfera é exatamente a hipotenusa do triângulo retângulo da figura abaixo, determinar a distância que a esfera percorreu até atingir o solo no ponto B.

(A) (B) (C) (D) (E)

5 metros 3 metros 4 metros 6 metros 7 metros

275. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012) Dada a matriz determinante de

(

), o

é igual a: 205

(A) (B) (C) (D) (E)

20. 28. 32. 30. 25.

276. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012) O Ministério da Fazenda pretende selecionar ao acaso 3 analistas para executar um trabalho na área de tributos. Esses 3 analistas serão selecionados de um grupo composto por 6 homens e 4 mulheres. A probabilidade de os 3 analistas serem do mesmo sexo é igual a (A) 40%. (B) 50%. (C) 30%. (D) 20%. (E) 60%. 277. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012) Para construir 120 m² de um muro em 2 dias, são necessários 6 pedreiros. Trabalhando no mesmo ritmo, o número de pedreiros necessários para construir 210 m² desse mesmo muro em 3 dias é igual a: (A) 2. (B) 4. (C) 3. (D) 5. (E) 7. (IBAMA – Analista Ambiental - CESPE/UnB/2012) Um órgão de controle, ao aplicar sanções contra empresas petroleiras cujas atividades resultem em agressão ao meio ambiente, determina o valor da multa, em reais, de modo proporcional ao volume de petróleo derramado, em barris, ao tempo de duração do derramamento, em semanas, e à área da região afetada, em quilômetros quadrados. Assim, se determinada empresa petroleira deixar vazar, por três semanas, quatro mil barris de petróleo bruto, causando a contaminação de 950 km² de superfície marítima, será, em decorrência disso, multada em R$ 5.000.000,00. Com base nessas informações, julgue os itens seguintes. 278. (IBAMA – Analista Ambiental - CESPE/UnB/2012) Considere que, após acidente com um navio petroleiro, que resultou no derramamento de dezenove mil barris de petróleo, afetando uma área de 120 km², os técnicos da empresa à qual esse navio pertence tenham levado uma semana para conter o derramamento. Nessa situação, a multa a ser aplicada pelo órgão de controle será superior a R$ 900.000,00. ( ) CERTA ( ) ERRADA 279. Caso, depois de estancado um vazamento, o petróleo derramado avance por uma área correspondente a 10% da área inicialmente afetada, o valor da multa recebida pela empresa aumentará 10% em relação ao valor que seria estabelecido no momento do estanque. ( ) CERTA ( ) ERRADA Sabendo que o governo federal ofereceu aos servidores públicos uma proposta de reajuste salarial de 15,8% parcelado em três vezes, com a primeira parcela para 2013 e as demais para os anos seguintes, julgue os itens a seguir. 280. (IBAMA – Analista Ambiental - CESPE/UnB/2012) Um servidor federal com salário de R$ 10.000,00 em 2012, passará a receber, em 2015, após a concessão da última parcela de reajuste, salário inferior a R$ 11.500,00. ( ) CERTA ( ) ERRADA 281. (VALEC – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO - FEMPERJ/2012) Numa vila, para cada morador do sexo feminino há dois do sexo masculino. Assim, essa vila pode ter a seguinte quantidade de moradores: (A) 48 (B) 50 206

(C) 52 (D) 56 (E) 62 282. (TCE/PA - Assessor Técnico de informática - AOCP/2012) No conjunto dos números naturais, considere um número n, que dividido por 21, tem quociente igual a 3 e deixa resto 11. Qual é o valor de n? (A) 66. (B) 74. (C) 76. (D) 80. (E) 82. 283. (BRDE – ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Em relação aos conjuntos: A = {1, 2}, B = {1, 2, 3} e C = {1, 2, 3, 4}, assinale a RESPOSTA: correta. (A) A B C (B) A B C (C) A (D) A (E) A

B C B C B C

284. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Seja A e B conjuntos quaisquer, assinale a RESPOSTA: INCORRETA. A) A (A ∪ B) e B (A ∪ B). B) A ∪

= A e A∩

=

.

C) (A ∩ B) A. D) A ∪ (B ∩ A) = A. E) A B (A ∪ B) = A. 285. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Uma sala de aula com trinta alunos, combinou de comprar um presente para a professora, mas cinco alunos não pagaram, aumentando R$ 6,00 para cada um dos outros alunos. Então, quanto custou o presente para a professora? (A) R$ 1.000,00 (B) R$ 900,00 (C) R$ 850,00 (D) R$ 800,00 (E) R$ 750,00 (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) divulgou, em 2013, dados a respeito da violência contra a mulher no país. Com base em dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde, o instituto apresentou uma estimativa de mulheres mortas em razão de violência doméstica. Alguns dos dados apresentados nesse estudo são os seguintes: - mais da metade das vítimas eram mulheres jovens, ou seja, mulheres com idade entre 20 e 39 anos: 31% estavam na faixa etária de 20 a 29 anos e 23% na faixa etária de 30 a 39 anos; - 61% das vítimas eram mulheres negras; - grande parte das vítimas tinha baixa escolaridade: 48% cursaram até o 8º ano. Com base nessas informações e considerando que V seja o conjunto formado por todas as mulheres incluídas no estudo do IPEA; A V, o conjunto das vitimas jovens; B V, o conjunto das vitimas negras; e C V, o conjunto das vítimas de baixa escolaridade — vítimas que cursaram até o 8º ano, julgue os itens que se seguem. 286. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se V\C for o conjunto complementar de C em V, então (V\C) ∩A será um conjunto não vazio. ( ) CERTA ( ) ERRADA

207

287. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se 15% das vítimas forem mulheres negras e com baixa escolaridade, então V = BUC. ( ) CERTA ( ) ERRADA 288. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se V\A for o conjunto complementar de A em V, então 46% das vítimas pertencerão a V\A. ( ) CERTA ( ) ERRADA (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Considere que a empresa X tenha disponibilizado um aparelho celular a um empregado que viajou em missão de 30 dias corridos. O custo do minuto de cada ligação, para qualquer telefone, é de R$ 0,15. Nessa situação, considerando que a empresa tenha estabelecido limite de R$ 200,00 e que, após ultrapassado esse limite, o empregado arcará com as despesas, julgue os itens a seguir. 289. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se, ao final da missão, o tempo total de suas ligações for de 20 h, o empregado não pagará excedente. ( ) CERTA ( ) ERRADA 290. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se, nos primeiros 10 dias, o tempo total das ligações do empregado tiver sido de 15 h, então, sem pagar adicional, ele disporá de mais de um terço do limite estabelecido pela empresa. ( ) CERTA ( ) ERRADA 291. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se, ao final da missão, o empregado pagar R$ 70,00 pelas ligações excedentes, então, em média, suas ligações terão sido de uma hora por dia. ( ) CERTA ( ) ERRADA 292. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Considere que, em uma nova missão, o preço das ligações tenha passado a depender da localidade, mesma cidade ou cidade distinta da de origem da ligação, e do tipo de telefone para o qual a ligação tenha sido feita, celular, fixo ou rádio. As tabelas abaixo mostram quantas ligações de cada tipo foram feitas e o valor de cada uma: Celular Mesma cidade 6 Cidade 7

Fixo 3 1

Rádio 1 3

Tabela I: número de ligações realizadas por tipo de telefone

Celular Fixo Rádio

Mesma cidade 0,2 0,15 0,2

Cidade 0,5 0,3 0,2

Tabela II: preço de cada ligação, em reais Nessas condições, se A =*

+ for a matriz formada pelos dados da tabela I, e B=[

] for

a matriz formada pelos dados da tabela II, então a soma de todas as entradas da matriz A × B será igual ao valor total das ligações efetuadas. Julgue este item. ( ) CERTA ( ) ERRADA 293. (CBTU – ASSISTENTE OPERACIONAL - CONSULPAN/2012) Um torneio de judô é disputado por 10 atletas e deve ter apenas um campeão. Em cada luta não pode haver empate e aquele que

208

perder três vezes deve ser eliminado da competição. Qual o número máximo de lutas necessário para se conhecer o campeão? (A) 27 (B) 28 (C) 29 (D) 30 (E) 31 294. (TJM-SP - Analista de Sistemas - VUNESP/2012) Considere o conjunto A dos múltiplos inteiros de 5, entre100 e 1000, formados de algarismos distintos. Seja B subconjunto de formado pelos números cuja soma dos valores de seus algarismos é 9. Então, a soma do menor número ímpar de B com o maior número par de B é: (A) 835. (B) 855. (C) 915. (D) 925. (E) 945. 295. (TRT/6ª Região - Técnico Judiciário – FCC/2012) O encarregado dos varredores de rua de uma determinada cidade começou um dia de serviço com novidade: quem tem menos de 25 anos vai varrer certa quantidade de metros de rua hoje; quem tem de 25 até 45 anos varre três quartos do que varrem esses mais jovens; aqueles com mais de 45 anos varrem dois quintos do que varrem aqueles que têm de 25 a 45 anos; e , para terminar, os que têm de 25 até 45 anos varrerão hoje, cada um, 210 metros. O grupo de varredores era formado por dois rapazes de 22 anos, 3 homens de 30 e um senhor de 48 anos. Todos trabalharam segundo o plano estabelecido pelo encarregado. E, dessa maneira, o total em metros varridos nesse dia, por esses varredores, foi: (A) 1.584 (B) 1.274 (C) 1.132 (D) 1.029 (E) 952 296. (Polícia Federal - Agente da Polícia Federal – CESPE/2012) Em fevereiro de 2012, quatro irmãos, todos nascidos em janeiro, respectivamente no ano de 1999, 1995, 1993 e 1989, se reuniram para abrir o testamento do pai que havia morrido pouco antes. Estavam ansiosos para repartir a herança de R$ 85.215,00. O texto do testamento dizia que a herança seria destinada apenas para os filhos cuja idade, em anos completos e na data da leitura do testamento, fosse um número divisor do valor da herança. Os filhos que satisfizessem essa condição deveriam dividir igualmente o valor herdado. O que cada filho herdeiro recebeu foi: (A) R$ 85.215,00 (B) R$ 42.607,50 (C) R$ 28.405,00 (D) R$ 21.303,00 (E) R$ 43.220,00 297. (Câmara Municipal do Rio de Janeiro verdade a seguir. P V V F F

- Analista Legislativo - FJG/2014) Observe a tabelaQ V F V F

~Q P F X Y z

Os valores lógicos que devem substituir x, y e z são, respectivamente: (A) V, F e F (B) F, V e V (C) F, F e F (D) V, V e F

209

298. (METRÔ/SP – Agente de segurança - FCC/2013) Suponha que às 5h30min de certo dia, dois trens da Companhia do Metropolitano de São Paulo partiram simultaneamente de um mesmo terminal T e seguiram por linhas diferentes. Considerando que a cada 78 minutos da partida um dos trens retorna a T, enquanto que o outro o faz a cada 84 minutos, então, nesse dia, ambos se encontraram novamente em T às: (A) 19h42min. (B) 21h48min. (C) 21h36min. (D) 23h42min. (E) 23h48min. 299. (Chesf – Administração - CESPE/UNB/2012) Um capital acrescido dos seus juros simples de 21 meses soma R$ 7.050,00. O mesmo capital diminuído dos seus juros simples de 13 meses reduz-se a R$5.350,00. O valor desse capital é: (A) Inferior a R$ 5. 600,00. (B) Superior a R$ 5. 600,00 e inferior a R$ 5. 750,00. (C) Superior a R$ 5. 750,00 e inferior a R$ 5. 900,00. (D) Superior a R$ 5. 900,00 e inferior a R$ 6. 100,00. (E) Superior a R$ 6. 100,00. 300. (SEFAZ/SP- Agente Fiscal de Rendas – FCC/2013) Em toda a sua carreira, um tenista já disputou N partidas, tendo vencido 70% delas. Considere que esse tenista ainda vá disputar, antes de se aposentar, mais X partidas, e que vença todas elas. Para que o seu percentual de vitórias ao terminar sua carreira suba para 90%, X deverá ser igual a: (A) 1 N. (B) 1,2 N. (C) 1,3 N. (D) 1,5 N. (E) 2 N. 301. (TRE/PI - TÉCNICO - FCC/2013) No mês de outubro, o salário de um servidor público foi 60% maior do que o salário do mês anterior, por ele ter recebido um prêmio especial de produtividade. Em novembro, o valor voltou ao normal, igual ao mês de setembro. Em relação ao mês de outubro, o salário de novembro desse servidor foi: (A) 27,5% menor (B) 30,0% menor (C) 37,5% menor (D) 40,0% menor (E) 60,0% menor 302. (METRÔ/SP – Agente de segurança - FCC/2013) A soma de três números inteiros positivos é igual ao maior número inteiro de 5 algarismos distintos. Se adicionarmos a cada um dos números o maior número inteiro de 3 algarismos, a nova soma será igual a: (A) 102 996 (B) 102 960 (C) 102 876 (D) 101 726 (E) 101 762 303. (METRÔ/SP – Agente de segurança - FCC/2013) Sabe-se que na divisão de um número inteiro e positivo por 13 o quociente obtido é igual ao resto. Assim sendo, o maior número que satisfaz essa condição é tal que a soma de seus algarismos é igual a: (A) 16 (B) 5 (C) 14 (D) 13 (E) 12

210

304. (PROVA INSS – TÉCNICO – FCC/2012) Em dezembro, uma loja de carros aumentou o preço do veículo A em 10% e o do veículo B em 15%, o que fez com que ambos fossem colocados a venda pelo mesmo preço nesse mês. Em janeiro houve redução de 20% sobre o preço de A e de 10% sobre o preço de B, ambos de dezembro, o que fez com que o preço B, em janeiro, superasse o de A em: (A) 13,5% (B) 13% (C) 12,5% (D) 12% (E) 11,5% 305. (TRT 11ª Região – Analista Judiciário – FCC/2012) Em uma sala com 200 pessoas, 90% são homens. Após alguns homens se retirarem, tendo permanecido todas as mulheres, elas passaram a representar 20% do grupo. A quantidade de homens que saíram da sala é igual a: (A) 20 (B) 40 (C) 80 (D) 90 (E) 100 306. (CBTU - Analista de Gestão – CONSULPLAN/2014) Numa caixa há vários ovos entre caipira e de granja. Se, na retirada de um ovo, a probabilidade de que o mesmo seja caipira é 40% e a diferença entre os dois tipos de ovos é igual a 6, então o número total de ovos que existem nessa cesta corresponde a : (A) 2 dúzias (B) 3 dúzias. (C) 1 dúzia e meia. (D) 2 dúzias e meia. 307. (Al/SP - Agente Legislativo de Serviços Técnicos e Administrativos AL – FCC/2013) Considere que os termos da sucessão (0, 1, 3, 4, 12, 13, …) obedecem a uma lei de formação. Somando o oitavo e o décimo termos dessa sucessão obtém-se um número compreendido entre: (A) 150 e 170 (B) 130 e 150 (C) 110 e 130 (D) 90 e 110 (E) 70 e 90 308. (TRF/1ª REGIÃO – Técnico Judiciário – FCC/2013) Assinale a RESPOSTA: que completa a série seguinte: C3, 6G, L10,… (A) C4 (B) 13M (C) 9I (D) 15R (E) 6Y 309. (TRF/1ª REGIÃO – Técnico Judiciário –FCC/2013) Assinale a RESPOSTA: que completa a série seguinte: 9, 16,25, 36,… (A) 45 (B) 49 (C) 61 (D) 63 (E) 72 310. (BAHIAGÁS – Técnico de Processos Organizacionais – FCC/2012) Observe a sequência que foi criada com uma lógica matemática: 7; 29; quarenta; 8; 11; vinte; 3; 31; trinta; 5; 73; oitenta; 211

6; 52; ……. A palavra que completa o espaço é: (A) noventa. (B) sessenta. (C) trinta. (D) vinte. (E) dez. 311. (TCE/SP – Auxiliar da Fiscalização Financeira – FCC/2013) Considere que os números inteiros e positivos que aparecem no quadro abaixo foram dispostos segundo determinado critério. Completando corretamente esse quadro de acordo com tal critério, a soma dos números que estão faltando é (A) Maior que 19. (B) 19. (C) 16 (D) 14. (E) Menor que 14. 312. (AL/SP – Agente Legislativo de Serviços Técnicos e Administrativos – FCC/2012) Três Agentes Administrativos da Assembleia Legislativa de São Paulo, Artur, Bento e Cinira, foram incumbidos de arquivar um lote de documentos e, antes da execução dessa tarefa, fizeram as seguintes afirmações sobre a quantidade de documentos que ele continha: Artur: O número de documentos do lote é maior que 50 e menor que 75. Bento: O número de documentos do lote é maior que 60 e menor que 80. Cinira: O número de documentos do lote é maior que 70 e menor que 100. Considerando que as três afirmações estão corretas, a soma das possíveis quantidades de documentos que esse lote pode conter é um número compreendido entre: (A) (B) (C) (D) (E)

260 e 280 280 e 300 300 e 320 320 e 340 340 e 360

313. (TRT/PA – Analista Judiciário - FCC/2012) Seis sacolas contêm 18, 19, 21, 23, 25 e 34 bolas, respectivamente. As bolas de uma das sacolas são todas pretas, e as demais bolas de todas as outras sacolas são brancas. Tânia pegou três sacolas, e Ruy outras duas sacolas, sendo que a sacola que sobrou foi a das bolas pretas. Se o total de bolas das sacolas de Tânia é o dobro do total de bolas das sacolas de Ruy, o número de bolas pretas nas seis sacolas é igual a: (A) 18. (B) 19. (C) 21. (D) 23. (E) 25. 314. (TRF 4ª Região – Analista Judiciário – FCC/2012) Suponha que, sistematicamente, três grandes instituições – X, Y e Z – realizam concursos para preenchimento de vagas: X de 1,5 em 1,5 anos, Y de 2 em 2 anos e Z de 3 em 3 anos. Considerando que em janeiro de 2006 as três realizaram concursos, é correto concluir que uma nova coincidência ocorrerá em: (A) Julho de 2015. (B) Junho de 2014. (C) Julho de 2013. (D) Janeiro de 2012. (E) Fevereiro de 2011.

212

315. (DNOCS - Agente Administrativo – FCC/2013) Suponha que 8 máquinas de terraplanagem, todas com a mesma capacidade operacional, sejam capazes de nivelar uma superfície de 8 000 metros quadrados em 8 dias, se funcionarem ininterruptamente 8 horas por dia. Nas mesmas condições, quantos metros quadrados poderiam ser nivelados por 16 daquelas máquinas, em 16 dias de trabalho e 16 horas por dia de funcionamento ininterrupto? (A) 16 000 (B) 20 000 (C) 64 000 (D) 78 000 (E) 84 000 316. (CODERN – Assistente Técnico administrativo - CONSULPLAN/2012) O volume de uma caixa d‘água é de 2,760 m³. Se a água nela contida está ocupando os 3/5 de sua capacidade, quantos litros de água devem ser colocados nessa caixa para enchê-la completamente? (A) 331,2 (B) 1104 (C) 165,6 (D) 110,4 (E) 55,2 317. (TRT 15ª SUPERIOR – Analista - FCC/2013) Do total de projetos que estavam em um arquivo, sabe-se que: - 2/5 deveriam ser analisados e 4/7 referiam-se ao atendimento ao público interno. Com essa informação, é correto concluir que o total de projetos existentes nesse arquivo NUNCA poderia ser um número compreendido entre: (A) 10 e 50. (B) 60 e 100. (C) 110 e 160. (D) 150 e 170. (E) 180 e 220. 318. (TRT 24ª Região – Técnico Judiciário - FCC/2012) De um curso sobre Legislação Trabalhista, sabe-se que participaram menos de 250 pessoas e que, destas, o número de mulheres estava para o de homens na razão de 3 para 5, respectivamente. Considerando que a quantidade de participantes foi a maior possível, de quantas unidades o número de homens excedia o de mulheres? (A) 50. (B) 55. (C) 57. (D) 60. (E) 62. 319. (TRT 4ª - Analista - FCC/2012) Considere que Asdrúbal tem um automóvel que, em média, percorre 14 quilômetros de estrada com 1 litro de gasolina. Certo dia, após ter percorrido 245 quilômetros de uma rodovia, Asdrúbal observou que o ponteiro do marcador de gasolina, que anteriormente indicava a ocupação de 5/8 da capacidade do tanque, passara a indicar uma ocupação de 1/3. Nessas condições, é correto afirmar que a capacidade do tanque de gasolina desse automóvel, em litros, é: (A) 50 (B) 52 (C) 55 (D) 60 (E) 65 320. (TRT 24ª – Analista - FCC/2012) Todos os 72 funcionários de uma Unidade do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso do Sul deverão ser divididos em grupos, a fim de se submeterem a exames médicos de rotina. Sabe-se que: − o número de funcionários do sexo feminino é igual a 80% do número dos do sexo masculino; − cada grupo deverá ser composto por pessoas de um mesmo sexo; − todos os grupos deverão ter o mesmo número de funcionários; 213

− o total de grupos deve ser o menor possível; − a equipe médica responsável pelos exames atenderá a um único grupo por dia. Nessas condições, é correto afirmar que: (A) No total, serão formados 10 grupos. (B) Cada grupo formado será composto de 6 funcionários. (C) Serão necessários 9 dias para atender a todos os grupos. (D) Para atender aos grupos de funcionários do sexo feminino serão usados 5 dias. (E) Para atender aos grupos de funcionários do sexo masculino serão usados 6 dias. 321. (TRT 24ª – Técnico Judiciário - FCC/2012) Indagado sobre o número de processos que havia arquivado certo dia, um Técnico Judiciário, que gostava muito de Matemática, respondeu: − O número de processos que arquivei é igual a 12,252 − 10,252. Chamando X o total de processos que ele arquivou, então é correto afirmar que: (A) X < 20. (B) 20 < X < 30. (C) 30 < X < 38. (D) 38 < X < 42. (E) X > 42. 322. (PRODEMGE - Analista de Tecnologia da Informação – FUMARC/2012) Sendo Z o resultado da soma entre 0,555… + 1,444… Então, é falso afirmar que: (A) Z2 é um número par. (B) Z é um número primo. (C) Z é um número irracional. (D) A metade de Z é maior que zero. (E) Z é um número par. 323. (CEB – Advogado - Banca Exatus/2014) Fábio utilizou apenas os algarismos pares do sistema de numeração decimal para escrever todos os números possíveis com três algarismos distintos. A quantidade de números que Fábio conseguiu escrever é igual a: (A) 48 (B) 60 (C) 100 (D) 125 324. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP – APOF - ESAF/2012) Considere que numa cidade 40% da população adulta é fumante, 40% dos adultos fumantes são mulheres e 60% dos adultos não fumantes são mulheres. Qual a probabilidade de uma pessoa adulta da cidade escolhida ao acaso ser uma mulher? (A) 52% (B) 48% (C) 50% (D) 44% (E) 56% 325. (SECRETARIA DA FAZENDA/SP – APOF - ESAF/2012) Considerando os dados da questão anterior, qual a porcentagem das mulheres adultas que são fumantes? (A) 7/13 (B) 40% (C) 4/13 (D) 60% (E) 9/13 326. (AL/PE - Analista Legislativo - FCC/2014) João, Pedro e Luís têm x, y e z reais, ainda que não necessariamente nessa ordem. Em uma conversa entre essas três pessoas, João disse a quem tem y reais que o outro tem x reais. Luís disse a quem tem x reais que nenhum dos três tem totais iguais de

214

reais. Se todos dizem a verdade, e Pedro é o que tem menos reais, então, necessariamente será positivo o resultado da conta (A) x - y. (B) z - y. (C) x - y - z. (D) x + y - z. (E) z - x. 327. (AL/PE - Analista Legislativo - FCC/2014) Ano bissexto é aquele em que acrescentamos 1 dia no mês de fevereiro, perfazendo no ano um total de 366 dias. São anos bissextos os múltiplos de 4, exceto os que também são múltiplos de 100 e simultaneamente não são múltiplos de 400. De acordo com essa definição, de 2014 até o ano 3000 teremos um total de anos bissextos igual a (A) 249. (B) 245. (C) 239. (D) 244. (E) 238. 328. (FATEC - Professor Assistente - FATEC/2014) As letras a, b e c representam algarismos não nulos e distintos. Considere que - ab representa um numero inteiro positivo de dois algarismos, sendo a o algarismo das dezenas e b o algarismo das unidades; - caab representa um numero inteiro positivo de quatro algarismos, sendo c o algarismo das unidades dos milhares, a o algarismo das centenas, a o algarismo das dezenas e b o algarismo das unidades. Nessas condições, se {

)

soma 100 . c + 10 . b + a é igual a

(A) 457. (B) 567. (C) 654. (D) 756. (E) 765. 329. (SESP/MT - Perito Oficial Criminal - Funcab/2014) O caderno de questões de determinada prova de um concurso público terá a seguinte composição: dez questões, sendo três de língua portuguesa, três de matemática e quatro de informática, dispostas nessa ordem. Se a banca organizadora da prova dispõe de um banco de questões inéditas contendo 15 de língua portuguesa, 10 de matemática e 4 de informática, determine de quantas maneiras distintas essa banca organizadora poderá montar a prova, se considerar que a ordem das questões em cada disciplina não importa. (A) 27.300 (B) 655.200 (C) 109.200 (D) 54.600 (E) 163.800 330. (SESP/MT - Perito Oficial Criminal - Funcab/2014) Sabendo que 25 candidatos concorrem as três vagas de analista em um concurso e, considerando que todos eles serão aprovados, determine de quantas formas distintas essas três vagas poderão ser preenchidas. (A) 13.800 (B) 2.300 (C) 1.270 (D) 10.050 (E) 3.400 331. (PC/SP - Oficial Administrativo - Vunesp/2014) A mais antiga das funções do Instituto Médico Legal (IML) é a necropsia. Num determinado período, do total de atendimentos do IML, 30% foram 215

necropsias. Do restante dos atendimentos, todos feitos a indivíduos vivos, 14% procediam de acidentes no trânsito, correspondendo a 588. Pode-se concluir que o total de necropsias feitas pelo IML, nesse período, foi (A) 2 500. (B) 1 600. (C) 2 200. (D) 3 200. (E) 1 800. 332. (PC/SP - Oficial Administrativo - Vunesp/2014) Em uma empresa com cinco funcionários, a soma dos dois menores salários é R$ 4.000,00, e a soma dos três maiores salários é R$ 12.000,00. Excluindo-se o menor e o maior desses cinco salários, a média dos 3 restantes é R$ 3.000,00, podendo-se concluir que a média aritmética entre o menor e o maior desses salários é igual a (A) R$ 3.500,00. (B) R$ 3.400,00. (C) R$ 3.050,00. (D) R$ 2.800,00. (E) R$ 2.500,00. 333. (Economia – VESTIBULAR - FGV/2012) Aumentando a base de um triângulo em 10% e reduzindo a altura relativa a essa base em 10%, a área do triângulo (A) Aumenta em 1%. (B) Aumenta em 0,5%. (C) Diminui em 0,5%. (D) Diminui em 1%. (E) Não se altera. 334. (SESP/MT - Perito Oficial Criminal - Funcab/2014) Considerando verdadeira a proposição "todo churrasco é gostoso", assinale a RESPOSTA: verdadeira. (A) A proposição "algum churrasco é gostoso" é necessariamente verdadeira. (B) A proposição "nenhum churrasco é gostoso" é necessariamente verdadeira. (C) A proposição "algum churrasco é gostoso" é verdadeira ou falsa. (D) A proposição "algum churrasco não é gostoso" é necessariamente verdadeira. (E) A proposição "algum churrasco não é gostoso" é verdadeira ou falsa. 335. (Polícia Civil/SP - Investigador – VUNESP/2014) Um antropólogo estadunidense chega ao Brasil para aperfeiçoar seu conhecimento da língua portuguesa. Durante sua estadia em nosso país, ele fica muito intrigado com a frase ―não vou fazer coisa nenhuma‖, bastante utilizada em nossa linguagem coloquial. A dúvida dele surge por que (A) a conjunção presente na frase evidencia seu significado. (B) o significado da frase não leva em conta a dupla negação. (C) a implicação presente na frase altera seu significado. (D) o significado da frase não leva em conta a disjunção. (E) a negação presente na frase evidencia seu significado. 336. (Polícia Civil/SP - Investigador – VUNESP/2014) João e Maria são professores da rede pública de ensino e gostam muito de conhecer novos lugares. Considerando a proposição "João e Maria viajam sempre durante as férias escolares", assinale a negação dessa proposição. (A) "João e Maria não viajam sempre durante as férias escolares". (B) "João e Maria viajam sempre durante o período letivo". (C) "João e Maria viajam algumas vezes durante as férias escolares". (D) "João e Maria viajam algumas vezes durante o período letivo". (E) "João e Maria não viajam sempre durante o período letivo". 337. (Polícia Civil/SP - Investigador – VUNESP/2014) O princípio da não contradição, inicialmente formulado por Aristóteles (384-322 a.C.), permanece como um dos sustentáculos da lógica clássica. Uma proposição composta é contraditória quando (A) seu valor lógico é falso e todas as proposições simples que a constituem são falsas. (B) uma ou mais das proposições que a constituem decorre/ decorrem de premissas sempre falsas. 216

(C) seu valor lógico é sempre falso, não importando o valor de suas proposições constituintes. (D) suas proposições constituintes não permitem inferir uma conclusão sempre verdadeira. (E) uma ou mais das proposições que a constituem possui/ possuem valor lógico indeterminável. 338. (Polícia Civil/SP - Investigador – VUNESP/2014) Uma proposição composta é tautológica quando ela é verdadeira em todas as suas possíveis interpretações. Considerando essa definição, assinale a RESPOSTA: que apresenta uma tautologia. (A) p v ¬q (B) p Ʌ ¬p (C) ¬p Ʌ q (D) p v ¬p (E) p Ʌ ¬q 339. (CGU – Analista de Finanças e Controle – ESAF/2012) Se Iara não fala italiano, então Ana fala alemão. Se Iara fala italiano, então ou Ching fala chinês ou Débora fala dinamarquês. Se Débora fala dinamarquês, Elton fala espanhol. Mas Elton fala espanhol se e somente se não for verdade que Francisco não fala francês. Ora, Francisco não fala francês e Ching não fala chinês. Logo, (A) Iara não fala italiano e Débora não fala dinamarquês. (B) Ching não fala chinês e Débora fala dinamarquês. (C) Francisco não fala francês e Elton fala espanhol. (D) Ana não fala alemão ou Iara fala italiano. (E) Ana fala alemão e Débora fala dinamarquês. 340. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012) A negação da proposição ―se Paulo estuda, então Marta é atleta‖ é logicamente equivalente à proposição: (A) Paulo não estuda e Marta não é atleta. (B) Paulo estuda e Marta não é atleta. (C) Paulo estuda ou Marta não é atleta. (D) Se Paulo não estuda, então Marta não é atleta. (E) Paulo não estuda ou Marta não é atleta. 341. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012) Se Paulo é irmão de Ana, então Natália é prima de Carlos. Se Natália é prima de Carlos, então Marta não é mãe de Rodrigo. Se Marta não é mãe de Rodrigo, então Leila é tia de Maria. Ora, Leila não é tia de Maria. Logo (A) Marta não é mãe de Rodrigo e Paulo é irmão de Ana. (B) Marta é mãe de Rodrigo e Natália é prima de Carlos. (C) Marta não é mãe de Rodrigo e Natália é prima de Carlos. (D) Marta é mãe de Rodrigo e Paulo não é irmão de Ana. (E) Natália não é prima de Carlos e Marta não é mãe de Rodrigo. 342. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Se Viviane não dança, Márcia não canta. Logo, (A) Viviane dançar é condição suficiente para Márcia cantar. (B) Viviane não dançar é condição necessária para Márcia não cantar. (C) Viviane dançar é condição necessária para Márcia cantar. (D) Viviane não dançar é condição suficiente para Márcia cantar. (E) Viviane dançar é condição necessária para Márcia não cantar. 343. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Dizer que ―X é azul ou Y não é vermelho‖ é logicamente equivalente a dizer que: (A) Se X é azul, então Y não é vermelho. (B) X é azul se, e somente se, Y não é vermelho. (C) Se X não é azul, então Y é vermelho. (D) Se Y é vermelho, então X é azul. (E) X não é azul e Y é vermelho. 354. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Se o amarelo é escuro ou o verde é claro, o rosa não é pink e o vermelho não é escarlate. Dessa proposição é correto afirmar que: 217

(A) Se o amarelo é escuro e o verde não é claro, o rosa é pink ou o vermelho é escarlate. (B) Se o amarelo é escuro e o verde não é claro, o rosa é pink ou o vermelho não é escarlate. (C) Se o amarelo é escuro e o verde é claro, o rosa é pink e o vermelho não é escarlate. (D) Se o amarelo é escuro e o verde é claro, o rosa é pink ou o vermelho é escarlate. (E) Se o amarelo não é escuro ou o verde é claro, o rosa não é pink e o vermelho é escarlate. (TRE/RJ – Técnico Judiciário - CESPE/UnB/2012) Ao iniciar uma sessão plenária na câmara municipal de uma pequena cidade, apenas ¼ dos assentos destinados aos vereadores foram ocupados. Com a chegada do vereador Veron, 1/3 dos assentos passaram a ficar ocupados. Nessa situação hipotética, é correto afirmar que: (Questões 345 a 347) 345. Menos de cinco assentos estavam ocupados quando o vereador Veron chegou à câmara municipal. ( )Certo ( ) Errado 346. Os assentos destinados aos vereadores serão todos ocupados somente após a chegada de mais nove vereadores. ( )Certo ( ) Errado 347. Há mais de 15 assentos destinados aos vereadores no plenário da câmara. ( )Certo ( ) Errado (TRE/RJ – Técnico Judiciário - CESPE/UnB/2012) Julgue os itens a seguir tendo como base a seguinte proposição P: ―Se eu for barrado pela lei da ficha limpa, não poderei ser candidato nessas eleições, e se eu não registrar minha candidatura dentro do prazo, não concorrerei a nenhum cargo nessas eleições‖. (Questões 348 a 351) 348. A proposição P é logicamente equivalente a ―Se eu for barrado pela lei da ficha limpa ou não registrar minha candidatura dentro do prazo, não poderei concorrer a nenhum cargo nessas eleições‖. ( )Certo ( ) Errado 349. Se as proposições ―Eu não registrei minha candidatura dentro do prazo‖ e ―Não poderei concorrer a nenhum cargo nessas eleições‖ forem falsas, também será falsa a proposição P, independentemente do valor lógico da proposição ―Eu serei barrado pela lei da ficha limpa‖. ( )Certo ( ) Errado 350. A negação da proposição ―Se eu não registrar minha candidatura dentro do prazo, também não poderei concorrer a nenhum cargo‖ estará corretamente expressa por ―Se eu registrar minha candidatura dentro do prazo, então poderei concorrer a algum cargo‖. ( )Certo ( ) Errado 351. Simbolicamente, a proposição P pode ser expressa na forma ) ), em que p, q, r e s são proposições convenientes e os símbolos e ^ representam, respectivamente, os conectivos lógicos ―se ..., então‖ e ―e‖. ( )Certo ( ) Errado 352. (VALEC – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO - FEMPERJ/2012) Se NÃO é verdade que Epaminondas estuda sempre que seu time joga, então (A) Epaminondas nunca estuda quando seu time joga (B) Epaminondas pode estudar quando seu time joga (C) Epaminondas estuda apenas quando seu time não joga (D) Epaminondas às vezes estuda quando seu time joga (E) Epaminondas só estuda de vez em quando 353. (VALEC – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO - FEMPERJ/2012) Se Mário é mais alto do que Lucas, então Carlos é mais alto do que Diogo. Se Carlos é mais alto do que Diogo, então Chico é mais alto do que Mário. Mas Mário é mais alto do que Lucas. Assim: (A) Mário é mais alto do que Diogo. (B) Chico é mais alto do que Lucas. 218

(C) Mário é mais alto do que Carlos. (D) Lucas é mais alto do que Carlos. (E) Lucas é mais alto do que Diogo. 354. (VALEC – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO - FEMPERJ/2012) Se não é verdade que Paulo gosta de futebol ou de cinema, avalie as afirmativas a seguir: I – Paulo não gosta de futebol. II – Paulo não gosta de cinema. III – Paulo não gosta de futebol nem de cinema. IV – Pode ser que Paulo goste de futebol e de cinema. Estão corretas: (A) I e II, apenas; (B) II e IV, apenas; (C) II, III e IV; (D) I e III, apenas; (E) I, II e III. 355. (TCE/PA - Assessor Técnico de informática - AOCP/2012) Entre um grupo de amigos existe o seguinte arranjo: - Se João vai ao cinema, Maria vai para a lanchonete. - Se Maria vai para a lanchonete, José vai ao cinema. - Se José vai ao cinema, Joaquim vai para a lanchonete. Dessa maneira, se Joaquim foi ao cinema, pode-se afirmar que (A) João não foi ao cinema e José foi ao cinema. (B) João e José foram ao cinema. (C) João não foi ao cinema e Maria não foi à lanchonete. (D) José foi ao cinema. (E) Maria foi à lanchonete. 356. (TCE/PA - Assessor Técnico de informática - AOCP/2012) Sendo p a proposição ―Júnior é alto‖ e q a proposição ―Ricardo é baixo‖, podemos dizer que a proposição p q, traduzida para a linguagem corrente, é (A) Júnior é alto ou Ricardo é baixo. (B) Ricardo é baixo e Júnior é alto. (C) Se Júnior é alto, então Ricardo é baixo. (D) Se Júnior é alto, então Ricardo não é baixo. (E) Júnior é alto se, e somente se, Ricardo é baixo. 357. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Sendo p a proposição ―Juliana gosta de Matemática‖ e q a proposição ―Nayara gosta de Física‖, assinale a RESPOSTA: que corresponde à seguinte proposição em linguagem simbólica: ―Se Nayara gosta de Física, então Juliana gosta de Matemática‖ (A) p ˄ q (B) (~p) ˅ q (C) q → p (D) (~p) ˄ (~q) (E) q ↔ q 358. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Considere a sentença: ―Se Ana é professora, então Camila é médica.‖ A proposição equivalente a esta sentença é (A) Ana não é professora ou Camila é médica. (B) Se Ana é médica, então Camila é professora. (C) Se Camila é médica, então Ana é professora. (D) Se Ana é professora, então Camila não é médica. (E) Se Ana não é professora, então Camila não é médica.

219

359. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Seja p(x) uma proposição com uma variável x em um universo de discurso. Qual dos itens a seguir define a negação dos quantificadores? )] )) I. ~ ∀ ) ∃ )( )] )) II. ~ ∃ ) ∃ )( )] )) III. ~ ∃ ) ∀ )( (A) Apenas I. (B) Apenas I e III. (C) Apenas III. (D) Apenas II. (E) Apenas II e III. 360. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Considere as seguintes proposições: p: O restaurante está fechado. q: O computador está ligado. A sentença ―O restaurante não está fechado e o computador não está ligado‖ assume valor lógico verdadeiro quando (A) p é verdadeira e q é verdadeira. (B) p é falsa e ~q é falsa. (C) p é verdadeira e ~p é verdadeira. (D) p é falsa e q é falsa. (E) ~p é falsa e ~q é falsa.

Respostas Questão 01 Imagine que Ana vá ao trabalho 100 vezes. Como são 20% de carro, 30% de ônibus e 50% de bicicleta então temos: 20 idas de carro. 30 idas de ônibus 50 idas de bicicleta Das 20 idas de carro Ana chega atrasada em 15% das vezes (3 idas). Das 30 idas de ônibus Ana chega atrasada em 10% das vezes (3 idas). Das 50 idas de bicicleta Ana chega atrasada em 8% das vezes (4 idas). Assim, Ana chega atrasa da em 3+3+4 = 10 vezes. Sabendo que Ana chegou atrasada a probabilidade de ela ter ido de carro é: P = 3/10 = 30% que é a divisão das idades de carro atrasada pelo total de atrasos. RESPOSTA: ―E‖. Questão 02 A probabilidade de sair um número divisível por 3 (ou múltiplo de 3) é a probabilidade de ocorrer o evento A = {3; 6; 9; 12; 15; 18; 21; 24; 27; 30; 33; 36; 39; 42; 45; 48; 51; 54; 57; 60; 63; 66; 69; 72; 75; 78; 81; 84; 87; 90; 93; 96; 99}. Como: n(A) = 33 múltiplos de 3 entre 1 e 100 e n(S) = 100 números naturais, então, tem-se:

A probabilidade de sair um múltiplo de 8 é a probabilidade de ocorrer o evento B ={8; 16; 24; 32; 40; 48; 56; 64; 72; 80; 88; 96}. Como: n(B) = 12 múltiplos de 8 entre 1 e 100 e n(S) = 100 números naturais, então, tem-se:

220

Sendo A = {3; 6; 9; 12; 15; 18; 21; 24; 27; 30; 33; 36; 39; 42; 45; 48; 51; 54; 57; 60; 63; 66; 69; 72; 75; ∩B será dado por: A∩B = {24, 48, 72, 96} Portanto, a probabilidade de P (A∩B) será de:

Onde n(A∩B) representa os 3 múltiplos simultâneos de 3 e 8, compreendidos entre 1 e 100. Então, P(A∩B)=P(A)+P(B)-P(A∩B)= RESPOSTA: ―A‖. Questão 03 Se os protocolos de uma empresa devem conter 4 letras, sendo permitida a repetição de caracteres, então podem ser gerados menos de 400.000 protocolos distintos. Para cada ―casa‖ citada anteriormente, podemos locar 26 letras, pois e permitida a repetição das letras, formando, assim: 26 x 26 x 26 x 26 = 456.976 códigos distintos RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 04 Se uma empresa decide não usar as 5 vogais em seus códigos, que poderão ter 1, 2 ou 3 letras, sendo permitida a repetição de caracteres, então e possível obter mais de 1000 códigos distintos. Como não serão permitidas as vogais, então teremos 21 letras para obtenção dos códigos. Observação: será permitida a REPETIÇÃO das letras, excluindo as vogais. 21 letras (código formado por uma letra) = 21 códigos 21 x 21 (código formado por duas letras) = 441 códigos 21 x 21 x 21 = 9.261 códigos Assim sendo, serão obtidos: 21 + 441 + 9.261 = 9723 RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 05 O número total de códigos diferentes formados por 3 letras distintas e superior a 15000. 26x25x24=15600 códigos RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 06 Após serem escolhidos os 9 candidatos, esses formarão a mesa diretora, que será composta por um presidente, primeiro e segundo secretários, ou seja, por 3 desses integrantes. A escolha será feita pelo arranjo simples de 9 pessoas escolhidas 3 a 3, já que a ordem dos elementos escolhidos altera a formação da mesa diretora.

RESPOSTA: ―CERTA‖.

221

Questão 07 Para a escolha dos 9 vereadores dos 30 candidatos, faremos uma combinação simples dos 30 candidatos escolhidos 9 a 9, pois aqui, a ordem de escolha não altera o agrupamento formado, já que, ao ser escolhidos, por exemplo, um agrupamento de 9 pessoas, essas mesmas pessoas não poderão ser escolhidas novamente, mesmo em outra ordem. )

)

RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 08 Só existem 30 candidatos, logo não tem como haver 50 formas distintas de escolher um candidato. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 09 Considerando-se os algarismos de 0 a 9 (0; 1; 2; 3; 4; 5; 6; 7; 8; 9), podemos formar a seguinte quantidade de ―capicuas‖ de sete algarismos, que inicia-se com o algarismo 1. 1 x 10 x 10 x 10 x 1 x 1 x 1=10x10x10=1000 capicuas RESPOSTA: ―D‖. Questão 10 Tem-se a seguinte sequência numérica: marco zero: 1º painel. marco 10 km: 2º painel. marco 20 km: 3º painel. ... Marco 320 km: n-ésimo painel. Obtendo-se a seguinte sequência numérica dada pela progressão aritmética (PA): ){ Sendo a fórmula que define o termo geral de uma PA dada por an= a1+(n – 1).r, teremos: ) n = 33 painéis, em apenas um dos sentidos da rodovia. Para o sentido inverso têm-se mais 33 painéis o que totaliza: 33 + 33 = 66 painéis, ao todo. RESPOSTA: ―D‖. Questão 11 Considerando-se o total inicial da floresta, antes do 1º desmatamento, igual a 100% teremos, após os desmatamentos sucessivos, o seguinte percentual de floresta desmatado: 1º ano: foram desmatados 10% do total (100%), logo, sobraram 90% de floresta não desmatada. 2º ano: foram desmatados 20% da floresta remanescente (90%), logo, sobraram 90% – 20% de 90%. 90% – 20% de 90%. = 90% – 18% = 72% de floresta não desmatada. 3º ano: foram desmatados 10% da floresta remanescente (72%), logo, sobraram 72% – 10% de 72%.

222

72% – 10% de 72%. = 72% – 7,2% = 64,8% de floresta não desmatada. Portanto, foram desmatados 100% – 64,8% = 35,2% RESPOSTA: ―A‖. Questão 12 Podemos interpretar esse enunciado da seguinte forma: ―de um conjunto de 7 bolas azuis e 5 bolas vermelhas, quantos agrupamentos de 3 bolas azuis e 2 bolas vermelhas podemos formar‖? Nesse caso tem-se uma combinação simples de 7 bolas azuis escolhidas 3 a 3 permutando-se com a combinação simples de 5 bolas vermelhas escolhidas 2 a 2. Lembramos que, formamos agrupamentos por combinação, quando a ordem dos elementos escolhidos não altera o agrupamento formado. Por exemplo, um agrupamento formado pelas bolas vermelhas V1 V2 V3 será idêntico a qualquer outro agrupamento formado por essas mesmas bolas, porém e outra ordem. Logo, a ordem desses elementos escolhidos não altera o próprio agrupamento.

RESPOSTA: ―D‖. Questão 13 O número máximo de possíveis listas que Hercules poderia preparar e superior a 12x10!. ―Considere que a Hercules seja dada a escolha de preparar uma lista colocando em ordem os doze trabalhos a serem executados, e que a escolha dessa ordem seja totalmente aleatória‖. Seja a lista de tarefas dada a Hercules contendo as 12 tarefas representada a seguir. Lembrando que a ordem de escolha ficara a critério de Hercules. Então, permutando (trocando) as tarefas de posição, vai gerar uma nova sequencia, ou seja, uma nova ordem da realização de suas tarefas, assim, o numero de possibilidades de Hercules começar e terminar suas tarefas será dada pela permutação dessas tarefas. 12x11x10x9x8x7x6x5x4x3x2x1 ou simplesmente: 12! = 12 x 11 x 10! Como 12x11x10! e diferente de 12x10!. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 14 O número máximo de possíveis listas contendo o trabalho ―matar o leão de Neméia‖ na primeira posição é inferior a 240 x 990 x 56 x 30. Fixando a tarefa ―matar leão de Neméia‖ na primeira posição, vão sobrar 11 tarefas para serem permutadas nas demais casas: x._._._._._._._._._._._=x.11! Sendo X a posição já ocupada pela tarefa ―matar leão de Nemeia‖. Reagrupando os valores, temos: 24 x 990 x 56 x 30. Portanto, inferior a 240 x 990 x 56 x 30, tornando este item ERRADO. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 15 O número máximo de possíveis listas contendo os trabalhos ―capturar a corça de Cerinéia‖ na primeira posição e ― capturar o javali de Erimanto‖ na terceira posição e inferior a 72 x 42 x 20 x 6. Fixando as tarefas ―capturar a corça de Cerinéia‖ na primeira posição e ―capturar o javali de Erimanto‖ na terceira posição, restam 10 tarefas a serem permutadas nas demais posições, assim, temos que: 223

X . 1 . x . 2 . 3 . 4 . 5 . 6 . 7 . 8 . 9 . 10 Sendo ―X‖ as posições já ocupadas pelas tarefas ―capturar a corça de Cerinéia‖ e ―capturar o javali de Erimanto‖, ainda sobram 10 posições a serem permutadas. Ou seja: 10 x 72 x 42 x 20 x 6 Portanto, teremos 10 x 72 x 42 x 20 x 6, um valor superior e diferente de 72x42 x 20 x 6 RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 16 O número máximo de possíveis listas contendo os trabalhos ― capturar a corça de Cerinéia‖ e ― capturar o javali de Erimanto‖ nas ultimas duas posições, em qualquer ordem, e inferior a 6! x 8!. Fixando as tarefas ―capturar a corça de Cerinéia‖ e ―capturar o javali de Erimanto‖ nas duas ultimas posições, e lembrando que essas tarefas podem ser permutadas entre si, pois são colocadas em qualquer ordem, assim, restaram 10 posições a serem permutadas. 10.9.8.7.6.5.4.3.2.1.x.x Sendo ―X‖ as posições já ocupadas pelas tarefas ―capturar a corça de Cerinéia‖ e ―capturar o javali de Erimanto‖, podendo ser permutadas entre si, ainda, sobram 10 posições a serem permutadas. Ou seja: 90 x 8! x 2 que equivale a 180 x 8! Sendo 180 um valor inferior a 6! (6! = 6 x 5 x 4 x 3 x 2 x 1 = 720), logo o valor 180 x 8! será inferior a 6! x 8!, tornando este item CERTO. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 17 Se essa equipe for formada somente com empregados de nível médio e fundamental, então ela poderá ser formada de mais de 60 maneiras distintas. Das 11 pessoas, 3 são de nível superior(S), 3 nível médio(M), e 2 são de nível fundamental(F) Sendo a equipe formada apenas pelos funcionários de escolaridade de nível Médio e Fundamental teremos apenas 3 possibilidades de formação das equipes: 1ª POSSIBILIDADE: Somente 1 funcionário de nível Fundamental e os demais de nível médio. . =2!/1!(2-1)!.6!/3!(6-3)!=40 equipes distintas 2ª POSSIBILIDADE: com 2 funcionários de nível Fundamental e os demais de nível médio. .

=2!/2!(2-2)!.6!/2!(6-2)!=15 equipes distintas

3ª POSSIBILIDADE: Uma equipe formada por funcionários apenas de Nível Médio. .=6!/4!(6-4)!=15 equipes distintas Somando-se os resultados obtidos nas 3 possibilidades anteriores, encontramos: 40 + 15 + 15= 70 equipes distintas Como o item afirma que a equipe poderá ser formada por mais de 60 maneiras distintas. RESPOSTA: ―CERTA‖.

224

Questão 18 Se essa equipe incluir todos os empregados de nível fundamental, então ela poderá ser formada de mais de 40 maneiras distintas. 1ª POSSIBILIDADE: Equipes contendo 2 funcionários de nível fundamental e os demais de nível Superior. .

=2!/2!(2-2)!.3!/2!(3-2)!=3 equipes distintas

2ª POSSIBILIDADE: Equipes contendo 2 funcionários nível fundamental e os demais de nível médio. .

=2!/2!(2-2)!.6!/2!(6-2)!=15 equipes distintas

3ª POSSIBILIDADE: Equipes contendo 2 funcionários de nível fundamental e os demais de nível médio ou superior. .

.

1=2!/2!(2-2)!.6!/1!(6-1)!.3!/1!(3-1)!=18 equipes distintas

Somando-se os resultados obtidos nas 3 possibilidades, teremos: 3 + 15 + 18 = 36 equipes distintas Como o afirmado neste item, diz que existirão mais de 40 maneiras distintas para a formação das equipes. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 19 Formando-se a equipe com dois empregados de nível médio, e dois de nível superior, então essa equipe poderá ser formada de, no máximo, 40 maneiras distintas. Formando-se as equipes com 2 empregados de nível Médio e 2 de Nível Superior, então teremos apenas 1 possibilidade de formação de equipes, já que excluímos todos os funcionários de nível Fundamental. .

=3!/2!(3-2)!.6!/2!(6-2)!=45 equipes distintas

De acordo com a afirmativa do item seriam de, no máximo, 40 equipes distintas. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 20 Com 12 nomes distintos entre si aparecendo de dois em dois, teremos uma combinação simples desses nomes para formarmos um total de possibilidades distintas. =12!/2!(12-2)!=66 duplas de nomes distintos Portanto, é verdadeira. Questão 21 Sejam as agencias A, B e C que deverão receber 4 dos 12 funcionários mencionados no item. Para a primeira agencia, A, temos uma escolha baseada em um agrupamento de 4 pessoas escolhidas dentre as 12 funcionários, possíveis a ocupar essas vagas, ou seja, uma combinação de 12 funcionários escolhidos 4 a 4. Agência A:

=12!/4!(12-4)!=495 maneiras distintas de escolhermos dentre 12 funcionários, 4 funcionários para ocupar uma das 4 vagas da agencia A .

225

Fixando 4 funcionários na primeira agencia, A , teremos, ainda, 8 funcionários que poderão ocupar 4 vagas na agencia B. Portanto, para escolhermos esse novo agrupamento, teremos uma nova combinação, agora, de 8 funcionários, escolhidos 4 a 4. Agência B:

=8!/4!(8-4)!=70 Maneiras distintas de escolhermos dentre 8 funcionários, 4 funcionários para ocupar 4 vagas da agencia B . Por ultimo, ainda sobram 4 funcionários para ocupar as ultimas 4 vagas da ultima agencia C . Portanto, teremos apenas um tipo de agrupamento formado por esses 4 funcionários. Agência C:

=4!/4!(4-4)!=1 Pelo principio multiplicativo, podemos permutar a escolha dos funcionários entre as 3 agências A , B e C , ou seja, teremos um total de possibilidades dada por: 495x70x1=34.650 maneiras distintas de locarmos esses funcionários nas 3 agências Portanto, questão errada. Questão 22 Utilizando os algarismos 0 e 1 e, considerando as sequências com 5 elementos, temos: I) 5 sequências com exatamente 3 zeros em posições consecutivas (00010, 00011, 01000 e 11000) II) 2 sequências com exatamente 4 zeros em posições consecutivas (00001 e 10000) III) 1 sequência com 5 zeros (00000) Portanto, o número de sequências com pelo menos três zeros em posições consecutivas é 5 + 2 + 1 =8 RESPOSTA: ―C‖. Questão 23 Como a urna contém 4 bolas brancas, existem 4 maneiras possíveis de retirar uma bola branca; analogamente, 3 pretas, 2 vermelhas e 1 verde. Assim, pelo Princípio Fundamental da Contagem, o número de casos possíveis em que aparecem exatamente uma bola de cada cor é 4 . 3 . 2 . 1 = 24 RESPOSTA: ―C‖. Questão 24 Observe o número de possibilidades da cor de cada território, dispondo de 4 cores: I) MT = 4 II) GO = 3 (diferente de MT) III) DF = 3 (diferente de GO) IV) MS = 2 (diferente de MT e GO) Assim, pelo Princípio Fundamental da Contagem, o número de maneiras de colorir o mapa é 4 . 3 . 3 . 2 = 72 RESPOSTA: ―72‖. Questão 25 Como há duas possibilidades para a RESPOSTA de cada questão, pelo Princípio Fundamental da Contagem, o número de maneiras distintas de responder as 5 questões é 2 . 2 . 2 . 2 . 2 = 25 = 32 RESPOSTA: ―C‖. Questão 26 226

Existem 6 maneiras de os dois amigos sentarem juntos (ab, ba, bc, cb, cd, dc). Para cada uma das seis possibilidades existem duas formas de os outros se acomodarem. Assim sendo, o total de possibilidades é 6 . 2 = 12 RESPOSTA: ―D‖. Questão 27 Sendo, os pesquisadores das três áreas (7 químicos, 5 físicos e 4 matemáticos), e as comissões compostas por dois cientistas de áreas diferentes, temos 3 situações possíveis: I) 1 químico e 1 matemático: 7 . 4 = 28 duplas II) 1 químico e 1 físico: 7 . 5 = 35 duplas III) 1 matemático e 1 físico: 4 . 5 = 20 duplas Assim, o total de duplas distintas é 28 + 35 + 20 = 83 RESPOSTA: ―D‖. Questão 28 Considerando o 1o. círculo (da esquerda), ele pode ser pintado por qualquer uma das 4 cores disponíveis. Cada um dos demais círculos pode ser pintado pelas 3 cores restantes possíveis (exceto a cor do círculo que o antecede). Portanto, pelo princípio fundamental da contagem, o número total de possibilidades de pintar os círculos, é igual a: 4 . 3 . 3 . 3 . 3 . 3 . 3 = 2916 RESPOSTA: ―D‖. Questão 29 A numeração dos cartões dessa cidade é do tipo

A primeira letra pode ser escolhida entre as 25 restantes e a segunda letra entre as 24 restantes. O primeiro algarismo pode ser escolhido entre os 8 restantes e o segundo entre os sete restantes. Desta forma, o número de cartões é 25 . 24 . 8 . 7 = 33 600 RESPOSTA: ―A‖. Questão 30 Já que os livros são diferentes, o número de maneiras de distribuir esses livros é A 42,2 = 42 . 41 = 1722 RESPOSTA: ―B‖. Questão 31 Existem 10 maneiras para escolher o coordenador, 9 maneiras para o secretário e 8 para o digitador, assim, o número de equipes é 10 . 9 . 8 = 720 ou A10; 3 = 10 . 9 . 8 = 720 RESPOSTA: ―E‖. Questão 32 Os algarismos que restam não podem ser 5, 8, 3, 4 ou 7 e, além disso, o último só pode ser 2 ou 6. Os dois algarismos que restam podem ser obtidos de 4 . 3 maneiras diferentes. Portanto, o total de possibilidades é 2 . 4 . 3 = 24. Quando se esgotaram os créditos do seu telefone celular, Teodoro havia feito 24 – 1 = 23 ligações. RESPOSTA: ―A‖. Questão 33 Dispondo dos algarismos 1, 2, 3 e 4, sem repetição, podem ser formados: I) Números com 1 algarismo, num total de 4 II) Números com 2 algarismos, num total de 4 . 3 = 12 227

III) Números com 3 algarismos, num total de 4 . 3 . 2 = 24 IV) Números com 4 algarismos, num total de 4 . 3 . 2 . 1 = 24 Assim, a quantidade pedida é 4 + 12 + 24 + 24 = 64 RESPOSTA: ―E‖. Questão 34 Dispondo dos algarismos de 0 a 9, sem repetição, para formar números entre 11 e 1000, temos: I) Números com 2 algarismos, começando com 1, num total de 8. II) Números com 2 algarismos, começando com algarismo diferente de zero e de 1, num total de 8 . 9 = 72 III) Números com 3 algarismos, começando com algarismo diferente de zero, num total de 9 . 9 . 8 = 648 Assim, a quantidade pedida é 8 + 72 + 648 = 728 RESPOSTA: ―C‖. Questão 35 Dos 6 vagões do trem, um deles é o restaurante, assim, após a locomotiva deve ser colocado um dos outros 5 vagões. Para as demais posições não há restrições, logo, pode-se permutar os 4 vagões restantes com o restaurante. Portanto, o número de maneiras de montar a composição é 5 . P5 = 5 . 5! = 5 . 120 = 600 RESPOSTA: ―D‖. Questão 36 As etapas são do tipo

, num total de

P3 = 3! = 3 . 2 . 1 = 6 RESPOSTA: ―6‖. Questão 37 Se A e B devem ficar juntas, podem ser consideradas como uma única etapa que será permutada com as outras três (C, D e E), totalizando P4 = 4! = 4 . 3 . 2 . 1 = 24 maneiras. Para A e B juntas, em qualquer ordem, existem P2 = 2! = 2 . 1 = 2 maneiras. Assim, o número total de sequências é P4 . P2 = 24 . 2 = 48 RESPOSTA: ―48‖. Questão 38 Existem 3 formas de escolher o banco em que a família Souza irá sentar e P3 formas de posicioná-la nesse banco. Existem 2 formas de escolher, entre os bancos que sobraram, aquele em que o casal Lúcia e Mauro senta. Para cada um desses bancos existem duas formas de posicionar o casal (à esquerda ou à direita do banco, por exemplo) e, para cada uma dessas formas, P2 maneiras de o casal trocar de lugar entre si. Existem P4 formas de posicionar as quatro outras pessoas. Assim, no total, temos: 3 . P3 . 2 . 2 . P2 . P4 = 12 . 3! . 2! . 4! = 3456 maneiras distintas de dispor os passageiros no lotação. RESPOSTA: ―E‖. Questão 39

C7,3=

228

RESPOSTA: ―35‖. Questão 40 Para comissões de 5 pessoas com, necessariamente, 2 médicos, devem-se escolher, portanto, 3 enfermeiros entre os 6 existentes. O número de maneiras de escolhê-los é C6,3=6.5.4/3.2.1=20 RESPOSTA: ―C‖. Questão 41 I) Todos os júris de 7 pessoas tem pelo menos um advogado. II) O número de formas de compor o júri é C7,10=10!/7!3!=10.9.8/6=120 RESPOSTA: ―A‖. Questão 42 Dos 7 professores especializados em Parasitologia, devem ser escolhidos 4 e, dos 4 especializados em Microbiologia, devem ser escolhidos 2. Assim, o número de equipes diferentes que poderão ser formadas é C7,4.C4,2=7.6.5/3.2.1.4.3/2.1=35.6=210 RESPOSTA: 210 equipes distintas. Questão 43 C5,3.C4,2.C4,3= RESPOSTA: ―C‖. Questão 44 Na primeira fase, foram realizados 4 . C5,2 = 4 . 10 = 40 jogos; na segunda fase, 4 jogos; na terceira fase, 2 jogos e na final, 1 jogo. O total de jogos é 40 + 4 + 2 + 1 = 47 RESPOSTA: ―E‖. Questão 45 Existem 3 possibilidades: I) A comissão é formada por 1 especialista e 2 outros profissionais. Assim, tem-se: C3,1 . C9,2 = 3 . 36 = 108 II) A comissão é formada por 2 especialistas e 1 outro profissional. Assim, tem-se: C3,2 . C9,1 = 3 . 9 = 27 III) A comissão é formada por 3 especialistas. Assim, tem-se: C3,3 = 1 O total de comissões possíveis de se formar é: 108 + 27 + 1 = 136 RESPOSTA: ―D‖. Questão 46 Para que a área de um dos triângulos seja maior que 2 cm², seus 3 vértices não podem pertencer a uma mesma face do cubo. Resulta, então C8,3 – 6 . C4,3 = 56 – 6 . 4 = 32 RESPOSTA: ―A‖. Questão 47 I) O número total de permutações da palavra economia é II) O número de permutações que começam com O é P7. O número das que terminam em O também é P7. III) O número de permutações que começam e terminam com O é P6. IV) O número de permutações pedidas é

.P7+P6=10800

RESPOSTA: ―E‖. 229

Questão 48 Encontrar as soluções inteiras e não negativas da equação x + y + z + w = 5 consiste em distribuir 5 unidades nos quadros abaixo:

Observe alguns exemplos: __ + _ + + __ fi solução (2; 1; 0; 2) _ + + + ____ fi solução (1; 0; 0; 4) Assim, o número de soluções diferentes é dado por |

)

RESPOSTA: ―E‖. Questão 49 Considerando, num total de 10 rapazes, 5 capitães das equipes e 5 outros jogadores. Definidos os 5 capitães e suas respectivas equipes, o número de maneiras de completar as 5 equipes com os 5 outros jogadores é P5 = 5! = 5 . 4 . 3 . 2 . 1 = 120 RESPOSTA: ―120‖. Questão 50 O número de partidas entre as 5 equipes é C5,2= RESPOSTA: ―10‖. Questão 51 Algarismos utilizados na formação das senhas = 7 Senhas com 4 algarismos = 7 . 6 . 5 . 4 = 840 Senhas com 5 algarismos = 7 . 6 . 5 . 4 . 3 = 2520 Senhas com 6 algarismos = 7 . 6 . 5 . 4 . 3 . 2 = 5040 Total de senhas = 840 + 2520 + 5040 = 8400 (letra b) RESPOSTA ―B‖. Questão 52 Palavra BRASIL em ordem alfabética: ABILRS Iniciadas com as letras AB = 4! = 24 Iniciadas com as letras AIB = 3! = 6 Iniciadas com as letras AILB = 2! = 2 Iniciadas com as letras AILRBS = 1 Iniciadas com as letras AILRSB = 1 Logo: 24 + 6 + 2 + 1 + 1 = 34 RESPOSTA ―C‖. Questão 53 Se todos têm entre 30 a 50, mesmo que sejam 31 a 39 para alguns homens e 36 a 50 para algumas mulheres, independente da idade que tenham cada um, todos terão que ser representados por um numero inteiro (30,40 ou 50). Sendo assim, a mulher de 39, por ex. terá que ser representada pelo numero 40 (inteiros). Os homens com menos de 40, representados por 30 (inteiros), não especifica quantos homens tem entre 35 a 40, então a letra D não é valida, assim como também não especifica quantos homens tem acima de 40, tornando invalida a letra A. O mínimo para se ter idade diferente, representados com números inteiros é 1 (20 pessoas com 30, 19 pessoas com 40 e 1 pessoa com 50) então a letra E não é

230

válida. Como todos são representados por números inteiros, as idades disponíveis são 30, 40 e 50, fazendo com que as idades se repitam, tornando a RESPOSTA: C como correta. RESPOSTA ―C‖. Questão 54 Hortelã / Caramelo / Coco 6 / 4 / 3 → nessa situação temos um arranjo, já que a ordem dos números importa (são números diferentes). Assim, 3! = 6. Temos 6 maneiras diferente de arranjar esses números, 6 maneiras diferente de formar os saquinhos. (6/4/3; 4/6/3; 4/3/6; 6/3/4; 3/6/4; 3/4/6) 7 / 3 / 3 → nessa situação não temos um arranjo, mas sim uma combinação, pois a ordem dos números não importa (já que temos números repetidos). Assim, C = 3!/2.(3-2)! = 6/2 = 3. Temos então 3 maneiras diferente de combinar esse par de 3 com o 7. (7/3/3; 3/7/3; 3/3/7) 5 / 5 / 3 → nessa situação não temos um arranjo, mas sim uma combinação, pois a ordem dos números não importa (já que temos números repetidos). Assim, C = 3!/2.(3-2)! = 6/2 = 3. Temos então 3 maneiras diferente de combinar esse par de 5 com o 3. (5/5/3; 5/3/5; 3/5/5) 5 / 4 / 4 → nessa situação não temos um arranjo, mas sim uma combinação, pois a ordem dos números não importa (já que temos números repetidos). Assim, C = 3!/2.(3-2)! = 6/2 = 3. Temos então 3 maneiras diferente de combinar esse par de 4 com o 5. (5/4/4; 4/4/5; 4/5/4) Portanto, 6 + 3 + 3 + 3 = 15 RESPOSTA ―E‖. Questão 55

II) Os divisores positivos de 60 são: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 10,12,15, 20, 30 e 60. III) O número 60 tem 12 divisores positivos, assim, o espaço amostral tem 12 elementos, dos quais 3 são primos. IV)

)

RESPOSTA: ―C‖. Questão 56 A partir da distribuição apresentada no gráfico, temos: 8 mulheres sem filhos. 7 mulheres com 1 filho. 6 mulheres com 2 filhos. 2 mulheres com 3 filhos. Como as 23 mulheres têm um total de 25 filhos, a probabilidade de que a criança premiada tenha sido um(a) filho(a) único(a) é igual RESPOSTA: ―E‖.

231

Questão 57

) RESPOSTA: ―D‖. Questão 58 I) II) III) IV) A alternativa que mais se aproxima de P1 + P2 é a E. RESPOSTA: ―E‖. Questão 59 Sendo A e B eventos independentes, P(A∩B) = P(A) . P(B) e como P(A∪B) = P(A) + P(B) – P(A∩B), temos: P(A∪B) = P(A) + P(B) – P(A) . P(B) → 0,8 = 0,3 + P(B) – 0,3 . P(B) 0,7 . P(B) = 0,5 P(B) = RESPOSTA: ―B‖. Questão 60 Observe que no problema temos um dado ―viciado‖ Na realidade um dado ―padrão‖ é um cubo em que todas as faces têm a mesma possibilidade de sair, ou seja, por exemplo, ao calcularmos a probabilidade de em um lançamento do dado ―padrão‖ termos o número 5 como face superior basta efetuarmos a seguinte divisão: A = evento de jogar o dado e sair o número 5 na face superior. P (A) = probabilidade do evento A ocorrer = nº de possibilidades de A ocorrer / nº total de resultados que podem ocorrer (também conhecido como espaço amostral). Observem que P(A) é uma divisão onde o numerador é apenas o número 1 (possibilidade de sair o número 5) e o denominador é o número 6 (são todas as possibilidades do espaço amostral, ou seja, de sair números distintos no dado, podendo sair 1, 2, 3, 4, 5 e até o 6). Então no dado ―padrão‖ P(A) = 1/6 (verifique que esta probabilidade é a mesma para qualquer outro número, não somente para o número 5). Neste dado ―viciado‖, a probabilidade de sair um resultado par é 300% maior que a probabilidade de sair um resultado ímpar. A = sair nº 1 P(A) = x B = sair nº 2 P(B) = 300%x = 3x C = sair nº 3 P(C) = x D = sair nº 1 P(D) = 300%x = 3x E = sair nº 1 P(E) = x F = sair nº 1 P(F) = 300%x = 3x Tem-se ainda que a probabilidade de sair dois resultados seguidos é dada pela multiplicação das probabilidades de dar cada um dos resultados isoladamente. No dado se você quer jogar o dado duas vezes seguidas e tirar um número par e um número ímpar, não importa a ordem, desse modo: A = evento de tirar um número par 232

P(A) = probabilidade de jogar o número e dar par B = evento de tirar um número ímpar P(B) = probabilidade de jogar o número e dar ímpar A = tirar os números 2, 4 e 6 = 3x + 3x + 3x = 9x Espaço amostral = total de possibilidades= x(sair 1)+x(sair 3)+x (sair 5)+3x(sair)+3x(sair 4) + 3x (sair 6) = 12x P(A) = 9x / 12x = 9 /12 B = tirar os números 1, 3 e 5 = x + x + x = 3x Espaço amostral = total de possibilidades = x (sair 1) + x (sair 3) + x (sair 5) + 3x (sair 2) + 3x (sair 4) + 3x (sair 6) = 12x P(A) = 3x / 12x = 3 /12 Probabilidade de sair um número par e depois um número ímpar=P(A)xP(B) Onde P (A) x P (B) = 9/12 x 3/12 = 3/4 x 1/4 = 3/16 = 0,1875 = 18,75% Mas não se deve esquecer da probabilidade de sair primeiro um número ímpar e depois um número par = P (B) x P (A) = 3/12 x 9/12 = 0,1875 Como os dois resultados resolvem o problema a probabilidade de ambos deverá ser somada, ou seja, a probabilidade de que ocorram exatamente uma face par e uma face ímpar (não necessariamente nesta ordem) é igual a P (A) x P (B) + P(B) x P(A) = 0,1875 + 0,1875 = 0,375 RESPOSTA: ―D‖. Questão 61 Dos 200 homens, 110 não são solteiros e a probabilidade pedida é, portanto RESPOSTA: ―C‖. Questão 62 I) O número de bolas na urna é 100, numeradas de 1 a 100. II) As bolas cujo número é um quadrado perfeito são 1, 4, 9, 16, 25, 36, 49, 64, 81 e 100, num total de 10 bolas. III) As bolas cujo número é um cubo perfeito são 1, 8, 27 e 64, num total de 4 bolas. IV) Observando que as bolas com número 1 e número 64 foram contadas duas vezes, a probabilidade pedida é

RESPOSTA: ―C‖. Questão 63 I) Existem A5,3 = 5 . 4 . 3 = 60 números de três algarismos distintos tomados do conjunto {1; 2; 3; 4; 5}. II) Existem 3 . A3,2 = 3 . 3 . 2 = 18 números de três algarismos distintos, tomados do conjunto {1; 2; 3; 4; 5}, nos quais aparece o algarismo 2 e não aparece o algarismo 4, que são do tipo 2 □□ ou □2□ ou □□2.

233

III) Assim, a probabilidade pedida é RESPOSTA: ―C‖. Questão 64 I) O número de maneiras distintas das 8 pessoas ocuparem os lugares é P8=8! II) Sendo 4 homens e 4 mulheres, para que nunca fiquem lado a lado duas pessoas do mesmo sexo, existem duas maneiras de posicioná-las: HMHMHMHM ou MHMHMHMH III) Para cada uma dessas maneiras, pode-se permutar os 4 homens entre si e as 4 mulheres entre si, assim, a probabilidade pedida é RESPOSTA: ―E‖. Questão 65 I) Das 12 arestas de um cubo, o número de maneiras de escolher duas é C12, 2 = II) As 12 arestas do cubo podem ser divididas em 3 grupos de 4 arestas paralelas, assim, o número de maneiras de escolher duas paralelas é 3.C4, 2=3.6 = 18 III) A probabilidade pedida é RESPOSTA: ―E‖. Questão 66 Os 36 resultados possíveis no lançamento de dois dados têm somas que variam de 2 a 12. Neste intervalo, os primos possíveis são 2, 3, 5, 7 e 11. Os pares de resultados cujos números são consecutivos e a soma resulta em número primo são: (1;2), (2;1), (2;3), (3;2), (3;4), (4;3), (5;6) e (6;5), pois 1 + 2 = 2 + 1 = 3, 2 + 3 = 3 + 2 = 5, 3 + 4 = 4 + 3 = 7 e 5 + 6 = 6 + 5 = 11, num total de 8 possibilidades. Assim, a probabilidade é p = RESPOSTA: ―A‖. Questão 67 Espaço amostral (S): 3 bolas brancas e 2 bolas pretas. Número de elementos do espaço amostral: n(S) = 5 bolas. Nesse caso, ou as duas bolas serão brancas, ou pretas. Probabilidade de ambas serem brancas (sem reposição):

Probabilidade de ambas serem pretas (sem reposição):

Portanto, a probabilidade de serem da mesma cor será dada por:

234

RESPOSTA: ―C‖. Questão 68 Centenas iniciando-se pelo algarismo 3 e terminando, necessariamente, com o algarismo 1.

Centenas iniciando-se pelo algarismo 4 e terminando, necessariamente, com o algarismos 1.

Centenas iniciando-se pelo algarismo 4 e terminando, necessariamente, com o algarismos 3.

Centenas iniciando-se pelo algarismo 6 e terminando, necessariamente, com o algarismos 1.

Centenas iniciando-se pelo algarismo 6 e terminando, necessariamente, com o algarismos 3.

Num total de 3 + 3 + 3 + 3 + 3 = 15 possibilidades RESPOSTA: ―A‖. Questão 69 Na 1ª sala teremos 4 possibilidades de escolhas, ou seja, apenas os 4 homens. Na 2ª sala teremos 5 possibilidades de escolhas, ou seja, 3 homens e 2 mulheres, já que 1 dos homens estará presente na 1ª sala. Na 3ª sala teremos 4 possibilidades de escolhas, já que 2 das 6 pessoas já estão alocadas nas duas primeiras salas. E, assim, sucessivamente, teremos para as demais salas, as seguintes possibilidades. Na 4ª sala teremos 3 possibilidades. Na 3ª sala teremos 2 possibilidades.

RESPOSTA: ―B‖. Questão 70 Consideraremos, inicialmente, a Presidenta e o Vice-Presidente como sendo ―única pessoa‖. Assim, não havendo mais restrições, a quantidade de formas distintas que essas 5 pessoas poderão sentar-se em torno de uma mesa redonda será dada pela permutação circular:

235

(PC)5 = (5 – 1)!

(PC)5 = 4!

(PC)5 = 4.3.2.1

(PC)5 =24 FORMAS DISTINTAS

Mesmo estando juntos, a Presidenta e o Vice-Presidente, os mesmos poderão permutar entre si de lugares, logo, devemos multiplicar o resultado anterior por 2!. Total de formas distintas = 24.2!=24.2=48 RESPOSTA: ―D‖. Questão 71 O agrupamento a ser escolhido não permitira a permutação de sua primeira escolha. Por exemplo, se um convidado A apertar a mão direita de um convidado B, o mesmo candidato A não poderá apertar a mão esquerda do convidado B, pois resultara no mesmo cumprimento a uma mesma pessoa. Portanto, o agrupamento escolhido e uma combinação, entre ―x‖ convidados escolhidos dois a dois (pois o candidato poderá apertar a mão esquerda ou a direita de outro convidado). C²=45 x!/2!(x-2)!=45 x(x-1)(x-2)!/2(x-2) = 45 x(x-1)=90 x²-x-90=0 Determinando os valores reais das raízes por soma e produto temos: S=1 P=-90 Raízes são 10 e -9, portanto x=10, pois o outro resultado é negativo. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 72 Do total de comissões possíveis, devemos excluir aquelas em que aparecem Andréia e Manoel (C6;3), Andréia e Alberto (C6;3) e Andréia, Manoel e Alberto (C6;2). Dessa forma, o número de comissões possíveis é: C9,5-2C6,3-C6,2=9.8.7.6/4.3.2.1-2.6.5.4/3.2.1-6.5/2.1=126-40-15=71 RESPOSTA: ―A‖. Questão 73 Sejam L, L as duas letras iguais e L1, L2, L3, ... Ln–2 as outras n – 2. Se as duas letras iguais devem ficar juntas então devemos calcular as permutações de n – 1 elementos, pois as duas letras iguais valem por uma única letra. Assim sendo: (n – 1)! = 120↔ (n – 1)! = 1.2.3.4.5 ↔ (n – 1)! = 5! ↔ n – 1 = 5 ↔ n = 6 RESPOSTA: ―C‖. Questão 74 I) O número de comissões diferentes, de 2 pessoas cada, que podemos formar com os n diretores de uma firma é Cn,2. Logo: Cn,2 = k

)

n . (n – 1) = 2k

II) Se, ao formar estas comissões, tivermos que indicar um das pessoas para presidente e a outra para suplente então número de comissões será An,2 e portanto:

236

An, 2 = k + 3 n . (n – 1) = k + 3 III) De (a) e (b), temos: 2k = k + 3 ↔k = 3 IV)

) )

RESPOSTA: ―A‖. Questão 75 Se 2/3 dos processos são de A, ou seja, envolvem autoridades influentes, então 1/3 dos processos não envolvem autoridades influentes. Assim, o item está correto, pois 1/3 > 0,30 = 30%. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 76 O conjunto dos processos que não são prioritários para a análise é: os não envolvem autoridades influentes e não envolvem desvio de altos valores. Tal conjunto está corretamente representado por Cp(A) ∩ Cp(B). RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 77 As quantidades de processos envolvendo autoridades influentes e desvios de altos valores devem, necessariamente, satisfazer a seguinte relação: n(P) = n(A) + n(B) – n(AÇB) + n(N) em que n(P) é a quantidade total de processos da unidade, n(A) é a quantidade de processos do conjunto A, n(B) é a quantidade de processos do conjunto (B), n(A∩B) é a quantidade de processos que simultaneamente pertencem ao conjunto A e ao B, e n(N) é igual à quantidade de processos que não são prioritários para a análise. Sem perda de generalidade, vamos considerar que existam 15 processos na unidade. Nesta hipótese, teríamos: n(P) = 15, n(A) = 10 (2/3 de 15), n(B) = 9 (3/5 de 15) Assim, a relação entre as quantidades seria: n(P) = n(A) + n(B) – n(A∩B) + n(N) 15 = 10 + 9 – n(A∩B) + n(N) n(A∩B) = 4 + n(N) O resultado indica que a quantidade de processos com prioridade de análise por envolverem, simultaneamente, autoridades influentes e desvios de altos valores é 4 unidades maior do que à de processos que não são prioritários para a análise, ou seja, a quantidade de processos com prioridade de análise por envolverem, simultaneamente, autoridades influentes e desvios de altos valores é superior à de processos que não são prioritários para a análise. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 78 Sejam p(S), p(N) e p(B) as probabilidades de Silva, Nascimento e Barbosa, respectivamente, vencerem a competição. Se as probabilidades de Silva e Nascimento são iguais e, cada uma delas é igual ao dobro da probabilidade de Barbosa, então: p(S) = 2x p(N) = 2x p(B) = x

237

Como necessariamente um deles será o vencedor, a soma das probabilidades deve ser igual a 1 (100%), ou seja: p(S) + p(N) + p(B) = 1 2x + 2x + x = 1 5x = 1 x = 1/5 Desta forma, a probabilidade de Barbosa ou Silva vencer a competição é igual a 1 (100%) menos a probabilidade de Nascimento ser o vencedor: p(B ou S) = 1 – p(N) p(B ou S) = 1 – 2/5 p(B ou S) = 3/5 RESPOSTA: ―D‖. Questão 79 Existem 10 maneiras de o delegado interrogar cada um dos 10 suspeitos. A escolha de 2 pessoas quaisquer dentre 10 para o interrogatório pode ser feita de C10,2 modos. A escolha de 3 pessoas quaisquer dentre 10 para o interrogatório pode ser feita de C10,3 modos. A escolha de 4 pessoas quaisquer dentre 10 para o interrogatório pode ser feita de C10,4 modos. A escolha de 5 pessoas quaisquer dentre 10 para o interrogatório pode ser feita de C10,5 modos. Portanto, o delegado deverá fazer uma quantidade de interrogatórios, N, dada por:

RESPOSTA: ―E‖. Questão 80 Se os eventos A e B do mesma espaço amostral são independentes, então, P(A∩B) = P (A) . P (B), assim: ) ∪ )

{

) ∪ )

)

) )

∩ ) )

)

) ) RESPOSTA: ―D‖. Questão 81 A partir do enunciado, as possibilidades das somas dos números obtidos estão representadas na tabela abaixo.

238

Notando que dentre as 36 possibilidades, a soma obtida e impar em 20 possibilidades, conclui-se que, a probabilidade de que a soma dos números obtidos seja impar e:

RESPOSTA: ―A‖. Questão 82 O numero de maneiras de distribuirmos n objetos diferentes em duas caixas diferentes e dado por: ( )

( )

RESPOSTA: ―B‖. Questão 83 1) Se as três seleções sul-americanas não ficarão no mesmo grupo deveremos ter duas em um grupo e uma no outro grupo. Existem C3; 2 formas de escolher as duas que ficarão juntas. 2) Existem C5; 2 formas de escolher as outras duas seleções que completarão o grupo onde se encontram as duas sul-americanas juntas. As demais seleções ficarão no outro grupo. 3) Existem duas maneiras de escolher as cidades onde cada grupo jogara. 4) O total de maneiras de selecionar esses grupos e 2 . C3; 2 . C5; 2 = 60 RESPOSTA: ―D‖. Questão 84 Com base nas informações anteriores, assinale a opção incorreta: A) Apenas 10 candidatos tem experiência nos 3 setores. B) O Somente 36 candidatos tem experiência no setor de conserto de tubulações urbanas. C) Apenas 15 candidatos tem experiência no setor de ampliações e reformas de subestações. D) Somente 2 candidatos tem experiência apenas nos setores de montagem e de ampliações e reformas de subestações. E) Somente 1 candidato tem experiência apenas nos setores de conserto de tubulações urbanas e de ampliações e reformas de subestações. A representação dos três conjuntos, I, II e III, por diagrama s de Venn, pode ser dada por:

239

Convém indicar inicialmente por ―x‖ o numero de elementos de (I n II n III), isto e, o numero de candidatos que tinham experiência nos três setores classificados.

A seguir indicaremos o numero de elementos comuns de (I n II), (I n III) e (II n III) por ―x‖. Logo, os elementos excedentes a ―x‖, são, respectivamente: (21 - x); (13 - x) e (11 - x). Assim, então, podemos representar o que se segue:

Completando o restante do Diagrama de Venn com os valores citados no enunciado, temos:

Para determinarmos os valores de ―x‖ e ―y‖, consideramos o primeiro dado do enunciado: - 28 pessoas a RESPOSTA: I. Logo, podemos dizer que: 4 + (13 - x) + x + (21 - x) = 28 4 + 13 - x + x + 21 - x = 28 ^ 38 - x = 28 - x = 28-38 - x = - 10 x(- 1) x = 10 candidatos.

240

De acordo com os dados da questão, a soma de todos os elementos contidos no diagrama de Venn acima e 44. Assim sendo, podemos determinar o valor de ―y‖: 4 + (13 - 10) + 10 + (21 - 10) + (11 - x) + 1 + y = 44, e substituindo ―x = 10‖, vem: 30 + y = 44 y = 44 - 30 y=14 candidatos Concluímos, então, que o diagrama de Venn pode ser apresentado das seguintes formas abaixo:

Assim sendo, a única RESPOSTA: que discorda do diagrama de Venn acima e o item c, que afirma que somente 2 (e não 3!!!) candidatos tem experiência apenas nos setores de montagem e de ampliações e reformas de subestações. RESPOSTA: ―C‖. Questão 85 Devemos fazer o digrama, começando pelas interseções: - Preferiram os dois produtos: x. - Preferiram somente o produto A: 210 - x. - Preferiram somente o produto B: 190 - x - Não opinaram: 45 pessoas. - Total: 320 pessoas.

210 – x + x + 190 - x + 45 = 320 445 – x = 320 - x = 320 – 445 - x = -125 x = 125 Substituindo o valor de x, teremos:

241

O total de entrevistados que preferiram somente um dos produtos (ou o A ou o B) foi de: 85 + 65 = 150 RESPOSTA: ―A‖. Questão 86 Devemos fazer o digrama, começando pelas interseções: - Escolheram os dois produtos: x. - Escolheram somente o produto A: 175 - x. - Escolheram somente o produto B: 120 - x. - Não opinaram: 35 pessoas. - Total: 320 pessoas.

175 – x + x + 120 – x + 35 = 320 330 – x = 320 - x = -10 x = 10 Substituindo o valor de x, teremos:

- 10 pessoas escolheram os dois produtos. - 165 pessoas escolheram somente o produto A. - 110 pessoas escolheram apenas o produto B. - 165 + 10 + 110 = 285 pessoas gostam do produto A ou do produto B. RESPOSTA: ―B‖. Questão 87 Devemos fazer o digrama, começando pelas interseções de dentro par fora: - Praticam os três: 23 alunos - Praticam somente aeróbica e natação = 62 – 23 = 39 alunos. - Praticam somente natação e boxe: 75 – 23 = 52 alunos. - Praticam somente aeróbica e natação: 80 – 23 = 57 alunos.

242

Prosseguindo, temos que: - 170 praticam aeróbica: 170 – (39 + 23 + 57) = 51 praticam somente aeróbica. - 148 praticam natação: 148 – (39 + 23 + 52) = 34 praticam somente natação. - 172 praticam boxe: 172 – (57 + 23 + 52) = 40 praticam somente boxe.

Somando todos os valores: 51 + 39 + 34 + 57 + 23 + 52 + 40 = 296, como no total são 320 alunos, podemos concluir que 320 – 296 = 24 alunos não praticam aeróbica, boxe, ou natação.

- praticam somente natação: 34 alunos - praticam natação ou aeróbica: 51 + 39 + 34 + 57 + 23 + 52 = 256 alunos. - praticam aeróbica ou boxe: 51 + 39 + 57 + 23 + 52 + 40 = 262 alunos. - O total de alunos que não fazem aeróbica, boxe e natação é igual a 24. - praticam somente boxe: 40 alunos Essa questão não possui RESPOSTA: correta. Deveria ter sido anulada. O gabarito apontado pela IBFC foi a letra C. Questão 88 Mais uma vez devemos fazer o digrama, começando pelas interseções: 243

- Votaram nos dois candidatos: x %. - Votaram somente no candidato A: 55% - x %. - Escolheram somente o produto B: 75% - x %. - Votos em branco: 10% - Total: 100%

55 – x + x + 75 – x + 10 = 100 140 – x = 100 - x = - 40 x = 40 Então:

Pode-se afirmar então que o total de funcionários que escolheram somente um dentre os dois candidatos foi de: 15% + 35% = 50%. RESPOSTA: ―A‖. Questão 89 Novamente devemos começar pela interseção: 60 pessoas estavam contaminadas pelos dois vírus. Contaminadas somente pelo vírus X: 450 – 60 = 390

390 + 60 + y = 1000 450 + y = 1000 y = 1000 – 450 y = 550 RESPOSTA: ―D‖. Questão 90 - Praticam os dois: 12 alunos - Praticam apenas futebol: 32 – 12 = 20 alunos 244

- Se 54 alunos praticam apenas um esporte e 20 alunos praticam apensa futebol, então 54-20=34 praticam apenas basquete. - Os alunos que não praticam basquete são aqueles que praticam apenas futebol mais aqueles que não praticam nenhum dos dois esportes, logo, 74 – 20 = 54 não praticam nenhum dos dois esportes.

U = 20 + 12 + 34 + 54 U = 120 alunos RESPOSTA: ―B‖. Questão 91 Representando as premissas P1, P2 e P3 por diagramas lógicos, teremos: P1: Todos os ϫ são ¥.

245

Logo, podemos concluir que: (a) Se todos os ϫ são ¥ e todos os ¥ são Ϯ, portanto, Todos os ϫ são Ϯ. (b) Quem é € não é Ϯ, logo, também não será nem ϫ, nem ¥. RESPOSTA: ―D‖. Questão 92 Sejam as premissas: P1: Existe pelo menos um chiclete que é de hortelã. P2: Todos os doces do pote que são de sabor hortelã são verdes. Portanto, representando as premissas P1 e P2 na forma de diagramas lógicos, obteremos a seguinte situação conclusiva:

P2: Todos os doces do pote que são de sabor hortelã são verdes. Podendo ser representa de duas formas:

Por esses diagramas, podemos concluir que: (a) Nem todo chiclete é de hortelã e verde. (b) algum chiclete é de hortelã e verde. (c) todos os chicletes podem ser verdes ou não. RESPOSTA: ―D‖. Questão 93 Montaremos o diagrama dos 3 conjuntos citados de Euller-Venn, passo a passo, a seguir: 1º passo: 12 são loiras;

246

2º passo: 6 têm olhos azuis;

3º passo: 15 têm cabelos curtos;

4º passo: 2 são loiras, têm olhos azuis e não têm cabelos curtos;

5º passo: 2 têm olhos azuis e cabelos curtos e não são loiras;

247

6º passo: 1 é loira, tem olhos azuis e cabelos curtos.

7º passo: preenchimento dos espaços restantes. (a) 1 criança possui, somente, olhos azuis;

(b) ―x‖ são loiras, têm cabelos curtos e não têm olhos azuis;

(c) ―12 – (2 + 1 + x) = 9 – x: são, somente, loiras; 248

(d) ―15 – (2 + 1 + x) = 12 – x: possuem, somente, cabelos curtos;

Portanto, a soma das partes desse diagrama é igual a 24: 9 – x + x + 1 + 2 + 2 + 1 + 12 – x = 24 27 – x = 24 x=3 RESPOSTA: ―A‖.

Questão 94 Inicialmente, representaremos o que foi dado pelo enunciado:

249

Primeiramente, determinaremos (Y U Z):

E, a seguir, (Y U Z) ∩ X :

14 + 2 + 5 = 21 elementos RESPOSTA: ―D‖. Questão 95 De acordo com a pesquisa feita com 418 famílias de um determinado bairro de cidade, foram obtidas as seguintes Respostas: (a) 218 famílias responderam que possuíam cachorros; (b) 307 responderam que não possuíam gatos; (c) 74 possuíam gatos e cachorros; Perguntas feitas: 1ª pergunta: ―Sua família possui gatos?‖ 2ª pergunta: ―Sua família possui cachorros?‖ Representando os raciocínios anteriores no diagrama de Euller-Venn, teremos: 1º raciocínio: ―...418 famílias foram entrevistadas...‖.

250

2º raciocínio: ―...74 responderam ―sim‖ em ambas as perguntas.‖.

3º raciocínio: ―Constatou-se que 218 famílias responderam ―sim‖ na segunda pergunta...‖. Portanto: 218 – 74 = 144 famílias responderam que possuem, somente, cachorro em suas residências.

4º raciocínio: ―...307 responderam ―não‖ na primeira pergunta.‖. Nesse caso, tem-se que 307 famílias afirmam não possui gatos em suas residências, ou seja, podem possuir cachorros ou não. Sabendo-se que 144 famílias possuem cachorros, então, assim, 307 – 144 = 163 pessoas não possuem nem gatos, nem cachorros.

5º raciocínio: determinação do número de pessoas que possuem, somente, gatos. Do total de pessoas entrevistadas (418) subtrairemos as quantidades encontradas até aqui: Possuem somente gatos = 418 – (74 + 144 + 163) = 418 – 381 = 37 famílias.

Diagrama final RESPOSTA: ―D‖.

251

Questão 96 Estamos diante de uma questão de conjunto onde o conjunto universo U = 100. 63 Alunos escrevem apenas com a mão direita e 5 não sabem escrever, totalizando até o momento 68 alunos. Como o total de alunos é 100, resta então (100 – 68) = 32 alunos. 25% desses 32 alunos escrevem com as duas mãos, ou seja, (25%.32) = (0,25.32) = 8 alunos. Com os 63 que escrevem somente com a Mão direita, os 8 que escrevem com as duas e com os 5 que não sabem escrever, temos um total de (63 + 8 + 5) = 76. Como o total é 100 alunos, então os alunos que escrevem apenas com a Mão esquerda é (100 – 76) = 24 alunos. Vejamos isso no diagrama de Venn.

O percentual dos alunos que escrevem com apenas uma das mãos é (24 + 63) = 87 alunos. Como o total é 100%, então 87 alunos representam 87% da turma. RESPOSTA: ―B‖. Questão 97

RESPOSTA: ―A‖. Questão 98 - Todo motorista que não obedece às leis de trânsito é multado. - Existem pessoas idôneas que são multadas.

RESPOSTA: ―A‖. 252

Questão 99 Inicialmente, montaremos o diagrama de Venn, entre os três conjuntos (plano de saúde, plano de previdência privada e seguradora de veículos), como os dados citados no texto anterior: Todo diagrama de Venn inicia-se pela interseção dos valores de seus conjuntos, assim, temos que: 350 aderiram às três modalidades de convenio.

A seguir, determinaremos as intersecções entre os conjuntos: plano de saúde e plano de previdência; plano de saúde e seguradora de veículos e, por ultimo, entre o plano de previdência e a seguradora de veículos.

Para a conclusão da montagem do diagrama de Venn, determinaremos os demais conjuntos, ou seja, aqueles que somente escolheram entre plano de saúde, plano de previdência privada e seguradora de veículos.

Onde ―U‖ e determinado ―conjunto universo", ou seja, a soma de todos os elementos contidos dentro do diagrama de Venn. O Mais 2000 empregados aderiram apenas aos planos de saúde. Sendo U o conjunto universo a soma de todos os elementos do diagrama de Venn, então temos que: U = 5.350 empregados e, com isso, podemos escrever: x =350 + 880 + 520 + 230 + 820 + 320 + 280 = 5.350 x = 5.350 - 3.400 x = 1.950 empregados 253

RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 100 O numero de empregados que aderiram apenas aos planos de saúde e de previdência foram 850.

Resposta: ERRADO, pois 880 aderiram aos planos de saúde e de previdência. Questão 101 O numero de empregados que aderiram a apenas duas modalidades de convênios foi inferior a 1.650.

Aqueles que escolheram apenas duas modalidades somam: 880 + 520 + 230 = 1.630 empregados. Resposta: CERTO, pois: 1.630 < 1.650 Questão 102 Menos de 900 empregados aderiram apenas ao plano de previdência.

254

Resposta: CERTO, pois 820 e inferior a 900. Questão 103 Através do diagrama de Venn, determinaremos a quantidade de pessoas que assinaram cada tipo de jornal. Todo diagrama de Venn inicia-se pela intersecção dos valores de seus conjuntos, assim, temos que: 2 empregados assinaram os três jornais.

A seguir, determinaremos as intersecções entre os conjuntos: (CT) e (FT); (FT) e (JT) e, por ultimo, entre (JT) e (CT). Pelo enunciado do item, temos que: - 3 empregados assinaram apenas os jornais (CT) e (JT); - 4 empregados assinaram os jornais (CT) e (FT); - ―x‖ empregados assinaram os jornais (FT) e (JT).

Para a conclusão da montagem do diagrama de Venn, determinaremos os demais conjuntos, ou seja, aqueles que somente escolheram entre os jornais (CT), (FT) e (JT).

Pelo enunciado da questão, podemos determinar os valores ―x‖ e ―y‖ mencionados no diagrama de Venn, anteriormente. - 13 empregados assinaram o jornal( JT). - 31 empregados de uma empresa passaram a assinar os jornais (CT), (FT) e (JT), sendo que cada um dos empregados assinou pelo menos um dos jornais. Se 13 empregados assinaram o jornal (JT), então, temos que: 2 + 3 + 8 + x = 13 x = 13 – 13 x=0 255

Para | x = 0 1, temos que nenhum dos empregados assinou, somente, os jornais (FT) e (JT). Para determinarmos o valor de ―y‖, utilizaremos o conjunto Universo do diagrama de Venn, ou seja, o valor total dos empregados (31 empregados) que fizeram a assinatura dos jornais. 2 + 2 + 3 + 9 + 8 + x + y = 31 y = 31 - 24 y = 7 empregados Finalizando o diagrama de Venn, temos:

Com base nessas informações, e correto afirmar que: nenhum empregado assinou apenas os jornais FT e JT.

De acordo com o diagrama de Venn demonstrado anteriormente e simplificado acima. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 104 6 empregados assinaram os jornais CT e JT.

De acordo com o diagrama de Venn demonstrado anteriormente e simplificado acima.

256

Resposta: ERRADO, pois, apenas 3 + 2 = 5 empregados assinaram os jornais (CT) e (JT). Questão 105 3 empregados assinaram apenas os jornais CT e FT.

De acordo com o diagrama de Venn demonstrado anteriormente e simplificado acima. Resposta: ERRADO, pois, apenas 2 empregados e não 3 assinaram os jornais (CT) e (FT). Questão 106 D) 7 empregados assinaram apenas o jornal FT.

De acordo com o diagrama de Venn demonstrado anteriormente e simplificado acima, concluímos que o item esta CERTO, pois, exatamente, 7 empregados assinaram, somente, o jornal (FT). Questão 107 10 empregados assinaram apenas o jornal CT.

De acordo com o diagrama de Venn demonstrado e simplificado anteriormente. Resposta: ERRADO, pois, exatamente, 9 empregados assinaram, somente, o jornal CT. Questão 108 Seja a proposição composta: ―Se o referido entrevistado às vezes se ofende ao então ele raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖, que adotaremos as seguintes simbologias para representá-las.

257

A: ―O referido entrevistado às vezes se ofende ao receber críticas‖. B: ―O referido entrevistado raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖. Proposições na tabela anterior, teremos que: A: ―O referido entrevistado às vezes se ofende ao receber críticas‖ – verdadeiro. B: ―O referido entrevistado raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖ – falsa. Sabemos que, A B, que é lida como ―se A então B‖, é ―F‖ quando A é ―V‖ e B sentença: ―Se o referido entrevistado às vezes se ofende ao receber críticas, então ele raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖ falsa, já que a primeira proposição (A) é verdadeira e a segunda proposição (B) é falsa. Resposta: ERRADO, pois o mesmo afirma que é verdadeira. Questão 109 Seja a proposição composta ―Sempre que o referido entrevistado passa por período de estresse, sua saúde física fica debilitada e ele acaba doente, além disso, ele raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖, adotaremos as seguintes simbologias para representa-las. A: ―Sempre que o referido entrevistado passa por período de estresse, sua saúde física fica debilitada e ele acaba doente‖ B: ―O referido entrevistado raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖ Da tabela anterior, teremos que: A: ―Sempre que o referido entrevistado passa por período de estresse, sua saúde física fica debilitada e ele acaba doente‖ – verdadeira. . B: ―O referido entrevistado raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades‖ – falsa. Sabemos que, A a B , que é lida como ―A e B‖, é V quando A e B são ―V‖ , caso contrário é ―F‖ tanto, a sentença: ―Sempre que o referido entrevistado passa por períodos de estresse, sua saúde física fica debilitada e ele acaba doente‖ e, além disso, ele raramente costuma exagerar seus defeitos e minimizar suas qualidades é falsa, já que a primeira proposição (A ) é verdadeira segunda proposição e a (B) é falsa, ou seja, uma das proposições é falsa o que torna A^B = F . Resposta: CERTO, pois afirma que a sentença e FALSA. Questão 110 Sejam, então, os conjuntos: - Pergunta: ―raramente‖ - Pergunta: ―às vezes‖ - Pergunta: ―sempre‖ Correlacionamentos: 15 deles fizeram uso da opção ―às vezes‖; 9 da opção ―raramente‖; 13 da opção ―sempre‖; 4 desses empregados usaram as opções ―as vezes‖ e ―raramente‖; 8 usaram as opções ―as vezes‖ e ―sempre‖; 4 usaram as opções ―raramente‖ e ―sempre‖; 3 usaram ―as vezes‖, ―sempre‖ e ―raramente‖ Em seguida, montaremos o diagrama de Venn iniciando pela intersecção entre os três conjuntos, seguido pelas intersecções tomadas 2 a 2 (intersecções entre ―raramente‖ e ―às vezes‖, entre ―raramente‖ e ―sempre‖ e, finalmente, entre ―às vezes‖ e ―sempre‖); Por ultimo preencheremos com as quantidades que representam ―somente‖ cada um dos determinados conjuntos. 1°) Intersecção entre os três conjuntos: ―3 usaram ―as vezes‖, ―sempre‖ e ―raramente‖;

258

2°) Intersecção tomadas 2 a 2: ―4 desses empregados usaram as opções ―às vezes‖ e ―raramente‖

3°) Intersecção tomadas 2 a 2: ―8 usaram as opções ―às vezes‖ e ―sempre‖

4°) Intersecção tomadas 2 a 2: ―4 usaram as opções ―raramente‖ e ―sempre‖

5°) Quantidades que representam ―somente‖ um determinado conjunto: ―9, da opção ―raramente‖.

259

6°) Quantidades que representam ―somente‖ um determinado conjunto: da opção ―às vezes‖;

7°) Quantidades que representam ―somente‖ um determinado conjunto: ―1 3, da opção ―sempre‖;

O total de empregados será dado pela soma de todos os elementos do diagrama de Venn, ou seja:

4 + 1 + 6 + 5 + 4 + 1 + 3 = 24 elementos, ou simplesmente, 24 empregados.

260

RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 111 De acordo com os dados, montamos o seguinte diagrama de Venn: Lembrando que: - Gasolina comum (GC): 120 - Álcool anidro (AA): 75 - Gasolina comum e óleo diesel (GC ∩OD): 60 - Álcool anidro e óleo diesel (AA∩ OD): 50 - Gasolina comum e álcool anidro (GC n AA): 30 - Gasolina comum, álcool anidro e óleo diesel (GC∩ AA ∩OD): 20 I - Convém indicar inicialmente o numero de elementos de GC∩AA∩OD, isto e, o numero de pessoas que declararam que seus veículos consomem os três produtos citados.

II - A seguir, indicaremos o numero de elementos de GC∩AA (30); AA∩OD (50) e GC∩OD (60), depois de descontarmos (20) da intersecção dos 3 conjuntos dados, vem:

III - Indicamos, agora, o numero de elementos de GC (120), de AA (75) e de GC U AA U OD (200); como não conhecemos o numero de elementos de OD, indicamos por ―x‖ o numero de elementos de OD - (GCUAA):

35 clientes possuem apenas veículos que consomem OD. Como todos os clientes entrevistados consomem pelo menos 1 dos 3 tipos de combustível, então a soma de todos os elementos dos 3 conjuntos do diagrama vale 200 (total de entrevistas) e, assim, teremos: 261

50 + 40 + 20 + 10 + 15 + 30 + x = 200 x = 200 – 165=35 RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 112 Pelo menos dois produtos são consumidos pelos veículos de mais de 120 clientes. GC: 120 clientes; OD: 125 clientes; AA: 75 clientes. Assim, apenas um dos produtos (GC) e consumido pelos veículos de mais de 120 clientes. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 113 10 clientes possuem mais de um veiculo, sendo que pelo menos um desses veículos consome GC e outro consome AA, mas não possuem nenhum veiculo que consome OD. De fato, de acordo com o diagrama de Venn, a intersecção entre (GC) e (AA), que exclui os elementos de (OD), equivale a: n[(GC∩AA) - OD] = 10. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 114 Representaremos, inicialmente, por meio de diagramas lógicos, as proposições categóricas expressas no argumento do texto do enunciado: ―Nenhum professor é rico‖

―Alguns políticos são ricos‖

Fazendo a união dos diagramas anteriores, podemos obter as seguintes relações:

Deste diagrama final, podemos obter as seguintes conclusões: RESPOSTA: ―D‖.

262

Questão 115 I) O numero de pesquisados que usam tablet e notebook e 55 – 27 = 28 II) O numero dos que usam apenas tablet é 45 – 28 = 17

RESPOSTA: ―B‖. Questão 116 Sendo A, I, J, C e R os conjuntos de tradutores de livros que falam, respectivamente, Alemão, Inglês, Japonês, Coreano e Russo, temos: 1) Da frase ―todos que falam alemão também falam inglês‖, pode-se concluir que ACI. 2) Da frase ―nenhum que fala inglês fala japonês‖, pode-se concluir I∩J= 3) Da frase ―os dois únicos que falam russo também falam coreano‖, pode-se concluir que n(R) = 2 e R C C. 4) Da frase ―todo integrante desse grupo que fala coreano também fala japonês‖, pode-se concluir que C CJ. Assim, e possível construir o seguinte diagrama:

Desta forma, o que se pode necessariamente concluir e que ―nenhum dos tradutores fala russo e também alemão‖. RESPOSTA: ―E‖.

Questão 117

263

Os conjuntos de ―carro‖ acima são as possibilidades de localização desse grupo, sendo que todos ficam afastados do conjunto ônibus e não podemos garantir quaisquer destes com certeza. O conjunto de ―carro‖ só não pode se misturar com ônibus e, como há pessoas que andam de trem e ônibus, então podemos concluir que há pessoas que andam de trem que não andam de carro. Quais? Aquelas que andam de ônibus, pois se anda de ônibus não anda de carro. Como todos os que andam de trem moram longe, então também podemos concluir que algumas pessoas que moram longe não andam de carro. Quais? Aquelas que andam de trem e ônibus, pois todos os que andam de ônibus não andam de carro. RESPOSTA: ―B‖. Questão 118 Os alunos que responderam ―sim‖ as duas perguntas estão na intersecção dos conjuntos A e P, num total de 78 alunos.

Os alunos que responderam ―não‖ as duas perguntas estão no complementar da união dos conjuntos A e P, num total de 48 alunos.

RESPOSTA: ―B‖.

Questão 119 Seguindo-se o padrão apresentado tem-se que, a partir do terceiro passo, adiciona-se as quantidades de subir e descer dos dois passos anteriores, como na sequência de Fibonacci: Etapa 1 2 3 4 5 6 7 8

Subiu 1 1 2 3 5 8 13 21

Desceu 0 1 1 2 3 5 8 13

Alcançou o 1º 2º 3º 5º 8º 13º 21º 34º

Parou no 1º 1º 2º 3º 5º 8º 13º 21º

264

Portanto, o trigésimo degrau será alcançado no movimento 8. RESPOSTA: ―C‖. Questão 120 Para que um time jogue uma partida com todos os outros times de um campeonato com turno apenas, tem-se (N-1) + (N-2) + ... + 3 + 2 + 1, onde N é a quantidade de times. Para o returno basta dobrar a quantidade de partidas. Times 8 9 10 11 12

Turno 7+6+5+4+3+2+1=28 8+28 = 36 9+36 = 45 10+45 = 55 11+55 = 66

Total 56 72 90 110 132

RESPOSTA: ―E‖. Questão 121 (I) 189654 567498 743856 369214

(II) 165492 547296 325674 ?

Um critério para os algarismos pares e que ―os da coluna II‖ são duas unidades a menos que os correspondentes algarismos da coluna (I).

Um critério para os algarismos impares e que os da coluna (II) são os mesmos da coluna (I) escritos em ordem crescente, da esquerda para a direita.

De acordo com os critérios citados, a sequencia de algarismos que substitui, corretamente, o ponto de interrogação da quarta linha e segunda coluna é

RESPOSTA: ―A‖. Questão 122 Ao dividir-se o cubo de madeira em 27 cubos menores tem-se:

265

Os 8 cubinhos dos vértices do cubo (realçados de vermelho) terão três faces pintadas de preto. Os 6 cubinhos do centro das faces do cubo (realçados de verde) terão uma face pintada de preto. 1 cubinho ficará no centro do cubo (não visível de nenhum ângulo) e não terá nenhuma face pintada de preto. Tem-se então que um total de 15 cubinhos não terão duas faces pintadas de preto. Logo, dos 27 cubinhos, (27 - 15 = 12) 12 deles (realçados de azul) terão duas faces pintadas de preto.

RESPOSTA: ―B‖. Questão 123 O número N de cubos de aresta 1 cm necessários, e suficientes, para completar um paralelepípedo reto retângulo com dimensões 3 cm x 3 cm x 4 cm é N = (3 . 3 . 4) – 11 = 36 – 11 = 25 RESPOSTA: ―D‖. Questão 124 Insira uma linha e uma coluna no final da tabela, indicando o total. O número total de alunos é igual a 632 é que o número de rapazes é igual a 315, então: Rapazes Moças Total Aprovados em algum vestibular 171 178 Reprovados nos vestibulares que fizeram 95 Não fizeram vestibular 52 Total 315 632 Logo, O número de moças será igual a 632 – 315 = 317 O número de rapazes reprovados nos vestibulares: 315 – 171 – 52 = 92 O número total de aprovados em algum vestibular: 171 + 178 = 349

266

Aprovados em algum vestibular Reprovados nos vestibulares que fizeram Não fizeram vestibular Total

Rapazes 171 92 52 315

Moças 178 95

Total 349

317

632

Moças 178 95 44 317

Total 349 187 96 632

Prosseguindo no preenchimento dos quadros: O número total de reprovados nos vestibulares: 92 + 95 = 187 O número de moças que não fizeram o vestibular: 317 – 178 – 95 = 44 O número total de alunos que não fizeram vestibular: 52 + 44 = 96

Aprovados em algum vestibular Reprovados nos vestibulares que fizeram Não fizeram vestibular Total

Rapazes 171 92 52 315

Após todas etapas, constatamos que o número de rapazes que não fizeram vestibular (52) é maior que o número de moças que não fizeram vestibular (44). RESPOSTA: ―C‖. Questão 125 A única opção que podemos ter certeza que está certa é a RESPOSTA: D, pois como todo arquiteto é desenhista, logo se ele é professor também, logicamente também será desenhista. RESPOSTA: ―D‖. Questão 126 Essa sequência lógica apresenta 3 padrões distintos, a saber: 1º padrão lógico: a figura externa. Observem que sempre vão conter, em cada linha, os seguintes formatos de figuras:

Sendo a última linha formada pelas figuras:

Logo, a 3ª figura deverá ser formada pela seguinte figura:

2º padrão lógico: o traço interno da figura. Observem que sempre vão conter, em figura, internamente, os seguintes traços:

267

Sendo a última linha formada pelos traços:

Logo, a 3ª figura deverá ser preenchida pelo seguinte traço:

3º padrão lógico: as figuras que preenchem as partes internas. Observem que sempre vão conter, em cada linha, internamente, as seguintes figuras:

Sendo a última linha formada pelas seguintes figuras:

Logo, para completar a 3ª figura deverá conter as figuras que faltaram:

RESPOSTA: ―B‖. Questão 127 As letras que iniciam cada vocábulo representam, nessa ordem, os meses do ano: JUIZ – JANEIRO; FARINHA – FEVEREIRO; MACACO – MARÇO; ABELHA – ABRIL; MALETA – MAIO; Portanto, o próximo vocábulo deverá começar por ―J‖, pois o próximo mês da sequência é JUNHO. JILÓ – JUNHO. RESPOSTA: ―C‖. Questão 128 Pode ser observada, em cada vocábulo da sucessão, a existência de duas vogais idênticas repetidas: LOSANGO – ICEBERG – BRUCUTU – DOIDICE Observem que, em vermelho, ocorrem as seguintes repetições de vogai: ―OO‖ – ―EE‖ – ―UU‖ – II; faltando, portanto, um vocábulo que repita a vogal ―A‖ que, nesse caso, encontra-se na RESPOSTA: ―(C)‖. Então veja: MARASMO RESPOSTA: ―C‖. Questão 129

268

Faremos uma tabela de correlacionamento de informações entre as moças, os rapazes e os possíveis esportes que cada uma pratica, represento na tabela a seguir: Roberto

Francisco

Paulo

Atletismo Natação

Basquete

Aline Beatriz Carla Observação: marcaremos com ―não‖ as discordâncias e com ―sim‖ as concordâncias lógicas. Analisando cada informação dada, teremos: 1ª informação: A moça que joga basquete namora Paulo. Nada podemos inferir sobre essa informação. 2ª informação: Carla pratica natação Aline Beatriz Carla

Roberto

Francisco

Paulo Atletismo Natação Basquete Não Não não Sim não

3ª informação: Francisco não namora Carla. Roberto Francisco Aline Beatriz Carla

Paulo

Atletismo Natação Basquete não não não sim Não

Paulo

Atletismo Natação Basquete não não Não não sim Não

não

4ª informação: Beatriz não joga basquete. Roberto Francisco Aline Beatriz Carla

não

De acordo com a 4ª informação, consequentemente, Aline joga basquete.

podemos

Roberto Francisco Aline Beatriz Carla

Paulo

não

afirmar

que

Beatriz

pratica

atletismo,

e

Atletismo Natação Basquete não sim não Não não sim Não

Voltando a 1ª informação, tem-se que: ―A moça que joga basquete namora Paulo‖. Sabendo-se que Aline joga basquete, então é ela quem namora Paulo. E, consequentemente, Beatriz namora com Francisco, e Carla namora com Roberto.

Aline Beatriz

Roberto Francisco não não não sim

Paulo sim não

Atletismo Natação Basquete não não Sim sim não Não

269

Carla

sim

não

não

não

sim

Não

Portanto, temos as seguintes conclusões: Aline namora com Paulo e joga basquete. Beatriz namora com Francisco e pratica atletismo. Carla namora com Roberto e faz natação. RESPOSTA: ―E‖. Questão 130 Destacando-se, apenas, os algarismos que iniciam da esquerda para direita, cada número dessa sequência lógica, teremos: 539, 403, 4.118, 521, 4, 490, ... O próximo número deverá iniciar-se pelo algarismo 5. Que, nesse caso, apresenta-se na RESPOSTA: ―A‖ (50.871). RESPOSTA: ―A‖. Questão 131 Nessa sequência lógica, a banca, sutilmente, mostra a sequência dos números ímpares a partir do número ―UM‖, que se formam nas últimas sílabas ou letras, a se ver: NENHUM, FREGUÊS, BRINCO, REPETE, PROMOVE, _____________ . UM, TRÊS, CINCO, SETE, NOVE, _________ . Portanto, a próxima palavra deverá induzir a formação do número ONZE em suas últimas sílabas ou letras que, nesse caso será a palavra BRONZE. RESPOSTA: ―A‖. Questão 132 Faremos uma tabela de correlacionamento de informações entre os rapazes, suas bandas preferidas e o que foi comprado por cada um, represento a seguir: Metálica

Motöhead

Megadeath

CD

DVD

camiseta

Jonas Marcelo Ricardo Observação: marcaremos com ―não‖ as discordâncias e com ―sim‖ as concordâncias lógicas. Analisando cada informação dada, teremos: 1ª informação: Marcelo comprou um CD. Metálica

Motöhead

Megadeath

Jonas Marcelo Ricardo

CD não sim não

DVD

camiseta

não

não

camiseta

2ª informação: A banda preferida de Ricardo é o Megadeth. 3ª informação: Jonas não comprou um DVD e não gosta de Motöhead. Metálica Jonas Marcelo

Motöhead

Megadeath

CD

DVD

não

não

não

não

não

sim

não

não

270

Ricardo

não

não

sim

não

De acordo com o preenchimento da tabela com a última informação, podemos afirmar que Jonas gosta da banda Metálica e comprou uma camiseta e, Marcelo da banda Motöhead e Ricardo comprou um DVD. Metálica Motöhead Megadeath CD DVD camiseta Jonas sim não não não não sim Marcelo não sim não sim não não Ricardo não não sim não sim não Logo, teremos as seguintes conclusões: Jonas gosta da banda Metálica e comprou uma camiseta. Marcelo gosta da banda Motöhead e comprou um CD. Ricardo gosta da banda Megadeath e comprou um DVD RESPOSTA: ―E‖. Questão 133 121 diminuiu 2 unidades 119 119 diminuiu 3 unidades 116 116 diminuiu 4 unidades 112 112 diminuiu 5 unidades 107 ... Portanto, seguindo esse padrão lógico, o próximo número será um valor diminuído de 6 unidades do número 107: 107 diminuiu 6 unidades 101 RESPOSTA: ―C‖. Questão 134 Sejam as seguintes idades: - minha idade = a - do meu 1º irmão = b - do meu 2º irmão = c - do meu 3º irmão = d - do meu 4º irmão = e - do meu 5º irmão = f - do meu 6º irmão = g - do meu 7º irmão = h - do meu 8º irmão = i - do meu 9º irmão = j - do meu 10º irmão = k De acordo com o enunciado, tem-se que: a + b + c + d + e + f + g + h + i + j + k = 334 Daqui a 12 anos, juntos, teremos: a+12+b+12+c+12+d+12+e+12+f+12+g+12+h+12+i+12+j+12+k+12 12x11 + (a + b + c + d + e + f + g + h + i + j + k) 132 + 334 = 466 anos RESPOSTA: ―E‖. Questão 135 Observe que, todo número subsequente é o dobro do número anterior: 1x2=2 2x2=4 4x2=8 8 x 2 = 16 271

16 x 2 = 32 32 x 2 = 64 RESPOSTA: ―D‖. Questão 136

Portanto, teremos a seguinte sequência de formação: PZRQT RESPOSTA: ―B‖. Questão 137 De acordo com o texto podemos inferir que, se um deles ganhou exatamente 4 rodadas, logo o outro, que fez 11 pontos, perdeu 4 rodadas. Se é atribuído 3 pontos por vitória e retirado 2 pontos por derrota, então, aquele que fez 11 pontos jogou ―x‖ partidas e perdeu 4 delas, então esse amigo ganhou ―x – 4‖ partidas e, iniciando-se com 10 pontos, teremos o seguinte raciocínio para a montagem da equação a seguir: ―a quantidade de pontos que ganhou (―3.(x – 4)‖) subtraído da quantidade de pontos que perdeu (―2.4‖) será igual a quantidade de pontos que conquistou (―1‖)‖. ) RESPOSTA: ―C‖. Questão 138 Das 300 pessoas, 175 são homens e 125 são mulheres. Se, em um dia de jogo, funcionarem 24 postos de apoio e se cada posto necessitar de 6 mulheres e 6 homens, então teremos que ter, no mínimo: 6 homens por posto x 24 postos = 144 homens disponíveis, e 6 mulheres por posto x 24 postos = 144 mulheres disponíveis. A quantidade total de homens (175 homens disponíveis) garante o preenchimento desses 24 postos, porém a quantidade de mulheres disponíveis (125 mulheres) não é suficiente para preencher as 144 vagas para os 24 postos. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 139 Nesse caso, determinaremos o MDC (Máximo Divisor Comum) entre 125 e 175, que é:

MDC (125; 175) = 5 x 5 = 25 272

Portanto, podemos formar:

.

Sendo possível. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 140 Se em cada local, para funcionar corretamente, são necessários 3 funcionários por dia, então teremos que ter, por dia, 50 . 3 = 150 pessoas por dia; e se cada uma delas intercalar um dia de trabalho com um dia de folga ou vice-versa, então podemos ter o possível arranjo: No 1º dia de trabalho, teremos as 150 primeiras pessoas trabalhando e, se todas folgarem no 2º dia de trabalho, as outras 150 pessoas ocuparão suas respectivas vagas. Para o 3º dia, as 150 primeiras pessoas voltarão ao trabalho, ocasionado a possibilidade daquelas que estavam trabalhando folgarem....e, assim, sucessivamente. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 141 Suponha que em janeiro tivemos sexta-feira 13. Vejamos o que acontece com o dia 13 dos outros meses. Como janeiro tem 31 dias, a diferença de dias até 13 de fevereiro é de 31 dias. Como cada semana tem 7 dias, isso dá 4 semanas e 3 dias. Então em fevereiro o dia 13 cai 3 dias depois da sexta, ou seja, na segunda. Como fevereiro tem 28 dias (ano de 365 dias), em março o dia 13 cairá no mesmo dia da semana que em fevereiro, ou seja, na segunda. Como março tem 31 dias, em abril acontece o mesmo que de janeiro pra fevereiro, cairá 3 dias depois da segunda, ou seja, numa quinta. Como abril tem 30 dias, em maio o dia 13 cairá 2 dias depois da quinta, ou seja, num sábado. E assim, você pode ver pra todos os meses, o que dá o seguinte: jan sex fev seg mar seg abr qui mai sab jun ter jul qui ago dom set qua out sex nov seg dez qua Veja que só tivemos duas sextas-feiras 13. Mas qual o dia da semana que mais apareceu? Foi a segunda-feira que apareceu 3 vezes. Então, podemos fazer com que um dia da semana se repita 3 vezes no ano para o dia 13. Para isso, basta que 13 de janeiro não seja sexta. Se queremos que em fevereiro, ao invés do dia 13 ser segunda, que ele seja sexta, basta que 13 de janeiro seja terça. Aí a tabela se transforma. Onde tinha segunda será sexta: jan ter fev sex mar sex abr seg mai qua jun sab jul seg ago qui set dom

273

out ter nov sex dez dom E como esse é o máximo de dias da semana que se repete, teremos no máximo 3 sextas-feiras 13 no ano! E veja que todo ano tem pelo menos uma sexta-feira 13. RESPOSTA: ―C‖. Questão 142 Nessa questão, para você ter certeza de que o professor ia ganhar a aposta, precisamos ter 32 alunos na classe. Pois se tivermos apenas 31 alunos, cada um pode fazer aniversário num dia do mês e não repetir ninguém. Se tivermos mais um aluno, ou seja, 32, esse último terá que fazer aniversário no mesmo dia que um dos outros 31. RESPOSTA: ―D‖. Questão 143 Analisando RESPOSTA: por RESPOSTA: a) Não necessariamente. Como temos 2500 livros e cada um tem no máximo 500 páginas, pode ser que todos tenham, por exemplo, 10 páginas, não pode? Nesse caso o número total de páginas seria o número de livros vezes o número de páginas por livro 2500 x 10 = 25.000 páginas que é inferior a 500.000. b) Com certeza Digamos que tenhamos todos os livros com número de páginas diferente. Poderíamos ter o primeiro com 1 página, o 2º com 2 páginas, o 3ºcom 3 páginas ... e assim sucessivamente até o 500º livro que teria 500 páginas. Como nenhum ultrapassa 500 páginas o 501º livro, teria que repetir algum nº de páginas que já foi. Digamos então que o 501º também tivesse 1 página, o 502º tivesse 2 páginas, o 503º tivesse 3 páginas e assim sucessivamente até o 1000º livro que teria também 500 páginas. Já temos dois livros com cada número de páginas. e o 1001º livro teria que repetir novamente algum nº de páginas que já passou. Pela terceira vez apareceria um mesmo nº de páginas e ainda faltam 1500 livros. Isso quer dizer que não só esta RESPOSTA: está certa, como na verdade, há pelo menos 5 livros com o mesmo nº de páginas pois são 2500 livros. E isso na pior das hipóteses. c) Não necessariamente. Pode ser que todos os 2500 livros tenham, por exemplo, 100 páginas, qual o problema? Não contradiz nenhuma condição do problema. d) Também não é necessário que isso aconteça. Da mesma forma que no item c), se todos os livros tiverem 100 páginas, nenhum terá 152 páginas e não contrariamos nada do exercício. e) Não necessariamente. Pode ser que todos os livros tenham exatas 500 páginas, não? O enunciado disse que nenhum tem mais de 500, mas pode ser que todos tenham 500 páginas. Nesse caso, o número total de páginas seria o número de livros vezes o número de páginas por livro: 2500 x 500 = 1.250.000 páginas que é superior a 900.000 RESPOSTA: ―B‖. Questão 144 Analisando RESPOSTA: por RESPOSTA: 274

a) Por que não? Nada impede que todas as árvores tenham, por exemplo, duas folhas. Nenhuma delas teria mais de 300.000 folhas e poderíamos ter 1.000.000 de árvores assim. b) Digamos que tivéssemos 1.000.000 de árvores com apenas duas folhas como antes, satisfaria as condições e nenhuma teria uma folha só. c) Vamos tentar colocar um número de folhas diferente para cada árvore. A 1ª não terá nenhuma folha, a 2ª terá uma folha, a 3ª terá duas folhas, a 4ª terá três folhas...e assim sucessivamente. Quando chegarmos na árvore de número 300.000, ela terá 299.999 folhas. A árvore de número 300.001 terá 300.000 folhas e a árvore de número 300.002 não poderá ter mais do que 300.000 folhas pelas condições do problema, então terá que ter o mesmo número de folhas de alguma das outras árvores. Até chegarmos na árvore de nº 1.000.000, com certeza teremos repetido um mesmo número de folhas para duas árvores, pelo menos. RESPOSTA: ―C‖. Questão 145 Para resolver essa questão você pode pegar uma folha e ir escrevendo os nomes. Quando alguém for mais velho, você escreve o nome acima do outro, sempre deixando um espaço para inserir mais nomes no meio. Eu fiz assim: João é mais velho que Pedro, que é mais novo que Carlos (vou colocar entre parênteses quando houver mais de uma possibilidade): (Carlos) João (Carlos) Pedro Antônio é mais velho do que Carlos, que é mais novo do que João (Antônio) João (Antônio) Carlos Pedro Antônio não é mais novo do que João Antônio João Carlos Pedro O mais jovem é Pedro. RESPOSTA: ―C‖. Questão 146 Vamos analisar as 5 RESPOSTAS: a) pelo menos duas nasceram no mesmo mês do ano. Se cada uma fizesse aniversário em um mês diferente, poderíamos ter no máximo doze meses diferentes, como são 15 pessoas, pelo menos 3 vão ter que repetir meses de aniversário. Essa afirmação é verdadeira. b) pelo menos três nasceram no mesmo dia da semana. Se cada pessoa fizesse aniversário em um dia diferente da semana, teríamos 2 pessoas para cada dia, dando um total de 14 pessoas, como são 15 pessoas a décima quinta repetirá pela 3ª vez um dos dias da semana. Essa afirmação é verdadeira. c) se uma pessoa conhece as demais então existem pelo menos duas com o mesmo número de conhecidos (o conhecer alguém é recíproco). Se uma pessoa conhece as demais, ela conhece 14 pessoas. As outras pessoas podem conhecer de 1 a 14 pessoas, já que conhecem pelo menos aquele que conhece todas. Digamos que cada uma 275

conheça um número diferente de pessoas, como só temos 14 possibilidades, cada uma conheceria 1, 2, 3, 4... até 14 pessoas. Mas a primeira pessoa já conhecia 14 pessoas, então temos duas pessoas com o mesmo número de conhecidos. E se a última pessoa não conhecer 14 pessoas, ela terá que conhecer um número menor, que já existe alguém que conhece o mesmo número de pessoas. Essa afirmação é verdadeira. d) se uma pessoa não conhece ninguém então pode não existir duas pessoas com o mesmo número de conhecidos (o conhecer alguém é recíproco). Se uma pessoa não conhece ninguém, as outras 14 pessoas podem conhecer de 0 a 13 pessoas. E novamente pelo menos duas pessoas terão o mesmo número de conhecidos. Se cada um conhece um número diferente de pessoas, digamos que nessa ordem 0, 1, 2, 3, ... até 13, só temos 14 possibilidades para 14 pessoas, mas já temos uma pessoa que não conhece ninguém. Essa afirmação é FALSA. RESPOSTA: ―D‖. Questão 147 Nessa pergunta, vamos usar mais a lógica do que cálculos. Pensei o seguinte, qual a maior soma que podemos encontrar com três números? Será quando os três forem iguais a 9 e teremos 9 + 9 + 9 = 27. E qual a soma mínima, será no número 100, cuja soma dos algarismos é 1 + 0 + 0 = 1. Não tem soma menor que 1 e nem maior que 27. Mas só tem um número que dá soma igual a 1 e só um número que dá soma igual a 27, que são 100 e 999. Qualquer outro número entre 100 e 999, terá a soma dos algarismos entre 2 e 26, inclusive. Como temos que encontrar 3 destas somas iguais, temos que ver se há pelo menos 3 de cada total. Já vimos que 1 e 27 só aparecem uma vez. Agora será que temos 3 vezes pelo menos o total 2? 101, 110, 200 Todos têm a soma dos algarismos igual a 2. Já 26, temos: 989, 998, 899. Também tem 3! E qualquer outro total que quiser terá pelo menos 3. Então na pior das hipóteses, podemos pegar 27 cartões da caixa e nenhum terá a mesma soma. Depois começará a repetir, mas não haverá mais a soma 1 e nem a soma 27, então só pegaremos mais 25 cartões diferentes. Então teremos um cartão com soma 1, um cartão com soma 27 e dois cartões com cada um dos outros totais entre 2 e 26. Agora o próximo cartão terá como total algum número que já saiu duas vezes! Então podemos pegar 27 cartões, mais 25 cartões e mais um cartão que com certeza teremos 3 cartões com a mesma soma: 27 + 25 + 1 = 53 Pode ser que isso aconteça antes, é até muito provável, mas para ter certeza mesmo, com 53 cartões não tem erro. RESPOSTA: ―C‖. Questão 148 Nesse problema não podemos concluir muita coisa com o que foi dado. Podemos ter duas RESPOSTAs. Sabemos que não podem ser casados: Brener (Be) e Ana (A) Flávio (F) e Maria (M) Choquito (C) e Bráulia (Ba) Isso porque Brener gastou 9 a mais que Ana e Flávio gastou 7 a mais que Maria, sendo que cada homem gastou 48 a mais que sua mulher. E Choquito não pode ser marido de Bráulia porque se somarmos a quantidade que todos os homens gastaram com as quantidades que cada mulher gastou, a soma dos homens deve ser a soma das mulheres mais 48 + 48 + 48 = 144, porque cada homem gastou 48 a mais que sua mulher, então os 3 juntos gastaram 3 vezes 48 a mais que as 3 mulheres juntas:

276

Homens = Mulheres + 148 Como sabemos que: Be = A + 9 F=M+7 Podemos escrever que, se Choquito comprou x a mais que Bráulia: Be = A + 9 F=M+7 C = Ba + x Somando tudo: Be + F + C = A + M + Ba + 9 + 7 + x Be + F + C = A + M + Ba + 16 + x Homens = Mulheres + 16 + x Mas sabemos que Homens = Mulheres + 148, então: Homens = Mulheres + 16 + x Mulheres + 16 + x = Mulheres + 148 16 + x = 148 x = 128 Então, como Choquito comprou 128 a mais que Bráulia, não pode ser seu marido. Assim temos duas opções de casais: CeM Be e Ba FeA Ou ainda: CeA F e Ba Be e M E posso aqui dar dois exemplos de situações que satisfazem todas as condições do enunciado para os dois tipos de uniões de casais diferentes: C = 138 e M = 90 Be = 58 e Ba = 10 F = 97 e A = 49 Ou ainda: C = 138 e Ac = 90 F = 58 e Ba = 10 Be = 99 e M = 51 Pode conferir que todas essas condições estão satisfeitas nos dois casos: - Três amigos: Brener, Flávio e Choquito; - Suas mulheres: Maria, Bráulia e Ana; - Cada homem gastou 48 reais a mais do que sua mulher; - Brener comprou 9 objetos mais que Ana; - Flávio 7 objetos a mais que Maria. Assim, Flávio pode ser marido de Bráulia ou de Ana. RESPOSTA: ―D‖. Questão 149 P é suficiente para Q; Q é necessário para P; - A menina tem olhos azuis ou o menino é loiro: ~P V Q 277

- Se a menina não tem olhos azuis, então o menino é loiro: P

Q

RESPOSTA: ―C‖. Questão 150 As afirmações I e IV falam que Carolina nasceu no estado diferente de seu marido e Débora nasceu no mesmo estado que Marcos, ou seja: Débora é mulher de Gabriel Carolina é mulher de Marcos Como Gabriel nasceu no Rio de Janeiro e sua esposa é da região Nordeste, consequentemente Débora é nordestina. Débora nasceu no mesmo estado que Marcos, ou seja, ele também é nordestino. Como há uma proposição afirmando que Carolina nasceu na mesma região que o marido, podemos concluir que ela também é nordestina RESPOSTA: ―B‖. Questão 151 O enunciado informa que todas as informações dadas são verdadeiras, portanto: Basílio pagou; Carlos pagou; Antônio pagou com R$ 100,00 reais e retirou da mesa o troco de R$ 60,00 reais. Incluindo a nota de R$ 50,00 que havia sido dada por Eduardo. Eduardo pagou, portanto sobra Danton. RESPOSTA: ―D‖. Questão 152 Afirmação: Não sonho acordado. Isso nos leva a pensar na frase: "Ou não toco muito bem ou sonho acordado". Porque se ele não sonha acordado também não toca muito bem. Se o instrumento soa bem, então toco muito bem. Se afino as cordas, então o instrumento soa bem. Ou seja, como já se sabe que ele não toca bem, consequentemente o instrumento não soa bem e as cordas não estão afinadas. RESPOSTA: ―C‖. Questão 153 A: Vencer o jogo contra o Equador B: Empatar o jogo C: Ir para a semifinal D: Enfrentar o Uruguai Não se fala na questão que se o Brasil perder ele não vai para a semifinal; A letra B está incorreta porque o fato de empatar o Equador classifica o Brasil. A letra C está errada porque o termo necessariamente generaliza a informação; A questão D também está incorreta porque o Brasil pode perder o jogo e mesmo assim se classificar; A classificação pode acontecer de 3 formas: ganhando, perdendo ou empatando fazendo com a questão e fique incorreta. RESPOSTA: ―A‖. Questão 154 Premissas: Tinta boa: pintura melhora a aparência; Pintor bom: pintura melhora a aparência; Sabendo que o ambiente foi pintado e aparência melhorou. Mas, o ambiente pode ter sido melhorado por outros motivos; A pintura só pode melhorar a aparência se usar tinta boa ou se for um pintor bom. 278

RESPOSTA: ―A‖. Questão 155 Observe a frase: O filho de Cláudio é pai do meu filho. Ora, o pai do meu filho sou eu! Portanto, a frase diz que ―O filho de Cláudio sou eu‖. Logo, eu sou o filho de Cláudio. RESPOSTA: ―C‖. Questão 156 Observe que: A dezena mais próxima de 7+ 29 é quarenta; A dezena mais próxima de 8+11 é vinte; A dezena mais próxima de 3+ 31 é trinta; A dezena mais próxima de 5+ 73 é oitenta; A dezena mais próxima de 6 + 52; sessenta. RESPOSTA: ―B‖. Questão 157 A questão trata do tema verdades e mentiras. Ao perguntar ao nativo se ele é político, levando-se em consideração que todos os políticos mentem, foi o mesmo que perguntar se ele é mentiroso. Pelo primeiro aspecto fixo de verdades e mentiras, perguntado a alguém se ele mente, este só poderá responder não. Analisando cada RESPOSTA, teremos: Dessa forma é claro que o nativo I respondeu: ―Não‖. Nada podemos afirmar sobre ele, a não ser que disse ―não‖. O nativo II diz: ―O nativo I disse ‗não‘‖. O nativo II é verdadeiro. O nativo III diz: ―O nativo I é político, ou seja, mentiroso‖. Assim, de acordo com o terceiro aspecto fixo de verdades e mentiras, um dos dois está mentido, enquanto o outro diz a verdade. Podemos concluir que o nativo II é verdadeiro e que entre o nativo I e o nativo III temos mais um verdadeiro. Assim, apenas um é mentiroso, ou seja, apenas um é político. RESPOSTA: ―B‖. Questão 158 Chamemos de x o valor na ―bolinha‖ do canto superior direito. Seguindo as operações, temos: 2.x = x – 1 + 4 x=3 Os valores em cada ―bolinha‖ seriam: 3, 2, 6 e 9. Portanto, o maior é o 9. RESPOSTA: ―E‖. Questão 159

Somas das linhas (horizontal) A+B+C=7 2A + C = 4 A + 2B = X Soma das colunas (vertical) 2A + B = Y 279

A + 2B = 6 A + 2C = Z. Substituindo em X, Y e Z e substituindo, temos agora uma soma em função de A, B e C. Vejamos:

X + Y + Z = A + 2B + 2A + B + A + 2C = 4A + 3B + 2C Somando as demais equações e obtendo uma única equação, temos:

Note que a soma obtida resulta numa expressão algébrica idêntica a da soma de X, Y e Z. Portanto a soma de X + Y + Z = 17. Chegando a RESPOSTA de letra A. RESPOSTA: ―A‖. Questão 160 Ambos deram plantão em 25 de dezembro de 2010. A partir de 25/12/2010 Vitor trabalhará a cada 8 dias e Valentina a cada 6 dias. Portanto, em vários outros dias seguintes eles se encontrarão na empresa. E quais serão estes dias? Os dias em que os dois se encontrarão na empresa serão os múltiplos de 8 e de 6. Como o MMC(8, 6) = 24 então, a cada 24 dias os dois voltarão a se encontrar na empresa. Daí, somando-se 24 a partir de 25/12/2010, temos: 25/12/2010 + 24 dias = 18/01/2011 18/01/2011 + 24 dias = 11/02/2011 11/02/2011 + 24 dias = 07/03/2011 07/03/2011 + 24 dias = 31/03/2011 31/03/2011 + 24 dias = 24/04/2011 24/04/2011 + 24 dias = 18/05/2011 Perceba que dentre as datas encontradas das novas coincidências dos plantões, não está incluída 10 de fevereiro. RESPOSTA: ―B‖. Questão 161 Observe que a dezena mais próxima de 7+ 29 é quarenta; A dezena mais próxima de 8+11 é vinte; A dezena mais próxima de 3+ 31 é trinta; A dezena mais próxima de 5+ 73 é oitenta; A dezena mais próxima de 6 + 52; sessenta. RESPOSTA: ―B‖. Questão 162 temperamento – totem traficante – tetra massificar – ar-mas RESPOSTA: ―C‖. Questão 163

280

RESPOSTA: ―C‖. Questão 164 Vejam que de A para D, avançamos 3 casas. O mesmo vai acontecer de L para a próxima, ou seja, vai para a letra O. De C para F nas duas primeiras sequências, avança apenas três casas. Dessa forma, de N para a próxima, avança três também, logo vamos para a letra Q. A sequência será OQSP.

RESPOSTA: ―C‖. Questão 165 Retire os elementos do enunciado e preencha uma tabela com SIM ou NÃO, de acordo com as informações fornecidas. Ao encontrar um SIM em uma célula, preencha o restante da linha e da coluna com NÃO. Local de trabalho Estados de lotação Atendimento Compras Almoxarifado Ceará Pernambuco Bahia Almir S N N N S N Noronha N S N S N N Creuza N N S N N S Logo, RESPOSTA: ―E‖. Questão 166 O próximo encontro se dará após um tempo que corresponde ao m.m.c. de 78 e 84. Calculando o m.m.c.(78;84) encontramos 1.092, ou seja, o encontro ocorrerá após 1.092 minutos. Mas 1.092 equivale a 18h 12min. Como o 1º encontro se deu às 5h 30min, o próximo será às 23h 42min. RESPOSTA: ―D‖. Questão 167 O problema nos informa que as temos as seguintes medidas: AB=20 m; BC=20 m; AC=20m (triangulo maior da figura) DE=10 m; EF=10 m; DF=10 m (triangulo médio da figura) GH=5 m; GI=5 m; IH=5 m (triangulo menor da figura) E os pontos médios (F, G,D,E,I,H) 281

Se fosse o caminho completasse o perímetro de um triangulo, teríamos: 60 m (AB + BC + CA) 30 m (DE + EF + DF) 15 m (GH + GI + IH) Mas observem que o caminho percorrido não chega a completar um triangulo, ou seja, sempre falta um lado, neste caso devemos subtrair um lado de cada triangulo, ficando da seguinte forma: 40 m (AB + BC) 20 m (DE + EF) 10 m (GH + GI) ------70 m ( onde está os 15 metros??) Observe que o trajeto é ABC DEF GHI ----------------40m 20 m 10 m |---------| |-------| 10 m 5m Somando tudo: 40+10+20+5+10 = 85 metros

RESPOSTA: ―A‖ Questão 168 Tem-se 3 pessoas, 3 posições no time e 3 alturas:

Atacante

Goleiro

Zagueiro

Baixo

Meio

Alto

Marcelo Jonas Bruno A primeira informação é de que Marcelo é o atacante:

Marcelo Jonas Bruno

Atacante

Goleiro

Zagueiro

V F F

F

F

Baixo

Meio

Alto

Depois tem-se que Jonas não é o mais baixo: 282

Marcelo Jonas Bruno

Atacante

Goleiro

Zagueiro

V F F

F

F

Baixo

Meio

Alto

F

Por último tem-se que Bruno é mais alto que o goleiro. Isto significa que Bruno não é goleiro, nem pode ser o mais baixo de todos:

Marcelo Jonas Bruno

Atacante V F F

Goleiro F

Zagueiro F

Baixo

Meio

Alto

Meio F V F

Alto F F V

F F

F

Logo, completa-se as tabelas com as possibilidades:

Marcelo Jonas Bruno

Atacante V F F

Goleiro F V F

Zagueiro F F V

Baixo V F F

RESPOSTA: ―A‖. Questão 169 A configuração que permite montar o quebra-cabeça utiliza as pecas constantes na RESPOSTA: D, como mostra a figura abaixo.

RESPOSTA: ―D‖. Questão 170 Os dados da questão permitem montar a seguinte tabela, com o numero mínimo de elemento de M. primos positivos não positivos total

8 32 40

não primos 42 14 56

total 50 46 96

Assim, 42 números são positivos e não primos. RESPOSTA: ―D‖. Questão 171

e estão em faces opostas do cubo, assim como as RESPOSTA: s a, b, c e d.

e

, o que impossibilita

283

RESPOSTA: ―E‖. Questão 172 Usou-se, para cada letra, o número correspondente à sua posição na ordem alfabética: P 16 A

E R I 5 18 9 B A I

1 C 3 B

2 1 9 24 15 I N E M A 9 14 5 13 1 O N E C A

2 B 2

15 14 5 3 1 A N A N A 1 14 1 14 1

G 7

R A V 18 1 22

G O 7 15 X O

I T A 9 20 1

RESPOSTA: ―D‖. Questão 173 No processo de dobra, os pontos A e C coincidirão e serão centros dos semicírculos.

Os pontos B e D também coincidirão e estarão na hipotenusa do triângulo retângulo isósceles. O processo de desdobra gera a folha da RESPOSTA: b.

RESPOSTA: ―B‖. Questão 174 Na questão compara-se a força de trabalho de dois anos, a saber: 1995 O Setor Privado empregou X pessoas O Setor Público empregou X pessoas Existem D desempregados 2001 O Setor Privado empregou X + a pessoas O Setor Público empregou X – b pessoas Existem D‘ desempregados Observando-se que b é maior que a (pois, o número de empregados no setor público decresceu mais do que cresceu o número de empregados no setor privado). 284

Observando-se que não se sabe o valor de D e D‘ No entanto foi dado que a taxa de desemprego (medida pela razão entre o número total de desempregados e o número total da força de trabalho) nos dois anos é igual e afirmou-se que toda a pessoa que faz parte da força de trabalho do reino encontrase em uma e somente uma das seguintes situações: a) está desempregada; b) está empregada no setor público; c) está empregada no setor privado. Desse modo, pode-se calcular de forma algébrica as taxas de desemprego: Em 1995 taxa de desemprego = D / (D + X + X) = D / (D + 2X) Em 2000 taxa de desemprego = D‘ / (D‘ + X + a + X - b) = D‘ / (D‘ + 2X – b + a) A princípio apenas pode-se afirmar que as taxas de desemprego são iguais, mas qual a relação entre o número de desempregados nos dois anos estudados, se não sabemos melhor analisar todas as possibilidades: 1ª hipótese D = D‘ Se isto fosse verdade observe que a força de trabalho teria diminuído, pois: Força de trabalho de 1995 = D + 2X Força de trabalho de 2000 = D + 2X – b + a onde b é maior que a (logo este valor é menor que o anterior). Teste com valores: D=5 X = 10 b=3 a=1 Força de trabalho de 1995 = D + 2X = 5 + 20 = 25 Força de trabalho de 2000 = D + 2X – b + a = 5 + 20 – 3 + 1 = 23 Neste caso duas seriam as RESPOSTAS do problema: (a) A força de trabalho total Diminuiu e (b) O total de desempregados permaneceu constante. Portanto, esta hipótese não é RESPOSTA para a questão. 2ª hipótese D > D‘ Se isto fosse verdade observe que a força de trabalho teria diminuído, pois: Força de trabalho de 1995 = D + 2X Força de trabalho de 2000 = D‘ + 2X – b + a onde b é maior que a (logo este valor é menor que o anterior). Teste com valores (veja que estes valores devem resultar a mesma taxa de desemprego): D=5 D‘ = 3 X = 10 b = 10 a=2 taxa de desemprego de 1995 = D / D + 2X = 5 / 25 = 20% taxa de desemprego de 2000 = D‘ / D‘ + 2X – b + a = 3 / 3 + 20 – 10 + 2 = 3/15 = 20% Agora observem a força de trabalho: Força de trabalho de 1995 = D + 2X = 5 + 20 = 25 Força de trabalho de 2000 = D‘ + 2X – b + a = 3 + 20 – 10 + 2 = 15 Pode-se deduzir que a força de trabalho diminuiu 3ª hipótese D < D‘ Isto não é verdade, pois não existe combinação numérica que torne ao mesmo tempo D < D‘ e as taxas de desemprego dos dois anos iguais (pode tentar). Agora vamos analisar as RESPOSTA: s: a) correta, de acordo com a 2a. e única hipótese viável, pois somente ela apresenta uma única RESPOSTA.

285

b) errada, pois se só existem vagas no serviço público ou no serviço privado, se em 1995 ambos ocupavam meio a meio e em 2000 o setor público diminuiu mais do que o privado aumentou então o emprego total diminuiu, basta comparar: Emprego Total em 1995 = 2X Emprego Total em 2000 = 2X – b + a (menor que o de 1995 pois b é maior que a). c) errada, esta possibilidade é desmentida pela 2a. hipótese. d) errada, em nenhum momento existe afirmação sobre os salários pagos pelo setor privado em relação aos do setor público. e) errada, a informação dada no texto é apenas relativa, ou seja, o número de empregados no setor público decresceu mais do que cresceu o número de empregados no setor privado. Pode ser que o número de empregados no setor privado tenha subido ou mesmo tenha descido menos que o número de empregados no setor público. RESPOSTA: ―A‖. Questão 175 I) De ―BIFE‖ e ―BAFO‖ temos que ―A‖ e ―O‖ são letras da palavra procurada e estão na posição correta. Assim, a palavra e do tipo

II) De ―FOME‖ conclui-se que ―M‖ e ―E‖ não estão na palavra e, de ―MATE‖ conclui-se que T esta na palavra e na posição correta. Desta forma, a palavra e do tipo

III) De ―PEMA‖ conclui-se que ―P‖ esta na palavra e na posição correta. IV) Finalmente, a palavra procurada e ―PATO‖, nome de uma ave. RESPOSTA: ―A‖. Questão 176 Observemos que: 1) Do primeiro para o segundo patamar, o valor foi multiplicado por 2. 2) Do segundo para o terceiro patamar, o valor foi multiplicado por 4. 3) Do terceiro para o quarto patamar, o valor foi multiplicado por 6. 4) Do quarto para o quinto patamar, o valor foi multiplicado por 8. Admitindo-se que a lei de formação seja: ―de um patamar para o seguinte, os valores são multiplicados, respectivamente, pelos termos da sequência (2, 4, 6, 8, 10, …)‖, do quinto para o sexto patamar, devemos multiplicar o valor por 10. Assim, o número do último patamar é 384 . 10 = 3840. RESPOSTA: ―D‖. Questão 177 Um número é considerado primo quando só pode ser dividido pelo número 1 e por ele mesmo. No problema o avaliador informou que um número primo tem com certeza 3 divisores quando puder ser escrito da forma: 1 p p² onde p é um número primo. observe os seguintes números: 1 2 2² (4) 1 3 3² (9) 1 5 5² (25) 1 7 7² (49)

286

1 11 11² (121) Veja que 4 têm apenas três divisores (1, 2 e ele mesmo) e o mesmo ocorre com os demais números 9, 25, 49 e 121 (mas este último já é maior que 100) portanto a soma dos números inteiros positivos menores do que 100, que têm exatamente três divisores positivos é dada por: 4 + 9 + 25 + 49 = 87. RESPOSTA: ―B‖. Questão 178

Ao rodar a figura em torno de seu ponto central de um angulo de aproximadamente 240°, no sentido horário, obteremos a figura da RESPOSTA: C. As figuras apresentadas nas outras RESPOSTA: s exigem que a figura dada seja tirada do plano. RESPOSTA: ―C‖. Questão 179 Se c, he , hi e a forem o número de prótons de um átomo de carbono, hélio, hidrogênio e argônio, respectivamente, então: 1) ; a=3c 2) 3) RESPOSTA: ―E‖. Questão 180 Como cada um dos alunos abordou apenas um tema, assim teremos que, tendo João abordado sobre mediana, por exemplo, não abordou outros assuntos. Esta é a única forma que o ―ou‖ possui a forma de ―ou…ou‖, pois é exclusivo. Vejamos que Carlos e Maria se repetem na segunda e na terceira frases, logo se um falou sobre moda, o outro falou sobre média. Assim Maria tem de ter falado sobre moda ou média, não falando sobre mediana. Assim quem falou sobre mediana, pela primeira afirmação, foi João. Com isto, pela última, Carlos falou sobre moda, pois João não falou sobre moda Desta forma resta somente Maria ter falado sobre média aritmética João: mediana Carlos: moda Maria: média aritmética RESPOSTA: ―C‖. Questão 181 O código está em MULTIPLICAÇÃO. GEOGRAFIA é AGORA x IFGE 24 x IFGE = 56 IFGE = 56/24, dividindo por 8 ambos os termos… IFGE = 7/3 Mas F é o dobro de B, então teremos que Ix 2B xGE = 7/3 Então IBGE = 7/6

287

RESPOSTA: ―A‖. Questão 182 A mulher de Ari não se chama Patrícia e não é professora A mulher de Ari será ou Laura ou Marília/ ou médica ou advogada Beto é casado com a Advogada, logo Ari é casado com a médica. Ciro é casado com Laura, logo Ari é casado com Marília. Então a esposa de Ari é Marília e ela é médica. Ciro é casado com Laura, então Beto é casado com Patrícia. Logo Patrícia é Advogada Assim resta a Laura ser professora. RESPOSTA: ―C‖. Questão 183 A apólice V deve passar de 5% de 1240 para 15% de 1500, ou seja, deve aumentar: 0,15 . 1500 – 0,05 . 1240 = 225 – 62 = 163 RESPOSTA: ―B‖. Questão 184 As quantidades negociadas de cada apólice para atingir a meta são dadas por: Apólice I: 0,10 . 1500 – 0,10 . 1240 = 26 Apólice II: 0,15 . 1500 – 0,15 . 1240 = 39 Apólice III: 0,25 . 1500 – 0,30 . 1240 = 3 Apólice IV: 0,35 . 1500 – 0,40 . 1240 = 29 Apólice V: 0,15 . 1500 – 0,05 . 1240 = 163 Logo, apólice III é a que menos precisa ser negociada para atingir a meta. RESPOSTA: ―C‖. Questão 185 De acordo com o gráfico B, a meta é atingir 1500 apólices, de modo que a quantidade de cada tipo de apólice seja a seguinte: Apólice I: 0,10 . 1500 = 150 Apólice II: 0,15 . 1500 = 225 Apólice III: 0,25 . 1500 = 375 Apólice IV: 0,35 . 1500 = 525 Apólice V: 0,15 . 1500 = 225 Se cada unidade da apólice I, II, III, IV e V é negociada por 1 unidade monetária, 2 unidades monetárias, 3 unidades monetárias, 4 unidades monetárias e 5 unidades monetárias, respectivamente, então, o valor arrecadado em cada um dos tipos de apólice é dado por: Apólice I: 150 . 1 = 150 unidades monetárias Apólice II: 225 . 2 = 450 unidades monetárias Apólice III: 375 . 3 = 1125 unidades monetárias Apólice IV: 525 . 4 = 2100 unidades monetárias Apólice V: 225 . 5 = 1125 unidades monetárias Assim, o valor total arrecadado é igual a: 150 + 450 + 1125 + 2100 + 1125 = 4950 unidades monetárias Portanto, a participação da apólice IV nessa arrecadação é dada por:

RESPOSTA: ―E‖.

288

Questão 186 Como a soma 81.937 é um número ímpar e para termos soma ímpar temos de ter Par + ímpar ou ímpar + par, só nos resta retirar o algarismo das unidades, pois se não o retirarmos, a unidade ficará a mesma. Se a unidade for par, continuará par no número de 4 algarismos e a soma será par. Assim também no caso de ímpar. Desta forma, teremos de retirar o algarismo das unidades. RESPOSTA: ―E‖. Questão 187 Vamos aplicar a propriedade contra positiva nas 3 primeiras proposições compostas, assim temos: - Se a França se classifica então o Brasil não vence o jogo. - Se a Itália não se classifica então a França se classifica. - Se a Polônia se classifica então a Itália não se classifica. - A Polônia se classificou. Assim temos que como a Polônia se classificou (proposição 4) então a Itália não se classificou(proposição 3). Como a Itália não se classificou então a França se classifica (proposição 2). E finalmente como a França se classifica então o Brasil não vence o jogo (proposição 1). Assim, temos as seguintes conclusões: 1 – Polônia se classificou. 2 – Itália não se classificou. 3 – França se classificou. 4 – Brasil não vence o jogo. Aplicando as definições de conectivos temos: LETRA A – FALSA LETRA B – FALSA LETRA C – VERDADEIRA LETRA D – FALSA LETRA E – FALSA RESPOSTA: ―C‖. Questão 188 No texto diz ―… o partido X venceu em todas as capitais com mais de 2 milhões de habitantes, exceto as do Nordeste‖ Há dupla interpretação: Primeira: O partido X venceu em todas as capitais com mais de 2 milhões de habitantes, com exceção das capitais do Nordeste, pois nas capitais desta região com mais de 2 milhões de habitantes, tal fato não ocorreu. Segunda: O partido X venceu em todas as capitais com mais de 2 milhões de habitantes, com exceção das capitais do Nordeste, pois nesta região, tal partido venceu em capitais com menos de 2 milhões de habitantes. Desta forma, com esta dupla interpretação, teremos… Primeira: A capital Y possui mais de 2 milhões de habitantes e não está no Nordeste, seria RESPOSTA: 03) Segunda: A capital Y poderá ter menos de 2 milhões de habitantes, desde que esteja no Nordeste. Teríamos que ―A capital Y tem mais de 2 milhões de habitantes OU está no Nordeste‖ – Não há RESPOSTA: . Desta forma, a única RESPOSTA: mais plausível é a 01) Nada se pode afirmar sobre o número de habitantes de Y ou sua localização RESPOSTA: ―A‖.

289

Questão 189 Cand Local Cand Local Cand Local Cand Pern X X Pern X Pern X Goian Alber Goian Carl Y Goian Ters Y Y Y Rodr Y Y Catar Y Catar Catar Y Branco paulis Branco paulis Branco Branco paulis

Local Pern Goian Catar

Pelo quadro, como Carlos votou em branco, não será pernambucano, pois o pernambucano foi um dos que votaram em Y Como Teresa é Goiana, não é Pernambucana Como Rodrigo não é pernambucano, só restou Alberto ser Pernambucano. Assim Alberto votou em Y RESPOSTA: ―A‖. Questão 190 Receberá auxílio: 1) Renda inferior a $100 e com crianças 2) Renda até $150 com gestante. Possibilidade para não receber auxílio: 1) Família com renda superior a $150 2) Família com renda a partir de $100 e não inclui gestantes. 3) Família com renda inferior a $100 sem crianças RESPOSTA: ―E‖. Questão 191 Vamos verificar a situação passo a passo: ―O partido P somente iria lançar candidato próprio à prefeitura de Florianópolis se o político X aceitasse se candidatar.‖ Se tivermos notícia que o partido P lançou candidato, já entendemos que o político X aceitou. Se o X não aceitar, não há como o partido P lançar candidato. ―ele – político X – só se candidataria se recebesse o apoio do governador‖. Se tivermos notícia que o X se candidatou, sabemos que é porque teve apoio. Mas é possível ele ter apoio e não querer se candidatar. Então X não ser candidato não quer dizer que não teve apoio. ―Este – governador -, por sua vez, não daria seu apoio se P não se coligasse ao partido Q‖ Se tivermos notícia que o governador apoiou é porque o partido P se coligou. Mas é possível o partido P se coligar e mesmo assim o governador não apoiar. RESPOSTA: ―C‖. Questão 192 Considerando todos os anos com 365 dias; 1000 dias resulta 2 anos e 9 meses de 365 dias cada ano. Caso começou em 1º janeiro de 1899, durou até setembro de 1901. Caso começou em 31 de dezembro de 1899, durou até agosto de 1902. RESPOSTA: ―C‖. Questão 193 Para se sagrar campeão, 3 coisas poderiam acontecer: 1) União vencer o último. 290

2) O time Camisa não ganhar. 3) União vencer o último e o time do Camisa não ganhar. A única chance de ele não ser campeão é se não acontecesse essas três, que seria: 4) União não venceu o último e o time do camisa ganhou. Para não vencer, pode ter sido: União perdeu ou empatou o último e o time do Camisa ganhou. RESPOSTA: ―A‖. Questão 194 Para que não haja lado em comum, basta alternar os quadradinhos nas linhas, por exemplo. Linhas ímpares pintam-se o 1.º, 3.º e o 5.º quadrados. Linhas pares pintam-se o 2.º e o 4.º quadrados Totalizam 13 quadrados RESPOSTA: ―D‖. Questão 195 De acordo com a figura, a face D terá uma aresta comum com as faces B, C, E e F, mas será oposta à face A. Logo, a face A é oposta à face D. RESPOSTA: ―A‖. Questão 196 O soldado de número 1 manterá a posição de descanso, pois o número 1 não é par, nem múltiplo de 3, 4 ou 5. O soldado de número 2 mudará a posição de descanso para a de ataque, pois 2 é um número par. O soldado de número 3 mudará a posição de descanso para a de ataque, pois 3 não é par, mas é múltiplo de 3. O soldado de número 4 manterá a posição de descanso, pois 4 é par e múltiplo de 4. O soldado de número 5 mudará a posição de descanso para a de ataque, pois apesar de o número 5 não ser par, não ser múltiplo de 3 nem de 4, é múltiplo de 5. Portanto, apenas os soldados de números 1 e 4 manterão a posição de descanso. RESPOSTA: ―B‖. Questão 197 Considerando-se o movimento em L, uma possibilidade para os movimentos dos cavalos da figura seria: 10 RESPOSTA: ―D‖. Questão 198 Observe que nas palavras ARI, RIO e RUA, a letra R aparece em todas as palavras, as letras A e I aparecem, cada uma, duas vezes, e as letras O e U aparecem uma única vez. Para que uma senha de três letras distintas possua exatamente duas letras em comum com cada uma das palavras dadas, existem apenas duas opções possíveis: RIU ou ARO. Entretanto, em nenhum dos três casos uma das letras em comum ocupa a mesma posição na palavra e na senha. Vamos analisar cada uma delas começando com a senha RIU e seus anagramas. As opções de ordenação são: RIU – duas das palavras têm letras em comum na mesma posição; RUI – as três palavras têm letras em comum na mesma posição; IRU – uma das palavras possui letra comum na mesma posição; IUR – uma das palavras possui letra comum na mesma posição; URI – uma das palavras possui letra comum na mesma posição; UIR – uma das palavras possui letra comum na mesma posição.

291

Logo, a senha não pode ser RIU nem um anagrama, pois, neste caso, qualquer uma das possíveis senhas teria ao menos uma letra em comum com, no mínimo, uma das três palavras. As opções de ordenação para a senha ARO são: ARO – duas das palavras têm letras em comum na mesma posição; AOR – uma das palavras tem letras em comum na mesma posição; OAR – nenhuma palavra possui letra comum na mesma posição; ORA – duas das palavras têm letras em comum na mesma posição; RAO – duas das palavras têm letras em comum na mesma posição; ROA – duas das palavras têm letras em comum na mesma posição. A única possibilidade de senha que possua exatamente duas letras comuns às três palavras, mas não possua letra comum na mesma posição que qualquer uma das palavras é OAR. Logo, O é a primeira letra da senha. RESPOSTA: ―B‖. Questão 199 1. nenhum deles (dos rótulos) corresponde ao doce nela contido. 2. o menor número de caixas que precisam ser abertas. Imaginem que temos 4 caixas, numeradas de 1 a 4. Na hora que abro a caixa 1 (1ª caixa aberta), vejo tem o doce que deveria estar na caixa 3. Quando abro a caixa 3 (2ª caixa aberta), vejo que o doce é o que deveria estar na caixa 1. Obrigatoriamente, as caixas 2 e 4 estão com os doces trocados (item 1) e, abrindo 2 caixas, descobri o conteúdo de todas elas! PH, mas se na caixa 3 não está o doce da caixa 1? É outro valor. Perfeito! Só que eu deixo de ter o menor número de caixas que precisam ser abertas (item 2). RESPOSTA: ―B‖. Questão 200 Nessa questão temos o seguinte: Sabemos que as 20 crianças que chegaram depois comeram durante 10 dias a comida do acampamento. Isso resultou na diminuição de 10 na duração do estoque. Com isso, podemos concluir que o acampamento possuía também 20 crianças. RESPOSTA: ―A‖. Questão 201 Nessa questão temos o seguinte: Sombra do poste de 10m às 15h: 20m Sombra do poste de 10m às 16h: 25m Fazendo a extrapolação para um poste de 20m, temos: Sombra do poste de 20m às 15h: 40m Sombra do poste de 20m às 16h: 50m Fazendo então a interpolação para o horário de 15:30, temos: Sombra do poste de 20m às 15:30: (40 + 50)/2 = 45m. RESPOSTA: ―E‖. Questão 202 Temos multiplicação de números pares. Logo, an=2n.2n an=2n² an=4n² Então temos:

)

RESPOSTA: ―E‖.

292

Questão 203 O único item errado é: IV - A expressão ― 70% devem estar fora da FEBEM‖ , apresentada como ―SOLUCAO‖, refere-se aos 73,4% responsáveis pelas ― INFRACOES FREQUENTES‖ citadas. 73,4% representa a soma de todos os percentuais referentes aos delitos (infrações), tais como: Roubo, furto, tráfico de entorpecentes e homicídios. E, os 70% referem-se aos infratores que devem estar fora da FEBEM (não necessitam estar privados da liberdade porque cometeram pequenos delitos). RESPOSTA: ―D‖. Questão 204 Valor da cesta básica: ―x‖ (ou 100% x) Valor da cesta básica ―x‖ apos dois aumentos sucessivos de 5% e 10%: Xnova=100%x.(1 + 0,005).(1 + 0,10) Xnova=100%.x.(1,005)(1,1) Xnova=100%.x.1,155 Xnova=115,5%.x Aumento dado na cesta básica, após dois reajustes da inflação: 115,5%.x-100%.x=15,5% Nesse período, a cesta básica foi majorada em 15,5% Proposição ERRADA Questão 205 Como o total de carros produzidos foi de 10.000 veículos, teremos: 3.500 + x + 2.500 = 10.000 → x + 6.000 = 10.000 x = 10.000 - 6.000 → x = 4.000 unidades produzidas pela montadora ―B‖ Sendo o total de unidades vendidas, de acordo com o texto, de 79% da produção total das três montadoras, teremos, então: 79% de 10.000 =79/100.10000 = 7.900 unidades vendidas Com esse numero já determinado, então, podemos concluir que: 70% de 3.500 + 80% de 4.000+ y % de 2.500 = 7.900. Ou seja: (70/100.3500)+(80/100 4000)+(y/100.2500)=7900→2450+3200+25y=7900 25y=2250→y=90% RESPOSTA: ―A‖. Questão 206 Desenvolvimento dos itens subsequentes: x=copos pequenos y=copos médios z=copos café Suponha que existem 6.530 copos para agua e que o numero de copos para café e 70% maior que o numero de copos para agua. Então existem menos de 11.100 copos pequenos nessa copa. De acordo com o item, existem 6.530 copos para agua, ou seja: x + y = 6.530 copos de plástico para agua 293

Sendo o numero de copos para café 70% maior que o numero de copos para agua, então teremos a seguinte relação. z = 1 70% o valor de (x + y ) z=170/100.6530→z=11.101 Portanto, o item esta ERRADO, pois existem mais de 11.100 copos de plástico para café. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 207 Para a capacidade de cada copo, teremos: Capacidade dos copos de plástico pequenos = 50 ml; Capacidade dos copos de plástico médios = 4 x 50 ml = 200 ml; Transformando 200 ml em centilitros, teremos 20 cl (centilitros) RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 208 Seja ―y‖ a quantidade de copos médios usados. A quantidade de copos médios usados nesse mesmo dia e igual a usados, ou seja:

do numero de copos pequenos

Portanto, a quantidade de copos usados nesse dia, ou seja, o total de copos pequenos mais o total de copos médios será: 60 + 36 = 96, ou seja, menor que 100 unidades. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 209 Em um determinado dia, o numero de copos médios, ―y‖, usados é igual a pequenos ―x‖. Matematicamente, teremos que:

do número de copos

y = x ....................................................... (1) Se, nesse dia, foram usados 66 copos, então teremos que: x + y = 66 copos......................................(2) Formando um sistema linear entre as relações (1) e (2), temos que:

,

RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 210 Inicialmente, chamaremos de: x: numero de copos pequenos utilizados na parte da manha, de um certo dia; z: numero de copos pequenos utilizados na parte da tarde, nesse mesmo dia; 294

y: numero de copos médios utilizados na parte da manha, nesse mesmo dia; w :numero de copos médios utilizados na parte da tarde, nesse mesmo dia; Montaremos as seguintes relações, de acordo com o enunciado do item, um sistema linear de equações que se seguem: ―o numero de copos pequenos usados na parte da tarde foi igual a do numero de copos pequenos usados na parte da manha‖: .............................................. ( 1) ―o total de copos médios usados nesse dia foi igual a do total de copos pequenos usados‖: )

(2)

―Se, nesse dia, foram usados 156 copos‖: x + z + w + y = 156........................... ................ (3) Substituindo o valor de [x = 5z] na relação (2), teremos: )

)

Substituindo (4) e (1) em (3)

Portanto, a diferença entre o total de copos utilizados pela manha (―x + z‖) pelo numero total de copos utilizados a tarde (―y + w‖) será de: (x + z) - (y + w) = (90 + 18) - (48) = 108 - 48 = 60 RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 211 Com o exposto neste item, podemos afirmar que: (PV): preço inicial de venda do produto - R$ 1.250,00 (D): desconto a ser dado ao produto sobre seu preço de venda - 8% de R$ 1.250,00, ou 8% de R$ 1.250,00 =8/100.1250=10000/100=100 (PV): preço final de venda do produto já com o referido desconto acima: R$ 1.250,00-R$ 1 00,00 = R$ 1150,00 Como o item afirma que este preço final de venda do produto será superior a R$ 1.100,00. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 212 De acordo com o 1° paragrafo - ―(...) Desde a sua nascente, na Serra da Canastra, em Minas Gerais, ate a sua foz, na divisa de Sergipe e Alagoas, ele percorre 2.700 km‖. A extensão do rio São Francisco e de 2.700 km de sua nascente ate a foz. Percorrendo-o com uma velocidade constante de 50 km/h, o tempo necessário para atravessa-lo será de: 50 km são percorridos em 1h 2.700 km serão percorridos em x h 50x=2700 x=2700/50 295

x=54 horas Ou seja, o tempo necessário para atravessa-lo e superior a dois dias (48 horas). RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 213 De acordo com o 2° paragrafo, dos 168 afluentes do rio São Francisco, 99 são perenes (que duram muitos anos; eternos; incessantes; o mesmo que perenais), e 168- 99 = 69 afluentes podem secar no período da seca, o que representa, em termos percentuais: 69/168 0,4107 ou 41,07% do total de 168 afluentes. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 214 Pelo 2° paragrafo - ―O rio São Francisco recebe agua de 168 afluentes, dos quais 99 são perenes, 90 estão na sua margem direita e 78, na esquerda‖. Infere-se apenas que do total dos afluentes do rio São Francisco (168 afluentes), 90 estão na sua margem direita e 78, na esquerda; lembrando que 90 + 78 = 168. Ou seja, sobre numero que representa os rios perenes (90 afluentes) nada podemos afirmar em qual margem encontram-se esses afluentes. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 215 Supondo que os 168 afluentes que cedem suas aguas ao rio São Francisco nos 2.700 km de sua extensão fossem espaçados igualmente entre si no ponto em que desemboca no rio São Francisco. A distância entre dois afluentes consecutivos quaisquer seria de, vejamos um exemplo: para 5 afluentes consecutivos, teríamos 4 distancias entre eles, então vejamos: Assim, para 168 afluentes, teremos 167 distancias consecutivas entre dois afluentes. Portanto, em 2.700 km de extensão, teremos: (2700 km)/(167 afluentes) 16,167 km Como o item afirma que, dois afluentes quaisquer teriam uma distância superior a 17 km, mesmo não sendo afluentes consecutivos, no ponto que desembocam. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 216 A forma mais rápida de resolver a questão é começar fazendo a soma do total das distâncias pares e ímpares: Vamos chamar de DSP a soma dos segmentos pares e de DSI a soma dos segmentos ímpares, assim temos: DSP = 2 + 4 + 4 = 10 DSI = 3 + 7 + 3 = 13 Agora considerando a informação de que DSI é maior que DSP podemos concluir que o robô B, que é mais rápido nos segmentos ímpares, percorrerá o percurso em menor tempo. A velocidade com que o robô A percorre os segmentos pares é igual à velocidade com que o robô B percorre os segmentos ímpares e vice-versa, dessa forma podemos concluir que se a distância dos segmentos ímpares fosse igual à distância dos segmentos ímpares os dois robôs percorreriam o percurso no mesmo tempo. Assim, podemos concluir que a forma mais rápida de calcular a diferença de tempo entre um robô e outro consiste em calcular a diferença entre DSI e DSP: DSI - DSP = 3 E depois considerar que nessa distância de três metros o robô A é 10 segundos mais lento por metro, ou seja, a diferença total de tempo é igual a: 296

Diferença de tempo = ( DSI - DSP) * (30 - 20) Sendo 30 o tempo que o robô A leva para percorrer o trecho ímpar e 20 o tempo que o robô B leva para percorrer o trecho ímpar. Diferença de tempo = 3 * 10 = 30 RESPOSTA: ―C‖. Questão 217 Se os cilindros A e D somam 12 centímetros e o cilindro B tem o dobro desta soma, tem-se que B possui 24 centímetros de diâmetro. Logo, o cilindro C possui um quarto de 24 centímetros, ou seja, 6 centímetros. Quando um cilindro é maior que o anterior, deve-se dividir a velocidade deste pela razão. Quando um cilindro é menor que o anterior, deve-se multiplicar a velocidade deste pela razão. Cilindro A B C D

Diâmetro (cm) 4 24 6 8

Razão A/6 B=4C 0,75C

Velocidade (RPM) 180 30 120 90

RESPOSTA: ‖B‖. Questão 218

Área do telhado = 2x (b x l) Calculo do lado (―l‖) de um dos dois retângulos que compõem o telhado:

Aplicando o Teorema de Pitágoras em um dos triângulos retângulos formados pelas 2 tesouras, temos: L² = 5² + 16²

L² = 25 + 256

L² = 281

L =√

L = 16,76 m

297

L=2x40x 16,76=1.340,8 M² RESPOSTA: ―E‖. Questão 219 Ao multiplicarmos uma matriz quadrada A de ordem 2 por outra matriz quadrada B, também de ordem 2, o resultado obtido será uma terceira matriz quadrada C, de mesma ordem:

onde, c11, c12, c21 e c22, são os elementos da matriz C formados pela multiplicação entre as linhas da matriz A pelas colunas da matriz B.

c11=2.2+3.1=7 c12=2.4+3.1=17 c21=1.2+3.1=5 c22=1.4+3.3=13

O determinante é o valor numérico de uma matriz de ordem quadrada. No caso de uma matriz de ordem 2, tem-se que o determinante é calculado pela ―diferença entre os produtos dos elementos que se encontram, respectivamente, nas diagonais principais e secundárias‖:

RESPOSTA: ―E‖. Questão 220

RESPOSTA: ―E‖. Questão 221 Questão de percepção mesmo. Raciocínio lógico puro. Segue desenho 298

RESPOSTA: ―D‖. Questão 222 Suponha soma 10 em três consecutivos. 5, 2, 3, 5, 2, 3. Veja que o ―trio‖ se repete. Veja que o 745 está no lugar do 5 no exemplo e o 287 está no lugar do 2 no exemplo. Logo o trio é 745 + 287 + X = 2014 X = 2014 – 745 – 287 X = 982 Tendo como base o exemplo dado, teremos 745, 287, 982, 745, 287, 982… O N está na 11ª posição. O 745 assume a 1ª, 4ª, 7ª, 10ª posição 287 assume a 2ª, 5ª, 8ª, 11ª posição. Será 287. RESPOSTA: ―A‖. Questão 223 Sejam V o valor que Paulo dispunha para comprar os livros e x o preço unitário do livro. Se comprando 15 livros sobraram 38 reais, então: V = 15x + 38 Se comprando 16 livros faltaram 47 reais, então: V = 16x – 47 Igualando as equações, temos: 16x – 47 = 15x + 38 16x – 15x = 38 + 47 x = 85 Se cada livro custava 85 reais, para encontrar o valor que Paulo dispunha basta substituir x por 85 em qualquer uma das equações anteriores. Substituindo na primeira, por exemplo, temos: V = 15x + 38 V = 15 . 85 + 38 V = 1313 Portanto, Paulo possuía 1313 reais. RESPOSTA: ―D‖. Questão 224 Início: 1800 1º dia: Perdeu , ou seja, sobrou 1800 – 900 = 900 299

2º dia: Ganhou , ou seja, ficou com 900 + 720 = 1620 3º dia: Perdeu , ou seja, ficou com 1620 – 720 = 900 Logo, ao final do terceiro dia Renato ficou com 900 reais. RESPOSTA: ―D‖. Questão 225 A média aritmética de 5 números é igual à soma dos 5 números dividida por 5. Assim, se a média aritmética dos números 19, 15, 17, 21 e n é igual a 19, então: 95 = 72 + n 95 – 72 = n n = 23 Ordenando o conjunto dos cinco números, temos: (15, 17, 19, 21, 23) Em um conjunto com cinco números (ímpar), a mediana é igual ao termo central do conjunto ordenado, ou seja, a mediana é igual a 19. RESPOSTA: ―A‖. Questão 226 Se a taxa anual nominal foi de 6,59% e a taxa anual de inflação foi de 4,5%, então a taxa anual real i é dada por:

Logo, a taxa anual real foi de 2%. RESPOSTA: ―C‖. Questão 227 Em qualquer regime de capitalização o valor da prestação é igual à soma do valor da parcela de amortização com o valor da parcela de juro: P5 = a5 + J5 O valor da quinta parcela de juros é calculado sobre o saldo devedor do período imediatamente anterior. Como a taxa semestral de juros é igual a 4% e o saldo devedor após o pagamento da 4ª prestação é igual a 160.000 reais, temos: J5 = 0,04 . 160000 = 6400 Substituindo J5 por 6400 e, ainda, observando que as amortizações são constantes e iguais a 160000 (SAC), temos: P5 = 160000 + 6400 P5 = 166400 Portanto, o valor da última prestação é igual a 166.400 reais. RESPOSTA: ―B‖. 300

Questão 228 Ao calcular o valor da expressão log 20 + log 5 temos: log 20 + log 5 = log(2.10) + log5 = log 2 + log 10 + log 5 = log 2 + log 5 + log 10 = = log(2.5) + log 10 = log 10 + log 10 = 2.log 10 Aplicando a definição temos log 10 = 1 e então 2.log10 = 2 RESPOSTA: ―D‖. Questão 229 p: Paulo é botafoguense Q: gosta de cinema no uso do conectivo e, eu nego a 1ª proposição : troco o conectivo e pelo ou e nego a 2ª . Paulo não é botafoguense ou não gosta de cinema. RESPOSTA: ―C‖. Questão 230 a3+a6 = 29 e a2 + a5 = 23. Aplicando a definição na primeira equação temos: a3+a6 = 29 a1+2r+a1+5r = 29 2a1+7r=29 Agora aplicando na segunda equação temos: a2 + a5 = 23 a1+r + a1+4r= 23 2a1+5r=23 Montando um sistema com as equações restantes temos: 2a1+7r=29 2a1+5r=23 Subtraindo uma da outra temos 2r =6 e logo r = 3. Agora que sabemos que r = 3 vamos substituir o valor na primeira equação e descobrir o valor de a1. 2a1+7r=29 2a1+7.3=29 2a1 = 8 a1 =4. Finalmente nossa PA é (4,7,10,….) ou seja, os múltiplos de 3. Temos então que o elemento que ocupa a posição ―200‖ nessa sequência é: an = a1 + (n – 1) r a200 = a1 + (200 – 1). 3 a200 = 4 + (199). 3 a200 = 601 Assim, temos que somar a PA (3,6,9,12,15,….,600) Aplicando a fórmula da soma dos termos temos: RESPOSTA: ―A‖. Questão 231 Como temos que dividir 60000 reais em partes proporcionais entre Ana, Beto e Carina então temos:

301

A + B + C = 60000 Como é uma divisão em partes DIRETAMENTE proporcionais ao investimento inicial então temos: A = 40x B = 50x C = 30x Substituindo na equação inicial temos: A + B + C = 60000 40x+50x+30x = 60000 120x = 60000 X = 500 Agora para calcularmos o valor que cabe a Beto temos: B = 50x B = 50.500 = R$25000 RESPOSTA: ―D‖. Questão 232 18 horas 6 horas

2 servidores x servidores

15 processos 10 processos

Se aumentar o número de servidores então eles conseguirão analisar MAIS processos em MENOS tempo. Assim, montando a equação temos: 2/x= 15/10.6/18 2/x= 90/180 2/x =1/2 x=4 servidores. RESPOSTA: ―A‖. Questão 233 No contexto da questão entende-se que o vocábulo ―entre… e…‖ engloba os extremos. Assim teremos Pesquisas: A – entre 25 e 29% : 25%, 26%, 27%, 28% ou 29% B – no mínimo 31%: 31%, 32%, 33%, …. C – até 27%: … 24%, 25%, 26% ou 27% D – de 27% a 32%: 27%, 28%, 29%, 30%, 31% ou 32% E – entre 26% e 30%: 26%, 27%, 28%, 29% ou 30% Somente 3 acertaram… Vamos ver os percentuais: 25% – 2 pesquisas neste percentual 26% – 3 pesquisas neste percentual – ok 27% – 4 pesquisas neste percentual 28% – 3 pesquisas neste percentual – ok 29% – 3 pesquisas neste percentual – ok 30% – 2 pesquisas neste percentual 31% – 2 pesquisas neste percentual 32% – 2 pesquisas neste percentual RESPOSTA: ―D‖. Questão 234 Pensando no máximo de edições para que 4 departamentos façam competição onde um deles ganhe 5 vezes, temos que pensar na maior alternância possível. 302

Exemplo: Departamentos A, B, C e D A B C D - A B C D – A B C D - A B C D - A = 17 RESPOSTA: ―C‖. Questão 235 Por hora, o funcionário B realizou 25/2,5 = 10 atendimentos. Por hora, o funcionário C realizou 21/3,5 = 6 atendimentos. Logo, por hora, o funcionário B realizou 10 – 6 = 4 atendimentos a mais do que o funcionário C. RESPOSTA: ―E‖. Questão 236 Em uma hora e meia de trabalho cada um dos funcionários faria o seguinte número de atendimentos:

Logo, em uma hora e meia, os cinco funcionários fariam, juntos: 6 + 15 + 9 + 15 + 12 = 57 atendimentos RESPOSTA: ―A‖. Questão 237 Trata-se do produto como representado na segunda linha. Será 1020304030201, porque na segunda linha o número central é a quantidade de números 1 que aparecem em cada termo da multiplicação. RESPOSTA: ―E‖. Questão 238 300 pessoas, sendo 175 do sexo masculino e 125 do sexo feminino Fazendo o máximo divisor comum entre 175 e 125 obtemos 175, 125 divididos por 5 35, 25 divididos por 5 7, 5 O máximo divisor comum é 25. Então dá para dividir os grupos tendo cada um 7 homens e 5 mulheres. ―todos os grupos com a mesma quantidade de mulheres e a mesma quantidade de homens.‖ Note-se que foi repetida ―a mesma quantidade‖. Se interpretássemos a afirmação como homens e mulheres na mesma quantidade, seria impossível, mas na interpretação acima é possível. RESPOSTA: ―ERRADA‖.

303

Questão 239 Considere ainda que cada um deles necessite, para funcionar corretamente, de 3 pessoas trabalhando por dia, independentemente do sexo. Nessa situação, se todas as pessoas selecionadas forem designadas para esses locais de apoio e se cada uma delas intercalar um dia de trabalho com um dia de folga ou vice-versa, então os postos funcionarão da forma desejada. Um dia de folga e um dia de trabalho resulta em 150 pessoas por dia. 150/50 locais = 3 pessoas por local. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 240 6 x 24 = 144. Apenas será suficiente o número de homens. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 241 Maria não tem vizinhos no seu andar, e seu apartamento localiza-se o mais a leste possível Logo Maria mora no apartamento 15, 10 ou 5. Renato mora em um apartamento no segundo Logo Maria não mora no segundo andar exatamente abaixo do de Maria Logo Maria mora no apartamento 15 e Renato no 10 Taís mora no mesmo andar de Renato e dois apartamentos a separam do dele Logo Tais mora no segundo andar no apartamento 7 Paulo e Guilherme moram no andar mais baixo, não são vizinhos e não moram abaixo de um apartamento ocupado Logo eles não moram no apartamento 5 e 2, então um deles moram no 3 ou 4, e o outro está o 1. Guilherme mora a sudoeste de Tais Logo Guilherme mora no apartamento 1. RESPOSTA: ―C‖. Questão 242 15 horas = 15 x 60 = 900 minutos 900 x 0,15 = 9 x 15 = 135 reais Restam 200 – 135 = 65 reais Um terço de 200 será 200/3 = aprox. 67 reais. Resta menos de um terço. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 243 Pagando 70 reais pelas ligações excedentes, totalizam R$270,00 na conta 270 / 0,15 = 1800 minutos / 60 = 30 horas em 30 dias = 1h/dia RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 244 20h x 60 = 1200 minutos x 0,15 = 180 reais RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 245 A x B será Primeira linha, primeira coluna será 6 x 0,2 + 3 x 0,15 + 1 x 0,20 (esta parte correta/mesma cidade, mesmas situações) Primeira linha, segunda coluna será 6 x 0,5 + 3 x 0,30 + 1 x 0,20 (não condiz, pois mistura o número de ligação na mesma cidade com o preço em cidade distinta) RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 246 Na coluna do número 39, os números formam a sequência: 304

(39, 39 + r, 39 + 2r, 39 + 3r, 39 + 4r) O terceiro número desta sequência é igual a (39 + 2r) e está na mesma linha do número 87. Na linha do número 87, os números formam a sequência: (87 – 4k, 87 – 3k, 87 – 2k, 87 – k, 87) O terceiro número desta sequência é igual a (87 – 2k) e está na mesma coluna do número 39. Como os números que ocupam o mesmo lugar devem ser iguais, temos: 39 + 2r = 87 – 2k 2r + 2k = 87 – 39 2r + 2k = 48 r + k = 24 k = 24 – r Na linha do número 56, os números formam a sequência: (56, 56 + k, 56 + 2k, 56 + 3k, 56 + 4k) O terceiro número desta sequência é igual ao quarto número da coluna do número 39, ou seja: 56 + 2k = 39 + 3r 3r – 2k = 56 – 39 3r – 2k = 17 Substituindo a expressão k = 24 – r, temos: 3r – 2 . (24 – r) = 17 3r – 48 + 2r = 17 5r = 17 + 48 5r = 65 r = 13 Voltando à expressão k = 24 – r, obtemos o valor de k: k = 24 – 13 k = 11 O número X está à direita do último número da coluna do número 39. Como o último número da coluna do número 39 é igual a (39 + 4r), temos: X = 39 + 4r + k X = 39 + 4 . 13 + 11 X = 39 + 52 + 11 X = 102 RESPOSTA: ―E‖. Questão 247

Observemos que do ponto P ao R (onde o ciclo recomeça), do R ao S, do S ao T, etc. existem sempre 12 segmentos. Cada ciclo ocupa quatro unidades do eixo das abscissas (do 0 ao 4, do 4 ao 8, do 8 a 12, …). Como 96 = 12 x 7 + 10 e 7 x 4 = 28, ate o ponto U(28; 3) teremos 84 unidades. Dez unidades adiante chega-se no ponto Q(32; 1).

305

RESPOSTA: ―C‖. Questão 248 Supondo que os caminhos possam ser percorridos em qualquer sentido e sejam de comprimento mínimo, existem duas opções para sair de A e chegar em C: passando ou por B, ou por D. Passando por B, para cada uma das 8 opções de escolha de A até B, existem 6 caminhos de B até C. Logo, pelo princípio multiplicativo, existem: 8 . 6 = 48 caminhos passando por B Passando por D, para cada uma das 4 opções de escolha de A até D, existem 3 caminhos de D até C. Logo, pelo princípio multiplicativo, existem: 4 . 3 = 12 caminhos passando por D Como é possível ir ou por B, ou por D, utilizando o princípio aditivo, existem: 48 + 12 = 60 caminhos de A até C RESPOSTA: ―C‖. Questão 249 De acordo com a operação definida, temos: x*y=x.y+2.x x * y = x . (y + 2) Para x = 3 e y = −1, temos: x * y = 3 . (−1 + 2) x*y=3.(1) x*y=3 RESPOSTA: ―E‖. Questão 250 Se a caixa de bombons tinha inicialmente N bombons, então: 1) Após Victor comer um bombom e dar a metade do que sobrou para Pedro, este recebeu bombons. 2) Após Pedro comer um bombom e dar a metade do que sobrou para Ana, esta recebeu

3) Após Ana comer um bombom e dar a metade do que sobrou para Beatriz, esta (Beatriz no caso) recebeu ) Assim, RESPOSTA: ―A‖. Questão 251 O desconto de 15% sobre o valor recebido indica que cada funcionário receberá 85% do valor do prêmio e do abono. Paula acumulou mais de uma função em 4 meses, recebendo, em cada um deles, 320 reais, além do abono de 1250 reais. Logo, uma expressão numérica que representa a quantia que Paula deverá ganhar é dada por:

306

0,85 . (1250 + 4 . 320) RESPOSTA: ―E‖. Questão 252 Em 8 horas, cada juiz do nível I analisará 8 processos. Como são 2 juízes, serão analisados 2 . 8 = 16 processos. Em 8 horas, cada juiz do nível II analisará 4 processos. Como são 5 juízes, serão analisados 5 . 4 = 20 processos. Em 8 horas, cada juiz do nível III analisará 2 processos. Como são 10 juízes, serão analisados 10 . 2 = 20 processos. Logo, a quantidade total de processos analisados, considerando-se todos os juízes dos três níveis é igual a: 16 + 20 + 20 = 56 RESPOSTA: ―D‖. Questão 253 Sendo x a quantidade de panelas produzidas e vendidas mensalmente, tem-se: I) O custo de produção, em reais, é 9800 + 45x II) A receita obtida, em reais, com a venda é 65x III) O lucro, em reais, é 65x – (9800 + 45x) III) 65x – (9800 + 45x) = 20% . 65x ⇔ ⇔ 65x – 9800 – 45x = 13x ⇔ ⇔7x = 9800 ⇔ x = 1400 IV) A soma dos algarismos de x é 1 + 4 + 0 + 0 = 5 RESPOSTA: ―D‖. Questão 254 O número total, de alunos em certa disciplina, nessa escola, é 3 + 4 + 4 + 6 + 15 + 9 + 6 + 3 = 50 Desse total o número dos que obtiveram média maior ou igual a 6 é 15 + 9 + 6 + 3 = 33 A porcentagem de alunos aprovados é RESPOSTA: ―E‖. Questão 255 Considerando a quantidade mínima de pessoas na festa (1000) e a quantidade mínima de homens (60% do numero de mulheres), a quantidade (h) de homens e (m) de mulheres são tais que: ,

Assim, a quantidade mínima de homens na festa e 375. A previsão estará errada se o numero de homens presentes na festa for igual a 360, pois 360 < 375. A quantidade máxima não pode ser estabelecida, pois não se conhece o numero real de publico. RESPOSTA: ―A‖. Questão 256 Os possíveis resultados (produtos) obtidos no lançamento dos dois dados estão na tabela a seguir:

307

Branco /vermelho -2 -1 0 1

-1

0

1

2

2

0

-2

-4

1 0 -1

0 0 0

-1 0 1

-2 0 2

Dos 16 casos possíveis, o numero de modos distintos em que os resultados dos dados levam a um retrocesso, corresponde ao numero de produtos negativos, num total de cinco. RESPOSTA: ―B‖. Questão 257 Notando que os maiores números no interior de cada pentágono (5, 10, 15,…) formam uma progressão aritmética de razão 5, temos: 6650 = 5 + (n – 1) . 5 n = 1330 Logo, o numero 6652 pertence ao pentágono P1331, e 1331 é divisível por 11. RESPOSTA: ―E‖. Questão 258 Sendo 9,0, 8,0, 7,0 e 5,0 as notas bimestrais do aluno, sua media ponderada será:

Como 3 < 6,75 < 7, o aluno fara recuperação. RESPOSTA: ―C‖. Questão 259 Sem perda de generalidade, vamos considerar que na repartição trabalham 100 servidores. Se 60% de todos os servidores possuem curso superior, então 60 servidores possuem curso superior. Se 80% desses 60 servidores, ganham mais que 7000 reais, temos: 0,80 . 60 = 48 Assim, 48 servidores têm curso superior e ganham mais que 7000 reais. Por outro lado, 64% de todos os servidores, ou seja, 64 servidores ganham mais que 7000 reais. A diferença entre a quantidade total de servidores que ganham mais que 7000 reais (64) e a quantidade de servidores que possuem nível superior e ganham mais que 7000 reais (48) é igual à quantidade de servidores que possuem somente formação de Ensino Médio e ganham mais que 7000 reais, ou seja: 64 – 48 = 16 Considerando-se o universo dos servidores que possuem somente a formação do Ensino Médio (40 servidores), o percentual dos que ganham mais que 7000 reais é dado por: 16/40 = 0,40 = 40% RESPOSTA: ―C‖. Questão 260 Observe uma possível ilustração sobre a trajetória da formiga:

308

Utilizando o teorema de Pitágoras no triângulo destacado, temos: 8 = 4 + x2 8 – 4 = x2 4 = x2 22 = x2 x = 2 (x > 0) Utilizando simetria também poderíamos concluir que a medida da distância do ponto P ao ponto V nada mais é do que a medida do lado do quadrado. RESPOSTA: ―C‖. Questão 261 Seja (a1; a2; a3; a4; a5) a tal sequência numérica. Das informações dadas, temos:

{

{

{

Dessa forma, RESPOSTA: ―D‖. Questão 262 Sejam V o valor que Paulo dispunha para comprar os livros e x o preço unitário do livro. Se comprando 15 livros sobraram 38 reais, então: V = 15x + 38 Se comprando 16 livros faltaram 47 reais, então: V = 16x – 47 Igualando as equações, temos: 16x – 47 = 15x + 38 16x – 15x = 38 + 47 x = 85 Se cada livro custava 85 reais, para encontrar o valor que Paulo dispunha basta substituir x por 85 em qualquer uma das equações anteriores. Substituindo na primeira, por exemplo, temos: V = 15x + 38 V = 15 . 85 + 38 V = 1313 Portanto, Paulo possuía 1313 reais.

309

RESPOSTA: ―D‖. Questão 263 I) Primeiramente observemos que a quantidade de quadradinhos em cada posição são termos da progressão aritmética (2; 3; 4; …) cujo termo ) II) Quando a quantidade de quadrados for par o numero de quadrados cinzas e pretos são iguais, e quando for impar existe um quadrado preto a mais que a quantidade de quadrados cinzas. Assim, na 96ª figura existem 49 quadrados pretos e 48 quadrados cinzas, totalizando 97 quadrados. RESPOSTA: ―C‖. Questão 264 Sejam a, b e c as quantias, em reais, dos sócios A, B e C, respectivamente. {

{ )

Logo, os sócios A, B e C entraram com quantias de R$ 10 000,00, R$ 20 000,00 e R$ 70 000,00, respectivamente, e o valor absoluto da diferença entre as quantias de A e B é R$ 10 000,00 – R$ 20 000,00= R$ 10 000,00 RESPOSTA: ―A‖. Questão 265 Início: 1800 1º dia: Perdeu , ou seja, sobrou 1800 – 900 = 900 2º dia: Ganhou , ou seja, ficou com 900 + 720 = 1620 3º dia: Perdeu , ou seja, ficou com 1620 – 720 = 900 Logo, ao final do terceiro dia Renato ficou com 900 reais. RESPOSTA: ―D‖. Questão 266 Sendo d e v, respectivamente, o numero de moedas de dez e o numero de moedas de vinte e cinco centavos que Joao possui, com d e v, obviamente naturais, temos: 0,10 . d + 0,25 . v = 1,95

2d + 5v = 39

A tabela a seguir mostra todas as soluções naturais dessa equação. v

D

1 3 5 7

17 12 7 2

Total de moedas 18 15 12 9

Assim, a quantidade mínima de moedas que João possui e 9. RESPOSTA: ―E‖. 310

Questão 267 A média aritmética de 5 números é igual à soma dos 5 números dividida por 5. Assim, se a média aritmética dos números 19, 15, 17, 21 e n é igual a 19, então:

95 = 72 + n 95 – 72 = n n = 23 Ordenando o conjunto dos cinco números, temos: (15, 17, 19, 21, 23) Em um conjunto com cinco números (ímpar), a mediana é igual ao termo central do conjunto ordenado, ou seja, a mediana é igual a 19. RESPOSTA: ―A‖. Questão 268 Nessa questão temos o seguinte: Retângulo I: área = A.B Retângulo II: área = (1,2.A).(0,8.B) = 0,96.A.B Retângulo III: área = (0,8.A).(1,2.B) = 0,96.A.B RESPOSTA: ―D‖. Questão 269 Sejam: d o comprimento da pista, em metros; t o tempo, em segundos, entre um encontro eo encontro seguinte; P0; P1; P2; …; Pm, com m N*, os pontos de encontro entre os dois veículos, sendo P0 e Pm o ponto P, e n, com n N*, o número de voltas que o veículo mais lento completa até que ambos se encontrem novamente em P. temos: 1) d = 5t + 9t = 14t 2) Como a distância percorrida pelo veículo mais lento entre Pi e Pi + 1, com i {0; 1; 2; …; m – 1} é sempre 5t, até encontrarem-se novamente em P esse veículo andou 5tm e girou n voltas. Assim 5tm = 14t . n ⇒ m = Os menores valores inteiros não-nulos que satisfazem tal equação são n = 5 e m = 14. 3) Assim, após o ponto de partida é no décimo quarto encontro que eles estarão novamente no ponto P. Portanto, sem contar os encontros de partida e chegada houve treze encontros. RESPOSTA: ―E‖. Questão 270 Vamos organizar as informações: Ano 0: Valor da bicicleta: X Valor da moto: 2X Valor da carro: 4X

311

Ano 1: Valor da bicicleta: X - 0,1X = 0,9X Valor da moto: 2X - 0,3.2X = 2X - 0,6X = 1,4X Valor da carro: 4X - 0,2.4X = 4X - 0,8X = 3,2X Ano 2: Valor da bicicleta: 0,9X - 0,1.0,9X = 0,9X - 0,09X = 0,81X Valor da moto: 1,4X - 0,3.1,4X = 1,4X - 0,42X = 0,98X Valor da carro: 3,2X - 0,2.3,2X =3,2X - 0,64X = 2,56X Ano 3: Valor da bicicleta: 0,81X - 0,1.0,81X = 0,81X - 0,081X = 0,729X Valor da moto: 0,98X - 0,3.0,98X = 0,98X - 0,294X = 0,686X Valor da carro: 2,56X - 0,2.2,56X =2,56X - 0,512X = 2,048X Aqui já podemos parar de calcular. Analisando as RESPOSTAs, vemos que a única possível é a letra "e". Vejamos: a) nenhum dos 3 valerá nada. -> Essa RESPOSTA: é impossível pois todos três terão algum valor, já que a cada ano eles perdem uma porcentagem do valor do ano anterior. b) o carro valerá mais que a moto e a moto valerá mais que a bicicleta. Essa RESPOSTA: também é impossível, pois vimos que no ano 3 a bicicleta já vale mais que a moto. c) apenas a bicicleta valerá algo. Essa RESPOSTA: é impossível, pois todos três terão algum valor, já que a cada ano eles perdem uma porcentagem do valor do ano anterior. d) a bicicleta valerá mais que o carro. Poderíamos até ficar em dúvida em relação a esta RESPOSTA: , porém vemos que a letra "e" logo abaixo está correta e, portanto é a RESPOSTA da questão. e) a bicicleta valerá mais que a moto. Vemos no ano 3 que o valor da bicicleta já é maior que o valor da moto. Poderíamos também escrever as equações dos três veículos: Bicicleta: X(1-0,1)n Moto: 2X(1-0,3)n Carro: 4X(1-0,2)n Onde n é o ano em que se quer saber o valor do automóvel Calculando o valor de cada um para o ano 5 temos: Bicicleta: X(1-0,1)5 = X.(0,9)5 = X.(0,81.0,729) = 0,59049X Moto: 2X(1-0,3)5 = 2X.(0,7)5 = 2X.(0,49.0,343) = 2X.(0,16807) = 0,33614X Carro: 4X(1-0,2)5 = 4X.(0,8)5 = 4X.(0,64.0,512) = 4X.(0,32768) = 1,31072X RESPOSTA: ―E‖. Questão 271 Nessa questão, devemos analisar cada RESPOSTA. a) 3 = 4 e 3 + 4 = 9; Reescrevendo: F ^ F que possui valor lógico falso. b) Se 3 = 3, então 3 + 4 = 9; Reescrevendo: V F que possui valor lógico falso. c) Se 3 = 4, então 3 + 4 = 9; Reescrevendo: F F que possui valor lógico verdadeiro. d) 3 = 4 ou 3 + 4 = 9; Reescrevendo: F v F que possui valor lógico falso. e) 3 = 3 se e somente se 3 + 4 = 9; Reescrevendo: V F que possui valor lógico falso. RESPOSTA: ―C‖. Questão 272 312

Nessa questão devemos aplicar a seguinte propriedade dos determinantes: Multiplicando-se (ou dividindo-se) os elementos de uma fila por um número, o determinante fica multiplicado (ou dividido) por esse número. Entende-se por fila qualquer linha ou coluna de uma matriz. Resolvendo a questão, temos que: det = 2.(-1).X = -2X; RESPOSTA: ―B‖. Questão 273 Sendo c, b e r, respectivamente os preços de um chiclete, uma bala e um refrigerante, temos {

{

Fazendo (I) – (II), membro a membro, temos: c + b + r = 1,05 Dessa forma, o preço de um chiclete, uma bala e um refrigerante é igual a R$ 1,05. RESPOSTA: ―D‖. Questão 274 Sendo o triângulo ABC, retângulo em C, então, os lados AC e BC serão os catetos desse triângulo retângulo e, AB, sua hipotenusa. Para determinarmos a distância que a esfera percorreu até atingir o solo, devemos determinar o comprimento AB desse triângulo retângulo, ou seja, sua hipotenusa. Sendo dado o ângulo de 30º referente ao vértice B, logo chamaremos o lado AC de cateto oposto a esse ângulo de 30º. Assim, utilizando-se da relação do seno desse ângulo, tem-se:

É sabido que sen 30º = 0,5 e que, o cateto oposto a esse ângulo, (lado AC) vale 2 m, logo, teremos, para o lado AB:

RESPOSTA: ―C‖. Questão 275 Para determinarmos a potência de uma matriz quadrada, utilizamos dos seguintes passos: 1º passo: achar o determinante da matriz quadrada de ordem 2. (

)

2º passo: elevar a 5ª potência o determinante encontrado. ) RESPOSTA: ―E‖. Questão 276 A probabilidade a ser encontrada será expressa por: P(H∩H∩H) ou P(M∩M∩M). Se o grupo é composto por um total de 10 analistas (espaço amostral), sendo 6 homens e 4 mulheres, então teremos

313

a seguinte possibilidade:

P(H∩H∩H) RESPOSTA: ―D‖. Questão 277 1º passo: organizar as grandezas semelhantes em colunas, denotando o significado de cada uma delas. Serviço tempo (dias) funcionários 120 m² 2 6 210 m² 3 x 2º passo: verificar se as demais grandezas, em relação à grandeza onde se encontra a variável ―x‖, se são diretamente ou inversamente proporcionais as mesmas. Inicialmente, devemos observar que a grandeza que se encontra a variável ―x‖ é o tempo. - serviço x tempo: grandezas diretamente proporcionais já que, aumentando-se a quantidade de serviço, aumentará o tempo de trabalho. - operários x tempo: grandezas inversamente proporcionais já que, aumentando-se o tempo de serviço, diminuirá a quantidade de funcionários. 3º passo: simplificar se possível, os valores das grandezas que se encontram em uma mesma coluna, ambos por um mesmo valor. Serviço 120 m² 210 m²

(/30) (/30)

tempo (dias) 2 3

funcionários 6 x

Após as simplificações Serviço tempo (dias) funcionários 4 m² 2 6 7 m² 3 x 4º passo: utilizar qualquer método resolutivo.

RESPOSTA: ―E‖. Questão 278 Inicialmente, determinaremos a constante de proporcionalidade. É sabido que, o valor da multa, em reais, é diretamente proporcional ao volume de petróleo derramado, em barris, ao tempo de duração do derramamento, em semanas, e à área da região afetada, ou seja:

Se determinada empresa petroleira deixar vazar, por 3 semanas, 4 mil barris de petróleo bruto, causando a contaminação de 950 km² de superfície marítima, será, em decorrência disso, multada em R$ 5.000.000,00. Portanto, teremos: ) Determinando o valor da multa, que resultou no derramamento de dezenove mil barris de petróleo, afetando uma área de 120 km², com uma semana de derramamento foi de:

314

Portanto, um valor superior a R$ 900.000,00. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 279 Consideraremos o seguinte valor da multa inicial: Aumentando a área em 10%, teremos: Af = (100% + 10%).Ai ou Af = 110%.Ai

RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 280 Sendo o reajuste total é 15,8% então teremos um fator de correção de 100% + 15,8% = 115,8% (1,158). Para o cálculo do novo salário, em 2015, multiplicaremos esse fator decimal de correção, pelo valor atual (de 2012) do seu salário que é de R$ 10.000,00, assim, teremos: 1,158 x R$ 10.000,00 = R$ R$ 11.580,00 Valor esse, superior a R$ 11.500,00 RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 281 A proporção mencionada no texto é de 2 para 1 (2 : 1), ou seja, para certo quantitativo de pessoas dessa vila teremos que dividir esse total por ―3‖ e tomar 2 partes para os homens e 1 parte para as mulheres, logo, a única quantidade que é múltiplo de 3 é o valor 48 da RESPOSTA: (A). RESPOSTA: ―A‖. Questão 282 Pelo algoritmo da divisão de números naturais, tem-se: Sejam a, b N com b 0. Então, existem e são únicos os números naturais q e r tais que: a = b.q + r, onde 0 r

|b|

Teremos:

RESPOSTA: ―B‖. Questão 283

315

Podemos observar que os elementos do conjunto A (1; 2) estão contidos no conjunto B (1; 2; 3), ou seja, o conjunto A está contido no conjunto B (―A B‖). E, por conseguinte, os elementos do conjunto B (1; 2; 3) estão contidos no conjunto C (1; 2; 3; 4), ou seja, o conjunto B está contido no conjunto C. Se A A

B B

C. Assim, teremos: C

RESPOSTA: ―A‖. Questão 284 A única RESPOSTA: incorreta é a E, pois, consideraremos os seguintes conjuntos: {

.

Logo, podemos observar que o conjunto ―A‖ está contido no conjunto ―B‖, ou seja, simbolicamente, ―A

B‖.

Agora, devemos provar que A

B

(A ∪ B) = A.

A ∪ B={1;2;3}∪{1;2;3;4;5;6;7;8}={1;2;3;4;5;6;7;8} RESPOSTA: ―E‖. Questão 285 Chamaremos de ―x‖ o valor contribuído por cada um dos 30 alunos para a compra do presente para a professora. Nesse caso se 30 alunos comprassem o presente, eles teriam pagado uma quantia de: ―30x‖. Porém, como 5 alunos não participaram dessa contribuição, então, o presente foi comprado por, apenas, 25 alunos (30 – 5) o que acarretou num acréscimo individual de R$ 6,00 para cada um dos que contribuíram, custando o presente, nessas condições, uma valor de: ―25(x + 6)‖. Sabendo-se que o valor do presente não sofreu variação em seu valor, então, tem-se a seguinte relação: 30x = 25.(x + 6) ) Portanto, o valor pago por aqueles que compraram o presente foi de: Valor pago: 25(x + 6) = 25.(30 + 6) = 25.36 = R$ 900,00. RESPOSTA: ―B‖. Questão 286 O conjunto complementar de C em V (V\C) equivale a V – C. Logo, (V\C) ∩ A será um conjunto nãovazio, pois existirão mulheres que pertencerão, simultaneamente, aos dois conjuntos: (V – C) e A. Considerando: V = 100% A = 31% + 23% = 54%, B = 61%, e C = 48% V – C = 100% – 48% = 52% AU (V – C) = 52% + 54% = 106%, o que prova que existem elementos em comum, logo a intersecção entre esses conjuntos não poderá ser o conjunto vazio. RESPOSTA: ―CERTA‖.

316

Questão 287 n(BUC) = n(B) + n(C) – n

Se V = 100%, então V

{

(BUC), pois 100%

) ) ∩ ) 94%.

RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 288 (V\A) = V – A = 100% – 54% = 46%. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 289 Tem-se que 20 horas equivale a 20x60 minutos = 1200 minutos. Se 1 minuto custa R$ 0,15, então esse empregado não ultrapassou o limite estabelecido. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 290 Tem-se que 15 horas equivale estabelecido, então o empregado ainda dispõem de R$ R$ 65,00, o que representa uma fração do total de R$ 200,00, de:

Portanto, ele disporá de MENOS de um terço do limite estabelecido pela empresa. RESPOSTA: ―ERRADA‖. Questão 291 Se o empregado pagou R$ 70,00 de ligações excedentes, então o total de gastos nesse mês foi, pagos pela empresa X, foi de: R$ 200,00 + R$ 70,00 = R$ 270,00. Se 1 minuto custa R$ 0,15, logo, 1 hora custará R$ 0,1560 minutos=R$ 9,00: Assim, o total de horas desse empregado foi de:

Portanto, esse empregado, utilizou o celular da empresa, uma hora por dia. RESPOSTA: ―CERTA‖. Questão 292 O valor total das ligações será dado pela seguinte relação entre os valores das tabelas acima: Mesma cidade: Celular: 6 x 0,20 = R$ 1,20 Fixo: 3x 0,15 = R$ 0,45 Rádio: 1x 0,20 = R$ 0,20 Total = R$ 1,20 + R$ 0,45 + R$ 0,20 = R$ 1,85 Cidade distinta: Celular: 7 x 0,50 = R$ 3,50 Fixo: 1x 0,30 = R$ 0,30 Rádio: 3x 0,20 = R$ 0,60 Total = R$ 3,50 + R$ 0,30 + R$ 0,60 = R$ 4,40

317

Total entre as cidades: R$ 1,85 + R$ 4,40 = R$ 6,25 Fazendo o produto A × B, entre as matrizes, teremos: *

+ [

]

[

]

[

]

Portanto, o total a ser pago corresponde, somente, à soma dos valores encontrados na 1ª linha (R$ 1,85 + R$ 4,40) da matriz resultante ou a matriz produto de A × B, e não de todas as entradas da matriz A × B. Logo, esse item está ERRADO. Questão 293 Podemos pensar o seguinte: Se temos 10 atletas e só um pode ser o campeão, 9 têm que ser eliminados e um não. Então esses 9 têm que perder 3 lutas cada um. Isso só pode acontecer se ocorrerem no mínimo: 9.3 = 27 lutas Mas o campeão pode perder no máximo 2 lutas sem ser eliminado, então podemos ter mais duas lutas além das 27. 27 + 2 = 29 lutas. Basta saber se é possível acontecer isso. Bom, imagine que o campeão comece a lutar com todos. quando ele ganha 3 lutas o adversário é eliminado. Então ele elimina 8 adversários, ou seja 24 lutas. Aí só falta ele eliminar um, mas ele pode perder 2 lutas para este e tem que ganhar 3. São 5 lutas. Mais as outras 24 lutas, dá 29. RESPOSTA: ―C‖.

Questão 294 O menor número ímpar de B é 135 (1 + 3 + 5 = 9) e o maior número par de B é 810 (8 + 1 + 0 = 9). Portanto, a soma pedida é 135 + 810 = 945. RESPOSTA: ―E‖. Questão 295 Chamemos de x a quantidade varrida pela turma que tem menos de 25 anos. Então, a quantidade do pessoal que tem de 25 a 45 é, segundo o enunciado, 3/4 de x. Como foi dado que esse pessoal de 25 a 45 anos varrerá 210m, temos que: 3/4 . x = 210 x =280 Além disso, foi dado que o pessoal mais velho (mais de 45 anos) varrerá 2/5 dos que varrem aqueles que têm de 25 a 45 anos, ou seja, 2/5 de 210, o que é igual a 84m. Assim, temos: Menos de 25: 280 De 25 a 45: 210 Mais de 45: 84 Agora é calcular de acordo com as idades das pessoas: 2 X 280 + 3 X 210 + 84 = 1.274m. RESPOSTA: B.

318

Questão 296 1º filho: 13 anos 2º filho: 17 anos 3º filho: 19 anos 4º filho: 23 anos Desses valores, apenas o 13, o 19 e o 23 são divisores de 85.215. Logo, a quantia deverá ser dividida por três: 85.215,00 ÷ 3 = R$ 28.405,00 RESPOSTA: ―C‖. Questão 297 Na coluna Q os valores serão invertidos, pois a questão pede o não Q. Porém, a coluna P não modificará. No bicondicional só será V se os valores lógicos forem iguais (o que acontecerá na segunda e terceira linha). F V =F V V=V F F=V V F=F RESPOSTA: ―D‖. Questão 298 O próximo encontro se dará após um tempo que corresponde ao m.m.c. de 78 e 84. Calculando o m.m.c.(78;84) encontramos 1.092, ou seja, o encontro ocorrerá após 1.092 minutos. Mas 1.092 equivale a 18h 12min. Como o 1º encontro se deu às 5h 30min, o próximo será às 23h 42min. RESPOSTA: ―D‖.

Questão 299 O tempo decorrido entre as duas informações do problema é de 34 meses e a diferença dos valores, para o mesmo período, é de R$ 1. 700,00, o que significa que o rendimento mensal é de

Aplicando esse resultado em qualquer um dos montantes informados, teremos: R$ 7. 050,00 é o resultado (montante) da aplicação do capital (C) por 21 meses (t), com rendimento de R$ 50,00 ao mês. M=C+J 7050 = C + 21 x 50 7050 = C + 1050 C = 7050 – 1050 C = 6000 RESPOSTA: ―D‖. Questão 300 Antes: disputadas=N Vencidas=0,7 N Depois:

disputadas=N+x

319

Vencidas=0,7N+x Então temos, RESPOSTA: ―E‖. Questão 301 Admitindo um salário de R$ 100,00 /em setembro, teríamos: SETEMBRO: 100,00 OUTUBRO: 160,00 NOVEMBRO: 100,00 Observe, assim, que em relação a outubro, houve uma queda de 60,00. Em termos percentuais, temos: Queda = 60,00 ∕ 160,00 = 0,375 = 37,5% RESPOSTA: ―C‖. Questão 302 a + b + c = 98.765 (este é o maior número inteiro de 5 algarismos distintos) Somando a cada um destes valores a, b e c, o maior inteiro de três algarismos, a nova soma seria: a + 999 + b + 999 + c + 999 = a + b + c + 3×999 = 98.765 + 2.997 = 101.762 RESPOSTA: ―E‖. Questão 303 Seja o número inteiro positivo N. Se dividimos N por 13, encontramos um quociente igual ao resto, temos que: N = 13.q + q N = 14.q Ora, para encontrarmos o maior número N que satisfaz tal condição, precisamos imaginar o maior valor para q. Como a divisão é por 13, o maior valor para o resto é 12. Portanto: N = 14 x 12 = 168 Logo, a soma dos algarismos é igual a 1 + 6 + 8 = 15 RESPOSTA: ―B‖. Questão 304 Chamaremos de x o preço do veiculo A e de y o preço do veiculo B. Em dezembro, o veiculo A teve um aumento de 10% sobre o preço atual x. Portanto, o novo preço de A é (x + 10%.x) = 1,1x. O veiculo B teve um aumento de 15% sobre o preço y. Logo, o novo preço de B é (y + 15%.y) = 1,15y. Esses dois aumentos nos veículos proporcionou uma igualdade nos seus valores. Com isso, podemos afirmar que 1,1x = 1,15y. Em janeiro, houve uma redução de 20% e 10% nos veículos A e B, respectivamente, sobre seus novos preços. Então: O veiculo A valerá 80% do valor de dezembro, ou seja, (80%.1,1x) = 0,88x. E o veiculo B valerá 90% do valor de dezembro, ou seja, (90%.1,15y) = 1,035y. Para saber o que o veiculo B fez para superar o valor ao veiculo A, basta fazer a razão (divisão) do valor final do veiculo B e do valor final do veiculo A. Vejamos:

320

Logo, o valor do veiculo B é 0,125 ou 12,5% maior do que o valor do veiculo A. RESPOSTA: ―C‖. Questão 305 Veja que o enunciado fala de homens e mulheres em uma sala. Mas a pergunta final é feita sobre a quantidade de homens (quantos saíram da sala). Portanto, o primeiro passo é descobrir quantos homens há na sala para que possamos encontrar a RESPOSTA desejada. Homens na sala: Alguns homens saíram da sala (X homens), fazendo com que 80% das pessoas na sala sejam de homens, (pois as mulheres passaram a representar 20% do total). Daí, como tinha 180 homens, vão embora alguns, fazendo com que os que fiquem correspondam a 80% do total que restou (200 menos os homens que saíram). Veja: )

RESPOSTA: ―E‖. Questão 306 Probabilidade: 60% + 40% = 100% A diferença entre os 2 é G - C = 6 G-C=6 60x/100 - 40x/100 = 6 6x/10 - 4x/10 = 6 6x - 4x = 60 2x = 60 x = 60/2 x = 30 1 dúzia = 12 2 dúzia e 1/2 = 30 RESPOSTA: ―D‖. Questão 307

Somando o oitavo com o décimo 40+121 = 161 RESPOSTA: ―A‖. Questão 308

321

RESPOSTA: ―D‖. Questão 309 3², 4², 5², 6²,7² RESPOSTA: ―B‖. Questão 310 Observe que: a dezena mais próxima de 7+ 29 é quarenta; A dezena mais próxima de 8+11 é vinte; A dezena mais próxima de 3+ 31 é trinta; A dezena mais próxima de 5+ 73 é oitenta; A dezena mais próxima de 6 + 52; sessenta. RESPOSTA: ―B‖. Questão 311 Basta acompanhar as setas…

RESPOSTA: ―A‖. Questão 312 Artur: O número de documentos do lote é maior que 50 e menor que 75. Bento: O número de documentos do lote é maior que 60 e menor que 80. Cinira: O número de documentos do lote é maior que 70 e menor que 100. O número de documentos pertence ao conjunto {71, 72, 73, 74}. A soma desses possíveis valores é 290. RESPOSTA: ―B‖. Questão 313 Considere que Rui possui r bolas, Tânia possui t bolas e que sejam p bolas pretas. Como o total de bolas é 18+19+21+23+25+34=140, então:

Sabemos ainda que: Substituindo a segunda equação na primeira temos:

322

Como r é um número inteiro, então 140-p deve ser múltiplo de três. Testando todas as possibilidades, concluímos que a única RESPOSTA que resulte em r inteiro e múltiplo de 3 é 23. RESPOSTA: ―D‖. Questão 314 Temos uma questão típica de Mínimo Múltiplo Comum – MMC: Lembre-se de que a ideia de múltiplo é de repetição, pois os múltiplos de um número qualquer é o produto deste número por todos os números do conjunto dos naturais. Do enunciado, tem-se: - X realiza concurso de 1,5 em 1,5 anos, ou seja, a cada 18 meses; - Y realiza concurso de 2 em 2 anos, ou seja, a cada 24 meses; - Z realiza concurso de 3 em 3 anos, ou seja, a cada 36 meses; Logo,

Transformando meses em anos e logo em seguida somando-se o resultado encontrado ao ano em questão, temos:

RESPOSTA: ―D‖. Questão 315 Trata-se de uma questão de regra de três composta: o candidato deve ser prático, rápido e coerente no desenvolvimento da questão. 1) Perceba as grandezas envolvidas e retire-as; 2) Retire os dados relativos às grandezas, monte uma tabela; 3) Fixe uma seta começando do valor desconhecido e compare todas as outras grandezas com esta – se são diretamente ou inversamente proporcionais; 4) Encontre o valor desconhecido, que será igual ao número que está junto a ele, multiplicado pelos que estão no início das setas e dividido por quem estão no final.

323

RESPOSTA: ―C‖. Questão 316 Se 1 m³=1000 litros, logo 2760m³=2760 litros. Para completar a caixa d‘água faltam 2/5. Se cada parte desta vale 2760 dividido por 5 que é igual a 552 litros. Portanto, pra completar a caixa d‘água faltam 1104litros. RESPOSTA: ―B‖. Questão 317 Veja que a quantidade de projetos deve ser divisível por 5 e por 7, ou seja, deve ser divisível por 35. Agora note que o gabarito oferece intervalos, e pede aquele que NÃO poderia ser tal número, ou seja, aquele intervalo que NÃO contém um múltiplo de 35. Finalmente, observe que a amplitude do intervalo150 e 170 é inferior aos 35, e, portanto, nunca poderia conter um múltiplo de 35. RESPOSTA: ―D‖. Questão 318 Temos que: Isso significa que, dividindo-se a quantidade de pessoas em 8 partes, 3 delas seriam de mulheres e 5 partes seriam de homens. Portanto, o total de pessoas deve ser um número divisível por 8, inferior a 250 e o maior possível. Esse número é 248, que dividido por 8 resulta em 31 (cada parte). Temos, então, 31×3=93 mulheres e 31×5=155 homens. A diferença, portanto vale 155 – 93 = 62. RESPOSTA: ―E‖. Questão 319 Para percorrer 245km, ele precisou de 245/14 = 17,5 litros de gasolina. Essa quantidade corresponde à diferença de volumes no marcador, ou seja: Considerando x a capacidade do tanque, temos:

RESPOSTA: ―D‖. Questão 320 Inicialmente, precisamos calcular a quantidade de homens e mulheres. Acompanhe:

Agora, para que a quantidade de grupos seja a menor possível, devemos ter o máximo de pessoas em cada grupo. Portanto, teremos que encontrar o M.D.C. de 40 e 32. Calculando o M.D.C.(40;32) encontramos 8. Assim, teremos 40/8 = 5 grupos de homens e 32/8 = 4 grupos de mulheres, cada grupo com 8 pessoas, e um total de 5 + 4 = 9 grupos. Como o atendimento será de 1 grupo por dia, serão necessários 9 dias. RESPOSTA: ―C‖. Questão 321

324

Observe que a expressão pode ser fatorada assim: )

)

)

RESPOSTA: ―E‖. Questão 322 Precisamos transformar as dízimas em frações para facilitar a resolução:

RESPOSTA: ―C‖. Questão 323 A questão 2 sai pelo principio multiplicativo. Os números são 0,2,4,6,8 e devemos formar 3 números distintos. No primeiro algarismo temos 4 opções (o zero fica fora), na segunda temos mais 4 opções (desta vez o zero conta, porem fica fora o número escolhido anteriormente) e consequentemente na terceira 3 opções. 4.4.3 multiplicando as possibilidade temos: 4*4*3 = 48. RESPOSTA: ―A‖. Questão 324 Nessa questão temo seguinte: 40% da população adulta é fumante; logo, 60% da população adulta é não-fumante. 40% dos adultos fumantes são mulheres; ou seja, 40% de mulheres, de um total de 40% de adultos fumantes, o que resulta em 16% da população adulta é mulher e fumante. 60% dos adultos não-fumantes são mulheres; ou seja, 60% de mulheres, de um total de 60% de adultos não-fumantes, o que resulta em 36% da população adulta é mulher e não-fumante. Portanto, do total da população adulta, 16% são mulheres fumantes e 36% são mulheres não fumantes, resultando em uma população adulta de 52% de mulheres. Com isso, a probabilidade de uma pessoa adulta da cidade escolhida ao acaso ser uma mulher é de 52%. RESPOSTA: ―A‖. Questão 325 Utilizando as informações da questão anterior temos: Percentual de mulheres adultas do total de adultos: 52%. Percentual de mulheres adultas fumantes do total de adultos: 16%. Percentual de mulheres adultas fumantes do total de mulheres adultas: 16%/52% = 4/13. RESPOSTA: ―C‖. Questão 326 Temos que associar cada um deles com seus valores.

325

1. Quando João diz a quem tem y reais que o outro tem x reais, podemos concluir que João não tem nem x nem y reais, ok? Logo, João tem z reais. Depois, quando Luís disse a quem tem x reais, então o próprio João não tem x reais. Conclusão: Luís tem y reais e, por exclusão, Pedro tem x reais. Para finalizar, se Pedro é o que tem menos reais, ou seja, o menor dos 3 valores é x, o único cálculo que nos dá a GARANTIA de ser positivo é quando diminuímos z por x. RESPOSTA: ―E‖. Questão 327 Passo 1 :quantos anos temos: O intervalo é do ano de 2014 a 3000. Logo: Diferença = 3000 - 2014 + 1 = 986 + 1 = 987 anos Passo 2 :a cada 4 anos temos (teoricamente) 1 bissexto Logo, Bissextos = 987 / 4 = quociente 246 e resto 3. Teoricamente, teríamos 246 anos bissextos. Porém, pela própria regra colocada na questão, temos que eliminar os ano que são múltiplos de 100 e simultaneamente não são múltiplos de 400. Dessa lista, temos: Eliminar = 2100 - 2200 - 2300 - 2500 - 2600 - 2700 - 2900 = 7 anos Assim: Total = 246 - 7 = 239 anos bissextos RESPOSTA: ―C‖. Questão 328 I) a – b = 1 ⇔ a = b + 1 II) (ab)² = caab o algarismo das unidades de b2 e b b = 1 ou b = 5 ou b = 6 III) b ≠ 1, pois se b = 1, então a = 2 e (21)² = 441 < 1000 IV) b ≠ 5, pois se b = 5, então a = 6 e 65² = 4225 ≠ c665. V) b = 6, então a = 7 e c = 5, pois (76)² = 5776 VI) a = 7, b = 6 e c = 5 100c + 10b + a = 500 + 60 + 7 = 567 RESPOSTA: ―B‖. Questão 329

RESPOSTA: ―D‖. Questão 330

RESPOSTA: ―B‖. Questão 331 Total de atendimentos=x 70%x (restante)

326

14%70%x=588

Logo, o total de necropsias será

RESPOSTA: ―E‖. Questão 332 a
View more...

Comments

Copyright © 2017 KUPDF Inc.
SUPPORT KUPDF